Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Mata Atlântica

Seminário: Bioma da Mata Atlântica | Disciplina: Ecossistemas Brasileiros | Discente: Jorge Glauco | Urbanismo-UNEB
by

Henrique Feitosa

on 14 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Mata Atlântica

MATA
ATLÂNTICA Mata Atlântica: Clima Predominantemente úmido;


Apresenta temperaturas médias elevadas durante o ano todo; a média de umidade relativa do ar é alta.


Um fenômeno que marca todas as regiões de floresta atlântica, de norte a sul do país: a grande quantidade de chuvas; resultado da proximidade do mar e dos ventos que sopram do oceano em direção ao continente. Esses ventos levam massas de ar muito úmidas, as quais, quando encontram as montanhas que cercam a Mata, se condensam e transformam-se em chuva. Mata Atlântica: Fauna Mata Atlântica: Flora Mata Atlântica: Relevo Mata Atlântica: 1500 Mata Atlântica: Hidrografia Elementos bióticos Elementos abióticos (interrelacionados) + Ecossistema = Floresta Estacional Decidual Floresta Ombrófila Densa Floresta Ombrófila Aberta Floresta Ombrófila Mista Floresta Estacional Semidecidual Mangues Restingas A Mata Atlântica se estende por toda a planície costeira, alcançando a cadeia de montanhas que acompanha a costa brasileira. Esta cadeia recebe nomes diferentes de acordo com a região pela qual passa. No sudeste, por exemplo, um pedaço dela recebe o nome de Serra do Mar. Entre a planície e as montanhas existem algumas colinas e morros arredondados. Um deles, aquele que chamou a atenção de Pero Vaz de Caminha, é o Monte Pascoal, na Bahia. Com 586 metros de altura, o monte ganhou este nome porque na ocasião da chegada dos portugueses era época de Páscoa.  Mais de 20 mil espécies de plantas, sendo 8 mil endêmicas, entre:

Palmeiras;
Bromélias, begônias, orquídeas, cipós e briófitas;
Pau-brasil, jacarandá, peroba, jequitibá-rosa, cedro;
Tapiriria;
Andira;
Ananas;
Figueiras; 270 espécies conhecidas de mamíferos;

992 espécies de pássaros;

197 de répteis;

372 de anfíbios;

350 de peixes. Clima;

Relevo;

Flora;

Fauna;

Hidrografia;

Ecossistema;

Antes e Depois;

Degradação;

Ocupação;

Ocupação urbana;

Precauções na ocupação;

Precauções na construção;

Conservação;

Parques;

Preservação;

ONGs Sete das nove bacias hidrográficas brasileiras passam pelo bioma;
{ nele estão os mananciais que abastecem de água 70% da população brasileira }

Regulagem do fluxo de mananciais hídricos

Os rios e lagos que compõem essas bacias estão em grande parte ameaçados pelo desmatamento das matas ciliares ou de galeria e consequente assoreamento dos mananciais, pela poluição da água e pela construção de represas sem os devidos cuidados no meio ambiente. Mata Atlântica: 2010 Antes Depois Mata Atlântica: Degradação Histórico: colonização brasileira

Extração de pau-brasil, ciclos econômicos de cana-de-açúcar, café e ouro;

Agricultura e agropecuária;

Exploração predatória de madeira e espécies vegetais;

Industrialização, expansão urbana desordenada;

Poluição. Mata Atlântica: Ocupação Urbana Mata Atlântica: Ocupação Urbana Mata Atlântica: Preservação Mata Atlântica: Prevenções na ocupação Mata Atlântica: Unidades de conservação Mata Atlântica: ONGs Mata Atlântica: Prevenções na construção Mata Atlântica: Parques Mata Atlântica: Composição do grupo Interesses Econômicos;

Urbanização Acelerada;

Concentração Populacional;

Ausência de considerações ambientais nas decisões que implicam em alterações morfológicas e urbanas;

Desconforto ambiental dos espaços urbanos;

As cidades crescem de um modo predatório sobre o sítio natural e contraditório com o seu contexto climático. MÁ QUALIDADE DE VIDA URBANA CONSEQUÊNCIA
Processo de urbanização do Brasil [Histórico]

Artifícios propícios à construção de cidades

Indústria agrícola

Topografia irregular
{ não favorece a habitação e construção } Mapa do domínio da Mata Atlântica Deve-se procurar preservar as características originais do terreno, buscando reduzir-se ao mínimo possível, as obras suplementares de contenção.

Deve-se observar:

traçado natural das drenagens;

presença da vegetação associada à contenção natural;

a tolerância da encosta à execução de cortes e aterros que não necessitem de proteção;

Dificilmente um projeto em encosta consegue evitar completamente a recomendação de obras de estabilização, mas o conhecimento da capacidade natural do terreno permite reduzir essas soluções ao mínimo. Os assentamentos que mais agradam são os que parecem ter se desenvolvido de forma espontânea, como que cravados na própria natureza. Vivem na Mata Atlântica cerca de 112 milhões de habitantes em 3.222 municípios, mais de 61% da população do País. 30% - declividade máxima prevista para ocupação de encostas, sem projetos especiais.
50% - limite de declividade tecnicamente recomendável para ocupação. 0 - 15% (0°- 8,53°)
15% - 30% (8,5° - 16,7°)
30% - 50% (16,7° - 26,6°)
Acima de 50% (acima de 26,6°) Assentamento precário em Itabuna. Programa Favela-Bairro, RJ. Melhorias de infra-estrutura. Assentamento precário na Mata Escura. 454 espécies de árvores por hectare — no Sul da Bahia (recorde) Contenção de encosta em Salvador. Programa Favela-Bairro, RJ. Melhorias de infra-estrutura. Ocupação em encosta com danos por deslizamento. Salvador Salvador Salvador Rio de Janeiro Rio de Janeiro Ponte sobre o Parque de Pituaçu Via Expressa 131 unidades de conservação federais, 443 estaduais, 14 municipais e 124 privadas, distribuídas por dezesseis estados. É a região com o maior número de unidades de conservação na América Latina. as áreas protegidas cobrem menos de 2% do bioma, sendo que as áreas de proteção integral protegem apenas 24% dos remanescentes. Parque Estadual da Ilha do Cardoso (SP)

Parque estadual paulista localizado no litoral sul do Estado de São Paulo, na divisa com o Estado do Paraná, abrangendo uma área aproximada de 151 Km² Parque Nacional de Superagüi (PR)
Criado em 1989 com uma área inicial de cerca de 21.400 ha. Em 1999 ocorreu outra demarcação e a área aumentou para cerca de 34.000 ha, o que incluía a Ilha de Superagüi, a Ilha das Peças, a Ilha de Pinheiro e a Ilha do Pinheirinho. Foram incluídos ainda o vale do Rio dos Patos, no continente, e o Canal do Varadouro, que separa a Ilha do Superagüi das terras continentais. Parque Nacional do Monte Pascoal (BA)
No  sul da Bahia, neste parque nacional localiza-se o Monte Pascoal. Lei 4771 de 16/09/1965 – Código Florestal


Lei 10257 de 10/07/2001 (Estatuto da Cidade) – diretrizes de política urbana


Lei da Mata Atlântica, Nº 11.428, de 22 de dezembro de 2006. (Art. 1o  A conservação, a proteção, a regeneração e a utilização do Bioma Mata Atlântica, patrimônio nacional)

Resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA A entidade desenvolve projetos de conservação ambiental, produção de dados, mapeamento e monitoramento da cobertura florestal do Bioma, campanhas, estratégias de ação na área de políticas públicas, programas de educação ambiental e restauração florestal, voluntariado, desenvolvimento sustentável e proteção e manejo de ecossistemas. Divulgação de experiências de restauração na Mata Atlântica, considerando seus aspectos técnicos, socioeconômicos e operacionais;

Captação e mobilização de recursos para apoio a ações e projetos de restauração florestal;

Contribuição para formulação e implementação de políticas públicas que contribuam para a restauração florestal na Mata Atlântica;

Monitoramento dos projetos de restauração e avaliação de seus resultados;

Valoração dos serviços ambientais ou ecossistêmicos oferecidos para a sociedade pelas áreas remanescentes e em restauração, reforçando sua importância para a qualidade de vida e os meios de produção, aproveitando oportunidades nos mercados de carbono e água;

A meta do Pacto pela Restauração da Mata Atlântica é a restauração florestal de 15 milhões de hectares até o ano de 2050, distribuídos em planos anuais aprovados por seu Conselho de Coordenação. Uma das maiores reivindicações da RMA já é realidade: a criação de programas voltados à obtenção de recursos para as ONGs desenvolverem seus próprios projetos. Hoje isso é possível, através do Subprograma de Projetos Demonstrativos (PDA), que foi criado em 1994, dentro do Programa Piloto para a de Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG7).

A RMA também prioriza parcerias com outras redes e coalizões, no sentido de fortificar ainda mais a atuação em defesa do meio ambiente. 

Grande reivindicação da Rede, conquistada no ano 2000, foi a implantação, no Ministério do Meio Ambiente, do Núcleo da Mata Atlântica, que já realizou várias ações em prol do bioma e que está elaborando o Programa Mata Atlântica, com o objetivo de colocar a conservação da Mata Atlântica definitivamente na pauta dos vários setores da sociedade brasileira.

O processo de crescimento da RMA como organização nacional articuladora da luta para a defesa da Mata Atlântica também pode ser ilustrado por sua intervenção em políticas públicas, no âmbito de representações em comissões e conselhos voltados à discussão e à formulação de políticas públicas que afetam direta ou indiretamente a Mata Atlântica.  O WWF-Brasil identifica problemas de conservação, concebendo e implementando, geralmente com parceiros, projetos de caráter demonstrativo que apontam soluções para esses problemas;

O WWF-Brasil trabalha ativamente para que as soluções ou prioridades em termos de conservação sejam adotadas, gerando produtos para audiências específicas e articulando ações de políticas públicas a partir dos resultados obtidos em seus projetos ou diagnósticos;

O WWF-Brasil é comprometido com o fortalecimento do movimento ambientalista brasileiro e com o engajamento da sociedade na conservação da natureza; “Na cadeia alimentar da Mata Atlântica, o carimbo é o principal predador” “Na natureza nada se cria, tudo é arquivado” Universidade do Estado da Bahia - UNEB
Departamento de Ciências Exatas e da Terra - DCET
Campus I - Salvador

Curso de Bacharelado em Urbanismo

Disciplina: ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

Discente: JORGE GLAUCO

Docentes:
APOENA Ferreira,
CARMÉLIA Cavalcante,
João HENRIQUE Feitosa,
LAURA Peixoto,
TAINÁ van Kerckhove Mata Atlântica: Índice
Full transcript