Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Qual o impacto dos audiovisuais na promoção dos destinos tur

No description
by

Patrícia Themudo

on 20 December 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Qual o impacto dos audiovisuais na promoção dos destinos tur

Impacto dos audiovisuais na promoção dos destinos turísticos
Revisão Bibliográfica

Introdução
As características dos produtos turísticos são bastante peculiares, e como tal, o audiovisual ajuda-nos a ter uma perceção, através da imagem e do som, de determinados destinos turísticos, tendo a capacidade de difundir uma mensagem para qualquer parte do mundo.
O audiovisual despoleta-nos curiosidade em experimentar uma atividade/produto de determinado local, bem como de experienciar, ou seja, aqui o voyeur, aquele que vê, necessita de estar no lugar onde se pratica uma certa atividade sem que seja parte integrante da mesma.
Podemos considerar que os anúncios audiovisuais podem ser o impacto mais acentuado de qualquer destino turístico que use este meio de marketing/publicidade, pois estes anúncios tendem a promover e destacar os pontos mais fortes do destino.
Os principios do Turismo
Atualmente o turismo é visto como um fenómeno complexo e multidisciplinar apto para dinamizar os mais variados setores de produtividade nos diversos lugares do mundo, já por isso é visto como uma das mais promissoras – senão a mais promissora – das atividades sociais.
O turismo envolve ainda a composição de serviços internos como é o caso dos meios de transpote, recreação, hospitalidade, entre outros e por isso representa um maior impulso externo de riqueza e receitas significativas para os locais recetivos de turistas, associando a definição de turismo a uma vertente essencialmente económica.
O processo de segmentação de mercado no turismo
Segundo Jenkins e Lickorish (2000) a segmentação opera de modo a potencializar mercados já existentes e estimulando a criação de novos mercados em proveito de motivar e atrair a procura dos destinos. É considerada uma estratégia de marketing de valor indespensável para o desenvolvimento e sucesso de determinado produto, sendo que apenas um objeto comum é incapaz de satisfazer as necessidades e desejos de todos os consumidores.
Turismo Cinematográfico

Para Beni (2001) o turismo cinematográfico encontra-se inserido no que se designa de subsitema cutural, cujos indícios se referem aos recursos turísticos, onde o autor alega que sem a cultura não existem condições para se realizar o turismo, e que por isso, este subsistema cultural irá abranger relevantes frações de diferentes tipologias turísticas.
Um segmento a ter em consideração
O turismo cinematográfico consiste em viagens realizadas com o propósito de estudo, uma vez que está intimamente ligada às construções culturais que possuem nas suas bases estilos de vida e tradições que as sociedades vão desenvolvendo.
Foi criada então uma proposta de definição de turistas que viajavam para regiões onde foram realizadas cenas de filmes, que se denominaram de Set-Jetters. Este tipo de turista apresenta uma grande vontade de viver e experienciar emoções fortes por isso procura os destinos onde foram realizados os grandes clássicos de cinema a nível mundial que marcaram incessantemente as regiões onde foram feitas as filmagens, de modo a conseguir vivenciar “cenas” idênticas às visualizadas.
Por conseguinte, não poderão ser todos tratados da mesma maneira, mas também não se poderão tratar todos de forma diferente. Dever-se-á no entanto, tentar reunir um conjunto de pessoas com preferências e características semelhantes, de modo a tentar aglomerá-los todos dentro de um grupo homógeneo.
Fonte: Understanding the Film-Induced Tourist: International Tourism and Media Conference Proceedings, 2004, p. 89.
Para Hayata e Madril (2003) o cinema é caracterizado por entretenimento, curiosidade, meio de comunicação social, instrumento de formação e de cultura e uma indústria que fatura milhões, e por isso, considerada uma das mais poderosas forças do mundo da atualidade. Estas autoras consideram ainda que “… não há quem resista ao clima gerado por uma boa história, no escuro, onde as pessoas se podem desligar da vida real e entrar num universo lúdico. É isso que o público ambiciona, procurar novas sensações e viver aventuras semelhantes às dos personagens fictícios.”
O audiovisual e o imaginário turístico
O imaginário turístico é visto como uma das dimensões de um imaginário cultural, ou seja da procura incansável da felicidade e da realização total, conjurando a ideia de morte, e procurando dar sentido à vida. (Durand, 1963)
As variadas formas de ficção – cinema, televisão – são meios de comunicação que ajudam o possivél turista a projetar a sua felicidade num determinado local sonhado, considerando edénico um território desconhecido, pois embora sejam lugares reais o imaginário turístico remete-o para locais exóticos ou paradisíacos devido à constante necessidade do ser humano de alcançar a plenitude.
Através desta relação entre o audiovisual e o imaginário turístico podemos entender quais os hábitos e práticas de viagem dos turistas bem como saber aquilo que os motiva.


É também importante que o turista encontre uma correlação entre o que é apresentado nos vídeos promocionais, documentários ou até produções de cinema e da realidade do destino em si, de maneira a que corresponda ao idealizado, pois caso isso não aconteça os turistas não irão vivenciar a experiência turística da maneira percebida, ficando desiludidos e não querendo então repetir nem recomendar a mesma.
O turismo cinematográfico como tipologia emergente do turismo cultural
Dentro do Turismo cultural tem vindo a surgir um novo conceito, o turismo cinematográfico. Este tem vindo a ser um fenómeno de crescimento em todo o mundo.
De acordo com o 2006 Report da Motion Pictures Association of America, as filmagens em regiões dos EUA aplicam cerca de 200 mil dólares, diários, na economia local e ainda têm uma grande capacidade para gerar emprego.
Observa-se assim que os investimentos em produções cinematográficas conjugadas com a maior exposição de destinos turísticos, são fortemente eficientes e lucrativas, atingindo o objectivo procurado e ainda superando muitas das vezes o retorno económico esperado.


Muitas localidades utilizadas em produções de filmes acabam, consciente ou inconscientemente, por influenciar o espectador a explorar no seu imaginário turístico os cenários onde se desenvolveram as suas cenas favoritas, em filmes e produções televisivas. Os audiovisuais e filmes cinematográficos poderão então funcionar como reforço de prestigiados símbolos que podem influenciar, colectiva ou individualmente a escolha do destino de turistas.
Senhor dos Anéis
Segundo alguns dados fornecidos pela New Zeland Film Commission:
Espectadores nos 3 primeiros meses após a estreia:
• USA/Canadá: mais de 50 milhões
• Reino Unido – mais de 13 milhões
• Alemanha – mais de 10 milhões
• Coreia do Sul – mais de 3 milhões
• Japão – 5,5, milhões (nos primeiros 10 dias)

Além dos imensos dados que comprovam o sucesso que a trilogia “Senhor dos Anéis” alcançou, segue uma pesquisa que mostra o real impacto do turismo na Nova Zelândia:
• 3,8 milhões que foram à Nova Zelândia conheciam a trilogia;
• 3,5 milhões sabiam que o filme foi produzido no país;
• 2,6 milhões tinham visto o filme antes de ir à Nova Zelândia;
• 240 mil foram à Nova Zelândia motivados especificamente pelo filme
Fonte: Agência Sebrae de Notícias – DF, 2008, p.2.

O cinema é considerado um importante canal de divulgação de destinos turísticos pois constrói e agrega valor às regiões já divulgadas, de modo a que as pessoas criem uma expectativa acerca de determinado local.
Impactos do Turismo Cinematográfico
Impactos positivos
Impactos negativos
Bickford-Smith (2010; p.92) em referência ao filme “Cape Town” afirma que: “sobre a relação entre o cinema e o turismo de massa. (…) Em seguida, ele explora as formas pelas quais a Cidade do Cabo foi representada no filme (…) e a subsquentemente e rápida ascensão da cidade como um destino turístico de massa”.
Fonte: Estudo de Sinergia e Desenvolvimento entre as Indústrias do Turismo & Audiovisuais Brasileiras, Ministério do Turismo. 2007, p.11.
Consequentemente, levou à presença de vários fatores negativos, pois em vez de mostrarem nas produçoes cinematográficas o que a cidade tinha de melhor apresentavam uma cidade marginal, cheia de gangsters, pobreza, crianças de rua e crimes violentos, passando uma imagem errada e não conseguindo atingir o principal propósito: a atração de visitantes.
Beneficios do Turismo Cinematográfico
Uma produção ao escolher um local para filmagem, tende a gerar um grande fluxo turístico, desencadeando o crescimento de uma cadeia produtiva:
Os Incentivos e Investimentos
A Atração de visitantes
Regeneração de áreas negligenciadas
Melhoria na economia local
Reconhecimento internacional da região
Criação de emprego
Turismo e o audiovisual: pontos de convergência e coesão
Pontos de Convergência
Pontos de Sinergia
Metodologia e Hipóteses
H1: Contribui para uma maior conhecimento e potencia a experência "in loco" e procura do destino


H2: Cria representações mentais sobre o destino que potencia a motivação turística
1) O turismo e o audiovisual são de natureza complexa
2) O turismo e o audiovisual estão cada vez mais incoporados na globalização
3) O turismo e o audiovisual têm natureza multidisciplinar
O cinema e o turismo apresentam condições semelhantes e coincidentes, possuindo assim dois pontos de coesão tangivéis:
O primeiro é de impacto direto e tangível, que provém da vinda, estada e circulação de equipas de filmagem (atores, técnicos de várias áreas, produtores, cenógrafos) que consequentemente, originam uma grande procura.
O segundo ponto de coesão e principal é o indireto e intangível, que deriva da exportação de cenários e valores culturais das localidades de todo o mundo, através da televisão, comunicação social, entre outros, que tendem a atraír turistas aos lugares dos países expostos às filmagens, a curto, médio e longo prazo.
Apresentação dos resutados e validação das hipóteses
Este filme foi selecionado porque inclui, no seu título, o nome da cidade, Barcelona: além disso, o destino financiou com 1 milhão de euros por causa da sua projeção internacional
O cinema como base para explicar a evolução das viagens e atividdes turísticas

As mudanças sociais e económicas ocorridas no séc. XIX e ínicio do séc. XX, tornaram possível o desenvolvimento das viagens terrestres e transoceânica, não só como instrumento para transferência de bens mas também de "turistas" em busca de cultura, exotismo o contextos turísticos diferenciados.

Os processos de democratização do lazer, o desenvolvimento e maior acessibilidade de meios de transporte, a aplicação de políticas de bem-estar social e o desenvolviimento e uma maior classe média com níveis de rendimento elevados, favoreceu o desenvolvimento do que foi chamado "turismo de massas".
Tendo em vista a necessidade de realização de entrevistas a pessoas, antes e após a exibição do filme, com a finalidade de avaliar o impacto do surgimento de um destino turístico neste segmento, era importante tentar selecionar um produto audiovisual com perspetivas de continuidade nos cinemas
Quando é avaliada a imagem de um destino turístico, duas técnicas básicas podem ser utilizadas, as estruturadas e não estruturadas.


O alvo dos resultados do estudo foram alcançados utilizando técnicas não-estruturadas que medem as componentes holística e únicas da imagem de um destino.

Imagens na mente de quem pensa na cidade de Barcelona
Imagens de Barcelona depois de ver o filme
Conclusões e Implicações para o Marketing de Gestão
Podemos verificar que as imagens contribuem para o posicionamento do destino na mente do consumidor, uma vez que, são significativamente diferentes após a visualização do filme em que o destino aparece:
Parc Guell - mencionado 21,3% após visualização do filme e 9,4% antes de visualizado;
Obras de Gaudi - mencionado 16,5% após a visualização do filme e 10,8 antes de visualizado;

E ainda imagens adicionadas à mente do espectador depois da visualização do filme como: Gastronomia e Restaurantes (4,5%), Arquitetura (4,1%) e a Vida Noturna (3,7%).
A análise do cinema como um instrumento de promoção e conhecimento da sua afluência na tomada de decisão do consumidor pode produzir resultados muito significativos para a conceção e implementação de estratégias para a comunicação turística.
Conclusão
Com a realização deste projeto foi possivél entender a grande importância deste novo segmento, o Turismo Cinematográfico.

Assim, é fundamental a criação de estratégias para a produção de filmes, de maneira a que divulguem as regiões de forma positiva, dando a conhecer as suas tradições, interesses histórico-culturais e fazendo alusão aos principais ponos e produtos turísticos que a região tem para oferecer.

É também fundamental que haja um acompanhamento de todos os envolvidos com os impactos que o filme poderá trazer para a região em causa, uma vez que a sua divulgação e captação de Set-Jetters poderá suscitar mudanças económicas, culturais, sociais e ambientais para o destino.

Atualmente o mundo é o mundo da comunicação audiovisual, com tantas plataformas existentes e bastante acessivéis.

Amirou, R. (2007). Imaginário Turístico e Sociabilidades de Viagem. Editora Estratégias Criativas / Associação Poertuguesa de Turismologia (APTUR), Porto.

BARETTO, Margarita; REJOWSKI, Mirian. Considerações epistemológicas sobre
segmentação: das tipologias turísticas à segmentação de mercado. In PANOSSO
NETTO, Alexandre; ANSARAH, Marilia (Editores).

Beeton, S. (2005) Film Induced Tourism. Clevedon: Channel View Publications.

Campo, L. El Turismo Cinematográfico y la Experiencia de España. Universidade de Vigo- Gitur.

Dias, F. A Promoção de Destino Turísticos Através do Cinema: A Via mais Eficaz. GiTUR/ESTM – Gitur.

Kim, H & Richardson, S.L. (2003). Motion Picture Impacts On Destination Images.

Kotler, P., Gertner, D., Rein, I., & Haider, D. (2007). Marketing Internacional
de lugares y destinos. México: Pearson Educación. Annals Of Tourism Research, 30 (1), 216–237.

MACCANNELL, D. (2003): O turista. Uma nova teoria da clase de ócio, editora Melusina, Barcelona, 291 pp.

Ministério do Turismo do Brasil (2008). Estudo de Sinergia e Desenvolvimento entre as Indústrias do Turismo & Audiovisual Brasileiras. Brasília.

Puche, A. (2008) El Cine Como Soporte Didático Para Explicar La Evolución Del Viaje y la Actividad Turística. Universidad de Alicante. Cuadernos de Turismo

Riley, R. & Van Doren, S (1992). Movies as a Tourism promotion. Tourism Management 13.




Referência Bibliográficas
Patríca Themudo
Nº 21104902
Full transcript