Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"Mudam-se os tempos mudam-se as vontades"

No description
by

Diana Machado

on 22 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "Mudam-se os tempos mudam-se as vontades"

"Mudam-se os tempos
Mudam-se as vontades" 1 - Tema MUDANÇA 2.1 - Estrutura Externa

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança:

Todo o mundo é composto de mudança,

Tomando sempre novas qualidades.



Continuamente vemos novidades,

Diferentes em tudo da esperança:

Do mal ficam as mágoas na lembrança,

E do bem (se algum houve) as saudades.
O tempo cobre o chão de verde manto,

Que já coberto foi de neve fria,

E em mim converte em choro o doce canto.



E afora este mudar-se cada dia,

Outra mudança faz de mor espanto,

Que não se muda já como soía.



Luís Vaz de Camões A
B
B
A

A
B
B
A

c
d
c

d
c
d


Muda-se o ser, muda-se a confiança:
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança: 
Do mal ficam as mágoas na lembrança, 
E do bem (se algum houve) as saudades. 

O tempo cobre o chão de verde manto, 
Que já coberto foi de neve fria, 
E em mim converte em choro o doce canto. 


Outra mudança faz de mor espanto, 
Que não se muda já como soía. 
  RIMA

Interpolada







Interpolada







Cruzada SONETO 2.2- Estrutura Interna 1ª Quadra - Tema a desenvolver
2ª Quadra - Desenvolvimento do Tema
1º Terceto - Confirmação
2º Terceto - Conclusão (Chave de Ouro) Anáfora Assonância Enumeração Comparação Antítese 3 - Análise Estilística e Ideológica Mu / dam /-se os / tem / pos, / mu / dam / -se as / von / ta / des,
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 E afora este mudar-se cada dia, Ideología

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança:

Todo o mundo é composto de mudança,

Tomando sempre novas qualidades.



Continuamente vemos novidades,

Diferentes em tudo da esperança:

Do mal ficam as mágoas na lembrança,

E do bem (se algum houve) as saudades.
O tempo cobre o chão de verde manto,

Que já coberto foi de neve fria,

E em mim converte em choro o doce canto.



E afora este mudar-se cada dia,

Outra mudança faz de mor espanto,

Que não se muda já como soía.



Luís Vaz de Camões

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança:

Todo o mundo é composto de mudança,

Tomando sempre novas qualidades.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança:

Todo o mundo é composto de mudança,

Tomando sempre novas qualidades.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança:

Todo o mundo é composto de mudança,

Tomando sempre novas qualidades.



Continuamente vemos novidades,

Diferentes em tudo da esperança:

Do mal ficam as mágoas na lembrança,

E do bem (se algum houve) as saudades.
O tempo cobre o chão de verde manto,

Que já coberto foi de neve fria,

E em mim converte em choro o doce canto.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança:

Todo o mundo é composto de mudança,

Tomando sempre novas qualidades.



Continuamente vemos novidades,

Diferentes em tudo da esperança:

Do mal ficam as mágoas na lembrança,

E do bem (se algum houve) as saudades.
O tempo cobre o chão de verde manto,

Que já coberto foi de neve fria,

E em mim converte em choro o doce canto.



E afora este mudar-se cada dia,

Outra mudança faz de mor espanto,

Que não se muda já como soía.



Luís Vaz de Camões
Full transcript