Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Fase do Espelho e Período Sensório-motor de Piaget

No description
by

Isabela Mourão

on 10 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Fase do Espelho e Período Sensório-motor de Piaget

Fase do espelho de Lacan e Período Sensório-motor de Piaget O que é Psicologia do Desenvolvimento? A Psicologia do Desenvolvimento Humano é o estudo científico das mudanças e continuidades vividas por indivíduos ao longo do ciclo vital. É uma área de interesse multidisciplinar que possui como objetivos: descrever, explicar e melhorar o desenvolvimento. Contextualização: Jacques Lacan Psicanalista francês.
Forneceu ao homem uma nova forma de pensar sobre si.
Conhecimento essencial para se pensar a evolução do pensamento no século XX.
Sua escrita é dita como complicada de se entender já que utiliza de muitas alusões, citações, trocadilhos. Fase do Espelho de Lacan Introdução:

Trabalho apresentado no Congresso Internacional de Psicanálise de Zurich, em 1949 (escrito em 1936).
Em tal trabalho Lacan busca pensar o narcisismo primário proposto por S. Freud, e ao mesmo tempo fundar uma teoria da Antropogênese do Sujeito Humano. Período da conquista da própria imagem.
Comparação com a figura materna.
Bebê reconhece seu próprio crescimento.
Criança e mãe como um único indivíduo fragmentado:
. Falo da Mãe
. Dependência simbólica Criança é distanciada da mãe → “Nome do Pai”.
Separação e restabelecimento da falta materna e da criança → estrutura neurótica.
Criança não deixa de ser a suplência da falta materna → estrutura psicótica. Piaget e o Período Sensório-Motor Contextualização Jean Piaget:
Jean Piaget nasceu no dia 9 de agosto de 1896, em Neuchâtel, na Suíça. Interessado em saber como o sujeito adquire conhecimento, partindo do pressuposto de que este é gerado através de uma interação do sujeito com seu meio, Piaget propõe sua teoria sobre o desenvolvimento cognitivo no século XX. Piaget propôs uma teoria que descreve como desenvolvimento cognitivo infantil se opera.
Segundo ele a criança passa por estágios mudanças estruturais que são qualitativas ao invés de quantitativas.
Não é possível passar por um período sem ter passado por todos os anteriores. Os quatro períodos são:
1 – Sensório – Motor
2 – Pré – Operacional
3 – Operacional Concreto 4 – Operacional Formal Sensório Motor Do nascimento aos 2 anos de idade: desde reflexos simples à organização por meio de esquemas com o objetivo de interagir com o ambiente. Período dividido em 6 subestágios. 1o Subestágio 2o subestágio 3o subestágio 4o subestágio 5o subestágio 6o subestágio Observam-se muitos comportamentos reflexos e uso de esquemas bastante simples. Reações Circulares Primárias: inicialmente centradas no corpo do bebê, são comportamentos repetidos várias vezes.Permanência do objeto: o objeto desaparecido deixa de existir. Reações Circulares Secundárias: Reações orientadas para o mundo externo, não centradas no corpo do bebê.
Permanência do objeto: O objeto permanece existindo, mas a criança não o procura. Coordenação de Esquemas secundários: a partir de esquemas menores são formados esquemas mais complexos para atingir determinado objetivo.Permanência do objeto: A criança procura o objeto escondido, mas não entende que ele pode mudar de lugar, procurando sempre no local onde o viu pela última vez. Reações Circulares terciárias: fase da exploração da criança. Mini-cientistas.Permanência do objeto: A criança entende que o objeto pode sofrer deslocamento, mas ainda não entende que podem haver movimentos invisíveis, ex: movimentos de locomoção do objeto feitos atrás de uma almofada. Solução de problemas por combinações mentais: tentativa e erro, uso da experiência exploratória do exterior para explorar os processos mentais interiores. Ex: uso de símbolos, solução de problemas mentalmente.
Permanência do objeto: A criança entende a permanência do objeto como algo que não depende de seu próprio corpo para existir, portanto, mesmo que não esteja no seu campo de visão ou que tenha sofrido algum movimento, ela o procura sem grandes problemas.
Assim, o “self” é gradualmente diferenciado do ambiente. A partir dos 18 meses aproximadamente o bebê é capaz de esquematizar mentalmente onde procurar objetos que tenham desaparecido.
No subestágio 4 (de 8 a 12 meses) é comum o bebê cometer um erro chamado Erro A não B, isto porque, nesta fase, o bebê não consegue diferenciar o eu do objeto.
Comparação Os pontos em comum entre a fase do Estádio do Espelho e o Período Sensório – Motor de Piaget: Descrevem o desenvolvimento aproximadamente no mesmo período – entre os seis e dezoito meses.
Em Lacan a criança ( até 18 meses) através de uma experiência de identificação conquista a imagem de seu próprio corpo.
Para Lacan, assim como, para Piaget, a criança não nasce com sua estrutura cognitiva pronta, o que não lhe permite uma compreensão do mundo imediata.
O alcance dessa compreensão, segundo Lacan, se dá na fase do espelho. Já, segundo Piaget, essa compreensão ocorre entre os períodos Sensório-Motor e Pré-Operacional. Em Piaget o bebê recém-nascido constitui-se como um amontoado de reflexos, e aos poucos cria seus esquemas, que constituem o início do desenvolvimento cognitivo, para agir e conhecer o ambiente.Assim, neste processo gradual o bebê percebe as dimensões do seu corpo, assim como explica Lacan no Estádio do Espelho. Referências Bibliográficas:
Papalia, Diane E.; Olds, Sally Wendkos; Feldman, Ruth Duskin. DESENVOLVIMENTO HUMANO. 8°.ed. Porto Alegre. Artmed, 2006.
COLE, Michael; COLE, Sheila R. O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.
CHEMAMA, R. Dicionário de Psicanálise. Porto Alegre, Artes Médicas, 1995
Full transcript