Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

De que droga falamos?

No description
by

Denis Petuco

on 5 May 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of De que droga falamos?

Definição Oficial
Toda substância que, pela sua natureza química, afeta a estrutura e funcionamento do organismo. (OMS)

De que droga falamos?
Dênis Petuco
No nosso caso...
São consideradas drogas psicoativas aquelas que, por sua natureza química, afetam a estrutura e funcionamento do sistema nervoso central, a percepção da realidade, a experiência subjetiva.

Outra definição
"Refere-se aos carregamentos de peixe seco que chegavam à Europa, muitas vezes em mau estado, aplicando-se por extensão às mercadorias e substâncias químicas de gosto diferente e proveniência estrangeira. Droga teria então um parentesco linguístico com alimento e também com coisa má."
(Henrique Carneiro. Filtros, mezinhas e triacas: as drogas no mundo moderno. 1994, p. 56)
Droog (holandês antigo): Seco.
Pharmacón
A diferença entre droga e veneno é a dose.
Paracelsus
Outra...
"A droga, como objeto claro e definido, nunca existiu. Ela sempre foi, antes de tudo, um conceito moral."
(Henrique Carneiro. Filtros, mezinhas e triacas: as drogas no mundo moderno. 1994, p. 157)
O Triângulo de Olievenstein
Droga
Sujeito
Contexto
(OLIEVENSTEIN, Claude; PARADA, Carlos. Drogas, adolescentes e sociedade: como um anjo canibal. 2004. p. 15)
Droga
“O sinal de rasura indica que eles (os conceitos) não servem mais – não são mais 'bons pra pensar' – em sua forma original, não-reconstruída. Mas uma vez que eles não foram dialeticamente superados e que não existem outros conceitos, inteiramente diferentes, que possam substituí-los, não existe nada a fazer senão continuar a se pensar com eles – embora agora em suas formas destotalizadas e desconstruídas.”
(Stuart Hall. Quem precisa da identidade? In.: Tomaz Tadeu da Silva. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. p. 104)
______
“A palavra 'fato' parece remeter à realidade exterior, a palavra 'fetiche' às crenças absurdas. Todas as duas dissimulam o trabalho intenso de construção que permite a verdade dos fatos como a dos espíritos. Ao juntar as duas fontes etimológicas, chamaremos fe(i)tiche (ou fatiche) a firme certeza que permite à prática passar à ação, sem jamais acreditar na diferença entre construção e compilação, imanência e transcendência”.
(Bruno Latour. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. p. 46)
Droga – Fe(i)tiche ou Fatiche
“O dispositivo é uma máquina invisível, quase muda e cega, porém é ela que faz ver e falar. O dispositivo se mostra no encontro com o poder, no que este diz ou faz dizer [...] e nos efeitos produzidos por ele”.
(Gilles Deleuze. Foucault. p. 79)
Dispositivo Droga
Um homem ainda sem identificação foi morto, na madrugada desta segunda feira, após ser atingido por quatro tiros na rua Bartolomeu Bueno, bairro dos Bandeirantes, em Contagem, na Grande Belo Horizonte. De acordo com militares do 39º Batalhão da Polícia Militar, a vítima foi encaminhada ao Hospital JK, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.
Exemplo:
um jornal em Minas Gerais
Moradores da região disseram aos policiais que o rapaz era usuário de
drogas
.
Despolitização
Criminalização
Pânico moral
Baixo acolhimento
Piora nas condições de uso
Condições de emergência para o extermínio
O dispositivo em seus efeitos
CLÍNICA AMPLIADA
Acolhimento incondicional
Dimensão política
Escuta radical
Horizontalidade
INTERVENÇÕES COMPLEXAS
Articulação de redes sociais
Articulação de políticas públicas (intersetorialidade)
INVESTIMENTO NA POTÊNCIA
Projeto Terapêutico Singular
Vocação de ser mais
Diante disto, o cuidado!
Estimulantes
Depressoras
Alucinógenas
Perturbadoras
Naturais
Sintéticas
Semissintéticas
Classificações
Classificações
Lícitas
Ilícitas
Controladas
Classificações
Medicinal
Recreativo
Religioso
Classificações
Leves
Pesadas
Uma "Não Classificação"
Full transcript