Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

lusiadas_vs_mensagem

No description
by

Sara Marques

on 4 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of lusiadas_vs_mensagem

Estrutura da Apresentação
Objetivo
Português - Módulo 10: Textos Épicos e Textos Épico-Líricos
Objetivos
Demonstrar e transmitir os resultados da análise dos excertos
Biografia dos Autores
Mariana Carlos
Soraia Silva
Sara Ajuda
Os Lusíadas Vs Mensagem
Conclusão
Excertos Interpretados
Obras e o seu objetivo
Biografia dos Autores
D. Dinis
Diferenças
Semelhanças
Nasce por volta de 1525 em Coimbra ou Lisboa
Morre a 10 de Junho de 1580
Em 1569, chega a Lisboa e três anos depois, publica
Em 1547, ingressa no Exército da Coroa de Portugal
1572 - Época Renascentista
Benefícios dos descobrimentos
Intenção do autor:
elogiar e imortalizar os portugueses pelos atos heróicos
Estrutura:
Estrutura Interna:
PROPOSIÇÃO:
DEDICATÓRIA
NARRAÇÃO
INVOCAÇÃO
Plano da Viagem
Plano da História
Plano dos Deuses
Plano do Poeta

Estrutura Externa:
10 cantos com número variável de estrofes
Rima cruzada (6 primeiros versos) e emparelhada (nos 2 últimos)
Possuem 10 sílabas métricas
Estrofes são oitavas
Na noite escreve um seu Cantar de Amigo
D. Dinis
É a voz da terra ansiando pelo mar.
É o som presente desse mar futuro,
E a fala dos pinhais, marulho obscuro,
Busca o oceano por achar;
Arroio, esse cantar, jovem e puro,
ondulam sem se poder ver.
É o rumor dos pinhais que, como um trigo
E ouve um silêncio múrmuro consigo:
O plantador de naus a haver,
Nasce em Lisboa a 13 de junho de 1888.

Em 1914 cria diversos heterónimos como Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos.

Lança a revista Orpheu, em 1915, que dá origem ao Modernismo em Portugal.
1934 - Modernismo
Crise económica
Estrutura:
Primeira Parte:

Segunda Parte:

Terceira Parte:
claros lumes.
Em constituições, leis e costumes,
(Alcançada já a paz áurea divina)
Com este o
Da liberalidade Alexandrina.
Com quem a
estirpe nobre e dina,
que bem parece
Do bácaro e do sempre verde louro.
Aqui as capelas dá tecidas de ouro,
"Fez primeiro em Coimbra exercitar-se
Tudo o soberbo Apolo aqui reserva.
Quanto pode de Atenas desejar-se,
a fértil erva.
E de Helicona as Musas fez passar-se
O valeroso ofício de
Quarto Afonso, mas forte e excelente.
Ficou-lhe o filho pouco obediente,
já maduros,
Mas depois que a dura
Com edifícios grandes, e altos muros.
E quase o
Fortalezas, castelos mui seguros,
"Nobres vilas de novo edificou
Camões descreve D. Dinis:
legislador
Pessoa aborda D. Dinis de
forma subjetiva: lavrador e poeta
Tema dos poemas: D. Dinis
Governa entre 1278 e 1325, sobe ao trono com 17 anos.
Nasce a 9 de Outubro de 1261 e morre em Lisboa a 7 de Janeiro de 1325.
Salva a Ordem dos Templários através da criação da Ordem de Cristo.
Os dois poemas complementam-se
De Império,
"Eis depois vem Dinis,
Do bravo Afonso
fama grande se escurece
Reino próspero florece
Na terra já tranquila
Minerva;
A pisar do Mondego
O fio de seus dias
Átropos cortou
Reino todo reformou
Estrutura Interna
Estrutura Externa
Estrutura Interna
Estrutura Externa
Envolve-se na construção do Pinhal de Leiria.
Conhecido como "O Lavrador".
Possibilita a definição do território português.
Funda a Universidade de Coimbra.
Cria a Marinha Portuguesa em 1312.
D. Dinis tem duas facetas: o poeta e o lavrador:
Pessoa considera-o um visionário:
Possui rima interpolada, cruzada e emparelhada
Irregularidade métrica
Constituído por duas quintilhas
"Na noite escreve um seu Cantar de Amigo
O plantador de naus a haver"
"...marulho obscuro,/É o som presente desse mar futuro"
Boa ascendência:
«"Eis depois vem Dinis, que bem parece
Do bravo Afonso estirpe nobre e dina,»
Referência à criação da Universidade de Coimbra:
«"Fez primeiro em Coimbra exercitar-se
O valeroso ofício de Minerva;»
Camões considera-o o legislador e organizador do território português:
"Em constituições, leis e costumes,
Na terra já tranquila..."

«"Nobres vilas de novo edificou
Fortalezas, castelos mui seguros,
E quase o Reino todo reformou»
Integra-se na primeira parte da obra:
Brasão - Os Castelos
Mar Português
O Encoberto
Brasão
Intenção do autor:
Animar o povo português, relembrando os grandes feitos do passado
Contextualização da obra:
Os Lusíadas
Contextualização da obra:
Mensagem
Canto terceiro - Estâncias 96-98 (Narração)
Constituído por três oitavas
Versos são decassílabos
Possui rima cruzada e emparelhada
Conclusão
D. Dinis foi uma figura importante para a História de Portugal
Os dois poetas abordam um mesmo tema de diferentes formas
Assunto dos poemas: A influência deste Rei na História do país.
Os Lusíadas (1572)
Acaba por falecer, a 30 de novembro de 1935.
em 1934.
Publica a
Mensagem
Full transcript