Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Capítulo requisitos

No description
by

Mariana Faustino

on 16 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Capítulo requisitos

Requisitos
Neste capítulo
veremos:
Definição
Segundo o dicionário Michaelis, o termo requisito possui os seguintes significados:

[1] Condição a que se deve satisfazer para que uma coisa fique legal e regular.
[2] Exigência imprescindível para a consecução de certo fim.
[3] Qualidades, dotes, predicados exigidos para certa profissão.
Dentro do contexto de nosso curso, os requisitos dos Objetos de Aprendizagem significam as exigências necessárias e indispensáveis para a sua produção final.


A etapa de requisitos é fundamental para que o OA resultante deste processo seja o mais próximo possível da ideia inicial concebida por um professor.

A definição do que são os requisitos de um OA;
A importância desta etapa;
A descrição dos artefatos produzidos durante a determinação dos requisitos;
Os métodos usados para coletá-los; e
Os tipos de requisitos
Os requisitos podem ser fornecidos por qualquer pessoa que possa contribuir para o entendimento do OA, sendo essa pessoa denominada de requisitante.
E podem também ser fornecidos por documentos, outros OAs já existentes ou até mesmo por um aluno, público alvo do OA, que futuramente poderá utilizá-lo.
A etapa de requisitos é a segunda etapa do processo INTERA e é fundamental para o sucesso no desenvolvimento de um OA.
Deve ser entendida, resumidamente, como:

- O professor realmente conhece o OA que ele está concebendo?

- O professor consegue apresentá-lo e explicá-lo?

- O analista e a equipe de desenvolvimento entenderam bem o que o professor está pensando para o seu OA?

A importância dessa etapa
A etapa de Requisitos se comunica com a de Contextualização.
Se não está claro o público e onde o OA será aplicado, reflita, reveja os objetivos educacionais da sua proposta e depois siga adiante.

Lembre-se que o processo INTERA se define pela prática do ir e vir às etapas, revisando-as, reafirmando objetivos ou corrigindo-os.
Artefatos produzidos na Etapa de Requisitos
A cada etapa do processo INTERA, vários artefatos podem ser gerados. A escolha dos artefatos da etapa de requisitos dependerá do tipo de Objeto de Aprendizagem a ser produzido e dos métodos de coleta de requisitos adotados.
O principal artefato gerado na etapa de Requisitos é o documento de especificação de requisitos. Em geral, esse documento é concebido baseado nos métodos de levantamento de requisitos utilizados, como as entrevistas com os demandantes e potenciais alunos a utilizarem o OA.

É importante utilizar linguagem simples que favoreça o entendimento entre o requisitante e o designer e diminuindo o ruído na comunicação entre as etapas do processo.
Métodos para coletar requisitos
Para tentar garantir a qualidade na coleta dos requisitos do OA, algumas técnicas podem ser utilizadas. Dentre elas, destacamos as seguintes:
Entrevistas
Devem ser usadas para OAs que necessitam de vários tipos de usuário diferentes, como, por exemplo, um software educacional. Também pode ser utilizado para entrevistar o professor responsável pela concepção do OA.
Grupos de foco:
Esta técnica prevê que a equipe envolvida no processo de desenvolvimento do OA deve juntar-se para discutir e levantar os seus requisitos.
Questionários:
É uma técnica de investigação que utiliza um formulário ou planilha com um número grande ou pequeno de questões apresentadas por escrito. As principais vantagens desta técnica é que ela consegue atingir um grande número de pessoas, sem necessidade do contato físico, e com baixo custo, por isto também deve ser usada para OAs que necessitam de vários tipos de usuários diferentes.
Brainstorming (“tempestade de idéias”):
Trata-se de uma técnica de dinâmica de grupo (para duas ou no máximo dez pessoas) com objetivos pré-determinados, que incitados, utilizam-se das diferenças de seus pensamentos e ideias para chegar a um denominador comum eficaz e com qualidade. Julga-se, desta maneira, chegar a ideias inovadoras que complementem o projeto inicial.
Através da etapa de requisitos o entendimento sobre as características do OA perpassa o “o que” deve ser feito e “como” será feito, e possibilita que toda a equipe visualize como deve ser o OA, o que ele pretende alcançar e como. .
Diante desta compreensão, o processo INTERA divide os requisitos em três tipos distintos: didático-pedagógicos, funcionais e não funcionais. A seguir, encontra-se a descrição mais detalhada de cada um deles, bem como alguns exemplos dos artefatos gerados por cada um:
Tipos de requisitos
Requisitos didático-pedagógicos:
Esses requisitos se definem por representar os conceitos e conteúdos a serem abordados e a metodologia e estratégicas pedagógicas em que o OA deverá estar inserido e que favorecerão a aprendizagem dos alunos. Exemplos: que conteúdo será apresentado?; como a atividade será desenvolvida? É necessário que estes requisitos exemplifiquem os conceitos pedagógicos que serão evidenciados no OA e se deve possuir algum recurso para facilitar a didática.
Exemplo:
Mapa conceitual: é uma estratégia facilitadora da aprendizagem significativa, por apresentar a relação entre conceitos através de diagramas ou de simbologias representativas (Moreira, 1997). Os mapas conceituais trabalham com a apresentação de conceitos procurando refletir a organização conceitual mental do indivíduo em relação a um tema. No desenvolvimento de um OA, eles ajudam a visualizar a organização e relação entre os conceitos a serem apresentados. Como estratégia de aprendizagem, os mapas conceituais corroboram para a construção e a interligação de conceitos. Veja o exemplo desenvolvido para relacionar os conceitos dentro da Física (clássica e moderna).
Fonte: Conhecimentos e esquemas mentais.
Disponível em: http://www.pgie.ufrgs.br/alunos_espie/espie/mariac/public_html/esquemasmentais.ppt#25
Abordagem pedagógica: Em alguns casos, a abordagem pedagógica que o OA irá assumir também é considerada um requisito didático-pedagógico. Por exemplo, você poderá definir que o seu OA abordará o aprendizado significativo, e desta maneira, desafiará o aluno a fazer relações entre os conceitos e suas experiências pessoais.
Esses requisitos trazem a relação de todas as funcionalidades que um OA deverá conter e como elas devem ser apresentadas. A metodologia para o levantamento dos requisitos funcionais deve considerar o tipo de OA que será construído, pois as funções de um OA, algumas vezes, estão relacionadas com o seu tipo (vídeo, software etc.). Além disso, para evitar ruídos na comunicação entre o desenvolvedor e o requisitante, a metodologia de coleta destes requisitos deve ser expressa em linguagem natural, pois o bom entendimento entre os envolvidos garante o sucesso do projeto. A seguir, diferentes exemplos de levantamento de requisitos funcionais serão apresentados, com a devida identificação do tipo de OA envolvido:
Requisitos Funcionais
Exemplo:
O OA deverá conter botões de play, avanço, pausa e retorno;
Deverá apresentar um sumário dos temas que serão apresentados e em que tempo de vídeo isto ocorre;
Deverá pausar, automaticamente, após propor um exercício;
Deverá dar feedback ao final dos exercícios propostos;
Deverá pausar, automaticamente, ao indicar links para aprofundamento de conteúdos e/ou glossário;
As pausas automáticas devem ser informadas, com as frases: “aperte o play após finalizar o exercício” e “aperte o play após a realização da(s) leitura(s) indicada(s)”;
Durante estas pausas, deve haver uma música de fundo e destaque para o botão ‘play’.
Requisitos não-funcionais
São aqueles que dizem respeito às propriedade, restrições e qualidade do sistema como um todo. Também podem especificar o uso de determinadas linguagens de programação, método de desenvolvimento e acessibilidade do sistema.
Exemplos:
Requisitos de qualidade (ou de confiabilidade):


Tratam-se dos requisitos que asseguram que o OA quando estiver pronto não possuirá nenhum defeito técnico de uso ou erros no conteúdo pedagógico apresentado.
Requisitos de Usabilidade (ou facilidade de uso):

Possibilitam buscar que o OA seja fácil de ser utilizado, estando de acordo com os padrões de usabilidade em diferentes ambientes e softwares. Exemplos:
Requisitos de Acesso:
O OA deve possibilitar que usuários distintos tenham acesso de maneira diferente ao conteúdo do objeto e na forma como interagem com ele. Exemplos:
Requisitos de Disponibilidade:
O OA deve ser indexado e armazenado de maneira que possa ser facilmente encontrado. Exemplos:
Requisitos de Reusabilidade:
Devem verificar o tamanho do OA para garantir sua reusabilidade, visto que objetos muito grandes podem inviabilizar o reuso, por conter uma complexidade de conteúdos que são adequados a um número restrito de contextos. Portanto, este requisito também busca verificar a granularidade do OA (possibilidade do conteúdo ser apresentado separadamente, em ‘porções’ menores). Exemplos:
Requisitos de Acessibilidade:
Tratam-se de assegurar que o OA possa ser acessado por diferentes dispositivos, diferentes contextos (ex: velocidade de conexão diferente) e principalmente possuir versão adaptada para diferentes tipos de usuários (deficientes visuais, motores, idosos etc.). Exemplos:
O OA deverá ser acessível a deficientes visuais

Todas as suas funcionalidades deverão ser lidas por softwares leitores de tela.
O OA deverá ser reusável.

Deverá permitir que os conceitos de desvio condicional simples e composto possam ser apresentados juntos ou em separado, garantindo assim que o mesmo possa ser reusado em outras disciplinas ou no ensino individual de cada um.

O conteúdo abordado no OA deverá ser organizado de forma a possibilitar o seu desmembramento em mais de uma unidade de aprendizagem.

Conforme mostrado no mapa conceitual preliminar o OA poderá ser dividido em pelo menos três pequenos objetos, que podem ser utilizados juntos ou separados, de forma a garantir a reusabilidade.
O OA deverá ser disponibilizado no Banco Internacional de Objetos de Aprendizagem juntamente com o seu metadado.

O OA deve ficar disponibilizado no ambiente de EAD da instituição, juntamente com o metadado.
O OA deverá ter acesso a 3 tipos de usuários diferentes: aluno, professor e administrador do sistema.
O aluno não poderá visualizar a área do professor.
O professor poderá visualizar a área de um aluno.
O administrador poderá visualizar a área de todos.
Os dados contidos nesse OA devem ser armazenados de forma segura, pois conterão notas dos alunos.
Manterá os itens relacionados próximos
Usará áudio para descrever gráficos
Oferecerá apoio navegacional apropriado
Assegurará a coerência
Apoiará a interatividade
Organizará os links para criar um menu efetivo
Usará linguagem acessível
Oferecerá ajuda
Usará um design de tela apropriado
As finalidades da etapa de Requisitos são:
Estabelecer e manter concordância com os demandantes e outros envolvidos sobre o que o OA deve fazer.
Oferecer à equipe de desenvolvimento do OA uma compreensão melhor dos seus requisitos
Fornecer uma base para estimar o custo e o tempo de desenvolvimento do OA
Definir o esboço do OA, focando nas necessidades e metas que o mesmo deseja atingir.

Fornecer o elo entre a abordagem técnica e pedagógica que o OA deverá possuir.
Requisitos de Desempenho:
Devem proporcionar que o OA possa ser utilizado por muitos usuários simultaneamente, sem que isso interfira na precisão dos resultados e no do tempo esperado de resposta das ações realizadas pelo usuário. Exemplos:
O OA poderá ser acessado por 20.000 alunos ao mesmo tempo.

O OA deverá salvar as avaliações desses 20.000 alunos.

As avaliações deverão ser corrigidas pelo OA e o “feedback” da avaliação deverá ser feito de forma rápida (menos de um segundo).
Requisitos de Portabilidade:
O OA deve funcionar em diversos cenários. Para isso, estes requisitos especificam seu comportamento em diferentes sistemas operacionais, Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs), dispositivos de hardware (celular, notebook etc) e navegadores. Exemplos:
Funcionará adequadamente em diferentes navegadores.

Será adaptávela Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Funcionará em vários ambientes de EaD

Será fácil de instalar
Requisitos de Ajuda e Documentação:

Devem ser dadas as condições para que os usuários (professor e aluno, por exemplo) encontrem o OA e consigam instalá-lo sem dificuldades. Assim, é importante a produção de manuais que o orientem a como fazê-lo. Exemplos:
O OA deverá possuir um manual de instalação

O OA deverá possuir um guia para o professor

O OA deverá possuir um guia para o aluno
Requisitos de Design de Interfaces:

Trata-se da especificação das características do layout do OA, para permitir que o objeto tenha as características de interface de acordo com o idealizado pelo demandante. Exemplo:
O OA deverá utilizar a mesma fonte textual e cores do site da UFABC.
Requisitos de Licenciamento e Direitos Autorais:

Trata-se de uma permissão para que outras pessoas possam utilizar seu OA, ou criarem outros OAs que derivem do seu. Exemplo:

A descrição sobre o OA deverá informar sobre todos os avisos legais necessários, garantias, observações sobre direitos autorais, observações sobre patentes, logomarcas, marcas comerciais ou problemas de conformidade com logotipos referentes ao software.

Ex.: A utilização está condicionada à indicação da autoria e do local onde o OA está depositado.
Gostou da etapa de requisitos?

No próximo capítulo aprenderemos sobre a etapa Design.

Não perca!

Até lá!!
Mas que oferece os requisitos?
Como geramos os artefatos
Entrevistas

Grupos de foco

Questionários

Brainstorming
Full transcript