Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Estrutura externa de Mensagem

No description
by

Cristina 'Rf

on 27 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Estrutura externa de Mensagem

Mensagem:
estrutura interna/extena


FERNANDO PESSOA
Lisboa, 13 de Junho de 1888 — Lisboa, 30 de Novembro de 1935
“Brasão”
Fundação da nacionalidade, desfile de heróis lendários ou históricos, desde
Ulisses a D. Afonso Henriques, D. Dinis ou D. Sebastião
.
''Mas Português''
Poemas inspirados na ânsia do Desconhecido e no esforço heróico da luta com o mar. Apogeu da acção portuguesa dos Descobrimentos.
''O Encoberto''
Morte das energias de Portugal simbolizada no
Nevoeiro
; afirmação do sebastianismo representado na figura do
Encoberto
; apelo e ânsia messiânica da construção do Quinto Império.
Mensagem
A Mensagem é sem dúvida a obra-prima onde pessoa lapidarmente imprimiu o seu ideal patriótico, sebastianista e regenerador. É um poema nacional, uma versão moderna, espiritualista e profética de
Os Lusíadas
.
A Mensagem está dividida em três partes.
Esta tripartição corresponde a três momentos do Império Português:
No
Encoberto
o poeta, contudo, considera que é a hora de despertar para a construção de um novo império diferente dos anteriores: o quinto império, um reino de liberdade, sem fronteiras geográficas ou políticas, um império de natureza cultural e linguística.
Benedictus Dominus Deus noster que dedit nobis signum
"Bendito o Senhor Nosso Deus que nos deu o sinal", expressão latina com que a obra começa anunciando, de imediato, o sentido simbólico e messiânico que o percorre.
Poeta, ficcionista, dramaturgo, filósofo, prosador, Fernando Pessoa é, inequivocamente, a mais complexa personalidade literária portuguesa e europeia do século XX.
Após a morte do pai, partiu com sete anos para a África do Sul.

Com dezassete anos, abandona a família e regressa a Portugal, com a intenção de ingressar no Curso Superior de Letras.

Em Lisboa, acaba por abandonar os estudos, sobrevive como correspondente comercial de inglês e dedica-se a uma vida literária intensa.
Com Mário de Sá-Carneiro e Almada Negreiros, entre outros, leva, em 1915, a cabo o projeto de Orpheu, revista que assinala a afirmação do modernismo português e cujo impacto cultural e literário só pôde ser avaliado por gerações posteriores.
Contém uma certa dimensão épica pois parte de uma base histórica ( História de Portugal)
Contudo não é uma narrativa como são as epopeias!
À
Mensagem só interessa aquilo que funciona como símbolos, mitos, sinais dispersos de uma pátria que nasceu e viveu no seu apogeu e, que depois, morreu.
NASCIMENTO
1ª Parte “Brasão”
REALIZAÇÃO
2ª Parte “Mar Português”
MORTE
3ª Parte “O Encoberto”
Subdivisões
Os Campos
Os Castelos
As Quinas
A Coroa
O Timbre
Poemas
O dos Castelos
O das Quinas
Ulisses
Viriato
O Conde D.Henrique
D.Tareja
D.Afonso Henriques
D.Dinis
D.João I
D.Filipa de Lencastre
Inicia-se com o poema
Infante
,onde o Poeta exprime a sua concepção messiânica da História, mostrando que o sopro criador do sonho resulta de uma lógica que implica Deus como causa primeira, o homem como agente intermediário e a obra como efeito (" Deus quer, o homem sonha, a obra nasce").
Nos outros poemas surgem poesias inspiradas na ânsia do desconhecido e descobrimentos; simboliza a vida adulta da Pátria.
Poemas
O Infante
Horizonte
Padrão
O Monstrengo
Epitáfio de Bartolomeu Dias
Os Colombos
Subdivisões
Os Símbolos
Os Avisos
Os Tempos
Poemas
D.Sebastião
O V Império
O Desejado
As Ilhas Afortunadas
O Encoberto
O Bandarra
Neste sonho, Portugal, a sua cultura e a sua língua deverão ser o centro e o pólo dinamizador de um vasto império cultural.
O
Enconberto
simboliza a morte da Pátria, não um fim absoluto, mas encerrando o gérmen da ressureição.
Bellum sine bello
"Guerra sem guerra"

Surge na primeira parte a sugerir que no inicio existia um espaço que tinha de ser conquistado pois fazia parte de um desígnio
Possessio maris
"Posse do mar"

Que vem traduzir o domínio dos mares e a expansão.
Pax in excelsis
"Paz nos céus"

Que marcará o Quinto Império.
Publicaou em vida, em volume, apenas os seus poemas ingleses e o poema épico Mensagem.
Mas essa morte não é definitiva, pois pressupõe-se um renascimento que será o novo império, futuro e espiritual.
D.Duarte, Rei de Portugal
D.Fernando, Infante de Portugal
D.Pedro,Regente de Portugal
D.João, Infante de Portugal
D.Sebastião, Rei de Portugal
Nun'Álvares Pereira
O Infante D.Henrique
D.João, O Segundo
Afonso de Albuquerque
Parte onde surgem os heróis lendários e históricos construtores do Império, associados à fundação e às origens. Remetem para a conquista da terra; simboliza o Nascimento da Pátria.
Ocidentes
Fernão de Magalhães
Ascenção de Vasco da Gama
Mar Português
A Última Nau
Prece
António Vieira
Screvo meu livro à beira-mágoa
Noite
Tormenta
Calma
Antemanhã
Nevoeiro
Cada uma das partes do Poema de inicia com uma expressão em latim:
Valete Frates
" Felicidades, irmãos"
E a obra termina acreditando no desígnio de um Reino de Fraternidade.
Mensagem
é, simultaneamente, uma obra que retrata a decadência de Portugal, visível na crise de valores e de identidade que Pessoa enumera no poema
Nevoeiro
, mas é também um texto de esperança que expressa a fé num novo ciclo, o desejo de recuperar energias, canalizando-as para o recomeço. O livro termina com uma apelo à mudança. “ É a Hora!” é o verso final do último poema da obra, funcionando, deste modo, como um grito de exortação, de incentivo aos portugueses, mostrando que é chegado o momento certo para fazer ressurgir a grandeza de Portugal.
Full transcript