Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Internet: pescadores ou pescados

No description
by

Michelson Borges

on 3 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Internet: pescadores ou pescados

INTERNET
pescadores ou pescados
michelson borges
Há quase dois mil anos,
o apóstolo Paulo escreveu:
“Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou Seu Filho, nascido de mulher.”
Gálatas 4:4, 5
De acordo com os estudiosos,
a interpretação adequada de “plenitude dos tempos” é: “tempo certo”, “momento ideal”, “ocasião propícia” designada por Deus. Mas por que Paulo considerava aquele o tempo certo para a vinda do Messias? Por, pelo menos,
sete motivos
:
1. Domínio mundial
do Império Romano.
2. Povos unificados (hoje
chamamos isso de “globalização”).
3. Predomínio da cultura greco-romana
e de uma língua universal, o grego
koiné
.
4. Paz universal (
pax romana
) que conferia
relativa estabilidade ao Império.
5. Importância das cidades (aglomerados
e rotas populacionais), que favoreciam
o contato com pessoas e ideias.
6. Intercâmbio entre os vários
povos (estradas boas e seguras).
7. O cumprimento da profecia de Daniel 9.
“A ausência de guerras contribuiu para
o cristianismo, contudo as guerras também influenciaram na prosperidade da nova religião.
As conquistas romanas levaram muitos povos à falta de fé em seus deuses, uma vez que eles não foram capazes de protegê-los dos romanos. Os romanos não possuíam uma crença especial e somente adoravam o imperador, ficando os povos conquistados carentes espiritualmente, sendo deixados num vácuo espiritual que não era satisfeito pelas religiões de então.”
Júlio Fontana, “Plenitude dos Tempos, um estudo contextualizado de Gálatas 4:4”, Ciberteologia
“Globalização”, acesso à informação, falta de fé, vazio espiritual. Parece com algum tempo que você conhece?
Nova plenitude dos tempos
A invenção dos
modernos meios
de comunicação
, com destaque para
a internet, o desenvolvimento das tecnologias relacionadas à web, bem como a facilidade de disseminação
de conteúdos, apontam para uma
nova “plenitude dos tempos”.
Os números contam a história do crescimento da
aldeia global
criada pela internet. Em
1995
, o número de usuários da rede chegava a 45 milhões. Até
2000
, esse número já havia alcançado os 420 milhões. Em
2005
, a quantidade de usuários da rede ultrapassava a marca de um bilhão. Em
2011
, o total de usuários ultrapassou a marca dos dois bilhões. Mais de 90% dos jovens com idade entre 12 e 17 anos usam a internet.
Levando em conta todo o potencial informativo
e evangelístico da internet, resolvi fazer uma pesquisa no Twitter. Perguntei aos seguidores do @criacionismo quais eles consideravam os pontos positivos e negativos da internet. Entre as muitas respostas, três me chamaram a atenção:
1. “Ponto positivo da net: facilidade
de acesso ao que se procura. Ponto
negativo da net: facilidade de acesso
ao que se procura.”

2. “Positivo e negativo ao mesmo
tempo: a liberdade.”

3. “A internet é uma fonte de informação
importantíssima. Não vivo mais
sem ela. Só tenho que me policiar.”

Facilidade, liberdade, policiamento
Você é peixe ou pescador? Controla ou é controlado? Como
lida com a facilidade de obter conteúdos e com a liberdade oferecidas pela internet? Lembre-se de que, uma vez controlado pela rede (pescado) e içado à superfície, o peixe acaba morrendo por asfixia. Pior é que tem muita gente morrendo asfixiada
por não saber se policiar nas águas virtuais...
Manual de segurança
Para uma navegação virtual segura são necessários alguns procedimentos e cuidados. Por exemplo:
1. Mantenha o computador em uma sala de uso comum da casa. Isso evitará que você se sinta “sozinho” e, portanto, livre para acessar certos sites. Isso
é policiamento e autoproteção.
Alexandre Hohagen, que trabalhou seis anos no Google e hoje é responsável pelas operações do Facebook na América do Sul, disse: “Em casa, lugar de computador
é na sala ou no corredor. Jamais
em quartos isolados ou fechados.”
2. Fiscalize seu próprio tempo de utilização
do equipamento. Estabeleça limites.
3. Evite navegar durante o sábado (Isaías 58:13, 14), e se precisar fazer isso, que seja ainda mais focado.
Não deixe que a internet atrapalhe
as horas de comunhão com Deus
e as atividades na igreja.
“O sábado não deve ser empregado em [...] ocupações seculares. Antes do pôr
do sol, ponham de lado todo trabalho secular e façam desaparecer os jornais profanos” (Ellen G. White,
Testemunhos Seletos
, v. 3, p. 20-22). Jornais (conteúdos) profanos há aos montes na web.
5. Jamais revele informações pessoais como onde você mora, o número de seu telefone e onde é sua escola ou trabalho.
6. Não envie fotografias suas ou
de sua família para desconhecidos. Nas redes sociais, mantenha seus álbuns fechados para estranhos.
7. Se for navegar em chats, escolha aqueles que sejam confiáveis.
8. Não prossiga em diálogos que
o façam se sentir desconfortável ou que se tornem muito pessoais, especialmente com estranhos, expediente muito usado
por redes de prostituição.
9. Não marque encontros com alguém que você conheceu pela internet, a menos que tome todos os cuidados para que esse encontro seja seguro. Com estranhos, nem pensar!
10. Tenha consciência de que o ser humano domina
a máquina e não o contrário.
Desafio urgente
De que maneiras podemos usar
a rede em nosso benefício e para
o bem do semelhante? Segundo o Global Entertaiment and Media Outlook, a internet será a mídia que mais crescerá, com uma média anual de 13% de avanço.
O diretor da Consultoria Gartner, Brian Blau, diz que “a nova geração de consumidores
é incansável e tem uma janela curta
de atenção, e é preciso muita criatividade para criar impacto significativo”.
O desafio é urgente, mas a recomendação não é de hoje: “O Senhor me respondeu e disse: Escreve a visão, grava-a sobre tábuas [
tablets
],
para que a possa ler
até quem passa
correndo.”
Habacuque 2:2
Na Nova Tradução na Linguagem de Hoje, fica assim: “E o Senhor Deus disse: ‘Escreva em tábuas [jornal, folhetos, livros, sites, blogs] a visão que você vai ter, escreva com clareza o que vou lhe mostrar, para que possa ser lido com facilidade’.”
Habacuque 2:2
Nosso objetivo é atrair
“a atenção das pessoas para
as verdades vivas da [Palavra
de Deus]”.
Ellen White,
O Outro Poder
, p. 9
“Nossos periódicos [sites idem] devem sair repletos de verdade
que apresente interesse vital e espiritual para o povo. [...] Compete a nossas publicações [página escrita] a mais sagrada obra de tornar
clara, compreensível e simples
a base espiritual da nossa fé.”
O Outro Poder
, p. 9
Clareza, compreensibilidade e simplicidade deveriam ser qualidades do nosso conteúdo. O alvo? Ei-lo: “A escrita [lembre-se de que os meios não impressos também dependem de textos] deve ser usada como meio de semear a semente para a vida eterna.”
O Outro Poder
, p. 13
Meios rápidos
e novas tecnologias

Há mais de um século, Ellen White escreveu: “Deus dotou os seres humanos de talentos
e capacidade inventiva, a fim de que seja efetuada a Sua grande obra em nosso mundo. As invenções da mente humana parecem proceder da humanidade, mas Deus está atrás de tudo isso. Ele fez com que fossem inventados os rápidos meios de comunicação para o grande dia de Sua preparação [plenitude dos tempos].”
Fundamentos da Educação Cristã
, p. 409
“Deus deseja que sigamos métodos novos, ainda não experimentados”, e “todos quantos estejam relacionados com a obra devem manter ideias novas”, pois “serão descobertos meios que possam alcançar os corações. Alguns dos métodos usados nesta obra serão diferentes dos que foram postos em prática no passado; mas ninguém, por causa disto, feche o caminho pela crítica.”
Evangelismo
, p. 125, 178, 129, 130
Escolher o que
tem sentido

No papel de disseminadores
de conteúdos, devemos fazê-lo com responsabilidade, respeito e consideração pelos receptores da nossa mensagem.
No papel de receptores, devemos manter o foco e buscar sempre aquilo que é útil, edifica e faz sentido, conforme orienta
o psicanalista
Viktor Frankl
:
“Vivemos numa sociedade
de superabundância; essa superabundância não é somente
de bens materiais, mas também
de informações, uma explosão de informações. Cada vez mais livros e revistas se empilham sobre as nossas escrivaninhas [e e-mails em nossas caixas de mensagens]. ...
“Vivemos numa enxurrada de estímulos sensoriais, não somente sexuais. Se o ser humano quiser subsistir ante essa enxurrada de estímulos trazida pelos meios de comunicação de massa, ele precisa saber o que é e o que não é importante, o que é e o que não é essencial, em uma palavra: o que tem sentido e o que não tem.”
A Presença Ignorada de Deus
, p. 70
Talvez venha de
Filipenses 4:8
o melhor conselho bíblico quanto ao tipo de conteúdo que deve ser colocado na mente: “Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas.”
Muita informação
Pouca reflexão
Segundo Mark Hurd, presidente da empresa de informática Hewlett Packard, a quantidade de informações publicadas na web já é maior do que tudo
o que foi produzido pela humanidade até agora em matéria de conhecimento. Precisaríamos de mil anos
para receber o que se produz
em um mês no mundo.
A título de comparação,
uma edição como a do jornal
The New York Times
contém
mais informações do que
uma pessoa comum poderia
incorporar durante toda
a existência dela,
no século 17, nos
Estados Unidos.
Alguns até poderiam pensar
que o crescente uso de tecnologias,
tablets
,
smartphones
e aplicativos estaria favorecendo o desenvolvimento da inteligência, mas não é o que está acontecendo. Pesquisa demonstrou que a maior parte do uso infantil da tecnologia não tem conteúdo educativo.
Vivemos na
era da informação
.
Mas e a capacidade de processamento dessa informação? Esse excesso de informação tem criado o
estresse digital
(sentir-se dominado pelas tecnologias)
e a
ansiedade de informação
(não dar conta de se atualizar). Além disso, tem contribuído também para a
Síndrome do Pensamento Acelerado
(SPA).
Uma característica básica da SPA
é o
cansaço físico
. Por pensar excessivamente, os portadores dessa síndrome roubam energia do córtex cerebral. Essa energia deveria ser utilizada nos órgãos do corpo, como os músculos. Assim, sentem
uma fadiga persistente.
No século 19, Ellen White já falava sobre energia mental e recomendava: “Muitos [...] têm sofrido por causa de excesso de trabalho mental sem o alívio do exercício físico. O resultado é a debilitação de suas capacidades.”
Evangelismo
, p. 661
“Os [...] que se aplicam exclusivamente
a trabalho mental [...] pelo confinamento prejudicam toda a estrutura viva. Cansa-se o cérebro, e Satanás insinua toda uma lista de tentações.”
Mente, Caráter e Personalidade
, v. 2, p. 507
O pior é que, para a maioria absoluta das pessoas, a internet não representa seu trabalho, isso porque na época da Web 2.0 a ênfase não
é tanto na informação, mas na interação. O excesso de informação
se dá pelas horas de acesso à internet em busca de
entretenimento
.
Mentes cansadas, fracas
e distraídas são mais
facilmente “pescadas”.
Pensamento rápido e utilitário
Nicholas Carr, em
seu livro
A Geração Superficial: O que a internet está fazendo com os nossos cérebros
, afirma que a facilidade para achar coisas novas na rede e se distrair com
elas estaria nos tornando estúpidos. Diz ele:
“A internet, sendo um sistema multimídia baseado em mensagens e interrupções, tem uma ética intelectual que valoriza certos tipos de pensamento utilitários, voltados para a solução de problemas, que encoraja as multitarefas e a rápida transmissão ou recepção de migalhas de informação. [...] A maneira de manter o modo mais contemplativo de pensamento é desconectar-se por um tempo substancial, reduzindo nossa dependência em relação às tecnologias de tela e exercendo nossa capacidade de prestar atenção profundamente em uma única coisa.”
Estudar a Bíblia e ler
um bom livro, por exemplo.
Numa resenha do livro de Carr, publicada no jornal
El País
, o jornalista e escritor Mario Vargas Llosa escreveu:
“Acostumados a picotar informações em seus computadores, sem ter necessidade de fazer prolongados esforços de concentração, [os alunos] têm perdido o hábito e a faculdade de [ler livros], e têm sido condicionados a contentar-se com esse borboleteio cognitivo a que os acostuma a internet, com suas infinitas conexões e saltos e complementos, de modo que estão ficando de certa forma vacinados contra o tipo de atenção, reflexão, paciência e prolongado abandono àquilo que se lê, e que é a única maneira de ler, desfrutando, a grande literatura.”
Pessoas incapazes de refletir e esgotadas
são alvo fácil de Satanás e dos que controlam os meios de comunicação. E embora a internet não seja essencialmente má (como nenhuma mídia é), ele também está lá, “[andando] ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar” (1 Pedro 5:8), oferecendo
suas “distrações”.
Principais

Numa lista breve, os principais perigos
da internet geralmente apontados são:
(1)
Contato com material impróprio
(ex.: pornografia);
(2)
incitamento à violência e ao ódio;
(3)
violação da privacidade;
(4)
violação da lei;
(5)
encontros
online
com pessoas não recomendáveis;
(6)
perda
de tempo precioso; e
(7)
pensamento utilitarista e superficial.
Pais responsáveis devem cuidar dos filhos. E, para isso, devem se informar o quanto puderem sobre como cuidar deles. Um bom livro para isso é
Como Proteger Seus Filhos
na Internet
, da editora Novo Conceito. Nele, o especialista na área de tecnologia e informação, Gregory S. Smith, dá boas dicas para os pais e mostra os perigos a que estão expostos os menores.
Smith compara: “Crianças e jovens com idades de 8 a 17 anos não estão sendo criados num ambiente semelhante ao do tempo da infância dos pais. As crianças de antigamente nem mesmo poderiam imaginar os tipos de pornografia pesada disponível ao alcance do clique de um
mouse
, nem mesmo prever o comportamento que os adolescentes de hoje em dia têm diante do computador” (p. 32).
O mal da pornografia
A
indústria pornográfica
é maior do que a Microsoft, Google, Amazon, eBay, Yahoo!, Apple, Netflix e EarthLink juntas. Cerca de 50% dos cristãos e 40% de seus pastores admitem ter problemas com a pornografia.
Regis Nicoll, escritor e membro de um ministério para homens da Igreja Adventista, escreveu:
“No local de trabalho, o vício em pornografia resulta na perda da produtividade e na
negligência de cumprir os deveres,
que podem ter efeitos danosos, talvez
até desastrosos. Em casa, resulta
paradoxal e tragicamente
em desordens íntimas.”
Desordens íntimas? Sim. O blog Mulher 7 x 7, do site da revista
Época
, divulgou a pesquisa feita pela Universidade de Pádua, na Itália, segundo a qual 70% dos homens jovens que procuravam neurologistas por ter desempenho sexual ruim admitiam
o consumo frequente
de pornografia
na internet.
“A
perda da libido
acontece porque os consumidores de pornografia estão ‘abafando’ a resposta natural do cérebro ao prazer. Anos substituindo os limites naturais da libido por intensa estimulação acabariam prejudicando
a resposta ao neurotransmissor
dopamina
.
A dopamina está por trás do desejo, da motivação – e dos vícios. Ela rege nossa busca por recompensas. Uma vez que o prazer está fortemente ligado à pornografia, o sexo real parece não oferecer recompensa.”
Segundo Kimberly-Sayer Giles, “os homens são muito visuais, e ver pornografia produz uma droga [dopamina] que leva à euforia no corpo. Essa droga
é a razão pela qual a pornografia se torna viciante. Quando a elevação natural desaparece,
o homem se sente deprimido
(como acontece com
qualquer droga) e tem
vontade de passar pelo
processo novamente.
As mulheres são mais estimuladas por livros
de romance do que por sexo [daí o sucesso
de obras como
Cinquenta Tons de Cinza
].
Então, quando elas leem histórias românticas
(e nem precisam ter romance tão explícito assim), elas podem experimentar
a liberação da mesma
substância química
viciante”.
William M. Struthers, psicólogo com formação em neurociência e autor do livro
Wired for Intimacy: How pornography hijacks the male brain
, afirma que experiências com pornografia e hormônios
de prazer criam novos
padrões na programação
do cérebro
, e experiências
repetidas formalizam
a programação.
Não é coincidência o fato de que as demandas de drogas para o desempenho masculino e os aumentos do corpo feminino sigam juntos à explosão da pornografia na internet. Eles perdem interesse pelo normal e elas querem se igualar ao anormal.
A ex-atriz pornô
Jennifer Case
deixou a indústria do sexo há alguns anos e diz que compreende que só com a ajuda de Deus os homens conseguem sair do vício, assim como foi com
a ajuda de Deus que ela deixou essa indústria.

“Se você está vendo pornografia
ou está viciado em pornografia,
você está tentando
encher um vazio
dentro de você que só Deus pode preencher. Toda vez que você olha pornografia, você está aumentando o vazio, e você destruirá sua vida.”
Case diz ainda que a pornografia é “maligna” e “é uma droga, veneno e mentira”. “Se você pensa que poderá guardá-la no escuro,
Deus a tirará para fora
, para a luz, para deter você e curar você.”
Segundo C. S. Lewis, existe “um desejo cada vez mais crescente por um prazer cada vez menor”.
Preocupação divina
Nos tempos dela,
Ellen White
já manifestava preocupação com o assunto: “Nos trens, fotografias de mulheres nuas são frequentemente oferecidas à venda. Esses quadros repugnantes são encontrados também em estúdios fotográficos, e são dependurados nas paredes dos que trabalham com gravuras em relevo. É esta uma época em que a corrupção prolifera por toda parte. A concupiscência dos olhos e as paixões corruptas são despertadas pela contemplação e a leitura. [...]
“A mente tem prazer [dopamina] em contemplar cenas que despertam as paixões baixas, vis. Essas imagens depravadas, vistas por olhos de uma imaginação viciada, corrompem a moral e predispõem os iludidos e obcecados seres humanos a darem rédea solta às paixões libidinosas. Seguem-se então pecados e crimes que arrastam para baixo seres formados à imagem de Deus, nivelando-os aos irracionais, afundando-os afinal na perdição. Evitem ler e ver coisas que sugiram pensamentos impuros. Cultivem as capacidades morais e intelectuais.”
Mente, Caráter e Personalidade
, v. 1, p. 229
E ela adverte: “Aqueles que não querem ser presa das armadilhas de Satanás devem guardar bem as entradas da mente; devem evitar ler, ver, ou ouvir aquilo que sugira pensamentos impuros. A mente não deve ser deixada a divagar ao acaso em todo o assunto que o adversário das pessoas possa sugerir.”
Mensagens aos Jovens
, p. 285
O “tratamento” recomendado para os viciados em pornografia é o mesmo para pessoas viciadas em álcool, cafeína ou outras drogas:


abstinência
substituição
vigilância
“Submetam-se a Deus. Resistam ao diabo, e ele fugirá de vocês.”
Tiago 4:7
“A leitura limpa e sã [substituição] será para a mente o que o alimento saudável
é para o corpo. Assim vocês
se tornarão mais fortes
para resistir à tentação, formar bons hábitos, e agir segundo
os princípios corretos.”
Ellen
G. White,
Mente, Caráter
e Personalidade
, v. 1, p. 107
Histórias tristes
Pessoas boas sofrendo sob o peso dos vícios. São histórias que mostram que realmente todo cuidado é pouco, quando se trata
do policiamento
na internet:

“Sempre tive um sonho: de me tornar um ministro.
Com poucos meses após a maioridade, me tornei ancião da minha igreja e colportor. [...] Com o passar do tempo, deixei de olhar para Cristo. [...] Achei uma oportunidade de ganhar dinheiro fácil e acabei me envolvendo com pornografia. Mas ninguém sabe disso. Ninguém me conhecia e conhece. E cheguei ao estagio de eu mesmo não me conhecer. E isso me entristece, por mim e por elas. Nunca foi meu desejo envergonhar o evangelho ou trazer descrença às pessoas. Na verdade, desde muito novo
(12 anos mais ou menos) fui atraído por pornografia;
é minha maior fraqueza. [...] Eu quero do fundo do meu coração mudar para não me perder e não estragar futuramente meu casamento. [...] Preciso de sua ajuda.”
“Seu texto me ajudou a admitir que sou viciado [em pornografia] e que preciso de ajuda. Por favor, ore por mim e pela minha esposa infeliz. Seu ministério tem salvado vidas e até mesmo conseguido alcançar um endurecido pastor. Por favor, ore por mim. Não aguento mais essa situação.”
“Peço que você ore por mim. Sou viciado em pornografia. Comecei aos 13 anos vendo um vídeo por semana, e hoje, com 34 anos, vejo pornografia na internet. Sou casado e imagino cenas na hora do sexo, na oração – em plena oração aparecem imagens! É horrível! Estou há apenas dois dias sem ver pornografia. [...] Com tristeza, devido ao vício, mas com a alegria de saber que Jesus
nos transforma, deixo meu abraço.”
“Sou jovem e evangélico há sete anos. Realmente creio em Cristo com toda a minha vida. Tenho desejo de ser pastor, estudo muito a Bíblia, também procuro sempre ter uma vida de oração intensa, porém, há mais ou menos um ano tenho tido problemas que eu não tinha antes, com masturbação e às vezes com pornografia. Acredite em mim: não sou uma pessoa má, repudio essas coisas, tenho nojo disso, detesto, enfim, nunca gostaria de ter visto essas coisas. Tenho travado batalhas enormes, feito muitos jejuns, ficado semanas sem cair, mas sempre, de repente, algo súbito acontece e novamente caio. ...
“Não sei mais o que fazer. Não sou um novo convertido, não sou depravado, mas não sei o que acontece comigo. [...] Estou escrevendo a você porque eu nunca conseguiria tratar disso com alguém pessoalmente. [...] Não consigo me abrir nesse aspecto; acho vergonhoso.”
Existe libertação em Cristo, afinal, “sejam quais forem nossas tendências herdadas ou cultivadas para o erro, podemos vencer, mediante o poder
que Ele nos está disposto a comunicar.”
Ellen G. White,
A Ciência
do Bom Viver
, p. 176
Conselhos divinos
“Não podemos avançar na experiência cristã enquanto não afastarmos de nosso caminho tudo o que nos separa de Deus.”
Ellen G. White,
Mensagens
aos Jovens
, p. 377
“Não porei coisa má diante
dos meus olhos.”
Salmo 101:3
Mas, e se a tentação surgir de repente, sem que eu tenha me exposto a ela?
Aí vem o segundo conselho (na verdade, uma petição) de Davi: “Desvia meus olhos, Senhor, de contemplarem coisas sem valor, e vivifica-me em
Teu caminho.”
Salmo 119:37
"Assim diz o Senhor acerca deste povo: 'Eles gostam de vaguear; não controlam os pés [mãos, olhos, ouvidos]."
Jeremias 14:10
Chega de vaguear!
Mantenhamos o foco.
perigos
"Tanto homens quanto mulheres
podem ser seduzidos a se afastar
de um relacionamento em função
de atividades na internet.
Os homens são suscetíveis
à pornografia, e sentimos
que as mulheres são,
de certa forma, atraídas
pelos relacionamentos nas
salas de bate-papo" (p. 69).
"A fantasia eleva nossas expectativas a níveis irreais, tornando difícil a sua realização na vida real. Se um homem passa horas olhando para modelos jovens, belas e com corpo escultural (fotografadas com iluminação perfeita e maquiadas) e, depois, deita-se com a esposa na vida real – com que olhos ele olhará para ela? [...] O homem que concentra os seus desejos em imagens irreais está
plantando insatisfação
para si mesmo assim
que tiver que sair
daquele mundo
fantasioso" (p. 83).
Huffington Post
"Nos votos tradicionais de matrimônio, o noivo e a noiva prometem honrar um ao outro. Isso significa dar atenção ao seu parceiro, ouvir e corresponder. Se
o seu envolvimento com a internet está impedindo
que você faça isso, é preciso implementar mudanças
de grande escala."
Seu Casamento e a Internet
, p. 93
"Casamento dá trabalho. Além do esforço básico para manter uma casa, o casal precisa servir um ao outro. Isso requer energia, seja para arrumar a cama, seja para os encontros amorosos dos dois. Quando a energia de um parceiro
é exaurida, por qualquer
motivo, o relacionamento
sofre."
Ibidem, p. 95
"A internet pode ser um buraco negro que suga todo o nosso tempo, a nossa energia e desvia
a nossa atenção da vida normal."
Ibidem

Cuidado com as ilusões!
“Um homem [mulher] piedoso[a] não irá até onde ele[ela] pode, para que não vá mais adiante do que deve.”
Thomas Watson
Como saber se estamos indo longe demais?
Você está escapando sorrateiramente para navegar?
O uso da internet está desviando sua atenção?


Ela está consumindo suas energias?
Consequências reais
Dois terços dos advogados presentes na reunião de 2003 da Academia Americana de Advogados Matrimoniais disseram que a pornografia virtual estava envolvida na metade dos casos que representaram.
Ocultação
"Se você se pega digitando ou vendo
coisas que não devem ser mostradas
para o seu cônjuge, estamos diante
de um sinal de perigo."
Seu Casamento
e a Internet
, p. 137
"Há um círculo sagrado em torno de cada família, que deve ser preservado. Nenhuma outra pessoa tem o direito de entrar nesse círculo. Marido e esposa devem ser
tudo um para o outro. ...
"A esposa não deve ter segredos que guarde do marido e permita que outros conheçam, e o marido também não deve ter segredos que não conte à sua esposa e revele a outros. O coração da esposa deve ser a sepultura das falhas do marido, e o coração do marido a sepultura das falhas da esposa. [...] Tem sido mostrado para mim que deve haver uma sagrada proteção em torno de toda família."
Ellen G. White, Manuscrito 1, 1855
“Precisamos ter um constante sentimento do poder enobrecedor dos pensamentos puros. É nos bons pensamentos que reside a única segurança para cada pessoa. O homem ‘como imaginou na sua alma, assim é’ (Pv 23:7). A capacidade de se dominar se desenvolve pelo exercício. O que parecia a princípio difícil, torna-se fácil pela repetição constante, até que os pensamentos e as ações corretos acabam se tornando habituais. Se quisermos podemos nos afastar de tudo o que
é baixo e inferior, e atingirmos um padrão elevado. Podemos ser respeitados pelas pessoas
e amados por Deus.”
Ellen G. White,
Como Conviver com os Outros
, p. 21
Full transcript