Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Da Pré-Antiguidade á Invenção da Imprensa

No description
by

Cátia Figueiredo

on 4 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Da Pré-Antiguidade á Invenção da Imprensa

Pré-História e Antiguidade Da Pré-Antiguidade á Invenção da Imprensa No período da pré-historia surge a escrita, um grande passo da evolução humana.

A escrita remete-nos para o principio do símbolo, imagens simples que podem ser encontradas nas pinturas rupestres gravadas nas paredes das cavernas, com a finalidade de manterem a comunicação.

Foi então através destas imagens que o homem percebeu que podia passar mensagens, pensamentos e estados de espírito.
Quando os símbolos começaram a representar não objectos ou ideias, além do valor ideográfico passaram a ter também um valor fonético.
Mais tarde os Egípcios desenvolveram os fonogramas, sendo esta uma forma de comunicação em símbolos que representam sons. Papiro e Pregaminho Nas margens do rio Nilo, no Antigo Egipto, era encontrado o papiro.

Muito utilizado pelos egípcios para diversos propósitos, as suas folhas eram sobrepostas e trabalhadas para serem transformadas numa espécie de papel.

O papiro era utilizado pelos escribas egípcios para escreverem textos e registarem as contas do império.

Em toda a Europa e até ao século VIII era este o suporte utilizado para efeitos de escrita.

Assiste-se, portanto, a um controlo rigoroso da informação pela igreja, sendo que só as classes mais privilegiadas sabiam ler e escrever.

No que diz respeito à publicação e distribuição de livros, também aqui o controlo existia e era exercido novamente pela Igreja. Terceiro sistema de escrita (Chinês) Originário da China, o terceiro sistema de escrita, caracteriza-se pela combinação de pictogramas, ideogramas e sinais.

Depois da escrita, veio a invenção de um novo suporte, que foi conseguida a partir de uma planta fibrosa, sendo todo o seu processo um trabalho manual. Quando os Fenícios deixaram de exportar papiro para a Ásia o rei de Pérgamo ordenou que se estudasse um tipo de material que pudesse substituir o papiro; o pergaminho.

Esse importante suporte da escrita também foi largamente utilizado na antiguidade ocidental, em especial na Idade Média.
A evolução para a escrita alfabética em que cada letra representa um som, foi lenta e passou por várias fases, tais como: Idade Média O período da Idade Média, que se pode ser compreendido entre século V e século XV, é descrito como um tempo de opressão e perseguição religiosa, estando a Igreja Católica no topo da hierarquia de poder, acima do rei mesmo.

Verificava-se, nesta altura, um completo controlo da informação distribuída para as pessoas de uma forma geral, sendo que a informação realmente relevante está disponível somente para as classes mais elevadas, nobreza e clero. Papiro e Pregaminho •Alfabeto grego, onde surgem as vogais e posteriormente adoptado pelos romanos;

•O povo romano após assimilar o alfabeto grego alterou algumas letras e o resultado final é aquele que hoje conhecemos, composto por 26 letras; A escrita provêm de Sumer, cuja antiguidade atinge 5 500 anos aproximadamente. A escrita Suméria como a escrita Egípcia, são ao mesmo tempo uma escrita ideográfica e fonética pois utiliza muitos símbolos, o que as torna escritas complexas. A escrita hieroglífica constitui o mais antigo sistema organizado de escrita no mundo.

A escrita hieroglífica era vocacionada para inscrições formais nas paredes de templos e túmulos.

Os hieróglifos associavam símbolos ás imagens de objectos reais.

Durante os mais de três milénios em que foram usados, os egípcios inventaram cerca de 6900 sinais. •Alfabeto composto por vinte e cinco a trinta signos cuneiformes que foram uma forma de escrever mais rápida e fácil de aprender, desenvolvido pelo povo de Ugarit (Síria);

•Alfabeto com vinte e duas letras e apenas constituído por consoantes, criado pela população da costa sírio-palestiniana (Fenícios);

A Invenção da Imprensa Com a situação descrita no diapositivo anterior a decorrer, surgiu a necessidade de uma maior e mais rápida reprodução de textos; esta ideia partiu da Igreja e da sua vontade de atingir um maior número de pessoas a ler os textos eclesiásticos difusores dos ideais da Igreja.

Assim surge Johannes Guttenberg com a invenção do primeiro aparelho tipográfico. Em Suma... A imprensa, como técnica, atingiu o patamar actual .

Verificam-se os primeiros sinais de comunicação visual com as pinturas rupestres nas paredes das cavernas na Pré-História e nestas a transmissão de ideias, representação de objectos e mais tarde a tentativa da reprodução de sons através de fonemas. Começam então a surgir civilizações mais avançadas que produzem um alfabeto próprio e meios e técnicas de o reproduzir.


É possível também visualizar a evolução do alfabeto de acordo com a ordem que as respectivas civilizações responsáveis pela sua criação aparecem assim como as alterações que as civilizações seguintes iriam introduzir.

Tudo isto para chegar ao Império Romano que cria uma estrutura linguística que ainda hoje é utilizada, nomeadamente por nós.
Full transcript