Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Intervenção da França no Mali: fundamentalismo, terrorismo e neo-colonialismo

Aula de Atualidades do Prof. Ivan Paganotti - Colégio Stockler
by

Ivan Paganotti

on 4 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Intervenção da França no Mali: fundamentalismo, terrorismo e neo-colonialismo

- Por que Beyoncé precisou cantar ao vivo no Super Bowl?
Que tipo de informação você recebe?
Qual informação faz falta?
- Por que os deputados federais condenados pelo mensalão não foram cassados?
- Por que a França bombardeou o Mali?
- Por que Santa Catarina passa por ondas de ataques criminosos?
- Por que o governo norte-americano abriu processo de US$ 5 bilhões contra a agência de avaliação Standard & Poor's?
- Por que os incêndios em favelas em São Paulo no ano passado, como os em Paraisópolis, não foram investigados como o da boate Kiss em Santa Maria?
- Por que a Inglaterra tenta aprovar o casamento gay?
- Por que estados brasileiros sofreram falta de energia no último ano?
Prof. Ivan Paganotti / Aula 1 - Atualidades - Colégio Stockler
Intervenção da França no Mali
fundamentalismo, terrorismo e neo-colonialismo
Filtros da informação
http://revistaepoca.globo.com/tempo/Especial/noticia/2013/01/nova-guerra-na-africa.html
http://revistaepoca.globo.com/Mundo/noticia/2013/01/franca-enfrenta-no-mali-uma-guerra-ao-fundamentalismo-islamico.html
- Ausência de governos centalizados fortes / ineficiência no combate ao terrorismo
- Intervenção da França a pedido de ex-colônia: retorno do peso de super-potências na região?
- Participação de tropas da ONU são defendidas pela França, mas governo local reluta
Conflitos no Sahel são resultado do enfraquecimento dos governos locais e expansão de grupos rebeldes (efeito colateral das Revoltas Árabes nos países vizinhos como Tunísia e Líbia), além da ascensão da Al Qaeda Islâmica do Magreb
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/02/130206_saara_extremismo_analise_ac.shtml
Leitura complementar: "O Saara pode se tornar um novo Afeganistão?", da BBC
Romaric Hien/Agence France-Presse
Nicolas Vissac/AFP
+ sharia
- música
+ reservas de petróleo e gás
maior fornecedor de urânio para usinas nucleares francesas (80% da sua energia)
tuaregues (separatistas)
Azawad (norte do Mali)
extremistas islâmicos
+
+
marcham ao Sul para dominar
"[...] O processo de controle do governo pela religião, que, em Timbuktu, sucedeu de forma brusca e radical, ocorre em muitas outras partes do mundo, de modo mais lento e sutil, mas igualmente insidioso.
É sempre o mesmo fenômeno: a religião querendo deixar de ser a lei de Deus para ser a lei de todos.
Em vários países, grupos religiosos buscam articular-se politicamente. Partidos ultraortodoxos detêm 18 dos 120 assentos do Parlamento de Israel. O partido islâmico da Irmandade Muçulmana controla o governo do Egito.
Ao mesmo tempo, fundamentalistas assumem ares de superioridade moral e se arrogam a missão de impor, ainda que de forma violenta, uma moralidade baseada na fé, na qual a racionalidade não tem lugar.
O radical em Jerusalém que cospe na garota de oito anos porque ela não está vestida decentemente é o mesmo que, no Brasil, destrói o centro religioso de matriz africana e, no Paquistão, alveja a cabeça da menina que quer acesso à educação. Desqualifica-se a diversidade com argumentos que remontam à Idade Média e às Guerras Santas.
Na democracia, há espaço para todo tipo de expressão, inclusive as radicais. Mas não para a intolerância. A maioria governa, mas as minorias devem ter direitos assegurados. É essa a regra de ouro, é o que faz o sistema democrático funcionar. Ninguém é melhor que ninguém. Todos são iguais perante a lei.[...]"
(PORTO, Alexandre Vidal. "Timbuktu pode ser qualquer lugar". Folha de S.Paulo, 02/02/2013)
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/91874-timbuktu-pode-ser-qualquer-lugar.shtml
http://www.nytimes.com/2013/01/12/world/africa/mali-islamist-rebels-france.html?_r=0
Atualidade
Proximidade
Relevância
Impacto
Choque
Curiosidade
Hábitos criminalizados: jogo, consumo de bebidas alcóolicas, prostituição e adultério
Penalidades: amputação (roubo), apedrejamento e chicotadas (sexo extraconjugal)
Lei baseada em preceitos religiosos islâmicos
FONTE: http://www.bbc.co.uk/religion/religions/islam/beliefs/sharia_1.shtml
Full transcript