Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Defesa de Tese de Doutorado

No description
by

Junia Mattos

on 9 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Defesa de Tese de Doutorado

LÍNGUA "PURA" Por um Inglês Menor:
A Desterritorialização da Grande Língua etnocentrismo Junia Claudia Santana de Mattos Zaidan
Orientador: Kanavillil Rajagopalan FUNDACIONISMO
Objetivos:
1- Apontar os conceitos, axiomas e dogmas produtores de discursos sobre o World English (WE); Abordagem: 1- Problematização das nomeações e da metanarrativa; CONSTÂNCIAS "PRESENÇAS" UNIVERSAIS "RAÇA PURA" TOTALIZAÇÕES ESSÊNCIAS Estrutura arborescente variação =desvio falante nativo "inglês autêntico" política de publicação proficiência estados-nação inteligibilidade Núcleo Comum imperialismo o político "na" língua variação exotizada professores não nativos =
professores "sem pedigree" Círculos concêntricos ???? 2,5 bilhões de falantes no mundo
(1/4 da população);
Inglês é a 3ª língua com mais falantes nativos
(atrás apenas do Mandarim e do Espanhol);
De cada 4 falantes no mundo, apenas 1 tem
o inglês como língua materna;
4/5 de toda informação armazenada
eletronicamente;
3/4 de toda correspondência no mundo;
2/3 dos cientistas, estudiosos lêem em inglês. é
a língua do mundo/discurso acadêmico;
80% da força de trabalho em ELT é de
não-nativos “ In its emerging role as a world language, English has no native speakers” (Rajagopalan, 2004:111) “ [English] is only international to the extent that it is not their language”
(Widdowson, 1994:385) identidades monolíticas PURISMO ORIGENS 2- Revisão bibliográfica relativa a diversos conceitos linguísticos e filosóficos que atravessam o WE; 3- Ilustração da problemática com dados de língua; 4- Levantamento via questionário (professores não-nativos de inglês) 2- Situar o WE no cenário de sua difusão indicando o caráter político da teorização sobre este fenômeno; 3- Propor um tratamento teórico a partir do pensamento de Derrida, Deleuze & Guattari, que se interseccionam com os postulados da Nova Pragmática (Rajagopalan, 2010); 4- Articular a proposta teórica com problemas linguageiros. RIZOMA PALAVRA DE ORDEM
=
UNIDADE MÍNIMA TRAÇOS DO RIZOMA 1- Princípios de conexão e heterogeneidade; 2- Princípio de Multiplicidade; 3- Princípio de ruptura assignificante; 4- Princípio de decalcomania e cartografia. UM INGLÊS RIZOMA
=
UM INGLÊS MENOR MENOR: desterritorialização MENOR: a ligação do individual com o imediato coletivo. MENOR: o agenciamento coletivo de enunciação CAPITALISMO Linguística
Linguística Aplicada Indústria de ensino
de inglês Codificação Colonialismo Políticas linguística
reguladoras Tradição
lexicográfica Comunidades
imaginadas Comunidades de prática (Hensel, 1996 & Wenger, 1998) - o uso de estratégias pragmáticas compartilhadas sem ter que inventar códigos centralizados comuns; - o que torna os indivíduos membros de uma comunidade não é o compartilhamento de um código, mas necessidades interacionais que são sempre provisórias; - comunidades como acontecimento Gramática Emergente (Hopper, 1998) - sincronia
- uso real
- alternativa à GU
- provisoriedade Emergência Dialógica (Menezes de Souza, 2010) - o sistema de constâncias dialoga com o irregular, o agramatical;
- a diferença entre forças de convergência (centrípetas) e as de divergência (centrífugas) Se tomamos a linguagem em sua situacionalidade e apropriaçào pelo indivíduo; o signo como preexistente ao indivíduo; as comunidades como heteroglóssicas a comportar vários grupos que, por sua vez, se estruturam de modos múltiplos; a interação como reflexo de centrifugações e centripetações, somos então conduzidos a rejeitar o inatismo da estrutura e a acolher sua emergência no dialogismo língua-alvo..................................................repertório
língua/texto homogêneos.................híbridos
pertencer a comunidades................pular de uma para outra
foco nas regras......................................foco nas estratégias
acuidade........................................................negociação
língua/discurso estáveis..................moventes
língua baseada no contexto............transforma o contexto
dominar regras....................................... metalinguagem
texto/língua transparentes...........opacos
L1 = problema.............................................L1 = fonte Uma pedagogia menor para um inglês menor "A didática é retirada do campo do universal e do total e jogada para o terreno da imanência, da possibilidade de criação. Não se trata da superação do velho pelo novo, de denúncia ou de um novo projeto de salvação. Versa, justamente, sobre algo bem mais modesto, até porque a escola moderna nasce no cruzamento de um poder pastoral e de uma razão governamental com a preocupação da condução das condutas. Uma instituição que nasce como instituição de confinamento, atravessada por exercícios do poder disciplinar e biopolítico e que se faz nessa relação de imanência. Portanto, o que se busca não parte de um entendimento que nega toda essa constituição da escola e sua didática, mas traçar pequenos esburacamentos, arquitetar provisórias saídas, fazer escapes, alguns rasgos para podermos pensar e viver outras coisas." (SCHULER, 2011, P.113) orifícios perfurações escavavar esburacar furos fendas poros cavucar QUAL SAÍDA? "Poder-se-á apenas procurar com que pontos se liga aquele por onde se entrar, por que cruzamentos e galerias se passa para ligar dois pontos, qual é o mapa do rizoma e como é que este, de repente, se modifica se se entrar por qualquer outro ponto. O princípio das entradas múltiplas só impede a entrada do inimigo, o Significante e as tentativas para interpretar uma obra que, de fato, só propõe experimentações." (Deleuze e Guattari, Kafka: por uma literatura Menor, 2003, p.19) Profunda gratidão: Rajan Família (mamãe e Igor) Luís Alice Vivi Lynn
Full transcript