Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA SOCIAL E NOS COMPORTAMENTOS

Trabalha História #1
by

Lara Cebola

on 27 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA SOCIAL E NOS COMPORTAMENTOS

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA SOCIAL E NOS COMPORTAMENTOS
A TERCIARIZAÇÃO DA SOCIEDADE
A expansão económica dos “Trinta Gloriosos”* repetiu-se na estrutura da população activa.
Os países capitalistas liberais recorriam habitualmente á importação de alimentos no período que antecedeu á Segunda Guerra Mundial, mas esta situação inverteu-se.
A mecanização, a pesquisa agronómica e zoológica, a utilização cada vez maior de adubos e de práticas de irrigação conduziram – a uma maior produtividade sem precedente dos solos, que levou a elevadas exportações.
Estes progressos técnicos levaram á diminuição de um elevado número de agricultores, esta situação provocou a queda do sector primário, anunciou-se, assim, a ”morte do campesinato".
Este acontecimento provocou um aceleramento do êxodo rural, que conduziu ao aumento da população urbana.
Principal responsável pela criação do maior número de riqueza, devido a uma intensificação do ritmo de trabalho.
A terciarização foi a característica mais importante a verificar-se na evolução social do mundo desenvolvido (durante as 3 décadas de prosperidade).
A presença da população feminina no sector terciário era cada vez maior.
ANOS 60 E A GESTAÇÃO DE UMA NOVA MENTALIDADE
Procura de novos referentes ideológicos
Movimentos contraditórios atravessavam a civilização ocidental nos anos 60.
Opunham-se opiniões:
Por um lado, elogiava-se a prosperidade, o bem-estar e o consumismo das sociedades;
Por outro criticava-se o individualismo, a desumanização e o materialismo do capitalismo, oposições às insuficiências da democracia.
O ECUMENISMO
Teme-se ao conflito nuclear no período de 1962, quando se iniciou a Crise dos Misseis em Cuba.
Movimento que recomenda a união de todas as igrejas cristãs, visando restabelecer a unidade visível de todo os cristãos.
Uma das heranças do concílio Vaticano II (criado em iniciativa de João XXIII e terminado no pontificado de Paulo VI).
A igreja católica procurava adaptar-se aos novos tempos como questões relacionadas:
- Guerra fria;
- Promoção da paz;
- Desigualdade entre homens e povos;
- Celibato dos padres;
- A celebração da missa nas línguas nacionais;
- O diálogo com as várias religiões cristãs.
Os resultados do Concilio ficaram aquém das espectativa.
Em matéria de costumes e moral (relacionados com contracepção) e de dogmas (celibato), a igreja católica manteve-se conservadora, não conseguindo assim deter a vaga de descristianização.
A Explosão do sector terciário esteve relacionada com:
- a subida de qualificação das massas trabalhadoras;
- o aumento da escolaridade.
Os empregados encontravam emprego como:

Funcionários do Estado (empregados de escritório das empresas industriais;

Trabalhadores de comércio, dos transportes, dos bancos, dos media, ou Sectores ligados á educação, saúde e lazer.
Os progressos tecnológicos originaram algumas consequências:
Afirmação dos direitos da mulher
No entanto não foi suficiente, os trabalhadores empregues no sector secundário não registaram um aumento significativo. A automação dos processos de fabrico seria responsável pela deslocação da população activa para o sector terciário.
Nos países desenvolvidos, massas rurais, os imigrantes encontravam-se empregados no sector industrial.
A entrada de um elevando número de população feminina no mercado de trabalho;
A expansão da educação superior.
Conferiram ao sexo feminino uma crescente visibilidade social e cultural.
Publicação do livro "The Feminine Mystique", escrito pela jornalista americana, Betty Friedan.
Este livro teve grandes repercussões no arranque do movimento feminista.
Por entre manifestações, marchas de protesto e campanhas de pressão junto dos órgãos do Governo, o feminismo dos anos 60 tornou-se particularmente ativo na luta pela igualdade de direitos da mulher.
• Essa igualdade pretendeu-se
civil
(em muitos países, a mulher casada era considerada juridicamente inferior e submetida á tutela do marido);

• No
trabalho
(as mulheres eram alvo de discriminação salarial, ausência generalizada de protecção à maternidade);

• Na
vida afetiva
(exigindo a realização da mulher enquanto mulher e não apenas como esposa submissa e mãe dedicada).

Foi no acontecimento pela luta da
igualdade afetiva da mulher

que ocorreram as ações mais mediáticas do movimento feminista.

Mobilizaram a opinião pública, adquirindo assim, um cariz de “ Revolução sexual” efetuada no feminino.
Campanhas Realizadas:

Pela contraceção;
Direito ao divórcio;
Direito ao aborto (Autorizado em Portugal em 1984).

Pílula Contraceptiva
- Acidentes em centrais atómicas;
- Contaminações químicas mortais;
- O super povoamento do planeta.



Alertaram para a necessidade de
redução das experiências nucleares
e para o problema da
poluição
e dos
esgotamentos dos recursos naturais.
Um conjunto de
organizações
(“
Amigos da terra”, “ Greenpeace”
) e de
iniciativas
que se sucederam desde os anos 60, tinham como objetivo:
Controlar o crescimento económico;
Garantir a protecção ambiental.
Assim nasceu a
ecologia
ciência que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente.
Contestação Juvenil
O baby-boom do pós-guerra determinou os anos 60, com a existência no mundo ocidental de um excedente considerável de jovens.
A meio da década, os Estados Unidos encontravam-se como uma população essencialmente jovem (idade inferior a 30 anos).
Procurava-se um estilo de vida alternativo aos dos progenitores que se haviam acomodado aos padrões burgueses, os jovens protagonizavam um poderoso
movimento de contestação.

O
protesto
que teve as suas origens em
universidades americanas e europeia,
onde os estudantes:

Punham em causa o sistema de ensino( que consideravam fraco e apenas apto para fabricar emprego que propagavam a burocracia e a tecnologia do capitalismo nos E.U.A).

Algumas universidades (Berkeley, São Francisco e Columbia), foram ocupadas em 1964 pelos estudantes que exigiam mudanças radicais no funcionamento dos cursos.
Os estudantes americanos mostravam-se atentos aos grandes problemas que os cercavam. Apoiando activamente a lutos dos negros pela conquista dos direitos cívicos, a emancipação da mulher, o que proporcionou o seu desenvolvimento no
movimento pacifista
– que se revoltou contra a participação dos EUA na guerra do Vietname em 1964-1973.
No fim dos anos 60 as
manifestações contra a guerra do Vietname faziam movimentar imensas multidões, especialmente os jovens.
No ano de 1968, a capital de França tornou-se o centro de uma
revolta
de estudantes sem precedentes que atingiu o continente europeu.
Conhecida pelo nome de
“maio de 68”
, esta
revolta estudantil parisiense
teve início na Universidade de Nanterre mas logo atingiu a de Sorbonne.
Impulsionados por uma minoria de políticas de extrema-esquerda, cujas referências eram Fidel Castro, Che Guevara e Mao Tsé-Tung, os estudantes denunciavam a falta de condições das universidades (que tinham falta de professores) e ao mesmo tempo clamavam contra a guerra do Vietnam, o imperialismo americano e o totalitarismo soviético.
O
“maio de 68” tornou-se no símbolo do combate
em que se combinaram o conflito de gerações, o descontentamento social e a reacção ao autoritarismo.
Uma outra faceta da contestação juvenil fez-se sentir na
revolução dos costumes
que ficou conhecido como o "
movimento hippie"
, que teve o seu coração nas cidades americanas de Los Angeles e San Francisco, na Califórnia.
Adeptos da liberdade sexual, do amor livre e amantes da paz;
Despreocupados no seu vestuário - leve, colorido e florido, nos seus cabelos soltos e compridos, nos pés frequentemente descalços e no constante consumo de drogas alucinogénias que os libertavam da terra e os conduziam ao paraíso.
Grandiosas confraternizações e festivais de música ao ar livre reuniam essas multidões de jovens.
O festival exemplificou a era hippie e a contracultura do final dos anos 1960 e começo de 70. Trinta e dois dos mais conhecidos músicos da época apresentaram-se durante um chuvoso fim de semana defronte a meio milhão de espectadores. Apesar de tentativas posteriores de impedir a realização do festival, o evento original provou ser único e lendário, reconhecido como um dos maiores momentos na história da música popular.
Cartaz do festival Woodstock, 1969
Trabalho elaborado por:
Beatriz Louro nº 3
Filipa Moreira nº 11
Lara Cebola nº 14
Festival Woodstock 1969 [VIDEO]
Revolta Estudantil Parisiense (Maio de 68)
[VIDEO]
COUTO, Célia Pinto; ROSAS, Maria Antónia Monterroso;
O TEMPO DA HISTÓRIA, 2ª parte - História A 12º ano, Porto Editora, 1ª edição, Porto, 2013
Bibliografia
WEBGRAFIA

Eucumenismo. In infopédia (Consultado em 2014-01-17)
Disponível na www: <url:http://www.infopedia.pt/$ecumenismo-(religiao)
Full transcript