Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Mérito, Culpa e Responsabilidade em AEC

No description
by

Suzana Campos

on 2 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Mérito, Culpa e Responsabilidade em AEC

Mérito, Culpa e Responsabilidade em AEC
O que é reponsabilidade?
* O filósofo Gilbert Ryle afirmava que decidir se um ato é responsável é semelhante em decidir se é inteligente.

* Relação com a tese da Moralidade de Skinner

* Nenhum critério isolado governa a inteligência de uma ação – Exemplo do xadrez
Livre-arbítrio e visibilidade do controle
* Livre-arbítrio: visão de responsabilidade por uma ação de uma pessoa, no sentido de sua causa. Exemplo: Marcos e causa de um incêndio

* Marcus e fiação são considerados igualmente danificados, pois Marcus como a fiação, é o instrumento do qual o incêndio ocorreu.
Introdução:
Skinner:
Criticava conceitos mentalistas, como por exemplo, mérito e culpa.

Discutia mérito e culpa associado com o conceito de dignidade.

Willian Baum:
Implicações sociais do behaviorismo relacionam-se mais com a noção de responsabilidade

Dignidade quando são consideradas responsáveis.

Atos desejáveis e indesejáveis
* A transgressão se relaciona ao reforço – Exemplo: caixa de banco

* Quanto às questões desejáveis deve-se questionar o seu reforço – Exemplo: criança e a lição de casa

* Na prática, responsabilidade é decidir impor ou não impor consequências e a seleção delas
Responsabilidade e as Causas do Comportamento
* Responsabilidade como noção de causa – Exemplo: Marcus e a fiação

* Noção de que uma pessoa pode ser a causa: implicações práticas – Comparação entre a ação de Marcus e a da fiação

* É o principal item sobre as implicações sociais que o Behaviorismo levanta
Responsabilidade e as consequências do comportamento
* Na prática, responsabilidade é a decisão entre impor ou não consequências, que seriam as punições ou os reforços, que conduzirão à modificação de comportamento até o comportamento desejável por quem pune ou reforça

* A consideração acerca da responsabilidade de alguém mostra a propensão da relação de consequência que estabelece, ou seja, mostra se comportamento a partir disto.
* Senso comum: costuma-se diferenciar, separar, o comportamento das coisas e das pessoas, por duas razões:

* As alternativas de escolhas das pessoas parecem óbvias (comum a todos exemplo de Marcus)

* Os fatores que determinam as ações permanecem ocultos

* Contradição: Se Marcus estivesse ameaçado com uma arma na cabeça, ele teria escolha? Poderia se arriscar ou agir por si próprio, ou não ter escolha em nenhuma das duas situações

* Quanto mais poder-se saber a razão de Marcus a causar o incêndio, menos diremos que escolheu livremente

* Eventos do passado são difíceis de serem descobertos, por isso recorrer ao livre-arbítrio é mais fácil, mas de forma nenhuma é uma explicação científica
Atribuição de culpa e mérito
Considerações práticas: a necessidade de controle
Outra maneira de determinar a causa do comportamento - aprovação ou desaprovação

As pessoas desejam o mérito e evitam a culpa

“Desse modo, o bem de uma espécie e de uma cultura são consequências que promovam a sua sobrevivência, ao passo que o bem do indivíduo são as consequências reforçadoras que mantenham operantes que permitam ao homem lidar efetivamente com as contingências de sua vida.” (Bogo & Laurenti, 2012)
* Autocontrole de acordo com as relações de reforço a longo prazo, segnifica comportar-se de acordo com o que a sociedade julga útil/correto – Exemplo: despesas/ pagamento às mães

* Tornar um invidíduo responsável é modificar seu comportamento punindo ou reforçando – Exemplo de Marcus: sendo insano ou sem padrões de cpto deve ser punido e reforçado, para que se torne responsável por suas ações
Estabelecer consequências
* Estamos constantemente reforçando e punindo comportamentos dos outros

* A maioria das vezes não estamos conscientes das conseqüências desses comportamentos

* Pessoas em posição administrativa têm que estar conscientes das conseqüências de seus comportamentos, pois é parte de sua função, sendo explicadas pelo:
* Estabelecimento de consequencias: é em si mesmo comportamento operante, estando sob controle de relações de reforço a longo prazo, (exemplo: criação de filhos, supervisão de negócios)





* Reforçadores e punidores controlam o comportamento (freqüências, notas escolares) que provêem daqueles que estão sendo controlados




* Esse fato é significativo para os que prezam a liberdade, pois:

* Abre portas para o reconhecimento e planejamento explícito do controle mútuo, não apenas em administração, mas em todas as relações humanas
Qual tipo de controle
-Controle com , como a coerção são efetivos apenas a curto prazo enquanto que com reforço positivo tem efeitos duradouros.
Culpa:
É atribuída ao ambiente- Ex: Advogados pedem compaixão e convencem os juízes a considerar as circunstâncias atenuantes.

Em AEC:
Circunstâncias atenuantes- fatores ambientais e genéticos
Compaixão- considerar esses fatores

Comportamento operante - reforçado por evitar punição

Mérito:
Resistência de que fatores ambientais podem ter contribuído – Ex.: empresários e artistas.

Não mencionam as circunstâncias atenuantes.

Atribuir mérito ao ambiente seria punido pela perda de reforço

Reforço Mérito
Fatores ambientais não serão reconhecidos
Reforço Ações adequadas
As pessoas sentiriam-se mais livres para reconhecer os fatores ambientais, pois não precisariam fingir que as ações foram de origem totalmente interna
Compaixão e Controle:
Atual noção da existência das circuntâncias atenuantes permite ir além da responsabilização e punição - maior flexibilidade - Ex: roubo

Praticidade em relação ao comportamento:
inadequado
adequado (compreendido mais devagar) - o uso de recompensas para fortalecer este comportamento é visto com 'suborno' por alguns

Considerar efeitos ambientais tanto nas decisões de reforço, quanto nas de punição - julgamento mais viável



-Defensores da liberdade são contrários a qualquer forma de controle
-Generalização das formas de controle
todas as ações são controladas pela genética e pelo ambiente, portanto o livre-arbítrio não é um conceito empregável
Aqueles que têm o poder de controlar, mas não o fazem permitem que o acaso ou estranhos o exerça. Desta forma, são chamado irresponsáveis por não planejarem ou criarem ambientes nos quais as pessoas se comportarão bem.
Perspectiva Comportamental
escolher "livremente" é escolher com base nos
reforços positivos
condição para que o indivíduo se sinta livre e feliz
-Efeitos colaterais do controle por : sentimento de aprisionamento, infelicidade e ressentimento.
-Controle por


{
Felicidade
Liberdade
Respeito
-Gerenciamento por reforço positivo pode ser negativo em duas ocasiões:
Combinação ruim entre comportamento e reforçador
Desconsideração do histórico (análogo ao momentum, na física)
-Exemplo: mulher que tem comportamentos inadequados com os homens

1.
2.
-Gerenciamento por afiliação é uma forma de controle que funciona bem com adultos, por meio do
reforço social
construído por reiteradas interações com um mesmo grupo de pessoas.
-Segundo Skinner, a cultura funciona como um conjunto de contingências sociais que evolui com o tempo e a história.
-Exemplo prático: Substituição do isolamento na linhas de montagem por círculos de qualidade
Exemplo:
Referências
Baum, W. M, (2006). Compreender o behaviorismo. Porto Alegre: Artmed.
Bogo, A. C., & Laurenti, C. (2012). Análise do Comportamento e Sociedade: Implicação para uma ciência dos valores. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(4), 956-971.
Zilio, D., & Carrara, K. (2009). B. F. Skinner: teórico da ciência e teórico da moral?. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 61(2).
métodos aversivos
punições
reforço positivo
Full transcript