Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Argamassa Armada

No description
by

Marco Antônio

on 30 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Argamassa Armada

Argamassa Armada
A NBR 11173 define peça de argamassa armada como sendo um micro concreto armado, resultante da associação de argamassa (cimento/areia/água), com uma armadura de aço constituída por fios de pequeno diâmetro (menor que 40mm) e pouco espaçados entre si (telas soldada).
Execução com formas.
Em 1848 foi desenvolvido um material denominado "
fer-ciment"
por Joseph Louis Lambot e hoje é considerado precursor do atual concreto armado.
Em 1922, a argamassa armada foi utilizada na primeira cupula geodesica do mundo, na fabrica Carl Zeiss.
A primeira incursão (1946) de Nervi - Eng. italiano na construção civil empregando argamassa armada foi um pequeno armazém para uso de sua própria empresa, no qual utilizou formas estruturais para conseguir elementos resistentes de pequena espessura.

Em 1948, no Palácio de Exposições de Turim, Nervi novamente utiliza a argamassa armada, agora em elementos pré-moldados pois conferiam notável leveza ás estruturas

Outra obra marcante de Nervi é o Palacete de esportes de Roma, construido em 1957, no qual utiliza elementos pré-moldados que servem de forma e se incorporam a estrutura resistente.
Em 1960 no Brasil, a argamassa armada foi empregada pela primeira vez na Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo na cobertura de 1.000 m² de diversos pavilhões, sendo desenvolvido e adaptado pelos professores Martinelli e Schiel da própria universidade.



Visando a redução de custo, com a diminuição do consumo de cimento e aço, quer em sistemas construtivos mais simples, empregou-se um material com características mais próximas da argamassa armada atualmente produzida no Brasil

TECTONIC HOUSE
ROGER E MARTYN DEAN
LOCALIZADO EM BIRMINGHAM, INGLATERRA

HIGH DESERT HOUSE
KEN KELLOGG
LOCALIZADO EM JOSHUA TREE, CALIFORNIA

LE PALAIS BULLES (THE PALACE OF BUBBLES)
ANTTI LOVAG
LOCALIZADO EM CANNES, NO SUL DA FRANÇA

HUSSAIN DOSHI GUFA
BALKRISHNA DOSHI, M/S STEIN DOSHI & BHALLA
LOCALIZADO EM NAVARANGPURA, ÍNDIA

Materiais constituintes
• Argamassa simples
• Armadura difusa (telas de aço)
• Agregado miúdo

Proporções Ideais (Argamassa)
• Cimento e agregado : Entre 1:2 e 1:3
• Água/ cimento: Entre 0,38 a 0,48 (adensamento eficiente)

Cimentos
• Portland comum (Usual)
• ARI (200 Mpa em 24h - produção de pré-moldados em escala, evita aditivo acelerador de pega)
• POZ (Argamassa mais impermeável porém maior corrosão - Não usual)


Agregados
Segue a especificação das Normas (NBR - 6118 e 7211)
Ideal areias bem graduadas (qualidade)
Miúdos (inferiores a 4,8 mm)

Aditivos (deve ser criterioso - uso restrito)

• Modificar as propriedades do conglomerado
(cloreto de cálcio: Acelerar o amadurecimento, porém proibitivos para argamassa armada)
A armadura:
-difusas (Telas de aço)
-discreta (barras de aço de pequeno diâmetro)
Telas de malha quadrada ou retangular (Brasil - Ø2,0mm e 25mm x 50mm)
Telas tecidas de malha hexagonal (desuso)
Telas de chapa expandida (Rendimento inferior à soldada, porém mais versátil e facilmente processada)

Prof.: Marlon F. Ramos
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS
FACULDADE DE ENGENHARIA – FaEnge
BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL

Aluno: Marco A. G. Santos
INTRODUÇÂO
Fundamentação Teórica
História
Barco original - 1848
MATERIAL:
"INFISSURAVEL"

GRANDE
ALONGABILIDADE
BRASIL
Diante das obras realizadas, é com o arquiteto João Filgueiras Lima (Lele) que a argamassa armada ganha um maior impulso e vive sua grande fase; ao penetrar de fato no mercado, sua utilização se dá em maior escala. (1980)
Atualmente a argamassa armada situa-se num estágio bastante evoluído. Seus conceitos e características se ampliam e renovam continuamente. É possível afirmar que é um material genuíno, a margem da interpretação internacional predominante; as transformações e adaptações a partir do “ferro-cemento” de Nervi resultam num produto próximo ao concreto armado, pelo menos enquanto análise das propriedades mecânicas.
Características e propriedades
Primordial na resistência da argamassa
Qualidade final
Porosidade (Controle da fissuração pela retração)
Consistência da pasta fresca
Trabalhabilidade da mistura
Fator a/c
Resistência Mecânica
Formas
Lisas/arredondadas: redução do fator a/c
Ásperas/irregulares: melhoram tração e desgaste
Plastificantes: redução da água de amassamento
Microssílica: Resistência, compacidade, impermeabilidade e durabilidade
Estudos de tela de fibra de vidro ou de plástico
Fios e barras de aço devem garantir a segurança a ruptura da estrutura, limitam deformação (controle de fissuras) e são elementos de enrijecimento (facilita processo de montagem), conferem resistencia a tração e compressão.
Técnicas de Execução
A argamassa armada se diferencia do concreto por eliminar o agregado graúdo e permitir a execução de peças esbeltas, mas por isso requer muito mais cuidados
Fonte da foto:
www.archdaily.com.br
Fonte da foto:
www.archdaily.com.br
Fonte das imagem:
techne.pini.com.br
Fonte das imagem: techne.pini.com.br
Fonte da imagem:
techne.pini.com.br
Fonte das imagem:
wikipedia.com.br
Fonte das imagem: techne.pini.com.br
Preparação das Formas (simples ou duplas, fixas ou móveis)
Montagem da Armadura (Cobrimento mínimo)
Adensamento (homogêneo, sem segregação)
Cura (Irrigação, cobertura, imersão ou térmica)
Transporte e montagem (no caso de pré-moldagem);
Acabamento (Proteção contra umidade, corrosão, abrasão e impermeabilização)
Etapas básicas de execução em qualquer obra, mesmo as que envolvem processos modernos, mecanizados ou não:
Associação Brasileira de Normas Técnicas

-Hanai, João Bento de, " Construções em argamassa armada : fundamentos tecnológicos para projeto e execução "

São Paulo - editora Pini - 1992

-João Filgueiras Lima, Lelé, "Arquitetos : Bibliografia e obra..."

São Paulo - editora Blau -1999

-Engel, Heino, " Sistemas Estruturais"

Barcelona - editorial Gustavo Gilli, SA - 2001
Referências Bibliográficas:
Obrigado
Aplicações
Full transcript