Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Teatro Romano

História do teatro romano
by

Tilão Mesquita

on 21 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Teatro Romano

TEATRO ROMANO
Teatro Romano
Não tem como negar, o teatro romano é, sem sombra de dúvida, um grande herdeiro da prática teatral grega. Além do teatro, os romanos copiavam os gregos em tudo, da arquitetura à religião.
Na verdade, o que aconteciam nos palcos romanos, eram espetáculos regados à muita violência e terror, uma brutalidade indescritível. Danças, mágicos, engolidores de fogo, estupros, torturas, execuções, sacrifícios eram comuns nesse grande circo de horrores. No teatro, os romanos desejavam além da diversão, muita violência, o que configura uma apresentação voltada para o
burlesco
.
Coliseu
Mundialmente conhecido, o Coliseu, construído por ordem do imperador Vespasiano e concluído, durante o governo de seu filho Tito, é um dos mais grandiosos monumentos da Roma Antiga. A parede externa do anfiteatro preserva os quatro pavimentos da estrutura de concreto armado; nas três arquibancadas inferiores estão as fileiras de arcos, e na quarta, pequenas janelas retangulares. Os assentos eram de mármore e a escadaria ou arquibancada dividia-se em três partes, correspondentes às diferentes classes sociais: o podium, para as classes altas; a meaniana, setor destinado à classe média; e os pórticos, para a plebe e as mulheres. Para evitar problemas nas saídas dos espetáculos, os arquitetos projetaram oitenta escadarias de saída. Em menos de três minutos, o Coliseu podia ser totalmente evacuado. Suas arquibancadas tinham capacidade para 80 mil pessoas.
Fonte:
http://www.sohistoria.com.br/ef2/roma/p7.php/com adaptações
Burlesco
– Em termos geral, qualquer obra que satirize ou pardie outra, esta geralmente séria. Especificamente, gênero muito em voga nos Estados Unidos em torno de 1900, que consistia em números musicais com acrobacias, mágicos, esquetes e um número final de dança do ventre. Na década de 20, foram introduzidos números de striptease, que logo alcançaram grande repercussão junto ao público. O humor burlesco era geralmente grosseiro, sem requinte, sutileza ou apelo intelectual mais elaborado. A temática girava em torno da política e, na maioria das vezes, do sexo.
In Vasconcelos, Luiz Paulo Vasconcelos – Dicionário de Teatro.
Farsa
Farsa
– gênero dramático muito comum em vários momentos da história do teatro. Ficou conhecido por mostrar situações engraçadas, com um certo exagero, tendo como base os desentendimentos e bagunças promovidas por seus personagens, na maioria das vezes caricatas. Associado ao grotesco, ao bufão e ao riso solto. Dotado de um estilo nada refinado, justamente por abusar da realidade social de uma forma bem apimentada.
Anfiteatros
Anfiteatros são arenas ovais ou circulares rodeadas de degraus a céu aberto (não confundir com os "teatros" que são de bancada semi-circular ou semi-oval). Na Roma Antiga foram adaptados dos teatros gregos para servirem aos combates degladiadores, de animais selvagens e demais diversões públicas. Podiam ser até cheios de água (alguns deles) para espetáculos de combates navais. O mais conhecido e maior deles é o coliseu de Roma. Alguns anfiteatros, como o coliseu romano e a arena de Verona, podiam albergar milhares de pessoas.
PLAUTO

Foi ator e diretor de um grupo teatral, nasceu na cidade de Sarsina, no ano 254 a.C. Não foi um homem de muita educação. Saiu de sua aldeia com uma trupe teatral itinerante. Tinha os pés grandes, era feio e barrigudo, ficou conhecido pelo povo de sua aldeia de pés chatos. Foi soldado romano, foi comerciante, fez de tudo um pouco. Depois dos quarenta e cinco anos de idade, resolveu trabalhar como dramaturgo. Escreveu um grande número de comédias, entre elas: Addictus e Saturio, seu primeiro espetáculo. Casos de amor, o sentimentalismo burguês, personagens cômicos, personagens com identidades trocadas e diversas intrigas são ingredientes comuns em suas obras, além de elementos do canto e da dança, o que confere ao seu trabalho, um tom de opereta. Fazendo uso de uma linguagem coloquial, é possível perceber em seus textos a maneira como descrevia a vida dos romanos com muita fidelidade. Cento e trinta ou cinquenta, não se sabe ao certo, quantas peças foram escritas por ele. Mas sabe-se que vinte chegaram até nós. As comédias de Plauto fazem parte do rol das obras mais antigas da Literatura Latina preservadas até os dias atuais. Algumas obras gregas foram adaptadas ganhando desta forma características oriundas da cultura romana.
Terêncio
Recebeu o título de segundo poeta cômico de Roma. Demonstrou um grande fascínio pela arte grega, além de ser um apaixonado pela aristocracia. Seus trabalhos revelam um estudo detalhado do comportamento humano. Não era um dos preferidos do romanos, os quais tinham grande apreço pelas farsas e comédias de Plauto. Seu reconhecimento aconteceu tardiamente em épocas distantes de seu tempo. A Idade Média e a Renascença revelam um gosto apurado pelo trabalho de Terêncio, tendo sido encenadas em alguns colégios do período renascentista. Em suas obras, seus personagens ganham destaque por representarem altas personalidades da sociedade da época. Suas peças eram escritas em um estilo claro, mesmo tendo sido reconhecido como um dramaturgo menor que seu colega Plauto.
Seu nome era Lucius Annaeus Seneca, recebeu sua educação na cidade de Roma, onde teria tido os primeiros contatos com a filosofia e com a retórica, o que veio a facilitar sua vida como advogado. Sêneca é conhecido como “O Jovem” uma forma de diferenciá-lo de seu pai, o retórico Sêneca “O Velho, O Ancião”.
De mogo geral, escreveu nove dramas trágicos, todos em versos, além de adaptações de alguns mitos gregos. Sua maneira de escrever deixou transparecer o desprezo que tinha pelos jovens romanos, além de deixar evidente o seu lado moralista.
Sêneca
PANTOMIMA
--> Peça em que os atores se manifestam só por gestos, expressões corporais ou fisionômicas, prescindindo da palavra e da música.
MIMO
(Fábula Riciniata): --> forma popular cômica na qual atuam também
mulheres, gênero composto de canto, dança, acrobacia e imitação, originário da Grécia.
MÍMICA
--> é uma forma de exprimir pensamentos e sentimentos através de símbolos, como gestos e sinais; assim, ela integra a ciência da simbologia, utilizada como meio de expressar o que se passa na mente e no campo emocional através das linguagens que não se valem das palavras.
Outros gêneros dramáticos
Full transcript