Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

APONTAMENTOS SOBRE DISCRIMINAÇÃO, PRECONCEITO, INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE BRASILEIRA

No description
by

Claudio Lima

on 25 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of APONTAMENTOS SOBRE DISCRIMINAÇÃO, PRECONCEITO, INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE BRASILEIRA

Claudio Lima Apontamentos sobre
DISCRIMINAÇÃO, PRECONCEITO,
INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE
na sociedade brasileira CONTEXTO INCLUSÃO Inclusão não é tornar todos iguais, mas respeitar as diferenças (MRECH, 2003) Relações inclusivas em processos educativos implica conhecer a origem dos sujeitos envolvidos, tanto como indivíduo como coletividade;

O processo político da formação do Estado e da cidadania no Brasil configurou as relações entre Estado e sociedade e gerou uma identidade nacional específica; FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Fortemente idealizada entre a proclamação da República e 1930, houve a inserção de símbolos de segmentos populares como definidores da nação, como o futebol, o carnaval e o samba. (Ortiz, 2001) Não pode se restringir à aceitação de alunos na escola ou ao ingresso no mercado de trabalho.

A aceitação e o convívio dos diferentes com os demais membros sociais diferença deve ser pensado desde uma perspectiva de identidade, Orient.:Prof. Regina Heidrich Assim, a identidade nacional brasileira está implicada frequentemente com exclusão social, discriminação e preconceito. O processo democrático não pode compatibilizar-se sobre um tecido sociocultural impregnado de preconceito e discriminação.

Essas categorias que configuram relações sociais assimétricas e desiguais e devem ser combatidas desde a escola. JUSTIFICATIVA Com o avanço tecnológico, as questões de acessibilidade devem contemplar os processos educativos presenciais e à distância (Ambientes Virtuais de Aprendizagem)


Assim, discriminação e preconceitos influenciam diretamente as questões de acessibilidade. A tendência não era construir a identidade nacional com estas categorias, mas ocultar dentro delas as distinções classistas e étnicas da época (Ortiz, 2001) Identidade nacional implementada
sem legítima participação popular levou à
formação de estereótipos equivocados
e repúdio à diferença (SANTOS, 2010)

discriminação
e
preconceito Discriminação
práticas sociais
concretas Preconceito:
atitudes
determinadas
por realidades
historicamente
construídas CANDAU
2003 A conjugação conjunta
dessas duas categorias,
como se uma só fossem,
impede de maneira perversa
seu reconhecimento e dificulta
seu combate.
(CANDAU, 2003) DISCRIMINAÇÃO e PRECONCEITO
são problemas estruturais e não conjunturais.

Afetam a sociedade como um todo, inclusive escola DISCRIMINAÇÃO e PRECONCEITO

são problemas estruturais e não conjunturais.

Problemas estruturais afetam a sociedade como um todo, incluindo a escola Escola: espaço de construção identitária
que pode considerar discussões sobre inclusão, discriminação e preconceito
(RATTNER, 2002; SASSAKI, 2007) Incluir: tornar acessíveis para qualquer pessoa todos os sistemas gerais da sociedade, em contraposição à prática de construir “subsistemas separados”.

Estas mudanças fundamentais são uma questão de cultura social porque podem garantir não só o acesso social, mas permanência social dos diferentes. (BEYER, 2006) No campo educacional, o avanço tecnológico cria oportunidades, mas também traz desafios inclusivos:

A acessibilidade à web oportuniza conteúdos tangíveis a todos, com deficiências permanentes ou temporárias, fazendo com que qualquer pessoa possa acessar, interagir, contribuir e criar conteúdos para a rede, não importando seus limites. (WEEN e WRAKING, 2009) O W3C (World Wide Web Consortium):
entidade que desenvolve e estabelece padrões para a criação e a interpretação de conteúdos para a internet. Páginas web desenvolvidas segundo esses padrões podem ser acessadas e visualizadas por qualquer pessoa ou tecnologia, independente de hardware ou software utilizados (NIELSEN, 2000)
As mudanças sofridas pela identidade nacional através da história brasileira sempre foram operacionalizadas pelo Estado ou certas categorias dentro dele. Sem participação popular, as questões discriminatórias e preconceituosas ficaram inseridas de maneira dissimulada dentro da identidade nacional nascente, chegando aos dias atuais. Páginas web desenvolvidas segundo esses padrões podem ser acessadas e visualizadas por qualquer pessoa ou tecnologia, independente de hardware ou software utilizados (NIELSEN, 2000) CONSIDERAÇÕES
FINAIS A construção democrática no Brasil exige o combate às desigualdades entranhadas na sociedade de maneira difusa, mas fortemente internalizada e sustentada com naturalidade.
Discriminação e preconceito são conjugados perigosamente, eliminando as diferenças entre uma e outra e dificultando o combate. A sociedade brasileira, hoje, está diante da tarefa de reencontrar o sentido comunitário, interacionista e inclusivo, essencial para o sucesso das ações inclusivas, tanto presenciais quanto virtuais.

Que os ambientes virtuais e softwares gerados a partir desta ótica humanística e inclusiva possam representar um local propício para este reaprendizado interativo e, antes de tudo, humano.

O resgate da acessibilidade e inclusão universal, com respeito à diversidade, pode começar por aí. BEYER, Hugo Otto. Inclusão e Avaliação na escola de alunos com necessidades especiais. Porto Alegre: Mediação, 2005;
CANDAU, Vera Maria (coord.). Somos todos igu@is? Escola, discriminação e educação em direitos humanos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
MRECH, LENY MAGALHÃES – Psicanálise e Educação: Operadores de leitura São Paulo, Editora Pioneira, 1999.
NIELSEN, Jakob. Projetando websites. Rio de Janeiro: Campus, 2000.
ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2001.
RATTNER, Henrique. Sobre exclusão social e políticas de inclusão. In: Revista Espaço Acadêmico. Ano II, n. 18, novembro de 2002.
RENAN, Ernest. Qu’est-cequ’une nation? Paris: Éditions Mille, 1997. [primeira edição: 1882]
SASSAKI. O que é Educação Inclusiva? Faculdade de Educação da Universidade de São
WEEN, W.; VRAKKING, B. Homo Zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009. METODOLOGIA Revisão bibliográfica sobre o tema, seguida de análise de autores de referência no campo da inclusão social, tecnologia e acessibilidade OBJETIVOS Problematizar a questão da discriminação e preconceito desde a criação da identidade nacional brasileira, relacionando o tema à acessibilidade e inclusão escolar Disponível em prezi.com/user/claudiodelima
Full transcript