Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

*A FÉ QUE MARAVILHA JESUS.

No description
by

Claudimar José Abreu

on 25 July 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of *A FÉ QUE MARAVILHA JESUS.

A fé que maravilha Jesus

Lucas 7.1-10.

III – Para desenvolver a fé que maravilha Jesus, precisamos desenvolver a humildade (7.6 e 7).

a.
O centurião não usou o seu poder, ou influência para receber algo de Cristo.
b.
Ele pediu ajuda aos judeus para que servissem de mediador entre ele e Jesus.
c.
Ele julgava-se indigno e pecador e não quis procurar pessoalmente a Jesus. Ele não achava que podia receber alguém tão importante como Jesus em sua casa.
d.
Ele se colocou como alguém que precisava de ajuda e não como alguém que estava acostumado a mandar.
e.
Seu único argumento foi a necessidade de seu servo.
f.
Não importa o cargo que temos ou o tempo de igreja, temos que ter humildade para pedir ajuda tanto do homem como de Deus.
g.
Às vezes vestimos uma capa de super-crente, de alguém que não precisa de ninguém.
h.
Esse é o crente cebola.

I – Para desenvolver a fé que maravilha Jesus, precisamos colocar-nos no lugar dos outros, (7.2).

a.
Naquele tempo o servo era tratado como uma mercadoria e sofria com o tratamento recebido do seu senhor e dono.
b.
Ao contrário do costume da época, esse homem amava os seus servos e por eles se preocupava.
c.
Ele desejava a cura do seu servo e colocou-se em seu lugar, sentido a dor que ele estava sentindo.
d.
Ele tinha um amigo e não queria perder a sua amizade.
e.
Se quisermos impressionar a Jesus com a nossa fé, precisamos também sentir a dor do próximo como se fosse a nossa.
f.
O cristão verdadeiro restaura os feridos: Gálatas 6.1,2.

a. O que era um centurião?

b. Essa é uma história de um homem que produziu admiração tanto em Jesus como no povo judeu.

c. Ele também provoca admiração em nós. Será que podemos receber um elogio de Jesus, também?


II – Para desenvolver a fé que maravilha Jesus, precisamos ter amigos (7.5).

a.
Mesmo sendo gentio e odiado por ser representante do poder dominador, os judeus falaram a favor dele.
b.
Apesar do formalismo dos judeus, ele estava convencido que a religião deles era superior a sua.
c.
Ele tinha respeito pela adoração que os judeus prestavam a Deus. Tanto que financiou a construção da sinagoga da cidade com seu dinheiro.
d.
Os judeus amavam esse homem. Ele sabia fazer uma rede de relacionamentos.
e.
Muitos cristãos se isolam do mundo e vêem os descrentes como inferiores. Preferem não ter amizade com eles.
f.
Com isso nunca conseguem chegar ao coração do pecador. Não sabe aconselhar e dar uma palavra de conforto.
g.
Precisamos ser amigos dos pecadores como o nosso mestre foi (Lucas 15.1, 2). Muitas vezes este espírito farisaico nos isola de pessoas da igreja que precisam da nossa amizade.

IV – Para desenvolver a fé que maravilha Jesus, precisamos ter confiança em Sua palavra (7.8).



a.
Ele nunca tinha visto a Jesus, mas as histórias e testemunhos de milagres, além dos ensinos dEle, satisfaziam todas as necessidades.


A fé que maravilha Jesus
Podemos ter uma fé que cause espanto em Jesus?

Como podemos desenvolver essa fé?

Para desenvolver essa fé precisamos seguir quatro princípios, seguidos pelo centurião romano:

Comandante de uma centúria, na milícia romana.

Literalmente, o que manda em cem, suboficial romano. Comandava uma unidade de 60 a 100 homens, e não era incomum receber competências judiciais ou administrativas, especialmente se desempenhava suas funções em províncias. Ao que parece, costumava ser mais independente na tomada de decisões do que seus superiores. No Novo Testamento sua figura aparece não poucas vezes vinculada a pessoas que se sentiam atraídas pelo Deus de Israel e pela pregação do evangelho: um centurião, cujo servo Jesus curou, foi considerado por este como modelo de fé; outro, ao pé da cruz, chegou à conclusão de que Jesus era um homem justo (Mt 8,5.8.13; Lc 7,2.6; Mt 27,54; Mc 15,39.44ss.; Lc 23,47 etc.).


Todos os serviços religiosos e todo ramo de negócio devem levar a assinatura do Céu.
Review and Herald, 05/10/1905
Foi-me então mostrado o jornadear dos filhos de Israel. A rebelião era comum entre o antigo Israel. Moisés se afastara deles por quarenta dias apenas, mas o tempo foi suficientemente longo para que se encenasse uma das maiores apostasias em relação a Deus, que lhes revelara favores tão especiais e cuja voz tinham recentemente ouvido no Monte Sinai. Em terrível grandeza proferira Ele os Dez Mandamentos aos ouvidos do povo, o que os levou a temer e tremer excessivamente e clamar a Moisés para que o grande Jeová não mais lhes falasse, mas que ele recebesse as palavras e as transmitisse ao povo. Esculpiram um bezerro e voltaram-se de Deus para a mais vil idolatria, a de adorar a obra de suas próprias mãos. —
Manuscrito 1, 1865.
Disse o anjo: “A rebelião ocorrerá até ao tempo do encerramento da obra da mensagem do terceiro anjo. Não se espantem nem desanimem. Aquele que venceu o líder da rebelião permanece à testa desta grande obra. Embora Satanás possa exultar e parecer triunfante por algum tempo, o primeiro grande Vencedor conserva sobre ele os Seus olhos, impedindo que vá além do que Ele permite. Tem ele a permissão de exercer o poder por algum tempo, para revelar os sinceros de coração, provar os fiéis, apresentar os espúrios e separá-los dos puros de coração. Os rebeldes serão expurgados dentre os leais e sinceros no devido tempo.”
Manuscrito 1, 1865.
Para desenvolver a fé que maravilha Jesus:
I - Precisamos colocar-nos no lugar dos outros.

II – Precisamos ter amigos.

III – Precisamos desenvolver a humildade.

IV – Precisamos ter confiança em Sua palavra.
Aqui aparece a diferença mais notável entre os relatos do Mateo e do Lucas.
Lucas registra que o centurião enviou duas delegações -primeiro a dos "anciões" (vers. 3) e logo a de "uns amigos" (vers. 6)-; Mateo não menciona a nenhuma das duas, mas sim diz que o centurião mesmo veio ao Jesus (cap. 8: 5). É provável que Mateo, tendo em conta que as delegações falavam em nome do centurião, simplifica o relato apresentando as palavras dos mensageiros do centurião como se tivessem sido pronunciadas pelo centurião mesmo. Ainda está acostumado a dizer-se, como em tempos antigos, que uma pessoa que tem autoridade faz algo quando, na verdade, são seus subordinados os que fazem o trabalho.
Por exemplo, diz-se que Pilato açoitou ao Jesus (Juan 19: 1); mas evidentemente os açoites foram jogo de dados por um subordinado, por ordem do Pilato.
É provável que as duas delegações -a dos "anciões" e a dos "amigos"- se tenham aproximado do Jesus, mas que quando era evidente que o Professor se dirigia à casa do centurião, este saiu em pessoa, e quando se encontrou com o Jesus repetiu virtualmente a mesma mensagem que tinha enviado com os "anciões" e os "amigos". Além disso, cabe assinalar que Lucas tinha razões especiais para mencionar qualquer gesto amigável de parte dos dirigentes do Israel para com o Jesus.
Comentario Bíblico Lucas 7

1 Certa ocasião, muitos cobradores de impostos e outras pessoas de má fama chegaram perto de Jesus para o ouvir.
2 Os fariseus e os mestres da Lei criticavam Jesus, dizendo: —Este homem se mistura com gente de má fama e toma refeições com eles.
Lucas 15:1-2
1 Meus irmãos, se alguém for apanhado em alguma falta, vocês que são espirituais devem ajudar essa pessoa a se corrigir. Mas façam isso com humildade e tenham cuidado para que vocês não sejam tentados também.
2 Ajudem uns aos outros e assim vocês estarão obedecendo à lei de Cristo.
Galatas 6:1-2
Full transcript