Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

HIPOVITAMINOSE A

No description
by

Lyandra Rafaela

on 3 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of HIPOVITAMINOSE A

Foi descoberta em 1913 por McCollum e Davis.

Anteriomente era muito conhecida pelas suas aplicações clínicas e ainda não estava associada a nenhuma deficiência dietética (1500 a.C)

Há apenas poucas décadas tem sido consuzidos estudos sobre a associação entre o estado nutricional e a habilidade no controle às infecções.
Vitamina A
HIPOVITAMINOSE A
Uma grande parte da vitamina A é estocada no fígado, onde é ligada a proteína ligadora de retinol.

A concentração sanguínea não costuma ser guia para estudo da vitamina A, mas valores baixos indicam que o armamento está baixo.
Armazenamento


A vitamina A exerce inúmeras funções no organismo.
Dentre tais funções, destacam-se, por
sua relevância, a visão, o crescimento, o desenvolvimento e a manutenção do tecido epitelial, da função imunológica e da reprodução.

Funções e repercussões de sua deficiência
A síntese hepática da PLR depende da presença tanto de
zinco quanto de aminoácidos e de níveis de retinol
plasmático, os níveis da PLR podem ser afetados por
diferenças daqueles nutrientes bem como da deficiência
crônica da vitamina A, grave o suficiente para
depletar estoques de ésteres de retinil hepático.
Assim, crianças com desnutrição proteicocalórica, tipicamente,
mostram baixos níveis circulantes, de
retinol, o que pode não responder à suplementação de
vitamina A, a menos que a deficiência protéica seja
corrigida.

Transporte e Metabolismo
A deficiência aumenta o risco de morbidade e mortalidade infantil.
Em crianças
Aspectos gerais
do Metabolismo

Terapêutica


É contra indicados para pacientes formadores de cálculos urinários, de acido úrico e oxalato
A vitamina A mantem o equilíbrio fisiológico com as vitmaninas E e D


Os sinais e sintomas de deficiência de vitamina A respondem a suplementação dessa vitamina na mesma ordem em que elas aparecem

Gestação
É importante em todas as fases gestacionais.

Tanto a deficiência e o excesso estão relacionados à defeitos congênitos.

Relação entre baixas concentrações de vitamina A no cordão umbilical e crescimento anormal do feto.
Em idosos
Obtem uma taxa de deficiência em torno de 13,2%.

Esta relacionada com a má nutrição.
Sinais e sintomas
Lesões na pele e infecções,porém a mais notável é a cegueira noturna.

Anormalidades na reprodução, aborto espontâneo.

Doença de pele.

Cálculos renais e ureterais.


Eliminação
O retinol não é eliminado na urina e, sob forma inalterada, é excretado somente em casos de nefrite crônica. Quando altas doses de vitamina A são administradas,é que certa proporção sofre excreção sob forma inalterada, nas fezes.



A vitamina A faz parte da púrpura visual, pois
o retinol vai combinar-se com a proteína opsina, para
formar a rodopsina ou púrpura visual nos bastonetes
da retina do olho, que tem por função, em última análise,a visão na luz fraca.

Visão

A deficiência de vitamina A está associada à
redução da atividade de células NK e à habilidade de células esplênicas em produzir interferon, após o estímulo de mitógenos. Essa deficiência associa-se à redução da produção de anticorpos contra polissacarídeos bacterianos e antígenos protéicos, e à piora do controle da infecção por micobacteriose e esquistossomose.

Imunidade

A vitamina A age na diferenciação e crescimento
das células epiteliais, sendo imprescindível para
o crescimento e desenvolvimento normais dos tecidos
ósseo e dentário. Induz e controla a diferenciação
do muco secretado no trato respiratório,
levando, em casos de deficiência de vitamina A, à
supressão das secreções normais e, conseqüentemente,
à irritação e à infecção.

Tecido Epitelial


A vitamina A persiste sendo objeto de estudos
no campo da transmissão vertical do HIV-1. Sabe-se que ela pode ser importante devido ao efeito estimulador sobre o sistema imunológico além do seu papel na manutenção da integridade da mucosa epitelial.
Tanto a gestação quanto a infecção pelo HIV-1 são
fatores de risco para deficiência da vitamina A.

Em Pacientes Portadores Do HIV-1
Eliminação
Febre
Infecções
Nefrite crônica
Má absorção de lipídeos
Em pacientes cirróticos
Doenças que precipitam deficiência
de vitamina A:

Em todos os casos de deficiência de vitamina A é indicado o enriquecimento alimentar, ou a suplementação de vitamina A utilizando individualmente.
Tratamento de fotodermatose, acne, psoríase e da hiperpigmentação folicular
Efeito preventivo na tensão pré menstrual.
Tratamento da xeroftalmina

Contra indicações para
suplementação de vitamina A
Prognóstico
Necessidades Humanas
Foram estabelecidas em 2002, para a caracterização da quantidade diária recomendada de vitamina A
Estimada para mais da metade da população para indivíduos saudáveis

Interações
Colestiramina
Kanamicina e Neomicina
Óleos minerais
Vitaminas D e A
Pectina cítrica
Óleo de soja

A vitamina A ré formada (retinol) esta presente, principalmente no fígado e no rim, leites integrais e seus derivados, peixes e gemas de ovos. As pró-vitaminas (carotenoides): em vegetais folhosos, legumes e frutas, óleo de fígado de peixes.

Fontes Alimentares
A vitamina A, também conhecida como retinol, é um álcool primário e lipossolúvel;

O termo vitamina A tem sido considerado atualmente todos os derivados de betaionoma, que possuam atividade biológica do retinol, exceto os carotenóides.

Deficiência primária- resulta da ão ingestinadequada de vitamina A pré formada (retinol) e carotenóides.

Deficiência secundária - resultam de má absorção devido a insuficiência dietética de lipídeos, pancreática ou biliar e de transporte.
Acadêmicas:

Rosemere
Talita
Lyandra
Nathaly
3NUAD
Full transcript