Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Defesa de Mestrado em Psicologia Social 2013 Leogildo Alves

Dissertação de Leogildo Alves Freires intitulada "Bases Valorativas da Preocupação Masculina com a Aparência"
by

Leogildo Alves

on 21 February 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Defesa de Mestrado em Psicologia Social 2013 Leogildo Alves

Estudo 1. Parâmetros Psicométricos das Medidas Utilizadas Preocupação Masculina com a Aparência UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES
DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL
MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL Bases Valorativas da Preocupação Masculina com a Aparência Mestrando: Leogildo Alves Freires
Orientador: Prof. Dr. Valdiney Veloso Gouveia


João Pessoa – PB
Fevereiro de 2013 A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) aponta que em 2003 mais de um bilhão da população adulta mundial estava com excesso de peso.

No Brasil, dados do IBGE (2002) apontam que os indicadores de sobrepeso na população masculina adulta passaram de 18,6% a 41,0% entre 1974 e 2002. Segundo Paul e Brownell (2001), a busca excessiva por um “corpo ideal” está relacionada com a associação entre beleza e atributos positivos. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), no ano de 2012, o Brasil realizou realizou 1.592.106 procedimentos desta natureza.

Ficando atrás dos Estados Unidos, onde são feitas 1.620.855 cirurgias anualmente. Estes números comtemplam homens e mulheres de diferentes idades e perfis. Elementos Históricos da Preocupação Masculina com a Aparência Antiguidade Idade Média Idade Moderna Idade Contemporânea Pós-Modernidade A cultura e economia na sociedade egípcia tinham como base a religiosidade e a soberania apoiada na pessoa do faraó que ocupava centralidade na definição dos modos, vestimentas e utensílios do mesmo (Proença, 2002). Historicamente, a exibição do corpo masculino também teve grande destaque na Grécia antiga. As manifestações de enaltecimento da perfeição viril, símbolo da beleza física masculina, eram mais comuns do que aquelas prestadas às mulheres (Lipovetsky, 2000). A beleza do corpo na época medieval era avaliada através de parâmetros, tais como pele rosada e olhos luminosos ou verde-azulados, tais aspectos eram considerados representantes de aparência sadia num período em que se morria jovem, pela falta de condições de higiene e pela fome (Eco, 2004). A partir do século XV foram disseminados na Europa os ideais renascentistas, concebendo o homem no centro do universo (antropocentrismo), mais valorizado e centralizado nas preocupações científicas e sociais (Mota & Braick, 2002). Estudo 2. Bases valorativas da Preocupação Masculina com Aparência Vicentino (1997) descreve que um dos grandes representantes dessa exuberância foi o rei Luis XIV, também conhecido como o rei sol. No final do século XX e inicio do século XXI, a mídia exerceu forte influência nos modelos considerados ideias ao homem moderno, dando início a um período de busca por um corpo magro, atlético e com formas bem definidas. Deste modo, a figura de um corpo esbelto e “sarado” passou a estar diretamente associada à imagem de poder, beleza e mobilidade social, principalmente nos países ocidentais (Damasceno, Lima, Vianna, Vianna & Novaes, 2005). Homens Preocupados com a Aparência A este conjunto de preocupações Pope, Phillips e Oliveira (2000) atribuíram a denominação de "Complexo de Adônis".
Um conjunto de preocupações com a aparência, que vão desde pequenos descontentamentos até distúrbios psiquiátricos com a imagem corporal. A vaidade é um construto psicológico que descreve a preocupação excessiva de uma pessoa em relação com a sua aparência e realização (Durvasula et al. 2001). Logo, estima-se que pessoas não atraentes são discriminadas e não recebem tanto suporte em seu desenvolvimento quanto os indivíduos reconhecidos como atraentes, dificultando o desenvolvimento de habilidades sociais, satisfação com a vida, e da autoestima (Hirata, 2009). No universo de variáveis potenciais para descrever e explicar os padrões comportamentais destes grupos destaca-se os valores humanos, justificando-se em razão de serem importantes no processo seletivo das ações humanas, constituindo-se um construto preponderante para o entendimento de muitos fenômenos sócio-psicológicos (Bardi & Schwartz, 2001). Valores Humanos Segundo Gouveia et al. (2011), os valores são (1) critérios de orientação que guiam as ações humanas e (2) expressam cognitivamente suas necessidades básicas. RESULTADOS Parâmetros Psicométricos do Questionário do "Complexo de Adônis" - QCA Parâmetros Psicométricos do Questionário de Vaidade - QV Estrutura Fatorial da Escala de Ansiedade Física Social - EAFS Os indicadores de ajuste foram considerados satisfatórios para o modelo bifatorial
[ X² (53) = 96,6, p < 0,001; X²/gl = 1,86; GFI = 0,93, AGFI = 0,90, CFI = 0,95,
RMSEA = 0,06 (IC 90% 0,04 – 0,08), PCLOSE (p = 0,14)]. Portanto, concluiu-se que tais resultados permitiram reunir evidências de validade fatorial e consistência interna preliminares das medidas empregadas. Justificando sua utilização no Estudo 2, julgando pertinente a realização de análises mais robustas com a finalidade de garantir a qualidade psicométrica de tais medidas. OBRIGADO!!! leogildo.alves.freires@gmail.com
vvgouveia@gmail.com Delineamento Procedimento Amostra Análise dos Dados Instrumentos Tratou-se de um estudo correlacional, do tipo ex post facto. Contou-se com uma amostra não-probabilística composta por 211 universitários do sexo masculino de uma IES pública da cidade de João Pessoa. Destes, todos eram heterossexuais e com idade média de 22 anos (dp = 5,58). Tendo aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos, do Centro de Ciências da Saúde, da Universidade Federal da Paraíba (Proc. CEP/CSS Nº 0393/11) Delineamento Amostra Instrumentos Procedimento Análise de Dados Questionário do Complexo de Adônis – QCA (Pope et al., 2000)

Questionário de Vaidade – QV (Durvasula et al., 2001)

Questionário Sociodemográfico. Os indicadores de ajuste foram considerados satisfatórios para o modelo bifatorial
[ X² (53) = 96,6, p < 0,001; X²/gl = 1,86; GFI = 0,93, AGFI = 0,90, CFI = 0,95,
RMSEA = 0,06 (IC 90% 0,04 – 0,08), PCLOSE (p = 0,14)]. Objetivo Geral Conhecer as bases valorativas da preocupação dos homens com a aparência. Objetivos Específicos •Adaptar e conhecer evidências de validade fatorial e consistência interna da versão brasileira do Questionário do Complexo de Adônis (QCA).

•Adaptar e conhecer evidências de validade fatorial e consistência interna do Questionário de Vaidade (QV).

•Conhecer as correlações entre as medidas de preocupação masculina (QCA e QV) e as subfunções do QVB (Questionário dos Valores Básicos; Gouveia et al., 2008), assim como seu poder preditivo sobre as mesmas.

• Conhecer as correlações entre as medidas de preocupação masculina com a aparência (QCA e QV) e as pontuações na Escala de Autoestima de Rosenberg (RSES) e na Escala de Satisfação com a Vida (ESV),

•Testar um modelo teórico, que envolva os valores humanos, vaidade masculina e a preocupação com a aparência (Complexo de Adônis). Este tipo de associação, estimulada por normas sócio-culturais recentes, de que, por exemplo, a musculosidade masculina é desejada para os homens, representando força, poder, disposição e energia (Grogan, 2008) tem contribuído para o desenvolvimento de diversos transtornos relacionados a imagem corporal.

Estudos desta natureza são importantes, sobretudo, porque tais preocupações podem comprometer várias esferas da vida dos homens. Os valores humanos têm sido um tema importante para explicação de diversos construtos e/ou comportamentos sociais e

Na presente dissertação, também se recorreu a este construto, provavelmente fazendo eco à visão de Rokeach (1973) de que os valores podem ser usados como explicadores de diversos fenômenos que os cientistas sociais são capazes de estudar. Participaram deste estudo 205 indivíduos do sexo masculino frequentadores de academias de musculação da cidade de João Pessoa (PB) com idade média de 25 anos (DP = 6,31), destes, a maioria declarou-se heterossexual (88,3%) e solteira (75%).

Tratou-se de uma amostra de conveniência (não probabilística), participando as pessoas que, contatadas nas academias, concordarem em fazer parte do estudo, antes ou depois dos exercícios. Os participantes responderam a um questionário com as versões preliminares empregadas no Estudo 1 e além destas foram incluídas as medidas a seguir:

Questionário dos Valores Básicos (QVB) - Gouveia (1998, 2003);
Escala de Satisfação com a Vida (ESV) - (Gouveia, 2009);
Escala de Autoestima de Rosemberg (EAR) - (Sbicigo, Bandeira & Dell’Agli (2010);
Questionário Sociodemográfico. O projeto correspondente foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos, do Centro de Ciências da Saúde, da Universidade Federal da Paraíba (Proc. CEP/CSS Nº 0393/11). RESULTADOS Comprovação da Estrutura Fatorial e Modelos Alternativos das Medidas Empregadas Questionário do Complexo de Adônis (QCA) Questionário de Vaidade (QV) Valores Humanos, Preocupação Masculina com a Aparência, Autoestima e Satisfação com a Vida: Relação entre as variáveis estudadas. Além dos correlatos valorativos foram calculados também os correlatos psicossociais, nesta oportunidade avaliados por meio da autoestima e satisfação com a vida, da preocupação masculina com a aparência (complexo de Adônis e vaidade).

A pontuação total do QCA se correlacionou positivamente com a pontuação total de Autoestima (r = 0,21; p < 0,01) e a pontuação total de vaidade por sua vez se correlacionou com a pontuação total da ESV (r = 0,25; p < 0,01). Os índices de bondade de ajuste do modelo, no geral, são considerados adequados: X²/gl = 5,47, GFI = 0,99, AGFI = 0,95, CFI = 0,98 e RMSEA = 0,07 (0,000 – 0,171).

Neste último caso, o teste PCLOSE (p = 0,26) indicou que o valor do RMSEA não é estatisticamente superior ao valor tomado como ponto de corte, isto é, 0,05.

Tal modelo contribui para desenvolvimento teórico da temática, fornecendo evidências mais robustas acerca do relacionamento destas variáveis. Em resumo, o presente estudo cumpriu todos os seus objetivos. Comprovou a estrutura fatorial das medidas empregadas no Estudo 1 (QCA e QV), delineou um perfil valorativo e psicossocial da amostra, fornecendo evidências acerca do relacionamento e predição das variáveis utilizadas que culminou na elaboração de um modelo explicativo levando em consideração tais variáveis. Discussão Geral e Conclusões Limitações Potenciais
Parâmetros Psicométricos das Medidas Utilizadas (QCA e QV) Bases Valorativas da Preocupação Masculina com a Aparência. Direções Futuras e Conclusão O valor da Confiabilidade Composta (CC) foi de 0,91, um indicador de precisão, o qual segundo Gouveia (2012) e Hair et al. (2008) é considerado adequado com valores iguais ou superiores a 0,70. O valor da Confiabilidade Composta (CC) foi de 0,77, um indicador de precisão, o qual segundo Gouveia (2012) e Hair et al. (2008) é considerado adequado com valores iguais ou superiores a 0,70. Realização e Suprapessoal Finalmente, tendo sido os objetivos propostos alcançados, identificando nos valores de realização e suprapessoal, dois construtos explicadores, confia-se, com a presente dissertação, ter colaborado para um campo específico da psicologia social que, embora dando os primeiros passos no contexto nacional, já dá provas de que é oportuno, preenchendo uma lacuna importante. Allen, M. W., Ng, S. H., & Wilson, M. (2002). A functional approach to instrumental and terminal values and the value-attitude-behavior system of consumer choice. European Journal of Marketing, 36, 111-135.
Almeida, G. A. N., Santos, J. E., Pasian, S. R., & Loureiro, S. R. (2005). Percepção de tamanho e forma corporal de mulheres: Estudo exploratório. Psicologia em Estudo, 10, 27-35.
Alonso, C. A. M. (2006). Vigorexia: enfermedad o adaptación. Lecturas: Educación
Física y Desportes, 11, 99-113.
Aluja, A., Rolland, J., García, L., & Rossier, J. (2007). Dimensionality of the Rosenberg Self-Esteem Scale and its relationships with the three and the five-factor personality models. Journal of Personality Assessment, 88, 1-4.
Alves, D., Pinto, M., Alves, S., Mota, A., & Leirós, V. (2009). Cultura e imagem corporal. Revista Motricidade, 5, 1-20.
Andrade, A., & Bosi, M. L. M. (2003). Mídia e subjetividade: Impacto no comportamento alimentar feminino. Revista de Nutrição, 16, 117-125.
Andrade, E., Sousa, E., & Minayo, M. C. (2009). Self-esteem and quality of life: essential for the mental health of police officers. Ciência e Saúde Coletiva, 14, 275-285.
Aquino, T. A. A. (2009). Atitudes e intenção de cometer o suicídio: Seus correlatos existências e normativos. Tese de Doutorado. Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.
Avanci, S., Assis, S., Santos, N., & Oliveira, R. (2007). Adaptação transcultural da Escala de Autoestima de Rosenberg para adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20, 397-405.
Ayensa, J., Martínez, K., & Rancel, F. (2005). Alteración de la imagen corporal en un grupo de usuarios de gimnasios. Enseñanza e Investigación en Psicología, 10, 161-169.
Bandeira, D., Arteche, A., & Reppold, C. (2008). Escala de Autopercepção de Harter para adolescentes: um estudo de validação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24, 341-345.
Bardi, A., & Schwartz, S. H. (2001). Value hierarchies across cultures: Taking a similarities perspectives. Journal of Cross-Cultural Psychology, 32, 268-290.
Bardi, A., & Schwartz, S. H. (2003). Values and behavior: Strength and structure of relations. Personality and Social Psychology Bulletin, 29, 1207-1220.
Bosi, M. L. M., Luiz, R. R., Morgado, C. M. C., Costa, M. L. S., & Carvalho, R. J.
(2006). Autopercepção da imagem corporal entre estudantes de nutrição: Um estudo no município do Rio de Janeiro. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 55, 108-113.
Braithwaite, V. A., & Scott, W. A. (1991). Values. Em J. P. Robinson, P. R. Shaver & L. S. Wrightsman (Eds.), Measures of personality and social psychological attitudes (pp. 661-753). New York: Academic Press.
Byrne, B. M. (1989). A primer of LISREL: Basic applications and programming for confirmatory factor analytic models. New York: Springer-Verlag.
Byrne, B. M. (2001). Strutural Equation Modeling with Amos: Basic Concepts, Applications, and Programmimg. New York: Springer – Verlag.
Caradas, A. A., Lambert, E. V., & Charlton, K. E. (2001). An ethnic comparison of eating attitudes and associated body image concerns in adolescent South African schoolgirls. Journal of Humuan Nutrition and Dietetics, 14, 111-120.
Cavalcanti, M. F. B. (2009). Atitudes frente ao piercing e a intenção de usá-lo: Uma explicação a partir do compromisso convencional. Tese de Doutorado. Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.
Chaves, C. M. M. (2006). Compromisso convencional: Fator de proteção para as condutas agressivas, anti-sociais e de uso de álcool? Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Cheng, H. (2006). Body image dissatisfaction of college women: Potential risk and protective factors. Tese de Doutorado. Faculty of the Graduate School, University of Missouri, Columbia.
Coelho Júnior, L. L. (2001). Uso potencial de drogas em estudantes do ensino médio: suas correlações com as prioridades axiológicas. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, JP.
Coelho, J. A. P. M. (2009). Habilidade de conservação de água: uma explicação pautada em valores humanos, emoções e atitudes ambientais. Tese de doutorado. Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.
Coelho, J. A. P. M., Gouveia, V. V., & Milfont, T. L. (2006). Valores humanos como explicadores de atitudes ambientais e intenção de comportamento pró-ambiental. Psicologia em Estudo, 11, 199 – 207.
Cole, D. A., Maxwell, S. E., Martin, J. M., Peeke, L. G., Seroczynski, A. D., Tram, J. M., Hoffman, K. B., Ruiz, M. D., Jacquez, F., & Maschman, T. (2001). The development of multiple domains of child and adolescent self-concept: a cohort sequential longitudinal design. Child Development, 72, 1723-1746.
Coopersmith, S. (1989). Coopersmith Self-esteem Inventory. Palo Alto: Consulting Psychologists Press.
Damasceno, V. O., Lima, J. R. P., Vianna, J. M., Vianna, V. R. A., & Novaes, J. S. (2005). Tipo físico ideal e satisfação com a imagem corporal de praticantes de caminhada. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 11, 181-186.
Diener, E., & Lucas, R. E. (1999). Personality and subjective well-being. Em D. Kahneman, E. Diener & N. Schwarz (Eds.), Well-being: The foundations of hedonic psychology (pp. 213-229). New York: Russell Sage Foundation.
Diener, E. (2000). Subjective well-being: The science of happiness and a proposal for a national index. American Psychologist, 55, 34-43.
Diener, E., Emmons, R. A., Larsen, R. J., & Griffin, S. (1985). The Satisfaction with Life Scale. Journal of Personality Assessment, 49, 71-75.
Diniz, P. K. C. (2009). Correlatos valorativos e emocionais do altruísmo. Dissertação de Mestrado. Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.
Durvasula,S., Lysonski, S., & Watson, J. (2001) Does Vanity Describe Other Cultures? A Cross-Cultural Examination of the Vanity Scale, The Journal of Consumer Affairs, 35, 180-199.
Eco, U. (2004). História da Beleza. Rio de Janeiro: Record
Espina, A., Ortego, M. A., Alda, I. O., Aleman, A., & Juaniz, M. (2002). Body shape and eating disorders in a sample of students in the Basque country: A pilot study. Psychology in Spain, 6, 3-11.
Etcoff, N. (1999). A lei do mais belo: a ciência da beleza. Rio de Janeiro: Editora Objetiva.
Facchini, M. (2006). ¿La imagen corporal en la adolescencia es un tema de varones?. Archivos Argentinos de Pediatría, 104, 177-184.
Feingold, A. (1992). Good-Looking People Are Not What We Think. Psychological Bulletin, 11, 304-341.
Fischer, R., Milfont, T. L., & Gouveia, V. V. (no prelo). Does social context affect value structures? Testing the within-country stability of value structures with a functional theory of values. Journal of Cross-Cultural Psychology
Flocker, M. (2004). O metrossexual: guia de estilo, um manual para o homem moderno. São Paulo: Editora Planeta do Brasil.
Gomes, A. I. A. S. B. (2011). A escolha do parceiro(a) ideal por heteros e homossexuais: Uma leitura a partir dos valores e traços de personalidade Dissertação de Mestrado, Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.
Gonçalves, M. P. (2008). Atributos desejáveis do (a) parceiro (a) ideal: Valores e traços de personalidade como explicadores. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa.
García, M. V. A., & Peresmitré, G. G. (2003). Insatisfacción corporal y seguimiento de dieta: Una comparación transcultural entre adolescentes de España y México. International Journal of Clinical and Health Psychology, 3, 9-21.
Giacomoni, C. H., & Hutz, C. S. (1997). A mensuração do bem-estar subjetivo: Escala de Afeto Positivo e Negativo e Escala de Satisfação de Vida. Em Sociedade Interamericana de Psicologia (Ed.), Anais XXVI Congresso Interamericano de Psicologia (pp. 313). São Paulo: SIP.
Giacomoni, C. H. (2004). Bem-estar subjetivo: Em busca da qualidade de vida. Temas em Psicologia da Sociedade Brasileira de Psicologia, 12, 43-50.
Gouveia, V. V. (1998). La naturaleza de los valores descriptores del individualismo y del colectivismo: Una comparación intra e intercultural. Tese de Doutorado. Departamento de Psicologia Social, Universidade Complutense de Madri, Espanha.
Gouveia, V. V. (2003). A natureza motivacional dos valores humanos: Evidências acerca de uma nova tipologia. Estudos de Psicologia, 8, 431 – 443.
Gouveia, V. V. (2006). O individualismo e o coletivismo normativo: comparação de dois modelos. Em M. Ros & V. V. Gouveia (Eds.). Psicologia Social dos Valores Humanos: Desenvolvimentos Teóricos, metodológicos e aplicados (pp. 115-147). São Paulo: Editora SESC São Paulo.
Gouveia, V. V. (2012). Calculadora de Validade de Construto (CVC). João Pessoa, PB: BNCS/ Universidade Federal da Paraíba.
Gouveia, V. V., Milfont, T. L., Fischer, R., & Santos, W. S. (2008). Teoria funcionalista dos valores humanos. Em M. L. M. Teixeira (Ed.), Valores humanos & gestão: Novas perspectivas (pp. 47-80). São Paulo: Editora Senac.
Gouveia, V. V., Milfont, T. L., Fonsêca, P. N., & Coelho, J. A. P. M. (2009). Life satisfaction in Brazil: testing the psychometric properties of the satisfaction with life scale (SWLS) in five Brazilian samples. Social Indicators Research, 90, 267-277.
Gouveia, V. V., Santos, W. S., Milfont, T. L., Fischer, R., Clemente, M., & Espinosa, P. (2010). Teoría funcionalista de los valores humanos en España: Comprobación de las hipótesis de contenido y estructura. Interamerican Journal of Psychology, 44, 203-214.
Gouveia, V. V., Fonsêca, P. N., Milfont, T. L., & Fischer, R. (2011). Valores humanos:
Contribuições e perspectivas teóricas. Em C. V. Torres & E. R. Neiva (Eds.), A psicologia social: Principais temas e vertentes (pp. 278-295). Porto Alegre, RS: ArtMed.
Gouveia, V. V., Andrade, J. M., Jesus, G. R., Meira, M., & Soares, N. F. (2002). Escala multi-fatorial de individualismo e coletivismo: Elaboração e validação de construto. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 18, 203 – 212.
Gouveia, V. V., Adndrade, J. M, Milfont, T. L., Queiroga, F., & Santos, W. S. (2003). Dimensões normativas o individualismo e coletivismo: É suficiente a dicotomia pessoal vs. social? Psicologia Reflexão e Crítica, 16, 223 – 234.
Gouveia, V. V., Martínez, E., Meira, M., & Milfont, T. L. (2001). A estrutura e o conteúdo universais dos valores humanos: Análise fatorial confirmatória da tipologia de Schwartz. Estudos de Psicologia, 6, 133 – 142.
Grogan, S. (2008). Body Image: Understanding Body Dissatisfaction in Men, Women, and Children. East Sussex: Routledge.
Grol, R., Mokkink, H., Smits, A., Van Eijk, J., Beek, M., Mesker, P., & Mesker-Niesten, J. (1985). Work satisfaction of general practitioners and the quality of patient care. Family Practice, 2, 128-135.
Guedea, M. T. D. (2002). Bem-estar subjetivo em idosos. Dissertação de Mestrado, Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.
Guerra, V. M. (2005). Bases Valorativas do Liberalismo Sexual. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Gusmão, E. E. da S. (2004). A hipótese da congruência vocacional: Considerações acerca dos valores humanos e do bem-estar subjetivo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Hackner, J., & Nyberg, S. (1996). Vanity and Congestion: A Study of Reciprocal Externalities, Economics, 63, 97- 111.
Hair, J. F. Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2009). Análise multivariada. Porto Alegre, RS: Bookman.
Harrison, K. (2000). The body electric: Thin-ideal media and eating disorders in adolescents. Journal Communication, 1, 119-143.
Harter, S., & Whitesell, N. R. (2003). Beyond the debate: why some adolescents report stable self-worth over time and situation, whereas others report changes in self-worth. Journal Personality, 71, 1027-1058.
Harvey, J. A., & Robinson, J. D. (2003). Eating disorders in men: Current considerations. Journal of Clinical Psychology in Medical Settings, 10, 297-306.
Hatcher, J., & Hall, L. (2009). Psychometric properties of the Rosenberg Self-Esteem Scale in African American single mothers. Issues in Mental Health Nursing, 30, 70-77.
Hirata, E (2009). Influências de Padrões de Corpo e da Comparação Social na Imagem Corporal. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Brasília, DF.
Hofstede, G. (1984). Culture’s consequences: International differences in work-related values. Beverly Hills, CA: Sage Publications.
Hofstede, G. (1991). Culture and organizations: Software of the mind. London: McGraw-Hill.
Hutz, C. (2000). Adaptação brasileira da Escala de Autoestima de Rosenberg. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Mimeo.
Inglehart, R. (1977). The silent revolution: Changing values and political styles among Western publics. Princeton, NJ: Princeton University Press.
Inglehart, R. (1991). El cambio cultural en las Sociedades industriales avanzadas. Madri: Siglo XXI.
JIFE (2007). Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes. Retirado em
04/02/2012 do UNDOC (Escritório da ONU contra Drogas e Crimes). Disponível em:
http://www.unodc.org/pdf/brazil/JIFE/PricipaisPontosJIFE.pdf.
Johnson, G. (1993). Vanity. Michigan Quarterly Review, 32, 1-136.
Joresköb, K., & Sörbom, D. (1989). Lisrel 7 user’s reference guide. Mooresville: Scientific Software.
Kakeshita, I. S., & Almeida, S. S. (2006). Relação entre índice de massa corporal e a percepção da auto-imagem em universitários. Revista de Saúde Pública, 40, 497-504.
Kanayama, G., Barry, S., Hudson, J. I., & Pope, H. G. (2006). Body image and attitudes toward male roles in anabolic-androgenic steroid users. American Journal of Psychiatry, 63, 697– 703.
Kenrick, D. T., Griskevicius, V., Neuberg, S. L., & Schaller, M. (2010). Renovating the pyramid of needs: Contemporary extensions built upon ancient foundations. Perspectives on Psychological Science, 5, 292-314.
Kluckhohn, C. (1951). Values and value orientations in the theory of action. Em T. Parsons & E. Shils (Eds.), Toward a general theory of action (pp. 388-433). Cambridge, MA: Harvard University Press.
Labre, M. P. (2002). Adolescent boys and the muscular male body ideal. Journal of Adolescent Health, 30, 233–242.
Lakatos, I. (1989). La metodología de los programas de investigación científica. Madri: Alianza.
Laros, J. A. (2005). O uso da análise fatorial: Algumas diretrizes para pesquisadores. Em L. Pasquali (Ed.), Análise fatorial para pesquisadores (pp. 163-184). Brasília, DF: LabPAM.
Lasch, C. (1979). The Culture of Narcissism: American Lije in an Age of Diminishing Expectations, New York: W. W. Norton.
Leit, R. A., Pope, H. G., & Gray, J. J. (2001). Cultural expectations of muscularity in men: The evolution of playgirl centerfolds. International Journal of Eating Disorders, 29, 90–93.
Levine, M. P., & Piran, N. (2004). The role of body image in the prevention of eating disorders. Body Image, 1, 57-70.
Lipovetsky, G. (2000). A Invenção do Belo Sexo e a Terceira Mulher: A permanência e revolução do feminino. Editora Schwarcz.
Mangabeira, R. (2002). Práticas de socialização e valores sociais: Um estudo da relação entre a percepção das práticas parentais de socialização e os valores de adolescentes paraibanos. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Marsh, H. W., & Hau, K. (1998). Is more ever too much? The number of indicators per factor in confirmatory factor analysis. Multivariate Behavioral Research, 33, 181 – 220.
Martín-Albo, J., Núñez, J., Navarro, J., & Grijalvo, F. (2007). The Rosenberg Self-Esteem Scale: translation and validation in university students. The Spanish Journal of Psychology, 10, 458-467.
Maslow, A. H. (1954). Motivation and personality. New York: Harper and Row.
Mason, R. S. (1981). Conspicuous Consumption, New York: St. Martin’s Press.
McCreary, D. R., Hildebrandt, T., Heinberg, L. J., Boroughs, M. S., & Thompson, J. K (2007). A review of body image influences on mens fitness goals and supplement use. American Journal of Men’s Health, 1, 307-316
Medeiros, E. D. (2011). Teoria Funcionalista dos Valores Humanos: Testando sua adequação intra e interculturalmente. Tese de doutorado, Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.
Milfont, T. L. (2001). A intenção de constituir família: Suas bases normativas e relacionais. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Milfont, T. L, Gouveia, V. V., & Costa, J. B. (2006). Determinantes Psicológicos da Intenção de Constituir Família. Psicologia: Reflexão & Crítica, 19, 25-33.
Molpeceres, M. A. (1994). El sistema de valores: Su configuración cultural y su socialización familiar en la adolescencia. Tese de Doutorado, Faculdade de Psicologia, Universidade de Valência, Espanha.
Morrison, T. G., & Morrison, M. A. (2004). Muscle Mania: Development of a New Scale Examining the Drive for Muscularity in Canadian Males. Psychology of Men & Masculinity, 5, 30-39.
Morrison, T. G., Morrison, M. A., Hopkins, C., & Rowan, E. T. (2004). Muscle Mania: Development of a New Scale Examining the Drive for Muscularity in Canadian Males. Psychology of Men & Masculinity, 5, 30-39.
Mota, M. B., & Braick, P. R. (2002). História: das cavernas ao terceiro milênio. São Paulo: Moderna.
Neighbors, L. A., & Sobal, J. (2007). Prevalence and magnitude of body weight and shape dissatisfaction among university students. Eating Behaviors, 8, 429-439.
Netemeyer, R., Burton, S., & Lichtenstein, D. R. (1995). Trait Aspects of Vanity: Measurement and Relevance to Consumer Behavior. Journal of Consumer Research, 3, 612-625.
Nunnally, J. C. (1991). Teoría psicométrica. México, DF: Trilhas.
O Correio do Estado (2011). Homens se importam com aparência, mas delegam compras às mulheres. Disponível em: http://www.correiodoestado.com.br/noticias/homens-se-importam-com-aparencia-mas-delegam-compras-as-mulh_123575/. Retirado em 05/04/2012
ODea, J. A. (2006). Self-concept, self-esteem and body weight in adolescent females: A three-year longitudinal study. Journal of Health Psychology, 11, 599-611.
Olivardia, R. (2002). Body Image and Muscularity. Em T. F. Cash & T. Pruzinsky (Eds.),
Body Image: A Handbook of Theory, Research and Clinical Practice (pp. 210-218). Nova York: The Guillford Press.
Olivardia, R., Pope, H. G., & Hudson, J. I. (2000). Muscle Dysmorphia in Male Weightlifters: A Case-Control Study. American Journal of Psychiatric, 157, 1291- 1296.
Oliveira, G. F. (2008). Trabalho e Bem-estar Subjetivo: Compreendendo a situação laboral dos médicos. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
OPAS (2003). Organização Pan-Americana da Saúde. Retirado em 02/02/2012. Disponível em http://www.opas.org.br/sistema/arquivos/d_cronic.pdf.
Parsons, T. (1959/ 1976). El sistema social. Madri: Revista do Occidente.
Pasquali, L. (1999). Instrumentos psicométricos: Manual prático de elaboração. Brasília, DF: LabPAM/IBAPP.
Pasquali, L. (2003). Psicometria: Teoria dos testes na psicologia e na educação. Petrópolis, RJ: Vozes.
Paul, R., & Brownell, K. D. (2001). Bias, discrimination and obesity. Obesity Research, 9, 788-805.
Pavot, W., & Diener, E. (1993). Review of the satisfaction with life scale. Psychological Assessment, 5, 164-172.
Pavot, W., Diener, E., Colvin, C. R., & Sandvik, E. (1991). Further validation of the Satisfaction With Life Scale: Evidence for the cross-method convergence of well-being measures. Journal of Personality Assessment, 57, 149-161.
Pereira, C. A. A. (1997). Um panorama histórico-conceitual acerca das dimensões de qualidade de vida e do bem-estar subjetivo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 49, 32-48.
Pimentel, C. E. (2004). Valores humanos, preferência musical, identificação grupal e comportamento social. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Pope, H. G., Phillips, K. A., & Olivardia, R. (2000) O complexo de Adônis: a obsessão masculina pelo corpo. Rio de Janeiro: Campus
Pope, H. G., Gruber, A. J., Choi, P., Olivardia, R., & Phillips, K. A. (1997). Muscle dysmorphia: An underrecognized form of body dysmorphic disorder. Psychosomatics, 38, 548-557.
Proença, G. (2002). História da Arte. São Paulo: Editora Ática.
Pronk, S. L. S. (2010). Correlatos da Imagem Corporal: uma explicação pautada na auto-imagem e nos valores humanos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Rojas-Barahona, C., Zegers, B., & Förster, C. (2009). La Escala de Autoestima de Rosenberg: validación para Chile en una muestra de jóvenes adultos, adultos y adultos mayores. Revista Médica do Chile, 137, 791-800.
Rokeach, M. (1973). The nature of human values. New York: Free Press.
Romano, A., Negreiros, J., & Martins, T. (2007). Contributos para validação da Escala de Autoestima de Rosenberg numa amostra de adolescentes da região interior norte do país. Psicologia, Saúde & Doenças, 8, 109-116.
Ronen, S. (1994). An underlying structure of motivational need taxonomies: A cross-cultural confirmation. Em H. C. Triandis, M. D. Dunnette & L. M. Hough (Eds.). Handbook of industrial and organizational psychology (v.4, pp. 241-269). Palo Alto, CA: Consulting Psychologists Press.
Ros, M. (2006). Psicologia social dos valores humanos: Uma perspectiva histórica. Em M. Ros & V. V. Gouveia (Eds.), Psicologia social dos valores humanos: Desenvolvimentos teóricos, metodológicos e aplicados (pp. 23-53), São Paulo, SP: Editora Senac.
Rosenberg, M. (1965). Society and the adolescent self-image. Princeton: Princeton University Press.
Rubio, K. (2002). Do olímpio ao pós-olímpio: elementos para uma reflexão sobre o esporte atual. Revista paulista de Educação Física, 16, 130-143.
Russo, N. F., & Dabul, A. J. (1997). The relationship of abortion to well-being. Do race and religion make a difference? Professional Psychology: Research and Practice, 28, 23-31.
Sánchez, E., & Barrón, A. (2003). Social psychology of mental health: the social structure and personality perspective. The Spanish Journal of Psychology, 6, 3-11.
Santos, P., & Maia, J. (2003). Análise factorial confirmatória e validação preliminar de uma versão portuguesa da Escala de Auto-Estima de Rosenberg. Psicologia: Teoria, Investigação e Prática, 2, 253-268.
Santos, C. A. (2007). Atributos da sexualidade feminina e prioridades valorativas. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Santos, W. S. (2008). Explicando comportamentos socialmente desviantes: uma análise do compromisso convencional e afiliação social. Tese de doutorado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de psicologia, João Pessoa, PB.
SBCP (2012). Cirurgia para homens. Disponível em: http://www2.cirurgiaplastica.org.br/cirurgias-e-procedimentos/cirurgia-para-homens/. Retirado em 02 de fevereiro de 2012.
Sbicigo, J. B, Bandeira, D. R., & Dell’Aglio, D. D. (2010) Escala de Autoestima de Rosenberg (EAR): validade fatorial e consistência interna, Psico-USF, 15, 395-403.
Schmitt, D., & Allik, J. (2005). Simultaneous administration of the Rosenberg Self-Esteem Scale in 53 nations: exploring the universal and culture-specific features of global self-esteem. Journal of Personality and Social Psychology, 89, 623-642.
Schmutte, P. S., & Ryff, C. D. (1997). Personality and well-being: reexamining methods and meanings. Journal of Personality and Social Psychology, 3, 549-559.
Schwartz, S. H., & Bilsky, W. (1987). Toward a universal psychological structure of human values. Journal of Personality and Social Psychology, 53, 550 – 562.
Schwartz, S. H., & Bilsky, W. (1990). Toward a theory of the universal content and structure of values: Extensions and cross-cultural replications. Journal of Personality and Social Psychology, 58, 878 – 891.
Schwartz, S. H., & Boehnke, K. (2004). Evaluating the structure of human values with confirmatory factor analysis. Journal of Research in Personality, 38, 230-255.
Schwartz, S. H., & Huismans, S. (1995). Value priorities and religiosity in four Western religions. Social Psychological Quarterly, 58, 88 – 107.
Schwartz, S. H. (1992). Universal in the content and structure of values: Theoritical advances and empirical tests in 20 countries. Em M. P. Zanna (Ed.), Advanced in Experimental Social Psychology (pp. 1-65). Nova York: Academic Press.
Schwartz, S. H. (1994). Are there universal aspects in the structure and contents of human values? Journal of Social Issues, 50, 19-45.
Schwartz, S. H. (2005). Validade e aplicabilidade da teoria dos valores. Em A. Tamayo & J. B. Porto (Eds.), Valores e comportamentos nas organizações (pp. 56-59). Petrópolis, RJ: Vozes.
Schwartz, S. H. (2006). Há aspectos universais na estrutura e no conteúdo dos valores humanos? Em M. Ross & V. V. Gouveia (Eds.). Psicologia social dos valores humanos: Desenvolvimentos teóricos, metodológicos e aplicados, (pp. 55-85), São Paulo: Editora Senac São Paulo.
Seleri, S., & Assunção, M. (2002). Dismorfia muscular. Revista Brasileira de Psiquiatria, 24, 80-84.
Sennet, R. (2001). Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. São Paulo: Record.
Silva-Júnior, S. H. A., Souza, M. A., & Silva, J. H. A. (2008). Tradução, adaptação e validação da escala de satisfação com a aparência muscular (MASS). Lecturas: Educación Física y Deportes, 13, 130-146.
Sinclair, S., Blais, M., Gansler, D., Sandberg, E., Bistis, K., & LoCicero, A. (2010). Psychometric properties of the Rosenberg Self-Esteem Scale: overall and across demographic groups living within the United States. Evaluation & the Health Professions, 33, 56-80.
Sobol, D. J. (1959). O homem medieval. Rio de Janeiro: Record.
Tabachnick, B., & Fidell, L. S. (2006). Using multivariate statistics (5ª ed.). New York: Harper Collins.
Tamayo, A. (1988). Influência do sexo e da idade sobre o sistema de valores. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 38, 91-104.
Tönnies, F. (1887/1979). Comunidad y associación. Barcelona: Ediciones Penísula.

Triandis, H. C. (1995). Individualism and collectivism. Boulder, CO: Westview Press.
Vasconcelos, T. C. (2004). Personalidade, valores e condutas anti-sociais de jovens. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa, PB.
Vasconcelos, T. C., Gouveia, V. V., Souza Filho, M. L., Sousa, D. M. F., & Jesus, G. R. (2004). Preconceito e intenção em manter contato social: evidências acerca dos valores humanos. Psico-USF, 9, 147 – 154.
Verplaken, B. & Holland, R. W. (2002). Motivated decision making: Effects of activation and self-centrality of values on choices and behavior. Journal of Personality and Social Psychology, 82, 434-447.
Vicentino, C.(1997). História geral. São Paulo: Scipione.
Vione, K.C. (2012). As prioridades valorativas mudam com a idade? Testando as hipóteses de rigidez e plasticidade. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Psicologia, João Pessoa.
Waege, H., Billiet, J. & Pleysier, S. (2000). Validation by means of method variations: A CFA approach to the SSA-value-typology of Schwarz. Em A. Ferligoj. & A. Mrvar (Orgs.), Developments in survey methodology (pp. 55-74). Ljubjana: FDV.
Watkins, D. (1989). The role of confirmatory factor analysis in cross-cultural research. International Journal of Psychology, 24, 685-701.
Weigel, R. & Weigel, J. (1978). Environmental concern: The development of a measure. Environment and Behavior, 10, 3-15.
Zuckerman, M. (1994). Behavioural expressions and biosocial bases of sensation- seeking. Cambridge: Cambridge University Press.
Full transcript