Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

o desejo da nação

No description
by

Maria Isis

on 12 January 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of o desejo da nação

o desejo da nação
MASCULINIDADE E BRANQUITUDE NO BRASIL DO SÉCULO XIX
TRANSIÇÃO DA MONARQUIA PARA A REPÚBLICA

PASSAGEM DE UMA SOCIEDADE ESCRAVOCRATA E RURAL PARA UMA SOCIEDADE URBANA DE TRABALHO LIVRE E ABERTA A IMIGRAÇÃO

NOVA DINÂMICA INTELECTUAL: DEBATES POLÍTICOS

Como embranquecer?
Como higienizar?
Como civilizar o povo brasileiro?
Abolição sem política de incorporação dos libertos ao mercado de trabalho (desqualificação)
Conteção dos avanços democráticos da campanha abolicionista: dissolução da Guarda Negra
Política pró-imigração européia: possibilidade de miscigenação embranquecedora
Higienização do espaço urbano
Expedições exploratórias pelo interior
VINGANÇAS E REVOLTAS DE NEGROS ESCRAVOS E LIBERTOS
Um temor da elite da época
O ATENEU: a gramática do desvio
DOM CASMURRO: segredos de um casamento
Idealização do casamento como laço fundador de um novo ideal de família

Um triângulo amoroso não heterossexista e o desejo homossocial masculino

Família = microcosmo da nação

Casamento = domesticação do desejo

Paranóia
BOM CRIOULO: o "elemento nacional" entre a degeneração e a branquitude
momento histórico

"A nação, portanto, é um desejo sempre frustrado, pois a sociedade que visa embranquecer a raça, higienizar as condutas e impor a heterossexualidade como norma é a mesma que coloca os homens em relações de homossocialidade, na escola, no exército, nos quartéis, destinando-lhes o espaço público, enquanto confina as mulheres no privado e descarta os desviantes como anormais."

Margareth Rago
SONHO DO BRASIL COMO CONSTRUÇÃO FUTURA
QUE ORDEM? E QUAL PROGRESSO?
instabilidade x autoritarismo
anarquia x conservadorismo político
atraso x progresso
impulsividade x racionalidade
primitivo x avançado

consolidação: discurso nacionalista
passado inimigo: visão negativa do próprio povo

POSITIVISMO & BIOPOLÍTICA (pág. 28)
"As ansiedades sociais com relação ao cenário da progressiva libertação dos escravos e, ainda mais, da abolição completa da escravatura, se materializavam em pesadelos de revoltas políticas, mas também do rompimento de barreiras entre raças e/ou classes. As ameaças às hierarquias eram múltiplas e difíceis de conter em divisões políticas ou raciais. O medo da 'onda negra' se mesclava a outros medos constituindo uma espécie de pânico moral difuso sobre o futuro desse país que a maioria de nossos intelectuais e políticos considerava sem nação.

A fonte de ansiedades, medos ou perigos, estava no povo, esse conjunto heterogêneo que a elite via com temor e, em alguns casos, até com repugnância
" (p. 29/30)

~ Richard Miskolci
O DESEJO DA NAÇÃO É UM IDEAL DE RAÇA (branco), SEXUALIDADE (reprodutiva/heterossexual) e GÊNERO (masculino).

Miskolci ~ p. 50

BRANQUEAMENTO É UM PROJETO DE TRANSFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E DE MORALIZAÇÃO DA COLETIVIDADE

Miskolci ~ p. 51
"(Este projeto de nação) se deu não apenas pelas amplamente estudadas intervenções higienistas no espaço urbano, mas também por meio de formas mais sutis de interferência e disciplinamento das relações íntimas, dentro do ideal de vida privada e doméstica, em especial na esferas das relações de gênero e sexualidade, (...) conformadasao ideal reprodutivo (portanto heterossexual), branco e viril. (p. 41/42) ~ Miskolci
perigo dos desvios dos instintos e controle das demandas sexuais
REGIME ERÓTICO baseado no casamento, na família, na reprodução, tudo dentro do ideal heterossexual reprodutivo embranquecedor sob o controle do masculino - APENAS ALGUNS POUCOS HOMENS PODERIAM ALCANÇAR A BRANQUITUDE
que é este desejo?
O DESEJO não se restringe a uma perspectiva individual e psíquica, mas é agenciado socialmente.

O DESEJO DA NAÇÃO é um regime erótico ideal e dependente de nosso código moral próprio. MISKOLCI mapeia este regime através de desejos indesejáveis, disruptivos, que eram vistos como degeneração e desvio


*No Brasil, a branquitude almejada não tem a ver com pureza e nem com origem
"Não imagine que seja preciso ser triste para ser militante, mesmo que a coisa que se combata seja abominável. É a ligação do desejo com a realidade (e não sua fuga, nas formas da representação) que possui uma força revolucionária"
~ Foucault
Introdução a vida não-facista, página 4

A proposta político-performática de STA!


"Nação e reprodução são sinônimos quando se pensa dentro de termos heterossexuais reprodutivos aproximando-se perigosamente da subsunção do desejo como algo natural, frequentemente compreendido também como prerrogativa masculina em uma ordem social que relegava as mulheres à passividade histórica, a um papel reprodutivo e coadjuvante" ~ Miskolci p. 46
- Escobar, você é meu amigo, eu sou seu amigo também; aqui no seminário você é a pessoa que mais tem entrado no coração, e lá fora, a não ser a gente da família, não tenho propriamente um amigo.

- Se eu disser a mesma cousa, retorquiu ele sorrindo, perde a graça; parece que estou repetindo. Mas a verdade é que não tenho aqui relações com ninguém, você é o primeiro e creio que já notaram; mas eu não me importo com isso""- Escobar, você é meu amigo, eu sou seu amigo também; aqui no seminário você é a pessoa que mais tem entrado no coração, e lá fora, a não ser a gente da família, não tenho propriamente um amigo.

AMIZADE APAIXONADA
OS BRAÇOS DE SANCHA
A LÁGRIMA DE CAPITU
A SEMELHANÇA DE EZEQUIEL
O VENENO QUE FEMINIZA
que chegamos a um momento da vida das humanidades em que o ser humano começa a aceitar a ideia de que ele mesmo está em PERPÉTUO PROCESSO. Ele não é ser, mas sendo e que como sendo, muda. Penso que esta é uma das grandes permutações intelectuais, espirituais e mentais de nossa época que dá medo a todos nós. Todos temos medo desta ideia: um dia vamos admitir que não temos uma entidade absoluta, mas sim, um SENDO MUTÁVEL. "
~ Édouard Glissant
Richard Miskolci: Sociólogo brasileiro; Docente do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar; Coordenador do Grupo de pesquisa "Corpo, Identidades e Subjetivações"; Pesquisador Colaborador do Núcleo de Estudos de Gênero Pagu da UNICAMP; Doutor em Sociologia pela USP: "Thomas Mann, o Artista Mestiço" (2003); Estudou ciência e loucura na obra de Machado de Assis, pesquisa que se estenderia para as questões de gênero e sexualidade em Dom Casmurro (1900) e geraria seu projeto temático "Ciências, Literatura e Nação: a emergência do dispositivo de sexualidade no Brasil 1870-1930".

1888
1900
1889
1895
1899
"PENSO
"É UMA COISA MAL RESOLVIDA NO BRASIL.

Ninguém aceita o fato de ser mestiço." ~ Chico Buarque
A vida em uma instituição total: o internato

Pedagogia voltada para a formação dos homens das classes dominante: violência, opressão e darwinismo-social

Sistema de vigilância : violência psicológica

Perversão: efeminação (Cândido era Cândida)

Relações amorosas entre meninos: "imoralidade" presente na decadente ordem imperial

Relações de proteção marcadas por hierarquia de gênero: Sérgio-Sanches; Sérgio-Bento; Sérgio-Egbert

RAUL POMPEIA
(1863-1895)
ADOLFO CAMINHA
(1867-1897)
MACHADO DE ASSIS
(1839-1908)
A vida na Marinha Brasileira

Associação entre indisciplina e desvio sexual

Punição física: reforço da masculinidade

Amaro: o negro e a sexualidade sem controle

Aleixo: brancura que não se constitui em branquitude (pobreza, falta de família, imaturidade e parco senso de moralidade)

Carolina: branca sexualizada (ex-prostituta) de feminilidade incompleta (estéril)
A branquitude era imaginada "não apenas em termos cromáticos, mas sobretudo morais e de poder, da capacidade de autocontrole e domínio dos outros, em particular das mulheres, condição sine qua non para os futuros pais de família, os verdadeiros homens da nação"
~Miskolci p. 121
É SÓ RAÇA OU É TAMBÉM SEXO?
História & Literatura

MATERIAL - AFETIVO
EVIDÊNCIA - CULTURA
REALIDADE - EXPERIÊNCIA

romance social
RAUL POMPEIA: celibatário, despertva suspeitas de sua masculinidade. Suicidou-se aos 30

ADOLFO CAMINHA: mebro da Marinha em Fortleza, envolveu-se num caso extraconjugal com a esposa de um oficial do Exército. Morreu de tuberculose aos 29

MACHADO DE ASSIS: mulato casado com uma portuguesa branca, epiléptico, gago. Não teve filhos
HOMEM
elite
branco
heterossexual
reprodutor
honrado
masturbação
relações com pessoas do mesmo sexo
prostituição
MULHER
mestiça
reprodutora
MULHER
branca
reprodutora
casamento / família
relações extra-conjugais
EMBRANQUECIMENTO
desvio
crime
degeneração
MULHER
negra
sexualizada/sensual
repugnante
HOMEM
negro
sexualizado/sensual
repugnante
INSTITUIÇÕES SABERES PRÁTICAS
1896
1896
REVOLTA
DA ARMADA
ABOLIÇÃO
REVOLTA DE
CANUDOS
"PÂNICOS MORAIS
são reações coletivas a supostas ameaças a uma imagem idealizada que uma sociedade tem de si mesma. Eles costumam ser disparados pela ação de empreendedores morais, pessoas, grupos ou meios de comunicação que conseguem adesão coletiva a inimigos comuns "

~ Miskolci, p. 56-57
CARMEN MIRANDA
ENTRE O DESEJO DE DUAS NAÇÕES
NO BRASIL: baiana, mulata-branqueada - desejo de construção de um povo uno que incorpora hierarquicamente as manifestações culturais subalternas (Vargas e a integração nacional)
NOS ESTADOS UNIDOS: latina - desejo de aproximação que subalterniza a "vizinha" América Latina


~ Fernando Balieiro - XI CONLAB
MEMÓRIAS SUBTERRÂNEAS
1979 e as vivências na escola
1989 e o alistamento militar e o primo

carteira de reservista: documento da masculinidade brasileira

"A masculinidade se confundia com violência em um jogo injusto e cruel para meninas, mas também para os meinos que, como eu, não gostavam de futebol tampouco queriam emular o comportamento dos adolescentes que, com dezoito anos, adentravam a vida adulta vestidos em seus uniformes do serviço militar"

~ Miskolci, pág. 179
Full transcript