Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

TRATAMENTO DE EFLUENTES EM INDUSTRIA CERVEJEIRA

No description
by

Priscilla Cerqueira

on 27 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of TRATAMENTO DE EFLUENTES EM INDUSTRIA CERVEJEIRA

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM INDÚSTRIA CERVEJEIRA
Introdução
Resíduos gerados pela produção de cerveja
Os despejos provenientes das indústrias de cerveja e refrigerantes caracterizam-se pela elevada carga orgânica e por um pH predominantemente alcalino.
Etapas do processo de produção com respectivos resíduos gerados.

Tecnologia Utilizada
Tratamentos utilizados
Aeróbio
Parâmetro de Controle
Alguns parâmetros possuem uma significância maior no monitoramento por ser um indicativo da eficiência do estágio operacional e de alterações externas ou internas dos processos que ocorrem no tratamento. Pode-se destacar a alcalinidade, o pH, os ácidos graxos voláteis (AGV’s) e a temperatura como os fatores mais preponderantes. Os pontos onde os o automonitoramento é realizado são: Peneira estática; Tanque de equalização; Entrada do Reator IC; Saída do reator IC; Saída da lagoa aerada; Saída da lagoa de polimento.
Faculdade de Ciência e Tecnologia - Área1

Curso: Engenharia Ambiental e Sanitária

Discentes
:
Mário Neto
Diogenes Guerra
Jean Jorge
Marlon Ferreira
Priscilla Cerqueira

Docente:
Selma Souza

Disciplina
:
Tratamento de Águas e Efluentes
Os efluentes gerados na indústria de bebidas são ricos em açúcares, possuem pH alcalino, temperatura ambiente e apresentam elevada carga orgânica (DBO, DQO e sólidos totais), fazendo-se necessário um alto grau de tratamento da água de processo, antes de retorná-la à natureza. Um adequado tratamento irá garantir e assegurar a eco-eficiência, no sentido de evitar ou reduzir os danos ao homem e ao ambiente, assim como, possibilitar o reuso deste efluente tratado, sendo necessária a associação de diversos níveis de tratamento, devido ao elevado grau de complexidade da composição dos efluentes industriais gerados nestas indústrias. Os padrões ambientais para lançamentos de efluentes nos corpos d'água do Brasil são definidos pela resoluão CONAMA 430/2011.
Reator IC
Anaeróbio
Lodo de ETE resíduo de cervejaria
Fluxograma do Processo Produtivo da Cerveja
Resíduos Gerados no Processo Produtivo da Cerveja

Os processos mais indicados e utilizados no Brasil para o tratamento deste efluente são compostos por três etapas: tratamento preliminar, tratamento secundário (com prévia correção do pH e adição artificial de nutrientes, com uso de reatores anaeróbios do tipo IC) e pós-tratamento em lagoa aerada seguida de decantação (polimento).
Etapas do Tratamento
1. Zona de Mistura: Efluente bombeado para o reator e misturado com efluente tratado e lodo anaeróbio recirculados.

2. Zona de leito expandido: Cerca de 70% - 75% da DQO são convertidos em biogás que é utilizado para gerar o “gas-lift”.

3. Zona de Polimento: Aqui o biogás é separado da mistura Efluente/lodo e deixa o sistema.

1
2
3
Caracteristicas do Reator IC
Os Reatores IC têm alturas variáveis de 16 metros – 25 metros e por facilidade construtiva são cilíndricos, com diâmetros variando de 1,0 metro – 11,5 metros. O corpo do reator pode ser executado em aço inoxidável ou aço carbono revestido com proteção anticorrosiva.

Os separadores internos são construídos totalmente em plástico de engenharia (polipropileno) e ocupam toda a área superficial do reator. Estes cuidados garantem a longa vida útil do equipamento quando submetidos às condições do processo anaeróbio
Lagoa aerada seguida de decantação (polimento).
Parte aeróbia do tratamento. os microorganismos degradam as substâncias orgânicas, que são assimiladas como "alimento" e fonte de energia, mediante processos oxidativos.
Eficiencia do Tratamento
O projeto do sistema de tratamento de efluentes foi baseado nos padrões aplicados para a tipologia cervejeira.
Dimessionamento do Reuso
Conclusão
A avaliação desse tipo de tecnologia, comumente empregada em indústrias de bebidas de grande porte é bastante positiva apresentando efetivo tratamento com elevadas eficiências de remoção de matéria orgânica e obtenção de efluentes compatíveis com as exigências ambientais legais atuais. O tratamento anaeróbio mostra-se como uma alternativa viável ao tratamento de efluente para a tipologia bebidas (cervejas e refrigerantes).
Os sistemas de reúso, quando são planejados, implementados e operados adequadamente, trazem uma série de melhorias ambientais e das condições de saúde. Pode-se citar:
a) Minimização da descarga de efluentes nos corpos hídricos;
b) Preservação dos recursos subterrâneos
c) Preservação do solo com o aumento da sua resistência a erosão.

Para tanto, devem ser definidos:
a) Os usos previstos para esgoto tratado;
b) Volume de esgoto a ser reutilizado;
c) Grau de tratamento necessário;
d) Sistema de reservação e Distribuição; e
e) Manual de operação e treinamento dos responsáveis.

Classificação e parâmetros do efluente conforme o tipo de reúso
Referencias
CETESB- COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Nota técnica sobre tecnologia de controle: Fabricação de cervejas e refrigerantes, NT- 24, CETESB, São Paulo, 1992.- 27p.

FARIAS, M.S.S. et al. Caracterização dos resíduos líquidos de indústrias de cerveja e a medidas mitigadoras de impactos. Goiânia: Centro Cientifico Conhecer. 2008. Disponível em: <http://www.conhecer.org.br/enciclop>. Acesso em 07/05/2015.

SANTOS, M.S.; RIBEIRO, F.M. Cervejas e refrigerantes. São Paulo: CETESB, 2005.58p. Disponível em:<http://www.cetesb.sp.gov.br>. Acesso em 13/05/2015.

SILVEIRA, B.I. et al. Avaliação do Desempenho de um Reator UASB de uma Planta Industrial de Tratamento de Efluentes Líquidos. IN: 1° International Workshop Advances in Cleaner Production. São Paulo: UNIP. 2007. Disponível em: www.advancesincleanerproduction.net>. Acesso em 18/05/2015.

FARIAS, M.S.S. et al. Caracterização dos resíduos líquidos de indústrias de cerveja e a medidas mitigadoras de impactos. Goiânia: Centro Cientifico Conhecer. 2008. Disponível em: <http://www.conhecer.org.br/enciclop>. Acesso em 23/05/2015.
Full transcript