Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Racismo

No description
by

Manuel Correia

on 5 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Racismo

Racismo
Teste texto piquenino
Racismo
Teste texto minimissimo
“Todos diferentes, todos iguais!”
Apesar de no século em que vivemos o mundo se encontrar globalizado, onde culturas se relacionam e partilham costumes, um dos problemas sociais que continuam a dominar a “nossa casa” é o racismo; Quando perguntamos a uma pessoa que passa por nós do outro lado da rua se é racista, a resposta imediata será realmente “NÃO, CLARO QUE NÃO”. Na sociedade moderna em que estamos inseridos, ninguém se assume como verdadeiro racista, uma vez que nas variadas instituições, foram, supostamente, já abolidas as atitudes discriminatórias, sendo estas penalizadas.
No entanto, perante aquilo que observamos nas escolas e nas ruas, a discriminação continua bem presente...
Um documento bastante importante e criado com vista á abolição deste problema foi precisamente a Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela Organização
das Nações Unidas a 10 de Dezembro de 1948.
Artigo 2º -

Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de lingua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação. (...)



É um sistema que afirma a superioridade de um grupo racial sobre os outros, é a segregação social de um determinado grupo racial, derivado de diferenças étnicas, de aparência ou de pensamento. Esta superioridade de uma raça perante outras, implica a explicação do conceito raça – grupo de indivíduos com origens étnicas, sociais ou linguísticas comuns.
Nas áreas da psicologia, da sociologia e da antropologia, o racismo passou a ser encarado como preconceito, sendo preconceito uma atitude hostil relativamente a uma ou mais pessoas que assenta num “pré-julgamento”. Sendo assim, o racismo, enquanto preconceito, é a atitude que condena o outro por ser de raça diferente;
A atitude racista surge da influência da sociedade em que o sujeito está inserido ou até da educação dos pais;
Mas afinal o que é o racismo?
Ao longo dos anos vários grupos têm lutado contra este problema, afinal cada individuo tem a liberdade de se expressar, de ter as suas próprias crenças, sejam elas totalmente diferentes das restantes.
A diferença deve ser vista, não como tentativa de julgar e punir aqueles que são diferentes, mas como fonte de uma riqueza social e de diversidade, de onde resulta a aprendizagem mútua entre as várias culturas, a inter-ajuda e acima de tudo a união;
O Racista é assim, um ser imoral, alguém que não apresenta valores morais e cuja personalidade se baseia no desprezo, egocentrismo, ignorância, maldade e desrespeito. O racismo e a moralidade não se relacionam de forma alguma, pois todos têm algo para oferecer, para ensinar e para aprender.
É justo ser-se discriminado?
Há alguns anos atrás o conceito raça estava associado aos diferentes grupos de indivíduos cujas caraterísticas hereditárias (como por exemplo a cor da pele, os traços do rosto, o tipo de cabelo) permitiram distingui-los entre si.

Assim, na década de 60 do século XX, a UNESCO e vários intelectuais de diferentes áreas decidiram publicar um documento designado de “Le Racisme Devant la Science”, de onde resultou uma nova conceção do conceito “raça”. O racismo passa a ser interpretado não só como discriminação das caraterísticas hereditárias como a cor da pele mas também em termos culturais (os hábitos, os valores, os costumes, as formas de estar e pensar);
Exemplo Racista
Um dos casos mais impressionantes no que diz respeito á discriminação de raças e culturas será o Genocídioindígena nos Estados Unidos durante o século XIX, acontecimento que muitos de nós não conhecemose ao qual não se dá qualquer importância. Resultou no massacre de milhões de indígenas e na destruição de várias culturas a eles associadas. A perseguição étnica do oeste americano tornou-se política oficial do governo americano que passou a declarar guerra às tribos sob qualquer pretexto, sabendo que estes não tinham qualquer culpa, o que realmente importava era a sua exterminação.

O americano Ward Churchill, chegou a comentar que os três séculos de extermínio e o ritmo com que este processo se desenvolveu se caracterizaram “como um enorme genocídio, o mais prolongado que a humanidade regista.”
Além dos que faziam parte do governo, os outros setores viam nesta atitude racista uma possibilidade de obter lucros e a substituição das áreas ocupadas pelos índios por áreas ocupadas pelo comércio o que renderia bastante a indivíduos como os banqueiros, fazendeiros, entre outros.
O extermínio foi feito através da disseminação de doenças ou de “marchas da morte” que atravessavam um ou vários estados inteiros da União, as quais todos os índios eram obrigados a realizar e muitos morriam durante o caminho. Nestas longuíssimas marchas estavam incluídas crianças, mulheres, idosos… O destino das mesmas eram reservas delimitadas pelo governo americano, as piores terras do país, onde os indígenas iriam acabar por morrer falta de alimento, pelo clima bastante extremo e pelas condições precárias.

Já inseridos nas reservas, haveria esporadicamente operações do exército americano que procediam á sua aniquilação. Em conjunto com as forças militares, eram dados benefícios aos que se unissem ao esforço de extermínio, como pagamentos por cada índio morto.
Carta do Chefe Indio Seattle ao Grande Chefe de Washington, Franklin Pierce, em 1854.
"A seiva que corre na árvore transporta nela a memória dos Peles -Vermelhas, cada clareira e cada insecto que zumbe é sagrado para a memória e para a consciência do meu povo. Fazemos parte da Terra e ela faz parte de nós. Esta água cintilante que desce dos ribeiros e dos rios não é apenas água - é o sangue dos nossos antepassados."
"Como podereis comprar ou vender o céu? Como podereis comprar ou vender o calor da terra? A ideia parece-nos estranha. Se a frescura do ar e o murmúrio da água não nos pertencem, como poderemos vendê-los? "

Genocideo Indigena Americano
"Deixa para trás a campa dos seus pais sem se importar. Sequestra a vida dos seus filhos e também não se importa. Não lhe interessa a campa dos seus antepassados nem o património dos seus filhos esquecidos. Trata a sua Mãe Terra e o seu Irmão Firmamento como objectos que se compram, se exploram e se vendem tal como ovelhas ou contas coloridas. O seu apetite devora a terra, deixando atrás de si um completo deserto. "
A “Trilha ou Caminho das Lágrimas” foi o nome dado pelos nativos às viagens de recolocações impostas pelo governo Americano.
Nem todas as tribos aceitaram as regras impostas pelo Governo e consequentemente surgiram conflitos e as chamadas “guerras indígenas”, onde tribos lutaram até ao fim das suas vidas para defender a sua liberdade, cultura, crenças e impedir que o seu território, que era o grande sustento de numerosas famílias, lhe fosse removido como finalidade o progresso económico.
O último, e considerado o pior massacre contra as populações indígenas, ocorreu a 29 de Dezembro de 1890 no sul de Dakota, ficando conhecido como “Massacre de Wounded Knee” ou Massacre Joelho Ferido.

Wounded Knee Massacre - (Massacre do Joelho ferido)
Os conflitos vinham-se agravando na reserva de Pine Ridge, no sul do Dakota, uma vez que começara a ganhar fama um novo movimento espiritual de nome “Dança Fantasma”. Este ritual explicava que a colocação dos índios nestas reservas com condições extremamente precárias se devia ao facto de terem zangado os deuses. Desta forma, acreditavam que se a praticassem e rejeitassem as regras dos “brancos”, os deuses reconheceriam a sua atitude, criariam um mundo novo e trariam de volta os índios assassinados juntamente com as manadas de búfalos.
Este objectivo de eliminar o mais rapidamente as tribos indígenas mostra-nos, sem qualquer espaço para duvidas, que há uma recusa de respeitar e aceitar o conceito de diversidade, de diferente cultura ou forma de pensar.

"Ghost Dance" - (Dança Fantasma)
Uma das tribos que ficou mais conhecida, com uma ligação mais forte á Natureza e a que mais se destacou a nível da luta pelos seus direitos foi a Tribo Sioux.
A palavra “Siuks” tem como significado “homens-búfalo” e transformou-se em “Sioux” com a influência dos colonos franceses. O Búfalo fazia então parte da cultura desta tribo e de muitos dos seus mitos.

Tribo
No próximo video pretendemos demonstrar alguns episódios relacionados com o Genocideo Indígena, nomeadamente a "Dança Fantasma", "Wounded Knee", a Tribo Sioux entre outros... Podemos ver precisamente o sofrimento vivido pelas tribos e a ganância demonstrada pelo governo americano, o desrespeito pela diferença, pela diversidade de culturas... Tudo, apenas para ganhar riqueza e fortuna... Mas temos nós o direito de colocar em risco a vida de outros povos para satisfazer os nossos prazeres e desejos?
"Se decidisse aceitar a vossa oferta, teria de vos sujeitar a uma condição: que o homem branco considere os animais desta terra como irmãos.
Sou selvagem e não compreendo outra forma de vida. Tenho visto milharesde búfalos a apodrecer, abandonados nas pradarias, mortos a tiro pelo homem branco que dispara de um comboio que passa. Sou selvagem e não compreendo como uma máquina fumegante pode ser mais importante que o búfalo, que apenas matamos para sobreviver. "

Bibliografia

http://www.iscap.ipp.pt/cei/E-REI%20Site/1Artigos/Trabalhos%20estudos/Maria%20Jose%20Gomes%20-%20Genocidio%20indios%20nativos%20da%20america%20do%20norte.pdf
http://contadoresdestorias.wordpress.com/2007/05/21/a-nossa/
http://esvrsa.wordpress.com/2012/06/04/uma-visao-filosofica-sobre-o-racismo/
Filosofia-10ºano
Professora: Drª Madalena Monteiro
Alunos:
Ana Rita Silva | 10ºB | nº5
Francisco Nicolau | 10ºB | nº14
Inês Gomes | 10ºB | nº17
Joana Rodrigues | 10ºB | nº20
Manuel Correia | 10ºB | nº22
6 de junho de 2014
Full transcript