Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

D.Tareja

No description
by

Ruben Faria

on 9 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of D.Tareja

Teresa de Leão
Era mais conhecida por Dona Teresa, infanta do reino de Leão e condessa do condado de Portugal, governando-o como rainha. Esposa de Henrique de Borgonha e mão de D. Afonso Henriques de Borgonha.
Teu seio augusto amamentou
com ruta e natural certeza
O que, imprevisto, Deus fadou.
Por ele reza!

Dê tua prece outro destino
A quem fadou o instinto teu!
O homem que foi o teu menino
Envelheceu.

Mas todo vivo é eterno infante
Onde estás e não há o dia.
No antigo seio, vigilante,
De novo o cria!
Análise do poema
O poema "D. Tareja" enquadra-se na primeira parte da Mensagem, o Brasão corresponde ao nascimento, com referência aos mitos e figuras históricas, identificadas nos elementos do brasões. Portugal erguido pelo esforço dos heróis e destinados a grandes feitos.
Primeira quadra do poema
Cada nação é um "mundo a sós", que todas "são mistérios": o mistério é o destino que espera ser cumprido no futuro.

A "mãe de reis e avó de impérios" é o começo do revelar desse "mistério": D. Teresa é mãe de reis - D. Afonso Henriques, e avó de impérios a partir de Afonso, a ideia de Império começa-se a formar.
Estrutura Externa
O poema é composto por 16 versos.
4 Quartetos: sendo que cada estrofe têm três versos de 8 sílabas e um de 4.
Rima Cruzada.
"D. Tareja"
D.Tareja
As nações todas são mistérios.
Cada uma é todo o mundo a sós.
Ó mãe de reis e avó de impérios.
Vela por nós!
Segunda quadra do poema
D. Teresa amamentou com "seio augusto"- D. Teresa era filha do rei de Leão e Castela D. Afonso VI.

Com "bruta e natural certeza", " o que, imprevisto, Deus fadou": refere-se aos conflitos que depois de criado D. Anfonso Henriques este se virou contra a sua mãe e não desistiu mesmo com a probalidade do seu fracasso.
Crítica social aos anos de 1930

"Que a tua prece nos guie em melhor direcção, do que aquela que seguimos por ordem dequem deu seguimento ao caminho que tu iniciaste".

"O teu menino envelheceu" poderá significar a memória e a vontade de luta e orgulho português que se vão desvanecendo, referindo-se um pouco ao episódio do mapa cor-de-rosa.
Terceira quadra do poema
Quarta quadra do poema
A quarta quadra confirma a 3ª: "todo o vivo é eterno infante" quer dizer que a esperança nunca deve ser perdida, devemos lutar pelos nossos objetivos, voltar á origem, "infante" ou original.

Faz uma prece a D. Teresa já que deu à luz do 1º rei de Portugal, que sirva de modelo para aclamar de novo o orgulho e ambição dos portugueses para poderem ser maior do que o que podem ser.
Recursos Estilísticos
Metáfora: 3º verso da 1ºestrofe

Apóstrofe: 3º verso da 1ºestrofe

Epíteto: 1º verso da 2º estrofe
Full transcript