Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Revisão - Literatura: Cronologia Literária, Aspectos importantes

versos, rimas, escansão, figuras de linguagem, recursos sonoros, cronologia
by

Carol Madruga

on 20 February 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Revisão - Literatura: Cronologia Literária, Aspectos importantes

LIVROS FUVEST-UNICAMP 2018
Portugal séculos XIV a XVI
- Idade Média e Feudalismo
- teocentrismo, temor a Deus
- trovadores medievais: literatura oral, poética, baseada nos costumes e vivências da época
- cantigas:
- amor: lirismo masculino, amor inacessível, mulher idealizada
- amigo: lirismo feminino, ausência do homem amado (guerras e navegações), ambientes rurais e domésticos
- escárnio ou maldizer: crítica, humor e ironia
- Teatro: Gil Vicente
Ai, dona fea! Foste-vos queixar
que vos nunca louv'en meu trobar;
mas ora quero fazer um cantar
en que vos loarei toda via;
e vedes como vos quero loar:
dona fea, velha e sandia!
[...]
(João Garcia de Guilhade)
Início do século XVI: descobrimentos
Portugal: Classicismo
Brasil: Literatura de Informação
- Entre Idade Média e Renascimento
- surgimento da burguesia
- antropocentrismo, paganismo
- retorno aos padrões da Antiguidade Clássica
- superioridade do homem sobre a natureza
- objetivismo
- racionalismo
- rigor métrico e rítmico na poesia
- Grandes nomes:
- Poesia: Camões
- Brasil: Pero Vaz de Caminha e José de Anchieta
As armas e os Barões assinalados
Que da Ocidental praia Lusitana
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram
[...]
(Os Lusíadas, Camões)
(Anjo)
Eu não sei quem te cá traz...
(Brísida)
Peço-vo-lo de giolhos!
Cuidais que trago piolhos, anjo de Deos, minha rosa? Eu sô aquela preciosa que dava as moças a molhos, a que criava as meninas pera os cónegos da Sé...

(Auto da Barca do Inferno, Gil Vicente)
Brasil: século XVII
- arte dos contrastes
- não-racionalismo, fortalecimento da igreja
- sentimento de transitoriedade da vida
- gosto pelo detalhe
- rebuscamento verbal
- grande nomes:
- Bento Teixeira - Prosopopeia (1601)
- Gregório de Matos "o boca do inferno": sátira aos valores morais da sociedade da época, presença de contrastes, conflitos e sentimentos contraditórios
Que falta nesta cidade?... Verdade.
Que mais por sua desonra?... Honra.
Falta mais que se lhe ponha?... Vergonha.

O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde falta
Verdade, honra, vergonha.[...]
(Gregório de Matos)
Brasil e Portugal: século XVIII
- Inconfidência Mineira
- equilíbrio e harmonia
- retorno às concepções de beleza do Classicismo
- bucolismo e pastoralismo
- valorização da mitologia
- repúdio ao rebuscamento
- Grandes nomes:
Brasil: Cláudio Manoel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Basílio da Gama, Santa Rita Durão
Portugal: Bocage
Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
Que viva de guardar alheio gado;
De tosco trato, d’ expressões grosseiro,
Dos frios gelos, e dos sóis queimado.
Tenho próprio casal, e nele assisto;
Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;
Das brancas ovelhinhas tiro o leite,
E mais as finas lãs, de que me visto.
[...]
(Marília de Dirceu, Tomás Antônio Gonzaga)
Brasil e Portugal
Séculos XVIII e XIX
- iluminismo, ideias liberais, crise das sociedades coloniais
- princípios: Liberté, Egalité, Fraternité
- extravasar sentimentos
- subjetivismo
- noturno, irreal
- liberdade formal
- sonoridade
- idealização da mulher e do amor
- herói em conflito com a sociedade
- escapismo para morte, sonho e loucura
1ª geração:
- nacionalismo, natureza, indianismo
- Grandes nomes: José de Alencar, Almeida Garret, Gonçalves Dias

2ª geração:
- mal do século, solidão, pessimismo, desejo de morte
- Grandes nomes: Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu

3ª geração:
- condoreirismo, liberdade, literatura social e engajada
- Grandes nomes: Castro Alves
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

(Canção do Exílio, Gonçalves Dias)
Pálida à luz da lâmpada sombria,
Sobre o leito de flores reclinada,
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ela dormia!
(Álvares de Azevedo)
Lá na úmida senzala,
Sentado na estreita sala,
Junto ao braseiro, no chão,
Entoa o escravo o seu canto,
E ao cantar correm-lhe em pranto
Saudades do seu torrão ...
(A canção do africano, Castro Alves)
Época: século XIX
O contexto social, histórico e filosófico dos três movimentos é o mesmo!
- combate aos idealismos, ao culto do eu e à fuga da realidade
- teorias que motivam a literatura: positivismo (valorização da ciência), determinismo (homem é fruto do meio), darwinismo (evolução das espécies e seleção natural)
- análise e transformação da sociedade
- postura crítica, reflexiva e objetiva
Realismo:
- Grandes nomes:
- Brasil: Machado de Assis (2ª fase)
- Portugal: Eça de Queirós, Antero de Quental
Naturalismo:
- Grandes nomes:
- Brasil: Aluísio Azevedo (O cortiço, O mulato), Raul Pompéia (O ateneu), Adolfo Caminha (O bom crioulo)
Parnasianismo
- poesia
- ideia da arte pela arte
- poesia descritiva
- exatidão
- rigor formal
- retomada dos valores clássicos
- Grandes nomes:
- Brasil: Olavo Bilac
- Portugal: Cesário Verde
[...]
Invejo o ourives quando escrevo:
Imito o amor
Com que ele, em ouro, o alto-relevo
Faz de uma flor.
[...]
(Profissão de fé, Olavo Bilac)
- reação contra a objetividade parnasiana
- retorno ao subjetivismo
- visão místico-religiosa
- atmosfera de mistério e sonho
- busca por imagens sensoriais (sinestesia)
- musicalidade dos versos

- Grandes nomes: Cruz e Souza, Alphonsus de Guimaraens
Fim do século XIX
[...]
Indefiníveis músicas supremas,
Harmonias da Cor e do Perfume...
Horas do Ocaso, trêmulas, extremas,
Réquiem do Sol que a Dor da Luz resume... [...]
(Antífona, Cruz e Sousa)
Período de transição entre as tendências do final do século XIX e o Modernismo






de 1990 a 1992
- Grandes nomes:
- Poesia: Augusto dos Anjos (tema da morte, influências parnasianas e simbolistas)
- Prosa: Monteiro Lobato (Urupês), Euclides da Cunha (Os sertões), Lima Barreto (Triste Fim de Policarpo Quaresma)
1922 - Semana de Arte Moderna -
Marco inicial do Modernismo
Revolução advinda das transformações sociais, econômicas, filosóficas e científicas do início do século XX
- Vanguardas (arte em geral):
- Expressionismo: retratar a dor, a angústia, sentimentos íntimos, subjetividade
- Dadaísmo: movimento antiarte, contestação do valor tradicional e do status de arte
- Futurismo: libertarção do passado e glorificação do futuro, fascínio pela máquina e meios de comunicação.
- Surrealismo: rejeição ao realismo, atmosfera do sonho, do mito, do religioso, do erotismo, da morte
- Cubismo: culto à forma
Grandes nomes e características principais:
- Portugal: Fernando Pessoa e seus heterônimos
- Brasil:
- 1ª geração: Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Mário de Andrade
- ruptura com os padrões estabelecidos, com a literatura tradicional, relacionada às vanguardas, valorização do original, do novo, da cultura popular.
- 2ª geração: Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes, Vinícius de Moraes, Cecília Meirelles, Graciliano Ramos, Rachel de Queiroz
- reavaliação do passado, amadurecimento e depuração das propostas dos primeiros modernistas
- 3ª geração: Guimarães Rosa, Clarice Lispector e João Cabral de Melo Neto
- experimentalismos estético e linguístico, neologismos, romance psicológico
Versos
Rimas:
- emparelhada: AABB
- interpolada: ABBA
- cruzada: ABAB
Terra vista dos astros breve e nua A
na luz de fora flutua A
lembrando qualquer coisa violada B
que à lenta luz boiasse abandonada B
Meu coração é um pórtico partido A
Dando sobre o mar B
Vejo as velas passar B
E cada vela num sentido A
Era uma vez uma califa A
que por ter um calo, ou dois B
mandou cobrir de alcatifa A
o seu palácio depois B
Métrica

Redondilha menor 5 sílabas poéticas
Redondilha maior 7 sílabas poéticas
Decassílabo 10 sílabas poéticas
Dodecassílabo
ou Alexandrino 12 sílabas poéticas
Sílaba poética ≠ sílaba gramatical
Escansão = contagem das sílabas poéticas
Regras:
- Não contamos as sílabas poéticas que estão após a última sílaba tônica do verso.
- Ditongos têm valor de uma só sílaba poética.
- Duas ou mais vogais, átonas ou até mesmo tônicas, podem fundir-se entre uma palavra e outra, formando uma só sílaba poética.

1 2 3 4 5 6
Ha/ vi/ a u/ ma/ ve /lhi(nha) (não conta a última sílaba)
1 2 3 4 5 6
que an/ da/ va a/ bo/ rre/ci(da)
Figuras de linguagem
Comparação
Atribuir características de um ser a outro, baseado em semelhanças.

Exemplo:
Amo-te como um bicho, simplesmente
Metáfora
É uma comparação subentendida.

Exemplo:
Os poemas são pássaros que chegam não se sabe onde e pousam
no livro que lês"
Personificação ou prosopopeia
Atribuir características humanas a seres inanimados.

Exemplo: A lua beijava a face do lago adormecido.
Sinestesia
Fusão de impressões sensoriais diferentes.

Exemplo: Aquela criança tem um olhar tão doce.
Hipérbole
Exagero.

Exemplo:
Hei de morrer de amar mais do que pude
Antítese
Uso de palavras em sentidos opostos.

Exemplo:
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.
É a designação de um ser através de alguma de suas características ou atributos, ou de um fato que o celebrizou.

Exemplo: A Cidade Maravilhosa está tomada pela violência.
Perífrase ou antonomásia
Metonímia
É a substituição de uma palavra por outra, quando existe uma relação lógica, uma proximidade de sentidos que permite essa troca.

Exemplo:
Vários brasileiros vivem sem teto, ao relento.
Consiste em suavizar palavras ou expressões que são desagradáveis.

Exemplo: Ele foi repousar no céu, junto ao Pai.
Eufemismo
É uma metáfora desgastada, tão usual que já não percebemos. Assim, a catacrese é o emprego de uma palavra no sentido figurado por falta de um termo próprio.

Exemplo:
O menino quebrou o braço da cadeira.
A manga da camisa rasgou.
Catacrese
Consiste na omissão de um termo que fica subentendido no contexto, identificado facilmente.
Exemplo: Após a queda, nenhuma fratura.
Elipse
Recursos sonoros
Aliteração
Recurso poético baseado no predomínio de um som entre outros ou sua repetição ao longo do poema.

Exemplo:
"Pálida à luz da lâmpada sombria" (som do "l")
Assonância
é a repetição das mesmas vogais nos versos para produzir algum efeito sonoro.

Exemplo:
"Ó formas alvas, brancas, Formas claras"(assonância em A)
Paralelismo
Ocorre quando os versos são muito parecidos sem chegarem a se repetir.

Exemplo:
"pra ser vinte e pra ser visto
pra ser versa e pra ser vice"
Ruptura
Objetivismo
Subjetivismo
Rima emparelhada
Rima interpolada
Rima cruzada
www.curso-objetivo.br/vestibular/obras_literarias.aspx
Full transcript