Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Heroina

No description
by

Pedro Mendonça

on 24 October 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Heroina

H
O
O
O
H
C
3
O
H
C
3
O
N
C
H
3
H
Heroína
Características
(Characteristics)
Semi - Synthetic
Alkaloid
Soluble in Water
Fine or Granular
White
,

Brown

or

Reddish
Powder
"
Papaver Somniferum
"
Chinesa
Cristal
H
Tirito
Cavalo
Junk
Caramelo

Smack
Palha
Sam, 15 anos
"Quando injecta pela primeira vez, é bem provável que vomite e que se sinta repelido, mas depressa experimenta outra vez. Irá agarrá-lo como uma amante obcecada. O estalo repentino de maneira a que queira mais, como se estivesse privado de ar - é assim que o irá armadilhar."
Euphoria
Relaxation
Discomfort
Pain Spred
História
(History)
Pera
Buco
Stuff
Rubber
Black Tar
Boy

1874 - Foi sintetizada pela primeira vez
1897 - Redescoberta por Felix Hoffman
Diacetilmorfina era utilizada, inicialmente, para a tosse
Vendida livremente nas Farmácias
Em 1925 e 1962 a heroína foi conciderada Ilegal em Itália e Portugal
Aquisição
Distribuição em rede
A maioria da produção mundial acontece no Afeganistão
Manipulação por parte dos vendedores
(Acquisition)
Adulteração
(Adulteration)
São adições de outras substâncias a drogas de consumo, com o objectivo de aumentar o seu volume
$
Desconhecimento da composição torna-se perigoso
Codeína, Morfina, Metadona, Cafeína, Cocaína e Metanfetaminas
Pureza
Em 2010, a pureza média da heroína castanha analisada na maioria dos países estudados variou entre
17%
e
28%
Valores Médios Inferiores:
França (
13%
)
Áustria (
13%
)
Valores Médios Superiores:
Turquia (
57%
)
Espanha (
32%
)
Malta (
30%
)
Preços na Europa
Maneiras de Utilizar
(Ways of using it)
Mecanismos Farmacológicos
(Pharmacological Mechanisms)
Péptidos Opióides Endógenos
Endorfinas
Encefalinas
Dinorfinas
N/OFG (nociceptina/orfanina FQ)
- Libertação em condições de stress
- Diminuição da sensação de estímulos nocivos
Recetores Opióides
Receptor I da orfanina semelhante ao recetor opióide (ORL1) -> NOP
Mecanismos de Ação
Inibição direta dos neurónios de transmissão da dor no corno dorsal da medula espinhal:
Terminações nervosas pré-sinápticas
Fecho dos canais de cálcio regulados por voltagem
Redução da libertação de transmissores
Neurónios pós-sináticos
Abertura de canais de potássio
Hiperpolarização
Inibição Indireta
dos neurónios de transmissão da dor no corno dorsal da medula espinhal ->
ATIVAÇÃO DOS NEURÓNIOS INIBITÓRIOS DESCENDENTES
Na presença de heroína...
Inibição Indireta
dos neurónios de transmissão da dor no corno dorsal da medula espinhal ->
ATIVAÇÃO DOS NEURÓNIOS INIBITÓRIOS DESCENDENTES
Na ausência de heroína...
Farmacocinética
(Pharmacokinetics)
1. Absorção
- Trato gastrointestinal, muscosa nasal e respiratória, via subcutânea, intravenosa e intramuscular.

2. Distribuição
- Concentra-se em tecidos parenquimatosos

3. Metabolização
4. Eliminação
- Urina
Efeitos
(Effects)
Efeitos no Sistema Nervoso Central
ANALGESIA
EUFORIA
SEDAÇÃO
DEPRESSÃO RESPIRATÓRIA




RIGIDEZ DE TRONCO
SUPRESSÃO DA TOSSE
MIOSE
NÁUSEAS E VÓMITOS
HIPOTERMIA; HIPERTERMIA
- Redução da sensibilidade dos centros respiratórios centrais à tensão de dióxido de carbono e aos estímulos eléctricos
- Depressão dos centros medulares envolvidos na ritmicidade respiratória
- Diminui a complacência torácica interferindo na ventilação
- Efeito direto no centro medular da tosse
Efeitos Periféricos
BRADICARDIA

VASODILATAÇÃO PERIFÉRICA

HIPOTENSÃO ORTOSTÁTICA E DESMAIO

BRONCOCONSTRIÇÃO

DEPRESSÃO DA FUNÇÃO RENAL

TÓNUS E MOTILIDADE DO TRATO GASTROINTESTINAL

SECREÇÃO DE ÁCIDO CLORÍDRICO E DAS SECREÇÕES BILIARES E PANCREÁTICAS

TÓNUS DOS ESFÍNCTERES

CORTICOSTERÓIDES

SUPRESSÃO IMUNOLÓGICA
HISTAMINA
RUBOR
PRURIDO
ARDOR
Uso Clínico
Analgésico
Tosse
Tratamento de dependência de drogas
(opióides em geral)
Modos de administração de heroína:
Injecção

Fumar

Inalação
Dissolver em colher de chá
Filtração
Injecção Intramuscular/Intravenosa
Directa ou Inalação dos fumos
Preferidas uma vez que evita os riscos de infecções
Dosagem:
Num primeiro contacto -
5 a 15
mg por dia
Consumidor ávido -
250 a 300
mg por dia
(Dividida em 3 doses)
Num primeiro contacto se a dose ingerida for
>
a 100mg, pode ser fatal
Tolerância e Dependência
(Tolerence and Dependence)
Estímulo da região VTA » Libertação de dopamina para o NAc » Sensação de prazer e euforia
Tratamento
(Treatment)
Entrada em Centros de Reabilitação
Tipos de intervenção
Reposição dos níveis adequados de nutrientes, aminoácidos, minerais e água
Farmacológico
Programas de intervenção e reuniões para mudar de mentalidade e de encorajamento
Metadona
Naloxona
Buprenorfina
LAAM
Naltrexona
Testes de Diagnóstico
(Diagnosis tests)
Exame Toxicológico
- Tem como objectivo detectar a ingestão ou exposição às substâncias tóxicas, drogas e outras substâncias intoxicantes
É usado o teste laboratorial em fluídos corporais.
No caso da heroína pode ser detectada na urína entre 36 a 72 horas após o consumo
Exemplo de teste à urina
Teste Code:
18969X
CPT Code(s) :
83925
Includes:
Codeine, Morphine, 6-Acetylmorphine
Preferred Specimen(s):
10 mL random urine
Minimum Volume:
5 mL
Collection Introductions:
Collect in a plastic urine container. Do not use any preservatives or addictives
Transport Container:
Plastic urine container
Transport Temperature:

Room temperature
Specimen Stability:

Room temperature: 5 days; refrigerated: 7 days; frozen: 30 days
Methodology:
Liquid Chromatography/Tandem Mass Spectrometry (LC/MS/MS)
Performing Laboratory:
Quest Diagnostics Nichols Institute, 27027 Tourney Road. Valencia, CA 91355
Setup Schedule:
Set up: Wed, Sat; Report available: 3-7 days
Clinical Significance


Confirmation of screen positive results, 6-Acetylmorphine (6-AM) is a metabolite of heroin. Heroin itself is not active, but it is rapidly converted (t1/2 <6 minutes) to 6-Acetylmorphine and further to morphine (t1/2 <40 minutes). Both 6-AM and morphine haveeuphoric effects. 6-AM is rapidly eliminated and excreted into the urine and the 'detection window' is <24 hours. Therefore, 6-AM negative urine does not exclude heroin abuse, but its presence confirms it.

LOINC®' Code(s)
Overdose
A maioria das fatalidades ocorre não por overdose de heroína
per si
mas por overdose de heroína associada a outros fármacos (alcóol e benzodiazepinas)
A intoxicação com heroína caracteriza-se por miose de grau máximo, náuseas, vómitos, depressão do sistema respiratório, circulatório e digestivo
Interacções com Outras Drogas
(interactions with other drugs)
740 fármacos conhecidos interagem com a heroína
24 Major
707 Moderate
9 Minor
Tramadol
Buproprion
Furazolidol
Alcóol
Doxepina
Estatísticas
(statistics)
13,5 milhões de pessoas consomem opióides
9,2 milhões consomem heroína
O México e a Colombia são os principais fornecedores dos EUA e responsáveis por
4
% da produção Mundial.
Myanmar é o principal fornecedor do mercado de Leste, que irá abastecer a Europa
4
em
5
mortes relacionadas com drogas foi de Heroína
Apreendidas
19
toneladas
Reino Unido seguido de Espanha com maior nº de apreenções
46%
das que iniciam têm menos de
20
anos
7000 toneladas
467
toneladas
Opióides
Heroína
81 toneladas
Apreendidas
Consumo:
Sitios de maior consumo: Irlanda, Malta, Luxemburgo
Sitios de menor consumo: Finlândia, Chipre, Hungria
Portugal:
3,5
casos a cada
1000

Rússia:
16,4
casos a cada
1000

Em média na UE:
4,2
por
1000

5,8 cada 1000 são consumidores
48%
dos Toxicodependentes consomem Heroína
Modo de Administração:
36%
Injecção
45%
Fumar
19%
Ingestão/Inalação
72,8%
dos Toxicodependentes consomem Heroína
62%
dos mortos relacionados com drogas deveu-se ao consumo de Heroína
Síndrome de Abstinência
(Abstinence Syndrome)
Alterações no sistema límbico, designadamente no locus coeruleus – região do cérebro envolvida na excitação e alarme, visto que muitos dos seus neurónios produzem noradrenalina.

Estimulação dos recetores μ opióides pela heroína » Inibe a libertação de noradrenalina no locus coeruleus » Para compensar, aumento de atividade dos neurónios do locus coeruleus » Produção e libertação de noradrenalina adicional
Em período de abstinência » Ausência da inibição por parte dos recetores μ » Atividade elevada dos neurónios do locus coeruleus »
Libertação excessiva de noradrenalina» Sintomas

“Eu estava encharcada de um
suor frio
(…) escorria-me pela cara e entrava-me nos olhos (…)
cheirava mal,
como se fosse um animal sujo (…) tinha a boca e a garganta completamente secas, (…) me fez
vomitar
(…) a minha tosse e as
náuseas
não paravam (…) os meus
olhos sob o efeito do turkey
.

Eram só pupilas
.
Dormia
e, ao mesmo tempo, dava pelas
dores horríveis
.”

“Já estava a começar a ter
cãibras nas pernas
(…) as
pernas mexiam constantemente
, como se estivesse a correr sentado (…) encolhia-se sobre si próprio e não deixava de
gritar
. Tinha
espasmos no estômago
(…) havia alturas em que
batia em si próprio
com os braços.”

“O velho lema dos drogados, que afirma que o
segundo dia
de desintoxicação é
pior
, connosco
não se confirmou
(…) no quarto dia, já nos conseguíamos levantar (…) no
sétimo dia
(…) tínhamos conseguido
passar aquela prova
.”

Causa
Uma provisão repentina de heroína sem adulterante

Após um período de abstinência, o consumo de uma dose equivalente à tolerância
A heroína, de forma a providenciar um maior lucro para o traficante, é múltiplas vezes diluída com quinino, lactose, maltose e outros açucares. Logo dose administrada > tolerância

“injetou-se com outro quarto de grama. Ficou logo a dormir, sem sequer ter tempo para tirar a agulha do braço. Pensei que aquilo fosse normal (…) levantei o braço e deixei-o cair (…) estava como morto (…) tinha a cara cinzenta e os lábios azulados (…) procurei as batidas do coração, mas não consegui ouvir nada.”

“Eu odiava o meu corpo. Teria ficado satisfeita se tivesse morrido, só para me livrar dele (…) a única coisa que o meu corpo apreciava era o
turkey
”.

Um dos principais sistemas reguladores da cascata de recompensa da dopamina é o dos opióides endógenos (como a beta-endorfina) que estimulam os recetores μ existentes à superfície dos neurónios dopaminérgicos.
A Heroína é um agonista dos opióides endógenos
“Lavava a seringa no copo de água, deitava a droga na colher com um pouco de água e sumo de limão, fervia-a, amarrava o braço e acabava a operação injetando-me na veia. Isso tinha-se tornado para mim uma coisa habitual, como o primeiro cigarro na cama do fumador inveterado.”

“(…) uma excitação imensa. Todos os meus males desapareceram de repente (…) sentia-me melhor do que nunca (…) sensação de segurança e bem-estar (…) tinha a impressão de flutuar pela vida, fria, audaz, segura de mim própria.”

“Notei que a droga me estava a criar dependência física (…) compreendi que não tardariam a manifestar-se os sintomas de dependência (…) Tive medo.”

Dependência física e psicológica

Tolerância

Síndrome de abstinência

Efeitos decorrentes da dependência
HIV e hepatite B e C
Colapso de veias e infeção do endocárdio e válvulas cardíacas
Artrite e problemas reumatológicos
Perda de memória e capacidade intelectual
Doenças respiratórias como a tuberculose e pneumonia
Problemas dentários
Disfunção sexual
(Purity)
(Opioid Receptors)
(Action Mechanisms)
Trabalho elaborado por:
Ana Filipa Cardoso, 9400
Cristiana Dias, 9265
Gonçalo Marques, 8833
Pedro Mendonça, 9297
Omar Hbaidi, 10206

Professores Rui Pinto, Bruno Sepodes e João Rocha
Agonista opióide de longa duração que se administra por via oral.
Agonista opióide parcial que diminui a vontade de consumir heroína.

Antagonista opióide. Pode causar hepatotoxicidade e, portanto, tem que ser descontinuado em caso de hepatites agudas.

Nota: Antes da administração de Naltrexona, estes pacientes necessitam de se encontrar entre 7 a 10 dias livres do consumo de qualquer opióide. Caso contrário o risco de overdose encontra-se aumentado.
Naltrexona
Verepamil
Efedrina
Teofilina
=
Bibliografia
www.thebrain.mcgill.ca/flash/i/i_03/i_03_m/i_03_m_par/i_03_m_par_heroine.html#drogues [Consult. 10 Nov. 2014]
www.ff.up.pt/monografias_toxicologia/monografias/ano0405/heroina/index.htm [Consult. 13 Nov. 2014]
www.methoide.fcm.arizona.edu/infocenter/index.cfm?stid=174 [Consult. 10 Nov. 2014]
www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/6435983 [Consult. 12 Nov. 2014]
www.novusdetox.com/heroin-effects-history.php [Consult. 9 Nov. 2014]
www.atlasdasaude.pt/publico/content/heroina [Consult. 10 Nov. 2014]
www.drugfreeworld.org/drugfacts/heroin.html [Consult.10 Nov. 2014]
www.drugs.com/drug-interactions/heroin.html [Consult. 10Nov. 2014]
www.cesar.umd.edu/cesar/drugs/heroin.asp. [Consult. 14 Nov. 2014]
www.projectknow.com/research/heroin. [Consult. 14 Nov. 2014]
www.drugabuse.gov/publications/research-reports/heroin. [Consult. 14 Nov. 2014]
www.drugabuse.gov/ [Consult. 10 Nov. 2014]
Darke S1, Zador D. - Fatal heroin 'overdose': a review. Addiction (1996 Dec). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8997759
Darke S, Hall W. - Heroin overdose: research and evidence-based intervention. J Urban Health (2003 Jun). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12791795
Rosenstein DI - Effect of long-term addiction to heroin on oral tissues. J Public Health Dent (1975 Spring). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/236385
Brancós MA, et al. - Septic arthritis in heroin addicts. Semin Arthritis Rheum (1991 Out). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1749942
Sporer KA - Acute heroin overdose. Ann Intern Med (1999 Apr 6). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10189329
Hosztafi S - [Heroin addiction]. Acta Pharm Hung (2011). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22329304
Sánchez J, et al. - High risk sexual behaviours among heroin sniffers who have no history of injection drug use: implications for HIV risk reduction. AIDS Care (2002). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12042084
Mitrovic SM, et al. - The effect of heroin on verbal memory. Psychiatr Danub (2011). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21448097
Mitrovic SM, et al. - The impact of heroin on visual memory. Eur Rev Med Pharmacol Sci (2011 May). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21744747
Wang W, Xiao H, Lu L. - Case-control retrospective study of pulmonary tuberculosis in heroin-abusing patients in China. J Psychoactive Drugs (2006 Jun). [Consult. 14 Nov. 2014]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16903459
EDUCATIONAL ONLY: Brain on Drugs Display: Addiction Process & Pharmacology: Signature Hill E.L.M. Network - Education, Law & Medical, 2013. YouTube Video (10.42 min). Disponível em:
Felscherinow, Christiane Vera – Wir Kinder Von Bahnhof Zoo; trad. Maria Eugénia Ribeiro da Fonseca. 2ª edição. Círculo de Leitores, 1981
Bertram G. Katzung, Anthony J. Trevor, Susan B. Masters; Farmacologia Básica e Clínica; McGraw Hill; 12ª edição; 2013; capítulo 31 e 32
Laurence L. Brunton, Bjorn C. Knollmann, Bruce A. Chabner; As Bases Farmacológicas da Terapêutica de Goodman & Gillman; McGraw Hill; 10ª edição; 2005; capítulos 23 e 24
Ashraf Mozayani, Lionel P. Raymon; HANDBOOK OF DRUG INTERACTIONS: A CLINICAL AND FORENSIC GUIDE; © 2004 Humana Press Inc. 999 Riverview Drive, Suite 208 Totowa, New Jersey 07512; 1ª edição; 2004; capítulo 3
Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência; A EVOLUÇÃO DO FENÓMENO DA DROGA NA EUROPA ( Relatório Anual de 2012) ; Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2012 ISBN 978-92-9168-550-9 doi:10.2810/70087
Full transcript