Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Ninhos de Abelhas

No description
by

Michele Castro de Paula

on 2 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Ninhos de Abelhas

Apidae
Definição de Ninho em insetos sociais

O local cujas condições permitem a vida social.

Meliponini
Preferencialmente em ocos de árvores;

Algumas espécies podem nidificar em cavidades no solo, em cupinzeiros ou formigueiros (abandonados ou ativos), em ninhos de pássaros desativados ou em paredes de casas;

Outras constroem ninhos expostos ou semi-expostos em galhos de árvores ou fendas em rochas.
Hymenoptera
Ninhos de Abelhas
Doutoranda: Michele Castro de Paula
Orientador: Dr. William Fernando Antonialli Junior
Coorientadora: Dra. Claudia Andreia Lima Cardoso

Cada espécie tem uma estrutura peculiar na entrada do ninho. A entrada do ninho é formada por um tubo de cera ou cerume.
http://www.confiancadesinsetizadora.com.br/dedetizacao/formigas.html
http://www.forestryimages.org/browse/detail.cfm?imgnum=2116051
http://www.omnilexica.com/thesaurus/?q=Mischocyttarus#.VVSvaY5Viko
Ordem: Hymenoptera
Subordem: Apocrita
Divisão: Aculetata
Super família:
Apoidea

Ampulicidae
Crabronidae
Sphecidae

Andrenidae *
Apidae
*
Colletidae *
Dasypodaidae
Halictidae *
Megachilidae *
Meganomiidae
Melittidae
Stenotritidae

Ancestral Abelhas
(Michener, 2007)
(Michener, 2007)
Apini e Meliponini
São altamente eusociais
Bombini
Primitivamente Eusocial
No Brasil ocorrem cerca 1.600 espécies

Importantes na polinização
Produção de:
Eusocialidade
Divisão de Trabalho
Cuidado Cooperativo com a Prole
Sobreposição de Gerações
http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1405&sid=2
(CAMARGO, 1989)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Meliponini
A densidade de ninhos de abelhas em uma área pode ser modificada por:


http://www.amapangeia.org.br/noticias/ver/150/mg-lidera-desmatamento-nacional
Reduzem o número de locais disponíveis para a nidificação.
http://pmpcminas.blogspot.com.br/2010_07_01_archive.html
Estruturas das entradas de ninhos em ocos de árvores , distintos padrões de ornamentação na entrada do ninho.
Partamona ailyae
Ninho encontrado em um cupinzeiro arbóreo, destaca-se a tonalidade alaranjada do cerume.
Partamona combinata
Trigona hypogea
Ninho localizado em um barranco na Mata Ciliar.
Ninho localizado em um oco de uma aroeira viva.
Trigona recursa
Detalhe do tubo da entrada de
Trigona recursa
em cupinzeiro do tipo murundum.
Operárias-guardas no tubo de entrada do ninho.
Trigona fulviventris
Entrada do ninho localizado em um barranco nas margens do Rio Araguari-MG
Região do favo de cria. Cerume e resina em tom avermelhado
Nidifica em termiteiros arborícolas externos.
http://blogs.scientificamerican.com/
http://www.pbase.com/splluk/image/143915679
http://www.termiteweb.com/termite-pictures-
Nasutitermes
Constrictotermes
Amitermes
Nidifica em lugares sombreados, mas também é comum encontrá-la em regiões abertas, ou em clareiras ensolaradas.
Ninho em corte longitudinal, em termiteiro arborícola ativo, Nasutitermes
Partamona pearsoni
Ninho em termiteiro arborícola ativo, Nasutitermes
Partamona pearsoni
ninhos subterrâneos, em termiteiro ativo
Trigona recursa
Ninho em termiteiro arborícola abandonado
Associação com Formigas
O controle preciso da temperatura na área da célula de cria pode ser visto como uma inovação para uma sociedade bem estruturada.
Manter a temperatura constante é crucial;
A capacidade das espécies de Meliponini manterem a temperatura homogênea é a presença do invólucro.
Que intercepta e estoca grandes quantidades de energia termica produzida pelo metabolismo da cria.
Cera
Invólucro
Resina ou Cerume
Inclinação de 4 a 9 graus para cima

http://www.cpt.com.br/cursos-criacaodeabelhas/artigos/abelhas-termorregulacao-da-colmeia
https://www.flickr.com/photos/9196929@N02/2346241126/
Bombini
http://www.pond5.com/pt/stock-footage/392151/colmeia-de-terra-abelha-bombus-terrestris.html
Bombus Terrestris
Apini
http://www.beeworldproject.org/Bees_Of_The_World
Apis mellifera
http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2013/08/colmeia-assusta-moradores-do-bairro-da-cidade-velha-em-belem.html
Cidade
https://plantandovida.wordpress.com/fotos-enviadas-4/
Mata
Seca
Úmida
http://flor.nativa.blog.uol.com.br/
http://pjarrodolfoipigua.blogspot.com.br/2009_05_01_archive.html
Arquitetura dos ninhos é simples
http://br.freepik.com/fotos-gratis/padrao-de-telha-colmeia-de-abelhas-da-colmeia-hexagonal_669755.htm
Células Hexagonais
Mel
Polén
Imaturos
Realeiras
Vários favos dispostos paralelamente uns aos outros.
http://montedomel.blogspot.com.br/2009_01_01_archive.html
Os ninhos podem ser externos
Ocos pré existentes
http://ordenhymenoptera.blogspot.com.br/2009_11_01_archive.html
Ninhos subterrâneos abandonados ou não
Fundação
http://joaquimrmartins.blogspot.com.br/2010/06/abelha-comum-apis-mellifera.html
Composto por uma Rainha fecundada e várias operárias.
http://www.apinep.com.br/abelhas.asp
http://www.dreamstime.com/stock-photography-buff-tailed-bumblebee-bombus-terrestris-isolated-image37848812
Apenas um Gênero: Bombus
Seis espécies

Bombus bellicosus
B. brasiliensis
B. brevivillus
B. morio
B. pauloensis
B. transversalis
Primitivamente sociais, combarada com Meliponini e Apini
Primeira fase Subsocial
Segunda Eussocial
A rainha cuida da prole e forrageia
Responsável apenas pela postura dos ovos.
Segunda geração de operárias, inicia-se a vida social

Os ninhos em geral são na superfície do solo, ou em touceiras
Geralmente não apresentam uma entrada definada
Podem ou não apresentar uma cobertura de cera
Com cobertura: Ocorre detritos vegetais
Sem cobertura: Camada de detritos esconde o ninho
Os potes de Alimento estão dispostos em células hexagonais de cera.
http://www.geralforum.com/board/1093/220538/insectos-da-letra-m.html
Armazenam grande quantidade de reserva alimentar
Reutilizam os casulos das pupas vazias para Armazenar Alimento.
Potes de mel são comumente misturados à células de cria
http://www.geralforum.com/board/1093/220538/insectos-da-letra-m.html
Foi observado potes de alimento separados da cria
B. fervidus
Muito Obrigado
Ninho Organizado
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0085-56262004000300012
(Camargo & Pedro, 2014)
Constroem o ninho na posição vertical
Formando discos horizontais, e vão se sobrepondo, separados por colunas
Material do Favo (cera +resina vegetal)
O conjunto de favos é envolvido por placas de cera e resina.
Protege
Facilita o controle da temperatura
O mel e o Pólen são estocados pela colônia em potes especias, construidos pelas operárias também com cerume.
Oval ou cilíndrico
Os potes em geral são construídos ao redor do envólucro.
A vedação das frestas, ou preenchimento de volumes não aproveitados.
Cerume+argila+esterco= Geoprópolis
Colônia Mãe
Madura
Condições ambientais favoráveis
Grupo de operárias saem do ninho-mãe
Limpam o oco
Recobrem as frestas com resinas ou cerume
Construem a entrada do ninho
Algumas operárias mudam, e montam guarda na entrada do ninho.
Construem os primeiros potes, trazem cerume e alimento do ninho-mãe.
Os machos chegam à entrada do ninho
Ferreira & Soares, 1998
Ninho estiver Pronto
Reservas-Selado-Entrada Pronta-Operárias- Guardas residentes
Um grupo de Operárias acompanhadas de uma ou mais rainhas virgens chegam ao ninho
A rainha virgem escolhida sai do ninho-filho para realizar o voô nupcial, ela é fecundada e regressa ao ninho-filho
Contato entre o ninho-filho e ninho-mãe podem permanecer por longo tempo
MELIPONINI
Meulemeester
et al
., 2011
Full transcript