Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Meireles e Amado

No description
by

Cami Vicentin

on 21 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Meireles e Amado

Segunda Geração MODERNISMO BRASILEIRO - Nasceu na Bahia, fez o curso primário em Ilhéus e o secundário com jesuítas em Salvador e no Rio;

- Levou uma vida de jornalista boêmio;

- Escreveu romances de novelas de ambientação regional;

- Foi cassado e exilado por ter sido deputado federal pelo partido comunista. Jorge Amado Biografia - Temas relacionados ao cacau;

- Retrata a Bahia e seus exotismos;

- Lirismo e descrição da sensualidade da mulher;

- Descreve a miséria do trabalhador rural e das classes populares;

- Engajamento político voltado para o comunismo. Características de Estilo Trecho: Capitães da Areia “Vão para a porta do sindicato. Entram homens: negros, mulatos, espanhóis e portugueses. Vêem quando João de Adão e os outros estivadores saem entre vivas dos operários das linhas de bonde. Eles vivam também. João Grande e Barandão porque gostam do doqueiro João de Adão. Pedro Bala não só por isso, como porque acha bonito o espetáculo da greve, é como uma das mais belas aventuras dos Capitães da Areia. (...)
Os homens valentes têm uma estrela no lugar do coração. Mas nunca se ouviu falar de uma mulher que tivesse no peito, como uma flor, uma estrela. As mulheres mais valentes da terra e do mar da Bahia, quando morriam, viravam santas para os negros, como os malandros que foram também muito valentes.” Análise Trecho: Gabriela, cravo e canela Análise - Zona cacaueira da Bahia como pano de fundo;
- Crítica à ordem social (coronéis). - Trama nas camadas baixas da sociedade;
- Bahia como pano de fundo ;
- Citações da cultura negra. “Falavam da safra anunciando-se excepcional, a superar de longe todas as anteriores. Com os preços do cacau em constante alta, significava ainda maior riqueza, prosperidade, fartura, dinheiro a rodo. Os filhos dos coronéis indo cursar os colégios mais caros das grandes cidades, novas residências para as famílias nas novas ruas recém-abertas, móveis de luxo mandados vir do Rio, pianos de cauda para compor as salas, as lojas sortidas, multiplicando-se, o comércio crescendo, bebida correndo nos cabarés, mulheres desembarcando dos navios, o jogo campeando nos bares e nos hotéis, o progresso enfim, a tão falada civilização." Cecília Meireles Biografia Características de Estilo - Órfã de pai e mãe, foi criada pela avó materna;

- Formou a primeira biblioteca infantil do Brasil em 1934;

- Ensinou literatura luso-brasileira na Universidade do Texas;

- Viajou por diversos países em busca de inspiração. - Movimento espiritualista: conservar a herança Simbolista e voltar-se para o interior do ser humano;

- Vida encarada como um sonho;

- Conflito material x espiritual;

- Musicalidade, lirismo;

- Fugacidade do tempo e saudade;

- Tristezas e desencantos; Poema: Retrato Poema: Motivo Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada. Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
— em que espelho ficou perdida
a minha face? Poema: Serenata "Permita que eu feche os meus olhos,
pois é muito longe e tão tarde!
Pensei que era apenas demora,
e cantando pus-me a esperar-te.
Permita que agora emudeça:
que me conforme em ser sozinha.
Há uma doce luz no silêncio, e a dor é de origem divina.
Permita que eu volte o meu rosto para um céu maior que este mundo,
e aprenda a ser dócil no sonho como as estrelas no seu rumo"
Full transcript