Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A Epistemologia Genética de Jean Piaget - 1ª Parte

Piaget e as Teorias de Aprendizagem
by

Física Interessante

on 16 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Epistemologia Genética de Jean Piaget - 1ª Parte

A Epistemologia Genética
de Jean Piaget

Jean Piaget
Era filho de Arthur Piaget e de Suzanne-Rebecca Jackson
Ele era
professor de Literatura Medieval
na Universidade
Ela era uma calvinista restrita e
neurótica
Por isso, Piaget fugia de casa e
se refugiava na Biblioteca
Publicou seu primeiro artigo em 1907 (
aos 11 anos
), (Biologia) sobre um
pardal albino
Foi publicado no
Le Rameau de Sapin
, do Clube Jurássico
Contato com a Embriologia
Foi convidado a ser voluntário no Museu de História Natural de Genebra para
organizar a coleção de conhas
Em 1918,
doutorou-se em Ciências Naturais (
Biologia
)
com tese sobre a taxonomia dos moluscos do cantão de Valais, onde morava.
Doutorado
Início da carreira
Em 1918, mudou-se para Zurique.
Trabalhou como psiquiatra
em uma clinica,
como psicólogo experimental
e
frequentou as aulas de
Jung
Primeiras descobertas
Em 1919, foi para Paris, para trabalhar com
Binet
, aplicando
testes de inteligência
(QI).
Casou-se em 1923 com Valentine Châtenay
Família
Seu objetivo:
deixar de ser tratado como criança
pelo bibliotecário e
ter acesso à Biblioteca da Universidade
!
Foi defendido por Paul Godet, diretor do
Museu de História Natural
1º Artigo
Família
teve 3 filhos:
Jacqueline (1925),
Lucienne (1927) e
Laurent (1931)
acompanhou o desenvolvimento mental deles desde a infância até a linguagem
(pai Big Brother)
Antes de terminar a Secundária já era um
malacólogo de renome
isso o levou à
Embriologia
, o que
influenciou seu trabalho futuro
consequência direta do interesse despertado pelo
trabalho com as conchas
Organizando as conchas, observou
padrões evolutivos
Passou a combinar
psicologia experimental
(formal e sistemática) com
métodos informais
(entrevistas, conversas e análises de pacientes)
Observou que crianças
da mesma idade
cometiam
erros semelhantes
.
padrões?
Considerou que a chave para entendimento da inteligência humana estava no
estudo do desenvolvimento mental das crianças
Para ele, era mais importante
manter o espírito investigativo
do que dar
respostas corretas
.
Obras principais para Física
Da Lógica da Criança à Lógica do Adolescente
O Desenvolvimento das Quantidades Físicas na Criança
La Formation de la Notion de Force
A noção de tempo na criança
A representação do espaço na criança
Psicogénese e História das Ciências
La Causalité Physique chez l'Enfant
Les Explications Causales
O Juízo e o raciocínio na criança
Lógica e Conhecimento Científico, vol. 2
Fazer e Compreender
Compõe-se de:
50 livros
500 artigos científicos
37 volumes na série "Etudes d'Epistémologie Génétique"
Obra
Obras principais para Matemática
A Gênese das Estruturas Lógicas Elementares
Psicogénese e História das Ciências
La Géometrie Spontanée de l'Enfant
A Génese do Número na Criança
Lógica e Conhecimento Científico, vol. 1
16-mar-2009
© www.fisica-interessante.com
20
Obras principais para Química
O Desenvolvimento das Quantidades Físicas na Criança
Lógica e Conhecimento Científico, vol. 2
30
Sensório-motor (0-18m.)
Simbólico (18m.-4a.)
Pré-operatório (5-7a.)
Operacional concreto (8-11a.)
Operacional formal (12-17 a.)
1. Sensório-motor
adaptações dos modelos inatos de conduta
modelos sensório-motores dos objetos, derivados das ações realizadas com os mesmos objetos
princípio de conservação dos objetos
conhecimento privado, não-partilhado
2. Simbólico
Estrutura cognitiva
‘estruturas lógico-matemáticas’
complexo de esquemas de assimilação
Grupamentos
“Os sistemas psicológicos naturais do pensamento, tais como as classificações simples, as classificações múltiplas, as seriações simples ou múltiplas, os embricamentos de relações simétricas ou as árvores genealógicas, etc.,
correspondem
, do ponto de vista logístico,
a estruturas operatórias
muito vizinhas dos «grupos» matemáticos e que chamamos de ‘
grupamentos
’” (A Gênese do Número na Criança)
Exemplo
Deformações da bolinha de massa
p: alongar uma bolinha numa salsicha
p’: alongar a outra bolinha
~p, ~p’: voltar a salsicha a bolinha
I(pq) = pq
N(pq) = (p~q)(~pq)(~p~q) (anula I)
R(pq) = p’q’ (compensa I)
C(pq) = (p’~q’)(~p’q’)(~p’~q’) (anula R)
Método
clínico-crítico
parte de
manipulações concretas de objetos reais
(operações concretas)
utiliza
material simples, mas especialmente construído
faz
diálogo livre
com o sujeito sobre as manipulações, não perguntas fechadas
oferece
sugestões e contra-sugestões

objetiva
captar a atividade mental profunda
(mecanismos lógicos)
Obras principais gerais
A Formação do Símbolo na Criança
Fazer e Compreender
A Tomada de Consciência
Da Lógica da Criança à Lógica do Adolescente
Lógica e Conhecimento Científico
A Equilibração das Estruturas Cognitivas
Play, Dreams and Imitation in Childhood
Introduction à l'Epistémologie Génétique
Assimilação
O organismo
assimila
(num sentido quase biológico) a nova informação,
se for compatível
com os
esquemas de ação
existentes.
Exemplos
Esquema ‘ave’: animal bípede, com bico e penas, e que voa
Equilibração
“O conhecimento não procede nem da experiência única dos objetos nem de uma programação inata pré-formada no sujeito, mas de uma interação entre ambos, que resulta em construções sucessivas com elaborações constantes de estruturas novas, graças a um processo de equilibrações majorantes, que corrigem e completam as formas precedentes de equilíbrio.” (A Equilibração das Estruturas Cognitivas)
operações com classes:
inclusão
reversibilidade
operações com relações:
igualar diferenças
reversibilidade
conservações:
de substância (quantidade) (6-8 anos)
de peso (9-10 anos)
de volume (11-12 anos)
5. Operacional formal
síntese das operações com classes e com relações: grupo INRC
pensamento hipotético-dedutivo
necessidades lógicas
possíveis
“Todo o estágio começa, na realidade, por uma
reorganização
num novo nível, das aquisições principais devidas aos níveis precendentes: daí resulta a integração nos estágios superiores de determinadas ligações, cuja natureza só é explicada na análise dos estados elementares.” (Psicogênese)
Estruturas lógico-matemáticas
inclusão das classes
seriação
classificação reversibilidade
transitividade
recursividade
reciprocidade das relações
conservação dos conjuntos numéricos
medida
organização das referências espaciais (coordenadas)
etc.
“Essa estrutura se elabora pela
síntese
, num único sistema,
de duas estruturas
mais simples, que são o «grupamento» da
inclusão das classes
(A+A’=B; B+B’=C; C+C’=D; etc.) e o da
seriação ou das relações de ordem
(A-A’-B’-C’ etc.).” (A Gênese do Número na Criança)
Monóide
É um ente matemático formado por
um
conjunto
e
uma
operação
definida sobre esse conjunto

que possui as
propriedades
:
fechamento
existência da identidade
associatividade
Exemplos:
O conjunto dos
naturais
N e a operação
adição
+ :
existência do inverso: a+(?)=0 

não é grupo

O conjunto dos
naturais
N e a operação
multiplicação
· :
existência do inverso: a·(?)=1 
 não é grupo
O conjunto dos
inteiros
Z e a operação
adição
:
fechamento: a+b é Z 
existência da identidade: a+0=a 
associatividade: (a+b)+c=a+(b+c) 
existência do inverso: a+(-a)=0 
é grupo
Grupo das simetrias do triângulo equilátero
Grupo de Klein
I(p) = p
N(p) = ~p (anula I)
R(p) = p’ (compensa I)
C(p) = ~p’ (anula R)
“O Piaget da teoria dos estágios é essencialmente conservador, quase reacionário, enfatizando o que as crianças não podem fazer. Eu me empenho em revelar um Piaget mais revolucionário, cujas idéias epistemológicas podem expandir as fronteiras conhecidas da mente humana.” (Papert)
Epistemologia Genética
é não apriorística
é não positivista
o conhecimento é construído pelo sujeito, a partir das suas interpretações do objeto, e ao longo do seu percurso de vida
Obras principais para Biologia
Biologia e Conhecimento
Lógica e Conhecimento Científico, vol. 2
Acomodação
Se os esquemas existentes não conseguem assimilar, acontece 
acomodação
(modificação) da mente:
construção/modificação de esquemas
4. Operacional concreto
Egocentrismo
3. Pré-operatório
linguagem como veículo do pensamento: contato com pensamento alheio, relativização dos pontos de vista
desaparição do preconceito
desaparição da transdução
desaparição da justaposição e do sincretismo
desaparição da centração e da representação estática
desaparição do egocentrismo
Embora se observem variações nas idades que marcam cada etapa, a sua
sequência
foi observada em várias situações por vários investigadores.
A noção de grupo
Exemplo:
O
conjunto dos naturais
N e a
operação adição
+ :
fechamento: a+b é N 
existência da identidade: a+0=a 
associatividade: (a+b)+c=a+(b+c) 
é monóide
Exemplo:
O
conjunto dos naturais
N e a operação
multiplicação
· :
fechamento: a·b é N 
existência da identidade: a·1=a 
associatividade: (a·b)·c=a·(b·c) 
 é monóide
Grupo
É um monóide que possui
também
a
propriedade
:
existência do inverso
O conjunto dos
racionais
Q e a operação
multiplicação
· :
fechamento: a·b é Q 
existência da identidade: a·1=a 
associatividade: (a·b)·c=a·(b·c) 
existência do inverso: a·(1/a)=1 
 é grupo
É um grupo não numérico.

Elementos (operações de simetria):
R0°
R120°
R240°
Grupo INRC
Ementos (operações):
I
: identidade
N
: inversa (reversibilidade por inversão)
R
: recíproca (compensação) (reversibilidade por reciprocidade)
C
: correlativa
Proporções
e Frações
O grupo INRC equivale a um sistema de
proporções lógicas
:

NC = IR
N/R = I/C
Exemplo
Reequilibrar a balança de pratos
p: aumentar o peso num braço
q: aumentar a distância num braço
p’, q’: idem no outro braço
~p, ~q: idem, diminuir

 16 combinações: pq, pq’, p’q, p’q’, ~pq, p~q, ~p~q, ~pq’, etc.
Síntese
“É possível mostrar que
N
está ligada à operação inversa dos
agrupamentos de classes
, ao passo que
R
está ligada à dos
agrupamentos de relações
. Donde resulta que pelo menos a lógica das preposições revela-se, no fim de contas, como a
síntese das duas estruturas fundamentais
que geneticamente a precedem.” (GRIZE in Lógica e Conhecimento Científico)
Teoria
16-mar-2009
© www.fisica-interessante.com
Conceitos-chave
Esquemas
É aquilo que, na ação,
é generalizável e transponível de uma situação a outra
.
O grupo INRC
É centrada na “
Epistemologia Genética

e baseada no método clínico
É considerado
pioneiro do construtivismo,
embora ele mesmo não se considerasse um construtivista
nasceu em
Neuchâtel
na
Suíça
,
em 1896
Jean Piaget
Ela fazia o ambiente familiar
insuportável
É uma teoria de construção de conhecimento, de desenvolvimento mental
Não é uma teoria de aprendizagem!
Contra o apriorismo
Ex.: “O grupo dos deslocamentos não tem nada de a priori, como julgava H. Poincaré.” (Lógica e Conhecimento Científico)
A criança tem lógica própria.
Einstein considerou isso uma descoberta “tão simples que somente um gênio poderia ter pensado nela."
Obra
Esquemas simplificam nosso dia-a-dia, permitem um ‘
piloto automático
’.
‘escada’, ‘copo’, ‘janela’, etc.: aplicável à maioria das escadas, copos, janelas, etc.

esquemas de reunião (de ‘toquinhos’ a ‘pais’)

esquemas de ordem (objetos a ações)
Esquemas podem levar a estereótipos e preconceitos e interferir na nossa percepção
Quando vemos um ave desconhecida, simplesmente a
assimilamos
ao nosso esquema ‘ave’.
Se, no entanto, aquela ave se comporta de forma muito estranha, “não-ave”, por exemplo, não voa, acontecerá a
acomodação
e o esquema ‘ave’ é
modificado
para incluir aquela ave em particular

P.ex.:
Esquema ‘ave’: animal bípede, com bico e penas
Problemas
pensamento simbólico,
linguagem
representações preconceptuais
raciocínio por transdução, pré-lógico, de preconceito para preconceito
justaposição: reunião das partes sem as relacionar dentro de um todo
sincretismo: concentração no todo sem discriminar suas partes
centração: fixação em um aspecto com exclusão dos outros aspectos
representação estática
egocentrismo: distorção da realidade para satisfazer o ponto de vista do indivíduo
Períodos
Períodos
Também se observam em casos adultos de
retardamento
.
Em caso de senilidade, observam-se
em ordem inversa
. (O Desenvolvimento das Quantidades Físicas)
organizada nos modelos matemáticos de grupo e rede (grupamentos)
modelada pelo Grupo INRC (Vierergruppe ou grupo de Klein)
1ª Parte
A existência do INRC na estrutura mental
condiciona o domínio de frações
!
Ex.: O incrível caso da faxineira que varreu a obra de arte, pensando que era lixo!
Não há uma exata obediência às idades indicadas por Piaget. Há uma convivência de períodos.
Incapacidade de se colocar no ponto de vista de outrem.
vídeo Jean Piaget - tendência cognitiva
"Realizei esta experiência com a mamadeira de meu filho quando ele tinha sete meses e estava sendo alimentado. Na hora da alimentação apresentei à criança a mamadeira com leite. Ela ficou ao alcance da mão do bebê, porém a encobri com meu braço. Quando a mamadeira ficava parcialmente encoberta, o bebê podia alcançá-la. Mas quando meu braço encobria totalmente a mamadeira, o bebê começava a chorar, como se ela tivesse deixado completamente de ter existência." (The child and modern physics)
Alfa
: negação da perturbação. O equilíbrio resultante instável. Parte de estruturas restritas e fracas e não leva a integrações novas ou compensações.
Beta
: modificar o próprio esquema para acomodá-lo às perturbações, de forma otimizada, conservando o máximo possível do esquema.
Gama
: flexibilizar o esquema para prever e antecipar as variações, que deixam de ser 'perturbações' e passam a ser consideradas transformações internas do sistema
(PIAGET, A Equilibração das Estruturas Cognitivas: Problema central do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1976)
3 resoluções do conflito
"Leia Piaget.
Lembre-se que ele é geralmente vago e muitas vezes errado, e que há dimensões ainda desconhecidas de complexidade estrutural e processual dentro da mente de que ele aparentemente tem pouca noção.
Mas, sim, leia Piaget!" (BODEN, 1979)
Full transcript