Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Poderes e crenças- multiplicidade e unidade:

No description
by

Vera Costa

on 21 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Poderes e crenças- multiplicidade e unidade:

Poderes e crenças -
multiplicidade e unidade

A multiplicidade de poderes e crenças:
Senhorios
Eram terras que pertenciam a um senhor nobre ou eclesiástico. Eram terras que agrupavam terras aráveis, bosques e aglomerados populacionais. Como centro do senhorio encontrava-se o castelo do senhor que agrupava todos os elementos.
Comunas
A palavra comuna, na Idade Média, é a designação para a cidade que se tornava emancipada pela obtenção de carta de autonomia fornecida pelo rei. Atualmente, na França, o termo se refere à menor subdivisão administrativa do território. Em Portugal o termo remete as comunas universitárias, residências que formam habitação e clube de estudantes universitários, ou à administração de conselho.
As comunas eram grandes unidades de produção rural, abrangendo a agricultura e pequenas indústrias. Cada comuna estruturava-se de forma coletiva e centralizada. Os lotes agrícolas familiares, distribuídos na reforma agrária de 1950, foram eliminados, e toda a terra, colocada sob controle das comunas.
As comunas organizavam também a vida social e a educação das crianças. A implantação desse sistema teve forte impacto sobre a vida familiar, diminuiu a força tradicional da autoridade paterna.
Num reino:

O rei era escolhido hereditariamente, ou seja, o filho mais velho do rei iria ser o rei da próxima geração;
Os soberanos (rei ou rainha) teriam de usar os seus poderes para o bem dos habitantes do reino e devem zelar pelos seus interesses;
Os seus limites territoriais eram estabelecidos por conquistas.
Reinos
Após a queda de Roma, a Europa permaneceu, durante muito tempo, um mundo politicamente
instável. O poder, anteriormente centralizado na figura do Imperador, fraccionou-se numa
multiplicidade de células de poder de extensão e estrutura variadas. No século XIII, esta multiplicidade mantinha-se ainda como a base da organização politica da Europa medieval: senhorios e comunas coexistiam com unidades mais vastas - os Reinos.
Um Estado, um território com um povo ou uma comunidade que tem por soberano um rei ou rainha que são as figuras supremas do estado.
Na península Ibérica foram criados os seguintes reinos cristãos:
Reino de Castela;
Reino de Portugal
Reino de Aragão
Reino de Navarra
O senhor detinha vários poderes no seu senhorio:

Económico
Judicial
Militar
Fiscal
Full transcript