Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O que é o mestrado? Como se preparar e como fazer uma program

No description
by

Cristiano Moita

on 7 May 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O que é o mestrado? Como se preparar e como fazer uma program

O que é o mestrado? Como se preparar e como fazer uma programação de estudos
Minha experiência
"Eu aprendi que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você está escalando-a".

William Shakespeare
O que é o Mestrado?
Pós-graduaçao "lato sensu" e "stricto sensu"
E o Mestrado na UFC?
Como se preparar?
1. Por onde começar?
QUALIFICAÇÃO
conhecimentos
currículo
PESQUISAR!
ENSINAR
rede de contatos
congressos
atualização
Por que fazer um Mestrado?
mercado
Surgimento: 1977; mais de 430 mestres em direito. Em 2010, foi criado o curso de doutorado.
Área de concentração
: Ordem Jurídica Constitucional
Linhas de Pesquisa:
"A tutela jurídica dos direitos fundamentais"
"A implementação dos direitos fundamentais e as políticas públicas"
Grupos de pesquisa: Tributação Ambiental, Mundo Direito, Democracia e Finanças Públicas
Sobre pesquisa:
Projetos Gerais
Projetos específicos vinculados
Publicações:
Revista Nomos (Qualis B1)
Revista da Faculdade de Direito (C)
Sobre ensino
Método de trabalho nas disciplinas
Disciplinas específicas:
Participação em congresso
Avaliação da CAPES: notas 1 a 5 (M) e 1 a 7 (D)
Dê o primeiro passo
"Uma longa viagem
começa com um único passo".
Lao Tsé
"Começar já é metade
de toda ação."
Provérbio grego
O poder da inércia
2. Dei o primeiro passo. Comecei. E aí?
1. Motivação
Deus
Família
Dinheiro
Qualificação
Você
Mundo novo
2. Emoção
Lei da atração e Inteligência Emocional
3. O terceiro passo
1. O texto mais importante
O EDITAL!!!
2. Os textos indicados pelos professores
3. A produção dos membros da banca
4. Quarto Passo
"Tempo não se tem, tempo se faz."
falta de tempo
dicas:
ambiente de estudo
concentração
redes sociais
calendário próprio
5. Quinto passo
Estudo específico para provas
1. Prova de proficiência: calma
2. Prova dissertativa: calma e cuidado
3. Prova oral: cuidado redobrado
Perguntas diversas
1. Vou conseguir ler tudo?
2. Não sou formado pela UFC. Isso importa?
3. Conheço gente muito mais competente do que eu que está se candidatando. Que faço?
4. Posso passar sem nunca ter feito sequer um artigo na minha vida?
5. Direito Constitucional não é o meu forte. Ainda consigo passar para o Mestrado em Direito Constitucional?
6. Que devo saber sobre as etapas da seleção?
7. E o projeto de pesquisa? Tenho uma ideia/não tenho a menor ideia! Que faço?
8. E meu Currículo Lattes? Devo me preocupar com ele agora? Como faço para melhorá-lo?
9. O importante é passar dentro das vagas! (?)
10. No final das contas, vale a pena fazer esse Mestrado?
E o que têm a dizer os últimos aprovados?
"1. Quais foram suas maiores dificuldades na preparação para a seleção?"
"2. Quais atitudes você tomou que foram essenciais para sua aprovação?"
"As maiores dificuldades são administrar o tempo e o conteúdo ser diferente do apresentado na graduação."
"Revisei os textos indicados pelo Conceito, fiz resumos para facilitar na véspera da prova, e formamos um grupo de estudos após o término das aulas... com assuntos que não ficaram bem gravados e algo pertinente para a banca."
Maíra Melo, turma 2015
Ivan Rodrigues, turma 2012
"
(1) Tempo:
No período pré-seleção, eu trabalhava como professor de gramática no ensino médio para prover-me o sustento. Morava em Pacatuba, tomava ônibus todos os dias no trajeto casa-trabalho, o trabalho era em Messejana. Perdia muito tempo no ônibus e gastava muito tempo em casa preparando aulas e elaborando/corrigindo provas. Assim, eu tinha de racionalizar meu pouco tempo livre e vencer meu cansaço corporal e mental.

(2) Edital demasiadamente extenso em conteúdos:
como o edital cobre uma série enorme de conteúdos, enfrentei a grande dificuldade de fazer um plano de estudos que cobrisse todos os temas e, em primeiro lugar, priorizasse aquilo que poderia ser os "temas principais": a meu ver, na época, teoria do direito e direito constitucional."
"MINHAS ESTRATÉGIAS
:
(1) Fiz um plano de estudos com uma sequência que me parecia coerente de temas a serem estudados;
(2) Cortei distrações adiáveis e ampliei meu tempo livre."
Edvaldo Moita, turma 2012
"Filtrar o conteúdo a ser estudado e não estar com o tempo adequado que a seleção exigiria de um candidato."
"Criar uma lista de prioridades de estudo, de acordo com alguns critérios, como edital, proximidade do tema com a linha de pesquisa dos examinadores, probabilidade de cair na prova. Além disso, um bom planejamento diário de estudos"
"Suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo."
Martin Luther King
pontos do programa
adequação do projeto de pesquisa
perfil investigativo
Fernando Demétrio, turma 2015
"Vou contar como foi a
minha história
na seleção do ano passado, pois é possível que alguém se identifique. Eu estava formado e estudava pra concurso, e esta foi a minha primeira dificuldade: decidir que iria fazer a seleção. Já imaginava, e hoje confirmo, a dificuldade que seria conciliar os estados de ser concurseiro e ser acadêmico. [...]
Acreditava que não estava preparado para fazer uma prova como essa, porque só era afeito a uma parte das matérias cobradas no edital e que não teria tempo pra estudar direito o resto."
"
Para enfrentá-los
, a primeira coisa que eu teria feito, mas não fiz, por impossibilidade mesmo, seria me matricular num cursinho preparatório, pelo simples motivo de facilitar a vida na segunda coisa que eu fiz, a qual eu reputo a mais importante: saber o que ler. Prova é um momento de ser pragmático. Aprender você aprende no mestrado (se você quiser). Teve coisa que caiu na minha prova e até hoje não fui atrás de saber. Não sei se o edital já saiu, mas nele, normalmente, estão contidos muitos livros. Livros esses, em sua maioria, irrelevantes (se tomarmos por objetivo simplesmente passar na prova, que tem 3 ou 5 questões. Se forem indicados 10 livros, pelo menos metade será irrelevante.)."
Saulo Carvalho, turma 2014
"Maxo, eu não tava nem aí, nem li edital, não li os livros da bibliografia (to lendo agora por causa do doutorado), não sabia dos cursos preparatórios, fui fazer a prova só pra ver qual era pq já fazia quatro anos que tinha me formado. Minha única pressão por passar era provar pra minha namorada que eu tinha futuro pra ela casar comigo. Sou um caso sui generis."
"Ela foi o único motivo - eu queria uma bolsa pra ir à Europa pra ficar com ela. Ela me deixou, mas me deixou de herança um projeto de vida."
quadro-horário
"Visualizar" os objetivos
Sobre o projeto de pesquisa
procure desde já um tema que se adeque à linha de pesquisa, a um dos projetos gerais e a um dos projetos vinculados
cumpra todos os requisitos do edital!
não se restrinja ao edital! Consulte a ABNT 15287 e o Guia de Normalização de Trabalhos Acadêmicos
vá atrás de modelos!
pegue um sumário, comece, volte, refaça, melhore, refaça, peça sugestões, refaça, durma, areje a cabeça, volte, refaça, melhore...
Eu
1. O planejamento
2. Cumprimento do planejado
3. Revisões
4. Devassa
5. Espírito da seleção
6. Sorte
Dificuldade: tempo, final de graduação, pressão por concursos
Dicas:
Roberto Moreita, turma 2015
"as minhas
dificuldades
foram muitas: filho, trabalho, poucos acreditavam que eu conseguiria, muitos livros para ler, muitas noites e finais de semana integralmente dedicados. Bem, pensar em ser reprovado, arriscar-se a ser taxado de incapaz... Muitas eram as dificuldades, mas a vontade de conseguir eram muito maior..."
"
para realizar esse grande projeto,
busquei me cercar de todas as informações possíveis. Conselhos dos que já tinham passado, cursos que são referência, saber o perfil dos professores da banca, buscar saber os livros principais e, sobretudo, segui a orientação dos professores que fazem a preparação especifica para o mestrado. Para ter ideia, a simulação de minha banca foi fundamental para que eu me sentisse mais confiante e saber como abordar as temáticas que me seriam exigidas... Mesmo assim, o nervosismo me acompanhou até ver meu nome entre os aprovados... Daí em diante e viver a intensidade que é ser aluno do mestrado de umas das mais prestigiadas academias de nosso país."
Desirée Cavalcante, 2015
Eu fiz a prova mais de uma vez e tive dois anos de preparação com dificuldade diferentes.
No início, tive muita dificuldade de solidificar o que eu estava estudando. Ficava angustiada porque tudo pareceria que não tinha resposta ou que eu tinha aprendido errado na graduação. Passei um tempo com a sensação de não ter segurança dos conteúdos ou de só saber ideias soltas. Quando eu voltei a estudar no ano passado, achei mais fácil lidar com os textos, organizar um roteiro de estudos e estabelecer prioridades, mas, como eu já havia feito a prova antes e não havia passado, o meu maior medo era me dedicar novamente e não ser aprovada, pois eu estava abrindo mão de outros projetos para isso. De um modo geral, eu tive de lidar com a pressão que eu mesma estava me impondo, pois não queria me decepcionar novamente.
Existem
inúmeros fatores que contribuíram diretamente para a minha aprovação
, como o apoio da minha família e dos meus amigos; o tempo de preparação que eu tive; e a própria confiança com que eu fui fazer a prova. Mas, dentre os vários fatores, eu posso destacar três relacionados ao modo como eu estudei:
I-
Admiti pra mim mesma o que eu não sabia e era básico para a prova, por mais simples que fosse, e, só depois de dominar isso, passei a aprofundar os temas, de forma que eu passei a sentir segurança naquilo que estava estudando;
II-
Elaborei repostas escritas nos moldes da prova para todas as questões que eu achava possíveis de serem cobradas ou que, se caíssem, eu não poderia errar ou não saber explicar detalhadamente. Me preocupei muito em desenvolver a capacidade de expor o maior número de ideias possíveis em cada questão, o que foi melhorando na medida em que eu refazia as respostas;
III-
Na reta final, formei um novo grupo de estudos com amigas do GE Conceito e repassamos todos os conteúdos que achávamos importantes. Estabelecíamos os textos de autores essenciais, fazíamos resumos e explicávamos umas para as outras, em moldes semelhantes aos que fazíamos no GE, mas nos concentrando nos temas que pareciam mais importantes e nos que nós não estávamos tão seguras. Aproveitamos para sistematizar os conteúdos, trocar resumos, opinar sobre a melhor forma de articular as questões, simular banca pra prova oral e, sobretudo, transformar o momento de pressão em uma coisa boa, que nos motivasse a estudar mais.
Vitor Bizerril, turma 2014
1) pressão em si mesmo
(realização de um sonho/objetivo, primeira tentativa, distância do mundo acadêmico "oficial" - nunca fui monitor, nem publiquei nenhum artigo até entrar no mestrado -), pouco contato prévio com grande quantidade de textos, bibliografia "coringa" (pois além da contida expressamente no edital, pode-se incluir qualquer outra obra, confome aquela "observação" escrota), insegurança com minha capacidade e meu conhecimento, sentimento de inferioridade em relação a outros candidatos, desconfiança por não ser aluno da ufc, o que acarretava insegurança, inferioridade e medo de ser preterido por isso na seleção (e dentro do mestrado).

2) cursinho preparatório
, atenção total aos livros e membros da banca (posicionamento político - acho importante não para se ter algo rigido, inflexível, como "reacionario/progressista", mas para situações específicas e/ou casos concretos -, preferências, "posicionamento acadêmico" - linhas de pesquisa/, influências, referenciais teóricos), organização com os estudos, leitura de livros chaves (bonavides, muito bonavides, kelsen, bobbio...), anotações, fichamentos "críticos" (anotações sobre trechos de textos chaves) e muitas conversas com amigos-candidatos aobre temas do edital, trechos de livros e posicionamentos/argumentos de membros da banca)

Espero ter ajudado

Aah, três últimas coisas: um receio e duas sugestões.
Receio de ter "peixada/marmelada" na seleção.

Primeira sugestão
: isso não deve ser uma preocupação, pois é algo incerto e eventual, é uma variável que foge ao controle do candidato. O que se pode fazer é tentar não pensar nisso, pois não há remédio preventivo para isso, restando apenas fazer o que se pode, ou seja, estudar e se dedicar.
A segunda sugestão
é não perder o foco. O estudo para o mestrado - bem como o mestrado/academia em si - abre várias portas novas para inúmeros estudos, autores, teorias e argumentos interessantes que quase "precisam" ser corroborados ou refutados. Então, apesar do interesse, da ansiedade e da liberação de endorfina que isso possa provocar, se concentrar nos membros da banca e nos livros chaves é o principal a se fazer.
Mestrados com nota 5: 10
Programas com nota 6: 8
MBA,
LLM
Mestrado profissional (4)
Mestrado acadêmico (60)
Mestrado e doutorado (33)
outros
Mestrados com nota 4: 28
Programas com nota 7: 0
Programa UFC: nota 4
Revista Dizer
Metodologia do Ensino Jurídico
Estágio de Docência
Diversos eventos da instituição (ex. minicurso da Semana do Direito)
Copo meio cheio, meio vazio
Full transcript