Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O CONCEITO DE CULTURA em Zygmunt Bauman

No description
by

Marcelo Mesquita

on 17 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O CONCEITO DE CULTURA em Zygmunt Bauman

ENSAIOS SOBRE O CONCEITO DE CULTURA Zygmunt Bauman
UFMG - FaE

PROMESTRE - Mestrado Profissional Educação e Docência

Disciplina: V PERCURSOS FORMATIVOS EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PREZI E OBJETOS DE APRENDIZAGEM

Mestrando: Marcelo de Mesquita Ferreira


O CONCEITO DE CULTURA

Livro: BAUMAN, Zygmunt. Introdução. In: Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 2012. p. 2 – 53.
ZYGMUNT BAUMAN, sociólogo polonês, iniciou sua carreira na Universidade de Varsóvia, onde teve artigos e livros censurados e em 1968 foi afastado da universidade. Logo em seguida emigrou da Polônia, reconstruindo sua carreira no Canadá, Estados Unidos e Austrália, até chegar à Grã-Bretanha, onde em 1971 se tornou professor titular da Universidade de Leeds, cargo que ocupou por vinte anos. Responsável por uma prodigiosa produção intelectual, recebeu os prêmios Amalfi (em 1989, por sua obra Modernidade e Holocausto) e Adorno (em 1998, pelo conjunto de sua obra). Atualmente é professor emérito de sociologia das universidades de Leeds e Varsóvia.
Na primeira edição do referido livro, Bauman defendia:
- o termo cultura não pode ser empregado sem que seja avaliado como “conceito”, como “estrutura” e como “práxis”.

Na nova edição, o autor adicionou uma introdução, onde explica o porquê da recuperação desse texto e o contextualiza na atualidade, sem abandonar, no entanto, a base inicial.

Para ampliarmos nossa compreensão sobre cultura, Bauman nos aponta para três conceitos essenciais, que não podem ser vistos de forma tão delimitada, pois se relacionam entre si: a cultura como conceito hierárquico, a cultura como conceito diferencial e o conceito genérico de cultura.

Cultura como conceito hierárquico:

Cultura é aqui compreendida como uma propriedade que pode ser adquirida, transformada e adaptada, partindo de um pressuposto de que é parte separável do ser humano. A construção do conceito de cultura como um índice de status e superioridade subjulga sujeitos, grupos e sociedades até hoje.

O segundo significado para o termo cultura, analisado por Bauman, é o conceito diferencial:

- que aponta para as singularidades entre sociedades. Compreende-se aqui a cultura como um sistema fechado de características que distingue uma comunidade de outra, pois entende-se que cada comunidade teria significados próprios que seriam compartilhados entre si.

Evidenciamos aqui pontos de contato que aproximam os dois conceitos visitados no texto até o momento. Pois, enquanto o conceito diferencial reconhece a autonomia e homogeneidade que diferencia grupos e sociedades, evidenciando sua auto-suficiência, a medida que é atravessado por outros marcos se opera uma lógica bastante afinada ao conceito hierárquico que discrimina através da atribuição de valores, separando o bom do ruim, o que vale mais do que vale menos.
As identidades no atual estágio cultural

“As identidades mantêm sua forma distinta enquanto continuam ingerindo e vomitando material cultural raras vezes produzido por elas mesmas.
As identidades não se apoiam na singularidade de suas características, mas consistem cada vez mais em formas distintas de selecionar/reciclar/rearranjar o material cultural comum a todas, ou pelo menos potencialmente disponível para elas. É o movimento e a capacidade de mudança, e não a habilidade de se apegar a formas e conteúdos já estabelecidos, que garante sua continuidade.”
(BAUMAN, P. 47)

O terceiro, o termo genérico, parece tratar da atividade humana como um todo.

Talvez esteja influenciado pela oposição entre natureza e cultura dos estruturalistas, que, pelo menos de acordo com Lévi-Strauss, afirma que "não há estágio natural do homem, isto é, ele é um ser que assim se caracteriza por seu estado não-natural, logo, cultural".

Full transcript