Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Estado e Questão Social no Capitalismo dos Monopólios

Profª Alecsonia Araújo
by

on 16 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Estado e Questão Social no Capitalismo dos Monopólios

Profª: Alecsonia Pereira Araújo Estado e Questão Social no Capitalismo dos Mnopólios Mono pólio:




Grego - Monos = UM

e Polein = vender Capitalismo Monopolista = Estágio Imperialista Características dessa fase:

>> Recoloca em patamar mais alto as contrdições, com seus níveis de exploração, alienação, etc;

Qual o objetivo da organização monopólica?

O acréscimo dos lucros capitalistas através do controle dos mercados. >> Os preços das mercadorias e dos serviços produzidos pelos monopólios tendem a crescer progressivamente;

>> As taxas de lucros tendem a ser mais altas nos setores monopolizados;

>> Cresce a tendência a economizar trabalho vivo, com a introdução de novas tecnologias;

>> entre outros. Período Clássico do Capitalismo monopolista

Desdobramentos no cenário social:

>> SUPERCAPITALIZAÇÃO;

>> PARASITISMO Contradição elementar do C M Socialização da produção

X

Apropriação privada

Grupos de monopólios controlam-na por
cima de povos e Estados. Solicita o redimensionamento do poder econômico do Estado Antes: atuava como o cioso guardião das condições externas da produção capitalista; intervia de forma emergencial, episódica e pontual.

Depois: intervenção incide na organização e na dinâmica econômica de forma contínua e sistemática - Garantir superlucros dos monopólios. ESTADO: "Comitê executivo" da burguesia monopolista;

Transfere recursos sociais e públicos aos monopólios;

Busca "garantir" a conservação física da força de trabalho, ameçada pela superexploração Demarcação periódica: 1890 - 1940 = Período do imperialismo clássico.

1941 aos dias atuais: Capitalismo Tardio ou contemporâneo PARASITISMO:
Situação em que um ser humano vive na condição de parasita de outros. 2 Ângulos:

1 - Natureza parasitária da burguesia;

2 - Existência de atividades improdutivas -


SETOR TERCIÁRIO. PENSAMENTO MARXISTA: É a prática da exploração que a classe capitallista ou burguesa realiza sobre os trabalhadores através do que é denominado de MAIS VALIA.

SOCIOLOGIA: Animal que se alimentar do sangue de outro. Existência de funções econômicas
diretas e indiretas Fornece aos monopólios, a baixo custo, energia e matérias-primas fundamentais. Relacionadas ás encomendas/compras do Estado aos grupos monopolistas OBS: A transição ao capitalismo dos monopólios realizou-se paralelamente a um salto organizativo nas lutas do proletariado e do conjunto dos trabalhadores. Não se pode dizer que ocorreu uma compatibilidade entre a captura do Estado pela burguesia monopolista com o processo de democratização da vida sócio-política. OBS:

Respostas positivas a demandas das classes subalternas podem ser oferecidas na medida exata em que elas mesmas podem ser refuncionalizadas para o interesse direto e/ou indireto da maximização dos lucros. A Questão Social torna-se objeto constante e sistemático por parte do Estado. Através das Políticas Sociais Funcionalidade:

Processos referentes à preservação e ao controle da força de trabalho. Vigoroso suporte da ordem sócio-política. A Política Social deve constituir-se necessariamente em Políticas Sociais. Enfim, a Política Social no C. M. NÃO equivale a verificá-la enquanto uma "decorrência natural" do Estado capturado pela monopólio. Devemos lembrar:


As políticas sociais são resultantes extremamente complexas de um complicado jogo em que protagonistas e demandas estão atravessados por contradições, confrontos e conflitos. Decorrem, fundamentalmente, a capacidade de mobilização e organização da classe operária e do conjunto dos trabalhadores. A emergência do Serviço Social como profissão Clareza acerca das protoformas do Serviço Social e este enquanto profissão.

Duas teses: Endógena e Exógena O caminho da profissionalização do Serviço Social é, na verdade, o processo pelo qual seus agentes se inserem em atividades interventivas cuja dinâmica, organização, recursos e objetivos são determinados para além do seu controle. Ocorre uma ruptura: e o Condição de agente Significado social de sua ação. É a existência de espaço sócio-ocupacional que leva a constituição profissional.

É a ordem monopólica que cria e funda a profissionalidade do Serviço Social.

Essa profissionalidade é também dinamizada pelo projeto conservador que contempla as reformas dentro dessa ordem. O Serviço Social não desempenha funções produtivas.

Sumariamente, podemos concluir, ressaltando que em sua profissionalidade o Serviço Social: >> Revela-se congruente com as exigências econômico-sociais da ordem monopólica;

Sua intervenção desenha um aporte ao desempenho do estado burguês e do capital monopolista possibilitando condições mais favoráveis e compatíveis com o C.M. >> Possibilidades que oferecem efetivas margens para movimentos alternativos. >> Sociedade burguesa alcança maturidade histórica com graus de desenvolvimento que garantem sua dinâmica;

>> Aumento da taxa de afluência de trabalhadores ao exército industrial de reserva;
Full transcript