Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Teoria Ator-Rede (TAR)

André Lemos. "A comunicação das coisas: Teoria ator-rede e cibercultura."
by

Erica Gonçalves

on 9 August 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Teoria Ator-Rede (TAR)

v
f
b
d
l
h
e
c
q
i
j
m
k
a
y
t
k
p
y
g
n
o
u
r
s
?
!

"Cada ação, para ficarmos no uso das tecnologias de comunicação e informação, por mais simples que seja, associa múltiplos atores em uma circulação de mediações e delegações atravessando espaços e contextos: engenheiros, criadores, produtores de informação, empresas, distribuidores, usuários, leis, software e bancos de dados, servidores, redes... Compreender a cultura digital é entender a[s] relações entre esses diversos atores e suas formas de relação através de boas descrições e análises de seus rastros." (p.24)


"A TAR é interessante, pois ela busca identificar justamente as associações entre atores, vistos como mediadores ou intermediários, destacando as redes que se formam com a circulação da ação entre eles, entendendo as estabilizações, ou caixas-pretas que daí se formam como algo momentâneo." (p.24-25)
"Passamos por um momento bem interessante no país no qual a TAR desperta interesse crescente. Isso pode ser comprovado no número cada vez maior de citações nos principais encontros da área de comunicação (...)

O Brasil é um dos países que mais utilizam esses dispositivos, mesmo tendo que enfrentar enormes desafios de infraestrutura, desigualdade social e problemas na democratização do acesso aos novos meios de comunicação" (p.26)
"O objetivo deste livro é suprir uma lacuna como um trabalho de introdução à TAR no campo da comunicação no Brasil, podendo, desta forma, servir de base para futuros trabalhos. (.p.27)


"Os capítulos são oferecidos ao leitor com o intuito de estimular o pensamento e o uso dessa sociologia das associações em fenômenos da cibercultura. Assim, ele deve ser visto como um livro introdutório à teoria a partir do qual outros pesquisadores podem tirar proveito das discussões aqui feitas e tentar aplicá-las às suas áreas de interesse." (p.27)
"O objetivo aqui é bem mais modesto: um exercício de pensar a TAR aplicada a fenômenos de teorias da comunicação, particularmente em sua interface com a cultura digital contemporânea." (p.30)
1. TEORIA ATOR-REDE (TAR)



Sociologia da mobilidade
Sociologia das associações e da tradução
Coloca em questão a noção de social e de sociedade, de ator e de rede.
"Vou, em um primeiro momento, situar as origens dessa teoria, explicar os seus principais conceitos, sustentar a tese da mobilidade e apontar para as contribuições da TAR no campo da comunicação sugerindo sete contribuições para a teoria do jornalismo. No final do capítulo, apresento o que podemos chamar de perspectiva Pós-TAR, proposta por Bruno Latour (2012a)" (p.33)
Divisão do capítulo:

Origens
Conceitos e pressupostos teóricos
Sociologia da mobilidade
Do paradigma ao cosmograma
Contribuições gerais
Pós-TAR, ou como os modos de existência ampliam as redes
ORIGENS
A TAR nasce no âmbito dos Estudos de Ciência e Tecnologia sendo estabelecida nos anos 1980 por Bruno Latour, Michel Callon, Madeleine Akrich, John Law, Wiebe Bijker, entre outros.
A TAR surge contra a visão estrutural e funcionalista que trazem as concepções essencialistas da ciência.
Ou seja, a TAR "se constrói no próprio desenvolvimento das ciências e das técnicas." (p.35)
Rede é conceito-chave para compreender o movimento.
"Rede é o movimento da associação, do social em formação. (...) Rede não é conexão, mas composição. (p.35)"
"Mais do que explicar os fenômenos tendo como causa a sociedade ou o social, o social será aquilo que emerge das associações, das redes.
Portanto, a TAR vai se opor à visão de que os fenômenos técnicos e científicos podem ter uma 'explicação social' (...)" (p.36)
ONTOLOGIA PLANA - rompe com a separação sujeito/objeto, natureza/cultura, ciência/sociedade
Latour: Crítica à sociologia do social
Evitar explicações sociais às relações e seguir o social nas associações que se fazem em determinado momento e lugar.
CONCEITOS E PRESSUPOSTOS TEÓRICOS




REDE
CONTROVÉRSIA
CAIXA-PRETA
ESSÊNCIA
PREPOSIÇÃO
ESPAÇO-TEMPO
ACTANTE
Humanos ou não-humanos que realizam uma ação.

Rede de mediadores em uma dada situação.

"Cada actante é sempre resultado de outras mediações e cada nova associação age também como um actante" (p.44)

"a ação nunca é propriedade de um actante mas de uma rede" (p.45)
INTERMEDIÁRIOS
"não media, não produz diferença, apenas transporta sem modificar" (p.46)

"como não há essência, um pode virar o outro, a depender de como se constitui a rede, as associações" (p.47)

Ao romper com a estabilidade, um intermediário pode voltar a ser actante, afinal, actantes e intermediários são sempre 'eventos'.
TRADUÇÃO
OU
MEDIAÇÃO
"Tradução, ou mediação,é um conceito que remete para comunicação e transformações dos actantes, bem como para a constituição de redes." (p.48)

ação principal

relações que implicam transformação

INSCRIÇÃO
Forma de mediação "no qual a associação se define a partir de scripts [...] fazendo com que a ação seja sempre fruto de hibridismo e de produção de resultados [...] Toda produção de verdade é uma inscrição de alguma forma, produção de um rastro." (p.50)

"A inscrição é de fato a produção de ficção, a produção de fatos científicos [...] em diversos dispositivos de leitura e de escrita." (p.51)
PRINCÍPIO DA SIMETRIA OU ONTOLOGIA PLANA
"É o pressuposto de que se deve dar a mesma importância a sujeitos e objetos" tornando-os "quase-sujeitos" e "quase-objetos" (p.52)

"Assim, actantes humanos e não-humanos estão no mesmo plano." (p.52)
REDE
Espaço-tempo, "conceito-chave que remete às formas de associações entre os actantes e intermediários definindo a relação [...] entre eles. A rede é o próprio movimento associativo que forma o social." (p.53)

Redes sociais diferente de redes sociotécnicas.

"E a sociedade (se é que ela existe) é rede se fazendo e desfazendo a todo momento." (p.54)
na física relativística, evento é o próprio espaço-tempo, ou seja, a 4º dimensão que considera a velocidade que o observador se move no tempo (evantos separados no tempo de apenas 1 segundo estão a 300.000 km de distância)

ver também o conceito de rede que é o próprio espaço-tempo, segundo André Lemos.
na física relativística, evento é o próprio espaço-tempo, ou seja, a 4º dimensão que considera a velocidade que o observador se move no tempo (evantos separados no tempo de apenas 1 segundo estão a 300.000 km de distância)

ver também o conceito de intermediário já que para André Lemos actantes e intemediários são os próprios "eventos"
Controvérsia
"É o lugar e o tempo da observação, onde se elaboram as associações e o 'social' aparece antes de se congelar ou se estabilizar em caixas-pretas [...] Olhar as controvésias é olhar as redes em formação na disputa pela estabilização. Quando elas cessam, surgem as caixas-pretas." (p.55)
Caixa-preta
"É a estabilização [...] e a resolução de um problema. Após a resolução da controvérsia, tudo se estabiliza, passa para um fundo e desaparece, até o momento em que novos problemas apareçam e a rede se torne mais uma vez visível." (p.55)
poderia dizer que é o senso comum?
Essência
"não há essência e que temos que ver caso a caso" (p.57)

"Pela essência perdemos justamente a rede, as associações, em prol de uma explicação mágica e generalista." (p.58)
PREPOSIÇÃO
"uma forma de interpretação de terrenos específicos (o direito, a religião, a política, a reprodução...)" (p.58)
CONCEITOS E PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
ESPAÇO-TEMPO
"Espaço é o que se produz da mediação entre objetos (podendo ser humanos ou não-humanos).

Ele é o movimento da mediação.

Espaço é uma associação de coisas e lugares. [...]

O tempo nada mais é do que aquilo que é produzido pela relação entre as coisas, pela sua dinâmica de constituição. [...]

é simultaneidade [...]

Espaço e tempo são consequências das associações." (p.58-59)

Para Serres, "
qualquer acontecimento histórico é, desse modo, multitemporal, remete para o passado, o contemporâneo e o futuro

simultaneamente
" (p.59)
SOCIOLOGIA DA MOBILIDADE
A TAR é uma sociologia da mobilidade. "não da mobilidade de coisas (transporte) ou da informação (comunicação), mas a mobilidade das associações que compõe os seres, as coisas, os humanos, os não-humanos, o social." (p.60)
DO PARADIGMA AO COSMOGRAMA
"a TAR pode ajudar a superar disputas improdutivas, propor novas leituras dos fenômenos ancoradas na experiência empírica sem alimentar novas fantasias de purificação ou de hegemonia no campo." (p.67)
Contra a pureza dos fatos
"a purificação dos fatos não é a melhor abordagem nem para o trabalho, nem para a pesquisa em comunicação. [...]

acarreta separação dos campos de estudo [...] " (p.71)
As redes atravessam fronteiras
"não se trata aqui de trocar o estudo dos meios pelo estudo das mediações, tal como propõe Martin-Barbero (1977) com seu mapa das mediações, instaurando análises que separam contexto social e cultural, receptor e texto midiático. [...] Não se trata de trocar um campo pelo outro, mas de atravessar livremente a tal fronteira imaginária reconectando os meios na sua materialidade, as mensagens na sua expressividade, os processos sociais que com estas interagem, sem esvaziá-los dos agentes não-humanos que fazem funcionar a recepção." (p.79)
Mediação é sempre deslocamento e transformação
O intermediário "transporta mas não muda nada", já o "mediador, ao contrário, é aquele que modifica e é modificado no curso de sua 'comunicação' [...] O resultado da interação só se completa com o concurso da sua ação onde ele e outros se transformam até a estabilização (na maioria das vezes provisória) da rede. [...]Actante é quem 'in-forma', cria e faz circular diferenças [...] Ser mediador ou intermediário não são características essenciais dos elementos das redes, mas papéis assumidos na associação." (p. 79-80)
A credibilidade é estabilização temporária da composição
Do paradigma ao cosmograma
Identificar e abrir caixas-pretas
7 contribuições da teoria
Jamais abandonar o empírico em favor de estruturas
CONTRIBUIÇÕES GERAIS
Ao descrever, encontra-se "os principais mediadores (actantes), os intermediários (que transportam mas não mudam nada), as ideologias, as forças, os poderes, as razões, as estruturas e as agências circulando." (p.91)

"As redes de atores e os atores-redes, como evento em circulação, são movimentos." (p.91)

"E na sociologia do social são os actantes não-humanos os que estão faltando no balanço de massa da sua teoria." (p.92)







"A TAR propõe que:

1 - Humanos e não-humanos estão em uma mesma posição;
2 - Não há essência e tudo se define na associação;
[...]
4 - Se não há ação (mediação, tradução ou delegação), não há nada;
5 - Tudo tende a se estabilizar em caixas-pretas, que são resoluções temporárias;
[...]" (p.94)
PÓS-TAR, OU COMO OS MODOS DE EXISTÂNCIA AMPLIAM AS REDES
"O conceito de modo de existência de Latour pode ajudar a aprofundar a discussão sobre os modos de mediação locativos." (p.98)
15 modos de existência divididos em 5 grupos
quase-sujeitos e quase-objetos e os respectivos modos de existência: Reprodução, Metamorfose e Hábito.
quase-objetos e seus modos de técnica, ficção e referência
quase-sujeitos com seus modos: política, direito e religião
ligação entre quase-sujeitos e quase-objetos com os modos: apego, organização e moralidade.
metalinguagem de pesquisa: rede, preposição de duplo clique, o demônio que nega as mediações.
"Esses modos não pretendem dizer que tudo depende do ponto de vista, instituindo um relativismo, mas um relacionismo." (p.101)

"O relacionismo é assim a correspondência em uma rede de relações de modos de existência diferenciados." (p.103)
diferença entre ator e actante
Full transcript