Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A ORDEM DO DISCURSO

Michel Foucault
by

Erika Cristiane

on 5 December 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A ORDEM DO DISCURSO

A ordem do discurso Michel Foucault A ORDEM DO DISCURSO Dessa forma os procedimentos citados anteriormente têm por função "conjurar seus poderes e perigos, dominar seu acontecimento aleatório, esquivar sua pesada e temível materialidade"(p. 09) Exitem dois tipos de procedimentos adotados na nossa sociedade que são:

EXCLUSÃO:
RAZÃO x LOUCURA
Em que o louco sofre uma separação ou rejeição por parte da sociedade, tendo a palavra nula e considerada uma não verdade, por outro lado, na idade média lhe atribuía estranhos poderes, o de dizer a verdade e de perceber o que a sabedoria de muitos não percebia.

TRÊS GRANDES SISTEMAS DE EXCLUSÃO:
A palavra proibida

A segregação da loucura

A vontade de verdade INTERDIÇÃO:
Revela a ligação entre desejo e poder
Não se tem o direito de dizer tudo e não pode falar tudo em qualquer circunstância.

TRÊS TIPOS DE INTERDIÇÕES:

TABU DO OBJETO

RITUAL DA CIRCUNSTÂNCIA

DIREITO PRIVILEGIADO OU EXCLUSIVO DO SUJEITO QUE FALA A IMPORTANCIA DO DISCURSO Segundo Foucault a produção do discurso na sociedade é ao mesmo tempo:


CONTROLADA
SELECIONADA
ORGANIZADA
REDISTRIBUIDA Para Foucault o "discurso não é simplesmente aquilo que manifesta o desejo; é , também aquilo que é o objeto do desejo(...) discurso não é simplesmente aquilo que traduz as lutas ou os sistemas de dominação, mas aquilo por que, pelo que se luta, o poder do qual nos queremos". (p.10) O discurso é um mecanismo de extrema importância no meio social, seja político, comercial, religioso ou dentro de outros âmbitos importantes na sociedade, no entanto, a pesar da prática da "liberdade de expressão" existem restrições para o uso do discurso, pois não podemos falar qualquer coisa em qualquer lugar. Michel Foucault OS DOIS PRINCIPAIS TABUS PRESENTES NA SOCIEDADE :


SEXUALIDADE



POLÍTICA DISCURSO VERDADEIRO
E
DISCURSO FALSO Durante o século VI "o discurso considerado verdadeiro era aquele pelo qual se tinha respeito e terror(...), era o discurso pronunciado por quem de direito e conforme o ritual requerido(...); não somente anunciava o que ia se passar,mas contribuia para a sua realização, suscintava a adesão dos homens e se tramava assim com o destino."
Um século mais tarde o discuso passou a se dislocar de um ato "ritualizado, eficaz e justo, de enunciação para o próprio enunciado". A partir de então surge uma certa divisão entre PLATÃO e HESÍODO, pois o discurso verdadeiro não era mais o que estava ligado ao exercicío do poder, o que era imposto por Platão. Platão Hesíodo Vontade de Verdade A partir da divisão histórica criada pela discursão entre Platão e Hesíodo, surge a ideia de vontade de saber que em meados dos o séculos XVI e XVII propôs ao sujeito certa posição, certo olhar e um certo nível técnico para que fossem verificáveis e úteis. A vontade de verdade é reforçada e reduzida a um suporte institucional , aparentando aos nossos olhos algo doce e rico que por muitas vezes é máscara de algo que se destina a excluir a verdade. " O discuso verdadeiro não é mais, com efeito , desde os gregos, aquele que responde ao desejo ou aquele que exerce o poder, na vontade de verdade, na vontade de dizer esse discurso verdadeiro, o que está em jogo, senão o DESEJO E O PODER?" (p. 20) Para Foucault "o discurso verdadeiro, que a necessidade de sua forma liberta do desejo e libera do poder, não pode reconhecer a vontade de verdade que o atravessa; e a vontade de verdade, essa que se impõe anós há bastante tempo, é tal que a verdade que ela quer não pode deixar de mascará-la.(p.20) (p. 08 - 21)
Full transcript