Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Dyego Souza

on 11 February 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

O que é câncer?
O que é um registro de câncer?
Os registros de câncer são sistemas de informação em saúde que têm como função coletar e classificar, de forma sistemática, a informação de todos os casos de câncer em uma população limitada ou diagnosticados e tratados em um hospital.
Epidemiologia do câncer
de cabeça e pescoço

Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Departamento de Saúde Coletiva
Dr. Dyego Leandro Bezerra de Souza
dysouz@yahoo.com.br

Shanmugaratnam, K. in Cancer Registration: Principles and Methods (eds Jensen, O. M., Parkin, D. M., MacLennan, R., Muir, C. S. & Skeet, R. G.). IARC Scientific Publications No. 95, Lyon, France (1991).
Registro de Câncer de
Base Populacional
Os RCBP têm como objetivos coletar, armazenar, analisar e interpretar informações sobre os novos casos de câncer que ocorrem em uma área geográfica definida, com a finalidade de medir a magnitude e características do câncer

Os dados pessoais dos pacientes, os achados clínicos e as características patológicas dos tipos de câncer, são documentados de maneira continuada e seguindo normas e regras.
Registro Hospitalar
Por que precisamos registrar os casos de câncer?
Cancer. Descriptive note nº 297 [homepage on the Internet]. 2010. Available from: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs297/es/index.html.
Conceitos básicos para entender a epidemiologia do câncer
Incidência
Mortalidade
Prevalência
Sobrevivência
Tendência
Projeções
Identifica e descreve os
casos novos
diagnósticados em uma população determinada.

Para produzir informações de incidência precisamos de
Registros de Câncer de Base Populacional
.

Geralmente é expressa em casos por 100 mil habitantes/ano.

Exemplo: A incidência de câncer de laringe em Goiânia é de
12 casos para cada 100mil habitantes/ano
.
Vídeo
http://globotv.globo.com/rede-globo/globo-rural/v/uso-de-agrotoxicos-oferece-riscos-a-saude-e-ao-meio-ambiente-alerta-pesquisa/2106562/
Precisamos de dados de incidência e mortalidade para calcular a prevalência.

Podemos estimar se temos dados de sobrevivência e mortalidade.
Analisar se houve aumento ou redução na incidência, mortalidade ou prevalência .

Os estudos de tendências são importantes para elaborar hipóteses etiológicas.

Também permitem avaliar as medidas de saúde pública de prevenção e tratamento.
Indica se o
prognóstico
de um câncer é favorável ou não.

É importante para
planejar e avaliar o tratamento
de um paciente.

Geralmente quanto mais raro o câncer menor a sobrevivência.

Se expressa em
porcentagem para um período de tempo
.

Exemplo:
A sobrevivência a 5 anos para o câncer de lábio é de aproximadamente de 90%.
Através das tendências, é possível fazer projeções das taxas de incidência, mortalidade e prevalência para o futuro.

As projeções são importantes para planejar a rede de serviço e medidas de prevenção primária e secundária.
O câncer, também chamado de neoplasia maligna ou tumor maligno, é um conjuto de doenças cujas características histopatológicas são a alteração morfológica e funcional, seguida da perda de controle do processo de divisão celular.

A proliferação descontrolada, não sempre acelerada, pode invadir e/ou destruir outros tecidos, localmente ou à distância. Essa capacidade de invadir outros tecidos e disseminar é o que confere a malignididade do tumor.
Cânceres de Cabeça
e Pescoço
Os RHC coletam informações de casos diagnosticados e/ou tratados em um
hospital
.


Trabalham conjuntamente com os RCBP através de
transferência de informação
e obtêm informações importantes para a gestão hospitalar.


Os RHC também coletam informações sobre o tipo de
tratamento
realizado e os resultados alcançados, com o propósito de conhecer a qualidade da assistência oferecida aos pacientes.
Pakilit, A. T., Kahn, B. A. & Petersen, L. Making Effective Use of Tumor Registries for Cancer Survivorship Research. Cancer 92, 1305-1314 (2001).
Parkin, D. M. The role of cancer registries in cancer control. Int. J. Clin. Oncol. 13, 102-111 (2008).
O câncer no mundo
Homens
Mulheres
Fonte: GLOBOCAN. International Agency for Research on Cancer (IARC) - World Health Organization. www.iarc.fr
Qual a definição para o termo "Câncer de cabeça e pescoço"?

Quais localizações devem ser consideradas dentro deste grupo de câncer?
Câncer de Cabeça e Pescoço
Discordâncias na definição
A principal confusão está entre o câncer de cavidade oral e de orofaringe. Alguns autores unem os dois tipos e denominam câncer oral.




Nas pesquisas onde a vinculação etiológica é importante se faz a opção por diferenciar de acordo com o tipo histológico (carcinoma de células escamosas).

Alguns sugerem a incorporação de outros tumores que normalmente não são considerados cânceres de cabeça e pescoço, como o câncer de encéfalo, tireóide e o câncer de esôfago.
Fonte: GLOBOCAN. International Agency for Research on Cancer (IARC) - World Health Organization. www.iarc.fr
Fonte: GLOBOCAN. International Agency for Research on Cancer (IARC) - World Health Organization. www.iarc.fr
Câncer de cavidade oral e faringe - Mulheres
Fonte: GLOBOCAN. International Agency for Research on Cancer (IARC) - World Health Organization. www.iarc.fr
Câncer de laringe - Homens
Câncer de laringe - Mulheres
Fonte: GLOBOCAN. International Agency for Research on Cancer (IARC) - World Health Organization. www.iarc.fr
Câncer de Nasofaringe - Homens
Fonte: GLOBOCAN. International Agency for Research on Cancer (IARC) - World Health Organization. www.iarc.fr
Câncer de Nasofaringe - Mulheres
Fonte: GLOBOCAN. International Agency for Research on Cancer (IARC) - World Health Organization. www.iarc.fr
Câncer de cavidade oral e faringe - Homens
Distribuição geográfica da Incidência
Divisão por localização segundo o CID-O-3
Câncer de cavidad oral

Lábio (C00.3-C00.9)
Língua (C02.0-C02.3, C02.8 y C02.9)
Gengiva (C03.0, C03.1 y C03.9)
Assoalho da boca (C04.0, C04.1, C04.8 y C04.9)
Palato duro (C05.0, C05.8 y C05.9)
Área retromolar (C06.2)
Mucosa e vestíbulo (C06.0 y C06.1)
Inespecífica (C06.8 y C06.9)
Câncer de orofaringe
Base da língua (C01.9)
Amígdala lingual (C02.4)
Palato mole (C05.1)
Úvula (C05.2)
Amígdalas (C09.0, C09.1, C09.8, C09.9)
Paredes da orofaringe (C10.0-C10.4, C10.8 y C10.9)
Câncer de laringe
Glote (C32.0)
Supraglote (C32.1)
Subglote (C32.2)
Cartilagem laríngea (C32.3)
Inespecífica (C32.8 y C32.9)
Câncer de hipofaringe
Seio piriforme (C12.9)
Inespecífica/outras (C13.0: C13.1; C13.2, C13.8 y C13.9)
Câncer de glândulas salivares maiores
Parótida (C07)
Submandibular (C08.0)
Sublingual (C08.1)
Inespecífica (C08.8 y C08.9)
Câncer de nasofaringe
(C11.0 – C11.3, C11.8 y C11.9)
Câncer de cavidade nasal, seios paranasais e ouvido médio
Cavidade nasal (C30.0)
Ouvido médio (C30.1)
Seio Maxilar (C31.0)
Seio Etmoidal (C31.1)
Seio Frontal (C31.2)
Seios Inespecífico (C31.8 y C31.9)
Cavidade nasal e ouvido inespecífico (C30.9)


Moore SR, Pierce AM, Wilson DF. 'Oral cancer'--the terminology dilemma. Oral Dis. 2000 May;6(3):191-3.












Davies L, Welch HG. Epidemiology of head and neck cancer in the united states. Otolaryngol Head Neck Surg. 2006 Sep;135(3):451-7.
Temos Registros de Câncer de Base Populacional no Brasil? Como funcionam?
International Agency for Research on Cancer (IARC)
Cancer Incidence in Five Continents (CI5)
Globocan
Goiânia
São Paulo
Por que ocorre essa variação geográfica nas taxas de incidência?
Fatores de etiológicos/risco
Tabaco
Álcool
Vírus
Predisposição genética
Dieta
Higiene oral
Refluxo gastroesofágico
Radiação
Exposição ocupacional
Maconha
Colutórios bucais
Telefones celulares/wireless
Algumas características são comuns aos cânceres de cabeça e pescoço
São o 6º grupo de câncer mais frequente em todo o mundo.

Tipo histológico mais comum: carcinoma de células escamosas (superior a 90%)

A incidência aumenta a partir da 4ª década de vida

Ocorrem mais em homens que em mulheres
Ferlay J, Parkin DM, Curado MP, Bray F, Edwards B, Shin HR, et al. Cancer incidence in five continents, volumes I to IX: IARC CancerBase no. 9 [internet]. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer; 2010.
Tabaco
O hábito de fumar tabaco
é a principal causa do câncer no mundo
e, consequentemente, a principal causa de mortalidade por câncer no mundo.

O seu efeito carcinogênico não pode ser atribuído a uma substância única e sim a mistura de diversas substâncias carcinogênicas.

A
associação causal
entre o tabaco e os cânceres de cabeça e pescoço foi estabelecida para os cânceres de cavidade oral, faringe, laringe e seios paranasais.
Vírus
Papilloma Virus Humano (HPV)







Epstein-Barr Virus (EBV)
Dieta
Alguns alimentos podem participar como fatores de risco e outros como fatores de proteção para o desenvolvimento de câncer.

Uma dieta rica em verduras, legumes e carotenoide, foi associada com um menor risgo de câncer de cavidade oral, faringe, glândulas salivares e laringe.

Alguns alimentos conservados em sal foram associados a um maior risco de câncer de nasofaringe.

O chá mate e a noz de Areca (Betel) são outros elementos associados ao maior risco de câncer de cavidade oral.
Radiação
A radiação ionizante é um fator de risco conhecido para os cânceres de glândulas salivares maiores. Esta associação foi encontrada em pacientes sobreviventes da bomba atômica.

Também foi levantada a hipótese entre a exposição a radiação X em consultórios odontológicos e os cânceres de glândulas salivares. Porém não existe evidência científica.
Exposição Ocupacional
A relação entre os cânceres de cabeça e pescoço e a exposição ocupacional se estuda desde a década de 1960.

As localizações mais afetadas são a cavidade nasal, seios paranasais, laringe e hipofaringe.

Um maior risco foi encontrado para trabalhadores das indústrias metalúrgicas, construção e têxtil.

Diversas substâncias foram relacionadas ao deselvolvimento de câncer, como o níquel, cromo, fibras orgâncias encontradas na madeira, calçados e industria têxtil.
Higiene Oral

Indicadores clínicos de uma higiene oral deficiente, como cárie e gengivite, foram associados a um risgo de 2 a 4 vezes maior em desenvolver câncer de cavidade oral, mesmo após ajustar os resultados por gênero, idade, dieta, alcool e tabaco.
Refluxo Gastroesofágico


Alguns estudos sugerem que o refluxo gastroesofágico, chamado refluxo laringofaríngeo quando sobrepassa o limite esofágico, está associado a um maior risco de câncer de laringe.

Com base na evidência científica atual ainda não é possível estabelecer tal associação. A dificuldade é de controlar as variáveis de confusão como o consumo de tabaco e álcool.
Maconha
Estudos de coorte e caso-controle não encontraram associação entre o consumo de maconha e câncer.

A principal dificuldade em estabelecer esta relação está na quantidade pequena de consumidores e na variação no nível de consumo.
Colutórios Bucais
Alguns estudo epidemiológicos encontraram associação entre o uso de colutórios bucais com álcool e um maior risco de câncer de cavidade oral. Entretanto, esses estudo não são conclusivos.
Telefones celulares / Wireless
Estudos de coorte realizados nos países nórdicos não encontraram associação entre o uso de telefones celulares/ wireless e o desenvolvimento de câncer.
INHANCE Consortium
The
In
ternational
H
ead
a
nd
N
eck
C
ancer
E
pidemiology (INHANCE) Consortium

Grupo de pesquisadores de câncer de cabeça e pescoço de todo o mundo organizado pela IARC

Os cânceres de glândulas salivares maiores, nasofaringe e seios paranasais são reconhecidos como tumores diferenciados.

A epidemiologia é o estudo da distribuição e dos determinantes de estados ou eventos relacionados com a saúde (inclusive doenças) e a aplicação desses estudos no controle e doenças e outros problemas de saúde.

Organização Mundial de Saúde (2013)
O que é epidemiologia?
Corresponde ao número de pessoas que apresenta a doença durante um determinado período de tempo.

Está diretamente relacionada com a incidência e a mortalidade por câncer.

Pode ser calculada a partir da incidência e mortalidade ou estimada se temos dados de sobrevivência e mortalidade.
Estuda o comportamento das taxas ao longo de um período.

Podemos avaliar, por exemplo, se a incidência de um grupo de câncer está aumentando ou diminuíndo.


Permite a avaliação de medidas preventivas coletivas.
Comparação entre o RCBP de Goiânia e Natal
Registros de Câncer de Base Populacional do Brasil que participaram do CI5
Registro Volume Período
Qual a situação epidemiológica do câncer de cabeça e pescoço no Brasil?
Taxas de mortalidade ajustadas pela população mundial por todas as neoplasias, para 100.000 homens, nas Unidades da Federação, entre 2006 e 2010
Taxas de mortalidade ajustadas pela população mundial por todas as neoplasias, para 100.000 mulheres, nas Unidades da Federação, entre 2006 e 2010
Taxas de mortalidade ajustadas pela população mundial para o câncer de cavidade oral (C00-C10), para 100.000 homens, nas Unidades da Federação, entre 2006 e 2010
Taxas de mortalidade ajustadas pela população mundial para o câncer de cavidade oral (C00-C10), para 100.000 mulheres, nas Unidades da Federação, entre 2006 e 2010
1. Controle do câncer
- Conhecer a magnitude do câncer em uma área geográfica
- Orientar o planejamento e a gestão dos serviços de saúde
2. Realizar e colaborar com pesquisas científicas
3. Assessorar autoridades com questões de saúde Pública
4. Educação de profissionais da saúde
Registro de Câncer de
Base Populacional

A análise destes dados, quando realizada de forma periódica,
fornece informações sobre a incidência
e as características específicas dos tipos de câncer em segmentos diversos da população residente e identifica variações provisórias nas taxas de incidência.

Fontes de informação para os RCBP:
Registros hospitalares
Hospitais públicos e privados
Clínicas
Laboratórios de anatomia patológica
Vigilância sanitária (Registro de Mortalidade)
Outros

Hashibe M, Brennan P, Benhamou S, Castellsague X, Chen C, Curado MP, et al. Alcohol drinking in never users of tobacco, cigarette smoking in never drinkers, and the risk of head and neck cancer: Pooled analysis in the international head and neck cancer epidemiology consortium. J Natl Cancer Inst. 2007 May 16;99(10):777-89.
Álcool
Gandini S, Botteri E, Iodice S, Boniol M, Lowenfels AB, Maisonneuve P, et al. Tobacco smoking and cancer: A meta-analysis. Int J Cancer. 2008 Jan 1;122(1):155-64.
O álcool é o principal fator de risco para o câncer na ausência de tabaco, e quando associados, seus efeitos são sinérgicos.

Um
relação de causalidade
foi estabelecida entre diversos estudos caso-controle para os cânceres de cavidade oral, orofaringe, hipofaringe e laringe.
Taxas de mortalidade ajustadas pela população mundial para o câncer de laringe, para 100.000 homens, nas Unidades da Federação, entre 2006 e 2010
Taxas de mortalidade ajustadas pela população mundial para o câncer de laringe, para 100.000 mulheres, nas Unidades da Federação, entre 2006 e 2010
Tendências: tabaco, álcool e HPV
Tendência
Os subtipos HPV 16 e 18 são os principais envolvidos com o processo de carcinogênese.

Apesar do HPV ter sido encontrado em diversos tumores de cabeça e pescoço, o seu papel carcinogênico parece estar relacionado apenas ao câncer de orofaringe.


Seu papel carcinogênico ainda precisa ser melhor esclarecido. Para os cânceres de cabeça e pescoço, este vírus foi associado ao câncer de nasofaringe.
De Souza DL, Perez MM, Curado MP (2011). Predicted incidence of oral cavity, oropharyngeal, laryngeal, and hypopharyngeal cancer in Spain and implications for cancer control. Cancer Epidemiol 35:510–514.
Estuda as
causas de morte
em uma população determinada.

Para produzir informações de mortalidade
os dados são de origem nacional (declaração de óbito)
- estatísticas vitais. No Brasil temos o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM).

É expressa em casos por 100 mil habitantes/ano.
www.inca.gov.br
www.inca.gov.br
www.inca.gov.br
www.inca.gov.br
www.inca.gov.br
www.inca.gov.br
Quais as tendências de incidência de câncer de cabeça e pescoço no Brasil?

Quais as tendências de mortalidade?

A incidência de câncer de orofaringe está aumentando como em outros países ocidentais?
Tendência
http://www.who.int/topics/epidemiology/en/index.html
Berrino F, Richiardi L, Boffetta P, Esteve J, Belletti I, Raymond L, et al. Occupation and larynx and hypopharynx cancer: A job-exposure matrix approach in an international case-control study in france, italy, spain and switzerland. Cancer Causes Control. 2003 Apr;14(3):213-23.
Pavia M, Pileggi C, Nobile CG, Angelillo IF. Association between fruit and vegetable consumption and oral cancer: A meta-analysis of observational studies. Am J Clin Nutr. 2006 May;83(5):1126-34.
Saku T, Hayashi Y, Takahara O, Matsuura H, Tokunaga M, Tokunaga M, et al. Salivary gland tumors among atomic bomb survivors, 1950-1987. Cancer. 1997 Apr 15;79(8):1465-75

Licitra L, Rossini C, Bossi P, Locati LD. Advances in the changing patterns of aetiology of head and neck cancers. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2006 Apr;14(2):95-9.
Hardell L, Hallquist A, Hansson Mild K, Carlberg M, Gertzen H, Schildt EB, et al. No association between the use of cellular or cordless telephones and salivary gland tumours. Occup Environ Med. 2004 Aug;61(8):675-9.
Kundi M, Mild K, Hardell L, Mattsson MO. Mobile telephones and cancer--a review of epidemiological evidence. J Toxicol Environ Health B Crit Rev. 2004 Sep-Oct;7(5):351-84.
Hashibe M, Morgenstern H, Cui Y, Tashkin DP, Zhang ZF, Cozen W, et al. Marijuana use and the risk of lung and upper aerodigestive tract cancers: Results of a population-based case-control study. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2006 Oct;15(10):1829-34.

Hashibe M, Straif K, Tashkin DP, Morgenstern H, Greenland S, Zhang ZF. Epidemiologic review of marijuana use and cancer risk. Alcohol. 2005 Apr;35(3):265-75.
Qadeer MA, Colabianchi N, Vaezi MF. Is GERD a risk factor for laryngeal cancer? Laryngoscope. 2005 Mar;115(3):486-91.

Vaezi MF, Qadeer MA, Lopez R, Colabianchi N. Laryngeal cancer and gastroesophageal reflux disease: A case-control study. Am J Med. 2006 Sep;119(9):768-76.
La Vecchia C. Mouthwash and oral cancer risk: An update. Oral Oncol. 2009 Mar;45(3):198-200.

Cole P, Rodu B, Mathisen A. Alcohol-containing mouthwash and oropharyngeal cancer: A review of the epidemiology. J Am Dent Assoc. 2003 Aug;134(8):1079-87.
Escoda-Francoli J, Rodriguez-Rodriguez A, Perez-Garcia S, Gargallo-Albiol J, Gay-Escoda C. Dental implications in oral cancer patients. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2010 Aug 15.

Velly AM, Franco EL, Schlecht N, Pintos J, Kowalski LP, Oliveira BV, et al. Relationship between dental factors and risk of upper aerodigestive tract cancer. Oral Oncol. 1998 Jul;34(4):284-91.
Sobrevivência
Sobrevivência relativa dos cânceres de cabeça e pescoço na província de Zaragoza - Espanha (1978-2002)
"Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas."

Friedrich Nietzsche
Estimativas para 2015
www.iarc.fr
Full transcript