Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

III - Ao gás - Cesário Verde

Português, 11º ano
by

Carolina Bras

on 6 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of III - Ao gás - Cesário Verde

Rima III - Ao gás Cesário Verde E saio. A noite pesa, esmaga.
Nos Passeios de lajedo arrastam-se as impuras.
Ó moles hospitais! Sai das embocaduras
Um sopro que arrepia os ombros quase nus. As burguesinhas do Catolicismo
Resvalam pelo chão minado pelos canos;
E lembram-me, ao chorar doente dos pianos,
As freiras que os jejuns matavam de histerismo. E eu que medito um livro que exacerbe,
Quisera que o real e a análise mo dessem;
Casas de confecções e modas resplandecem;
Pelas vitrines olha um ratoneiro imberbe. Num cutileiro, de avental, ao torno,
Um forjador maneja um malho, rubramente;
E de uma padaria exala-se, inda quente,
Um cheiro salutar e honesto a pão no forno. Cercam-me as lojas, tépidas. Eu penso
Ver círios laterais, ver filas de capelas,
Com santos e fiéis, andores, ramos, velas,
Em uma catedral de um comprimento imenso. Longas descidas! Não poder pintar
Com versos magistrais, salubres e sinceros,
A esguia difusão dos vossos reverberos,
E a vossa palidez romântica e lunar! Que grande cobra, a lúbrica pessoa,
Que espartilhada escolhe uns xales com debuxo!
Sua excelência atrai, magnética, entre luxo,
Que ao longo dos balcões de mogno se amontoa. E aquela velha, de bandós! Por vezes,
A sua traîne imita um leque antigo, aberto,
Nas barras verticais, a duas tintas. Perto,
Escarvam, à vitória, os seus mecklemburgueses. Desdobram-se tecidos estrangeiros;
Plantas ornamentais secam nos mostradores;
Flocos de pós-de-arroz pairam sufocadores,
E em nuvens de cetins requebram-se os caixeiros. Mas tudo cansa! Apagam-se nas frentes
Os candelabros, como estrelas, pouco a pouco;
Da solidão regouga um cauteleiro rouco;
Tornam-se mausoléus as armações fulgentes. "Dó da miséria!... Compaixão de mim!..."
E, nas esquinas, calvo, eterno, sem repouso,
Pede-me sempre esmola um homenzinho idoso,
Meu velho professor nas aulas de Latim! Des | do | bram | -se | te | ci | dos | es | tran | gei ] ros;
Plan | tas | or| na | men | tais | se | cam | nos | mos | tra | do ] res;
Flo | cos | de | pós | -de-a | rroz | pai | ram | su | fo | ca | do]res,
E em | nu | vens | de | ce | tins | re | que | bram |-se os | cai | xei ] ros. Desdobram-se tecidos estrangeiros;
Plantas ornamentais secam nos mostradores;
Flocos de pós-de-arroz pairam sufocadores,
E em nuvens de cetins requebram-se os caixeiros. a b b a - Rima interpolada e emparelhada - Constituído por 11 quadras III - AO GÁS É a terceira parte do poema "Sentimento dum Ocidental" Tema: Assunto: Cidade Deambulação do sujeito poético pelas ruas da cidade, à noite; descrição do que observa; contraste entre cidade e campo. Espaços Os "passeios de lajedo"
Os "moles hospitais"
As "lojas tépidas"
A "catedral de um corpo imenso"
O "cutileiro"
A "padaria"
As "casas de confeções e modas"
As "longas descidas" e as "esquinas" Sensações visuais "Ver círios laterais, ver filas de capelas"
"E a vossa palidez romântica e lunar" Sensações auditivas "E lembram-me, ao chorar doente dos pianos"
"Um forjador maneja um malho, rubramente" Sensações olfativas "E de uma padaria exala-se, inda quente, Um cheiro salutar e honesto a pão no forno" Sensações tácteis "Um sopro que arrepia os ombros quase nus"
"Cercam-me as lojas, tépidas" Momento em que o sujeito poético inicia o seu passeio pela cidade, ao entardecer. À medida que vai escurecendo, acendem-se os candeeiros a gás. Subtítulo - Ao gás Personagens "as impuras"
as "burguezinhas do catolicismo"
"o forjador"
um "ratoneiro imberbe"
"a lúbrica pessoa"
uma "velha de bandós" e os seus "mecklemburgueses"

"um cauteleiro rouco"
o "velho professor de latim" (personagens da noite citadina) (transmite uma imagem de vitalidade, força e saúde) (criança delinquente) (mulheres ricas , cheias de luxo, porém vaidosas e falsas) (anticlericalismo) (riqueza e luxo em contraste com desgraça e miséria) (retratando os mais fracos, solitários) (compaixão pelos desfavorecidos, e símbolo do abandono a que chegaram os valores culturais do país) Características principais O sujeito poético continua a sofrer os efeitos opressivos do ambiente da cidade
Desejo de produzir um "livro que exacerbe"
Valorização do campo
Figura feminina
Anticlericalismo
Solidariedade social
O deambular progressivo do eu poético permite-lhe apreender o real exterior pelo seu mundo interior, interpretando-o e recriando-o com grande nitidez Figuras de estilo Metáforas: "A noite pesa, esmaga." ; "... chorar doente dos pianos" Hipálage: "Um cheiro salutar e honesto a pão no forno" Apóstrofe: "Ó moles hospitais" Tripla adjetivação: "Com versos magistrais, salubres e sinceros" Enumeração: "Com santos e fiéis, andores, ramos, velas" Cidade Soturna Melancólica Mórbida Sufocante Claustrofóbica Triste Perigosa Monótona Nauseabunda Palco de dor FIM Trabalho realizado por:
Carolina Brás, nº4 1º verso: Decassílabo (10 sílabas métricas)
2º, 3º e 4º versos: Alexandrinos (12 sílabas métricas) E saio. A noite pesa, esmaga.
Nos Passeios de lajedo arrastam-se as impuras.
Ó moles hospitais! Sai das embocaduras
Um sopro que arrepia os ombros quase nus. As burguesinhas do Catolicismo
Resvalam pelo chão minado pelos canos;
E lembram-me, ao chorar doente dos pianos,
As freiras que os jejuns matavam de histerismo. E eu que medito um livro que exacerbe,
Quisera que o real e a análise mo dessem;
Casas de confecções e modas resplandecem;
Pelas vitrines olha um ratoneiro imberbe. Num cutileiro, de avental, ao torno,
Um forjador maneja um malho, rubramente;
E de uma padaria exala-se, inda quente,
Um cheiro salutar e honesto a pão no forno. Cercam-me as lojas, tépidas. Eu penso
Ver círios laterais, ver filas de capelas,
Com santos e fiéis, andores, ramos, velas,
Em uma catedral de um comprimento imenso. Longas descidas! Não poder pintar
Com versos magistrais, salubres e sinceros,
A esguia difusão dos vossos reverberos,
E a vossa palidez romântica e lunar! Que grande cobra, a lúbrica pessoa,
Que espartilhada escolhe uns xales com debuxo!
Sua excelência atrai, magnética, entre luxo,
Que ao longo dos balcões de mogno se amontoa. E aquela velha, de bandós! Por vezes,
A sua traîne imita um leque antigo, aberto,
Nas barras verticais, a duas tintas. Perto,
Escarvam, à vitória, os seus mecklemburgueses. Desdobram-se tecidos estrangeiros;
Plantas ornamentais secam nos mostradores;
Flocos de pós-de-arroz pairam sufocadores,
E em nuvens de cetins requebram-se os caixeiros. Mas tudo cansa! Apagam-se nas frentes
Os candelabros, como estrelas, pouco a pouco;
Da solidão regouga um cauteleiro rouco;
Tornam-se mausoléus as armações fulgentes. "Dó da miséria!... Compaixão de mim!..."
E, nas esquinas, calvo, eterno, sem repouso,
Pede-me sempre esmola um homenzinho idoso,
Meu velho professor nas aulas de Latim!
Full transcript