Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Machado-Kilpp 2012-2

No description
by

Marcio Telles

on 11 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Machado-Kilpp 2012-2

A literatura engajada Sabemos muito sobre o negócio e sobre o uso político da TV, mas dizemos pouco sobre como ela funciona e como ela produz os benefícios e malefícios que lhe atribuímos. "Estado da Arte" da pesquisa em tv no brasil os modelos clássicos É importante desconstruir e desnaturalizar as práticas da TV e chegar aos modos como são engendrados certos sentidos.

Kilpp propõe estudar as questões que estão envolvidas nas práticas (que chama de MOLDURAÇÕES) com as quais a TV enuncia certos sentidos identitários (éticos e estéticos) às durações, personas, objetos, fatos e acontecimentos que exibe (as ETHICIDADES televisivas). A tv levada a serio MOLDURAS,
MOLDURAÇÕES
E ETHICIDADES
TELEVISIVAS A TV LEVADA A SÉRIO ETHICIDADES
televisivas A TV para kilpp A TV é um composto (mix) de MOLDURAS e MOLDURAÇÕES sobrepostas, que a configuram VIRTUALMENTE como um híbrido, uma ETHICIDADE.

A TV, ela mesma, é televisiva. identidades As identidades organizam significados.

As imagens da mídia tornam as identidades desvinculadas de tempos, lugares, histórias e tradições específicas.

Passaríamos a conhecer (e a adotar) identidades que nos chegam por intermediários. A subjetivação se dá na busca por escapar à pressão de comunidades autoritárias, por um lado, e à fragmentação do “eu”, na lógica da racionalidade instrumental, na busca pela satisfação dos desejos individuais em estreita ligação com a lógica de mercado. Escapando dessas forças, o sujeito conseguiria pensar a construção de laços de forma reflexiva criativa.

É o processo de tornar-se sujeito. subjetivação Ethos é uma espécie de síntese dos costumes de uma coletividade, época ou região: os traços característicos de um grupo, do ponto de vista social e cultural, que o diferencia de outros. Seria assim, um valor de identidade social.

A tendência contemporânea é de agenciar identidades a partir de determinadas estéticas, processos de subjetivação nos quais as mídias - especialmente a publicidade - jogam papel bem decisivo em muitos casos. ethos o que é o méxico e os mexicanos? imaginários molduras
e moldurações As ethicidades, enquanto subjetividades virtuais, atualizam-se enunciativamente em certas e diferentes molduras e moldurações, e seus sentidos são negociados (emoldurados) em diferentes instâncias entre emissor e receptor, que ainda compartilham, de modo desigual e diferenciado, de certos imaginários que tornam os sentidos comunicáveis. Ethicidades Segundo o Houaiss, IMAGINÁRIO é a reunião de elementos pertencentes ou característicos do folclore, da vida, etc. de um grupo de pessoas.

Para Kilpp, o imaginário são MEDIAÇÕES, conjunto de marcas de enunciação das culturas (identidades coletivas), manifestas e visíveis nos discursos, na arte, nos produtos culturais... ou que são por eles mediados. imaginários É criação incessante e indetermiada de figuras/formas/imagens...

Só podem ser capturados quando mediados...

Aquilo que chamamos realidade e racionalidade são seus produtos...

São fluídos...

O imaginário social é mais real do que o 'real'. Cada sociedade constitui seu próprio real. imaginários Para alguns autores, nos imaginários haveria a presença de um fundo arcaico da cultura (ou do mito). A existência desse fundo permitiria, por exemplo, a operação da TV em nível transnacional, assegurando sentidos efêmeros.

A televisão atualizaria o mito original ou o fundo arcaico, mesmo que o naturalizasse ou espetacularizasse. Arquétipos A TV confere visibilidade a certos acontecimentos, pessoas, objetos - reais ou imaginários, tanto faz!

Ao fazer isso, efetua uma mediação, que instaura MUNDOS TELEVISIVOS.

Esses objetos/personas/acontecimentos que são veiculados pela TV são chamados por Kilpp de TELEVISÍVEIS. mundos televisivos "Molduras são os confins instaurados pelo encontro de duas ou mais superfícies ou formas diferentes, confins esses que produzem uma ilusão de bordas que atuam como se fossem filtros de parte a parte, e que implicam novos sentidos sobre as partes (superfícies ou formas)."

"Chamamos de molduras aqueles territórios de experiência e significação construídos conforme a lógica de cada meio. São, na televisão, por exemplo, os programas, os gêneros, a grade de programação etc." molduras "A televisão é realidade e a realidade é menos do que a televisão."

A televisão não está nem nas grades nem nos fluxos.

Onde está? a tv é uma forma de vida dicas de filmes dicas de livros O sucesso da Rede Globo, inserida no projeto do Min. das Com. em "criar" uma identidade brasileira através de uma emissora nacional, faz Kilpp se perguntar se a "BRASILIDADE", na verdade, não passa de uma "BRASILIDADE TELEVISIVA". a maior máquina de subjetivação O emolduramento é uma perspectiva (um sentido virtual para uma ethicidade enunciada ou percebida) resultante da criação e/ou percepção e sobreposição de molduras e das moldurações praticadas.

O emolduramento é um agenciamento, e é culturamente referenciado. emolduramento ambiência canais Ao menos, quatro elementos recorrentes:
a. A citação do mito
b. Informação jornalística
c. A aparência de estar ensinando algo (moral da história, uma moda, etc.)
d. Uso de uma retórica culta ou referência a uma obra culta BEST-SELLER gênero Aqueles em que se dá visibilidade à ‘invenção’; as pessoas, fatos e histórias são ‘verdadeiramente imaginados’, ainda quando baseados em fatos reais.

Programas humorísticos, telenovelas, seriados, todos os programas ou quadros em que a TV comunica ‘ficcionalmente’ os outros campos. ficcional Aqueles nos quais se dá visibilidade à ‘realidade’: nos textos, nas imagens, e nos imaginários veiculados, ‘verdadeiramente’ as pessoas são ‘reais’, os fatos são ‘reais’, as histórias são ‘reais’, ainda que a simples veiculação implique uma mediação.

O jornalismo em geral. Mas também os programas de auditório. documental Os programas são ethicidades que têm sido emolduradas de maneira mais ou menos convergentes, pelas emissoras, por profissionais de televisão, pelos espectadores, por pesquisadores. os programas grade de programação personas zapping "A TV tem essa coisa de querer ser um membro da família, uma pessoa a mais em nossa casa: não uma pessoa qualquer em certo sentido, mas uma pessoa importante, central, convergente; mas qualquer pessoa, sim, de tal forma que ninguém se sinta constrangido de recebê-la como hóspede, parente, ou amigo – alguém familiar em qualquer família." 15 segundos de fama "Um lugar sob os refletores seria um modo de ser por si mesmo. A vida desejada tenderia a ser a vida vista na TV, e com isso a vida vivida pareceria irreal."

"Não se trata mais apenas dos quinze minutos de fama com os quais se sonhava há tempos atrás: hoje, trata-se de adquirir realidade, uma existência real, ainda que tão efêmera e pontual." panoramas televisivos conclusão A TV para kilpp A TV é um composto (mix) de MOLDURAS e MOLDURAÇÕES sobrepostas, que a configuram VIRTUALMENTE como um híbrido, uma ETHICIDADE.

A TV, ela mesma, é televisiva. A gramática televisiva é mais da ordem do hipertexto (por sobreposição de textos verbais, imagens visuais e sons, como no cinema, mas principalmente por sobreposição vertical de molduras). hipertexto televisivo O vídeo é um sistema híbrido, impuro por natureza

A imagem eletrônica é inadequada para anotar informações abundantes, uma imagem que não aceita detalhamentos minuciosos e na qual a profundidade de campo é continuamenten desmantada pela varredura A IMAGEM ELETRÔNICA Tela de dimensões pequenas

Inadequados: multidões, cenários amplos e decorações minuciosas

Sinédoque: a parte, o detalhe e o fragmento são articulados para sugerir o todo (rostos)

O vídeo tende a operar a limpeza dos códigos audiovisuais especificidades Programação recorrente, circular, reiterando ideias e sensações a cada novo plano

OU

Assume a dispersão com ganchos e respiro dos programas

A imagem do vídeo é mais um processo do que um produto PROCESSOS São as mais SÓLIDAS. Elas permanecem.

Criam AMBIENTES ENUNCIATIVO.

"Moldura Primeira" = o contexto sócio-econômico.

"Já as molduras são aqui consideradas ambientes atualizados que produzem territórios e ao mesmo tempo resultam de outro maior (seja uma ambiência ou uma tecnocultura ou um dispositivo, conforme a perspectiva teórica que adotemos) que é a moldura primeira dessas imagens" molduras durantes Moldurações são os procedimentos de ordem técnica e estética que realizam certas montagens no interior das molduras.

"Chamamos de moldurações aqueles procedimentos de ordem técnica e estética que combinam entre si os elementos visíveis no interior de uma moldura, quase sempre relacionados à composição do quadro ou do plano, por exemplo"

- Enquadramentos (tipo de planos)
- Duração de planos
- Ritmo de edição
- Figurino/Cenografia
- Escolhas de direção
- Fotografia moldurações
Full transcript