Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Apresentação TCC

No description
by

Lorena Dias

on 1 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Apresentação TCC

Introdução Objetivos Política Nacional de Humanização (PNH) Importância da humanização e ambiência para usuários e profissionais. Disparidades entre Hospitais Públicos e seus setores; Ambiência Analisar a adequação da estrutura da Clínica Médica do Hospital de Base do Distrito Federal, aos padrões e parâmetros da ambiência e humanização. Objetivo geral: Definir parâmetros indicadores em relação à ambiência; Analisar a influência e humanização nas condições de trabalho e confortabilidade dos usuários e profissionais. Objetivos específicos Referencial Teórico Gestão Hospitalar Humanização x Hospitalidade Ambiência Conclusão Resultados Metodologia Morfologia Luz Cheiro 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. Sinestesia Som Arte Cor Áreas Externas Privacidade Individualidade Governo do Distrito Federal - GDF
Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde – FEPECS
Escola Superior de Ciências da saúde – ESCS Humanização e Ambiência da Clínica Médica do Hospital de Base do Distrito Federal Orientadora: Leila Bernarda Donato Göttems Lorena Dias Fernandes 1. 2. 3. 4. Referências Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS : documento base para gestores e trabalhadores. – 3. ed.– Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2008.
Beltram GS, Camelo ACO. Hotelaria Hospitalar e alguns aspectos da gestão hospitalar necessários para melhorar a qualidade no atendimento. FCV Empresarial, 2007; 1: 53-72.
Vecina Neto G, Malik AM. Tendências na assistência hospitalar. Ciênc. saúde coletiva. Ago. 2007 [acesso em:  2011  Set.  22];  12(4): 825-839. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000400002&lng=pt&nrm=iso.
Boeger MA. Gestão em hotelaria hospitalar. 3. ed. - São Paulo: Atlas, 2008.
Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes nacionais para o processo de educação permanente no controle social do SUS, Conselho Nacional de Saúde – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006.
Marques M, Pinheiro MT. A Influência da Qualidade da Hotelaria Hospitalar na Contribuição da Atividade Curativa do Paciente. Revista Anagrama. Mar.-Maio 2009: 2 (3).
Frozé VD, Wada EK. A pesquisa de clima como instrumento de gestão em hotelaria hospitalar. V Congresso Nacional de Excelência em Gestão; 2009 jul. 2-4; Niterói; Rio de Janeiro, 2009.
Martins APCS. A importância da higiene hospitalar sob a ótica da hotelaria hospitalar da humanização. Brasília: UnB, 2009. acesso em: 2011 set. 22]. Disponível em:http://bdm.bce.unb.br/bitstream2009_AnaPaulaCapinzaikiMartins.pdf. Pinochet LHC, Galvão CR. Aspectos humanos na gestão hospitalar. O mundo da saúde. Out.-dez. 2010; 34 (4): 498-507.
Amorim LJ. A necessidade do serviço humanizado na hotelaria hospitalar. Maceió: FAL, 2005 [acesso em: 2011 set. 22]. Disponível em: http://201.2.114.147/bds/BDS.nsf/A6DD217B8BB655F0032570D1007FF7B4/$File/NT000AD686.pdf.
Almeida MNBC. Hotelaria Hospitalar: cultura e hospitalidade no atendimento a idosos. Brasília: UnB 2009 [acesso em: 2011 set. 22]. Disponível em: http://bdm.bce.unb.br/bitstream/10483/1126/1/2009_MariaNathaliaBritoCoelhoAlmeida.pdf.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: ambiência, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
Beck CLC, Lisboa Filho FF, Lisboa MGP, Lisboa RL. Linguagem sígnica das cores na resignificação (humanização) de ambientes hospitalares. XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação; 2007.- 02 set.; Santos; São Paulo, 2007.
Silva AC, Freitas IB, Freitas KBL. Constituição da ambiência hospitalar a partir da gestão de coletivos. Iniciação científica na educação profissional em saúde: articulando trabalho, ciência e cultura – Rio de Janeiro: EPSJV, 2010.
Minayo MCS, Assis SG, Souza ER. Avaliação por triangulação de Métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005. 244 p.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada nº50, (RDC) 2004.
Taraboulsi FA. Administração de Hotelaria Hospitalar. 4. ed. – São Paulo: Atlas, 2009. Implantação da ambiência e humanização na Clínica Médica;

Diferenciação dos andares;

Diferenciação entre profissionais e usuários. 1. 2. 3. Pesquisa avaliativa por triangulação de métodos Realizada no Hospital de Base do Distrito Federal, nos 10 e 11º andar da unidade de Clínica Médica com a participação de gerentes dos andares, 12 profissionais de enfermagem e 40 usuários. Instrumentos de coleta { Roteiro de Observação;
Entrevistas com gerentes dos andares;
Questionários para profissionais e usuários. Roteiro de Observação Confortabilidade

Arquitetura

Luz

Cheiro

Som

Sinestesia

Arte Cor

Áreas Externas

Privacidade e Individualidade

O espaço como ferramenta do processo de trabalho

Cuidado com os recursos implantados Ambiência e Humanização na visão dos Profissionais Questões abertas Ambiência e Humanização na visão dos Usuários Questão aberta Questões Fechadas Questões Fechadas Medidas para humanização: Ambiência e Humanização na visão dos gerentes de Enfermagem “Ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho ímpar.” Carlos Drummond de Andrade “Não se preocupam muito com os profissionais” (P3)
“O hospital tem educação continuada, porém, as medidas tomadas, no âmbito da humanização, são restritas em determinadas épocas não havendo uma continuidade da ação” (P5)
“As medidas são escassase com pouco estimulo À participação da equipe” (P8) Conceito de ambiência para profissionais: “O local de trabalho, todo o hospital” (P2)
“Ambiência vem da palavra ambiente, arquitetura, estrutura” (P4)
“Ambiente (local) de trabalho, englobando espaço físico, estrutura e psicológico” (P6)
“Ambiência relaciona-se ao ambiente em seus vários aspectos, condições estruturais, sociais, acomodação e acolhimento” (P8) Diferenças entre a ambiência dos andares: “Sim, cada clínica tem uma ambiência diferenciada apesar de estar no mesmo hospital” (P8)
“Sim, alguns andares parecem mais agradáveis e/ou confortáveis do que outros” (P11) Medidas para ambiência: “Reforma dos leitos” (P3)
“Estão colocando potes de flores nos postos e quadrinhos nos corredores” (P7)
"A busca por acolher bem, identificar-se enquanto profissional, as medidas estruturais não são bem aplicadas, pois dependem de outros setores do hospital” (P8) Ambiência como facilitador do cuidado: “Não muito! As coisas ficam muito longe e distantes para determinadas escala” (P7)
“Não, há poucos medicamentos, aparelhos, falta de pessoal, lotação excessiva”. (P2) Influência da ambiência Modificações no ambiente hospitalar observadas pelos usuários: “Sim, há uma preocupação maior com o bem estar geral dos pacientes, envolvendo os aspectos emocionais e físicos como psicologia, fisioterapia” (U19)
“Notamos que quando entramos nos hospitais falta quase tudo, no momento em que você passa a analisar o tratamento dado os pacientes notamos que o leito hospitalar, tem suas vantagens, encontrar profissionais que respeitam você como paciente e não um simples objeto” (U26)
"Sim. Nestes muitos anos de tratamento aqui pelo hospital de base as melhorias foram ocorrendo. Ainda está um pouco carente mais ainda dá para melhorar. Os quartos, a eficácia do tratamento, os remédios foram algumas melhorias” (U30)
Full transcript