Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Aula 1

No description
by

Gabriela Marsaro

on 11 June 2010

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Aula 1

Fundamentos sobre resíduos Sólidos Tipos de Resíduos Processos de geração e suas características Manejo de Resíduos Poluição dos Solos Política 3R´s Legislação Ementa Gestão de Resíduos Sólidos O que é lixo São restos de atividades humanas, consideradas
pelos geradores como inúteis, indesejáveis
ou descartáveis O conceito de lixo deve ser considerado relativo,
pois o resíduo sem valor ou utilidade para um detentor
pode corresponder a matéria-prima para outros
NBR 10.004 de 2004 Res " Resíduos no estado sólido e semi
sólido, que resultam em atividades da comunidade de origem industrial,
doméstica, de serviços de saúde,
comercial, agrícola, varrição"
Ficam incluídos nessa definição os lodos provenientes de ETA PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS
Falta de local para destinação Aumento da quantidade e
diversidade Problema de Saúde Pública NBR 10.004/04
“Resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades da comunidade de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos d'água, ou exijam para isso soluções técnicas e economicamente inviáveis, em face à melhor tecnologia disponível" Lixo no Brasil 63,6% dos municípios brasileiros utilizam lixões como forma de disposição dos resíduos sólidos urbanos, 18,4% utiliza aterros controlados e 13,8% dispõem os resíduos em aterros sanitários. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB/IBGE), de 2000. Uma das dificuldades existentes no trato do problema está no fato de que os resíduos sólidos apresentam um problema particular, pois percorrem um longo caminho – geração, descarte, coleta, tratamento e disposição final – e envolvem diversos atores, de modo que o tratamento meramente técnico tem apresentado resultados pouco animadores. Gestão de Resíduos Sólidos outra dificuldade são os recursos envolvidos, pois devido ao aumento considerável na produção per capita de resíduos e à aglomeração urbana acelerada que vem se verificando em nossas cidades, são necessários investimentos vultosos para a aquisição de equipamentos, treinamento, capacitação, controle e custeio de todo o sistema de manejo de resíduos sólidos Segundo o SNIS, em 2006, esse número subiu para 0,93 kg.hab/dia.
Algumas cidades, especialmente nas regiões Sul e Sudeste – como São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba –, alcançam índices de produção mais elevados, podendo chegar a 1,3kg/hab./dia
O que fazer para conhecer o lixo? 1 - Caracterização Por que caracterizar? os resíduos possuem diversas naturezas e composições variadas;

Dependem de diversos fatores como:
cultura da população;
renda da população;
número de habitantes;
hábitos e costumes da população;
fatores climáticos, dentre outros.
Geração Per Capita Representa a quantidade de resíduos gerada por cada habitante em um período de tempo específico orientar o planejamento das instalações e equipamentos Deve ser correlacionado aos resíduos urbanos (domiciliar + público + entulho, podendo até incluir os resíduos de serviços de saúde).
Fundamental para se poder projetar as quantidades de resíduos a coletar e a dispor.
Importante no dimensionamento de veículos.
é o termo usado para descrever os componentes individuais contidos nos resíduos e sua distribuição, baseada no percentual de peso;
Para que serve?
Indica a possibilidade de aproveitamento das frações recicláveis para comercialização e da matéria orgânica para a produção de composto orgânico.
De acordo com o IBAM (2001), os resíduos podem ser carac
terizados fisicamente, quimicamente e biologicamente:



Características Físicas Composição Gravimétrica Peso Específico Aparente Teor de umidade Compressividade Características Biológicas Características Químicas Poder Calorífico
Potencial Hidrogeniônico (pH) Composição Química Relação Carbono: Nitrogênio
O que é? Para que serve? o que é? O que é? é o peso do lixo solto em função
do volume ocupado livremente,
sem qualquer compactação,
expresso em kg/m3 Para que serve?
fundamental para o dimensionamento
de equipamentos e instalações Fundamental para o correto
dimensionamento da frota de coleta,
assim como de contêineres e caçambas
estacionárias o que é?
quantidade de água presente
no lixo, medida em percentual
do seu peso Para que serve?
tem influência direta sobre a velocidade
de decomposição da matéria orgânica no
processo de compostagem;
influencia diretamente o poder calorífico
e o peso específico aparente do lixo este parâmetro se altera em função das estações do ano e da incidência de chuvas, podendo-se estimar um teor de umidade variando em torno de 40 a 60%;
O que é?

é o grau de compactação ou a redução do volume
que uma massa de lixo pode sofrer quando compactada Para que serve?

muito importante para o dimensionamento
de veículos coletores,
estações de transferência
com compactação e caçambas
compactadoras estacionárias
submetido a uma pressão de 4kg/cm², o volume do lixo pode ser reduzido de um terço (1/3) a um quarto (1/4) do seu volume original são aquelas determinadas pela população microbiana
e dos agentes patogênicos presentes nos resíduos O que é?

capacidade potencial de um material desprender determinada quantidade de calor quando submetido à queima Para que serve?

influencia o dimensionamento das instalações
de todos os processos de tratamento térmico (incineração, pirólise e outros).

o poder calorífico médio do
lixo domiciliar se situa na faixa
de 5.000 kcal/kg O que é?

indica o teor de acidez ou alcalinidade
dos resíduos;
em geral, situa-se na faixa de 5 a 7
Para que serve?

indica o grau de corrosividade dos resíduos coletados, servindo para estabelecer o tipo de proteção contra a corrosão a ser usado em veículos, equipamentos, contêineres e caçambas metálicas.
O que é?
É a determinação dos teores de cinzas,
matéria orgânica, carbono, nitrogênio,
potássio, cálcio, fósforo, resíduo mineral total,
resíduo mineral solúvel e gorduras Para que serve?
Ajuda a indicar a forma mais adequada
de tratamento para os resíduos coletados.
O que é?

é o grau de decomposição da matéria orgânica do lixo
nos processos de tratamento/disposição final Para que serve?

Fundamental para se estabelecer a qualidade do composto produzido;

em geral, essa relação encontra-se na ordem de 35/1 a 20/1; ao lado das características químicas, permitem que sejam selecionados
os métodos de tratamento e disposição final mais adequados Fundamentais na fabricação de inibidores de cheiro e de aceleradores e
retardadores da decomposição da matéria orgânica presente no lixo II - Classificação Por que Classificar? é fundamental para a escolha da estratégia
de gerenciamento mais viável.
Essas classificações se baseiam em determinadas
características e propriedades identificadas nos resíduos
Os resíduos podem ser classificados de acordo com:


Origem



Composição Química



Natureza Física



Riscos ao Meio Ambiente Domiciliar Comercial Outros originado na vida diária das residências
Restos de alimentos
jornais e revistas, garrafas, embalagens em geral,
papel higiênico, fraldas descartáveis etc
Alguns resíduos tóxicos como: material para pintura (tintas, solventes, pigmentos e vernizes), materiais para jardinagem e animais (pesticidas, inseticidas, repelentes, herbicidas), materiais automotivos (óleos lubrificantes, fluidos de freio e transmissão, baterias) além de pilhas, frascos de aerossóis, lâmpadas fluorescentes.
originado dos diversos estabelecimentos comerciais e de serviços, tais como supermercados, estabelecimentos bancários, lojas, bares, restaurantes etc
forte componente de papel, plásticos;
embalagens diversas;
resíduos de asseio dos funcionários, tais como papel toalha, papel higiênico etc.
Pequeno Gerador de Resíduos Comerciais é o estabelecimento que gera até 120 litros de lixo por dia.
Grande Gerador de Resíduos Comerciais é o estabelecimento que gera um volume de resíduos superior a esse limite Público
RSS
Portos e Aerportos
Terminais Rodoviários
Industrial
Agrícola
Resíduos de Construção e Demolição (RCD)
Orgânicos Inorgânicos orgânicos são composto por pó de café e chá, cabelos, restos de alimentos, cascas e bagaços de frutas e verduras, ovos, legumes, alimentos estragados, ossos, aparas e podas de jardim são composto por produtos manufaturados como plásticos, vidros, borrachas, tecidos, metais (alumínio, ferro, etc.), tecidos, isopor, lâmpadas, velas, parafina, cerâmicas etc. Secos Molhados papéis, plásticos, metais, couros tratados, tecidos, vidros, madeiras, guardanapos e tolhas de papel, pontas de cigarro, isopor, lâmpadas, parafina, cerâmicas, porcelana, espumas, cortiças. restos de comida, cascas e bagaços de frutas
e verduras, ovos, legumes, alimentos estragados, etc. Perigosos Não Perigosos Classe I Podem conter uma ou mais das seguintes propriedades:

INFLAMABILIDADE
CORROSIVIDADE
REATIVIDADE
TOXICIDADE
PATOGENICIDADE
RESÍDUOS CLASSE II-A (NÃO-INERTES):
são aqueles que não se enquadram nas classificações do tipo I ou do tipo
II-B.
Podem ter propriedades, tais como combustibilidade, biodegradabilidade, ou solubilidade em água, com possibilidade de acarretar riscos à saúde ou ao meio ambiente RESÍDUOS CLASSE II-B (INERTES):
quaisquer resíduos que, quando amostrados de forma representativa (NBR 10.007) e submetidos ao teste de solubilização (NBR 10.006), apresentam seus constituintes solubilizados em concentrações inferiores ao padrão de potabilidade de água, excetuando-se os padrões de cor, turbidez e sabor.
III - Quantificação
Amostragem: deve ser representativa, ou seja, a coleta de uma parcela do resíduo a ser estudada que, quando analisada, apresente as mesma características e propriedades de sua massa atual O que interfere na composição do lixo? economia do país Nos países de primeiro mundo nota-se
um aumento nos resíduos passíveis de reciclagem e
a diminuição do desperdício Nos países de baixa renda esses números se invertem, pois não há conscientização da população à respeito da reciclagem
Como calcular a quantidade de lixo? Primeiro passo: Amostragem

Jamais deve ser realizada num domingo
ou numa segunda-feira;
Jamais efetuar determinações de teor de umidade em dias de chuva;
Determinações devem ser feitas de terça a quinta-feira, entre os dias 10 e 20 do mês, para evitar distorções de sazonalidade. Etapas amostragem para análise composição física (IPT, 2000):

Descarregar o caminhão em local previamente escolhido (pavimentado ou sobre lona);
Romper os sacos e homogeneizar
Coletar na pilha resultante 4 amostras de 100 litros (utilizar tambores), 3 nas bases e laterais e uma no topo;
Se houver grande quantidade, proceder ao quarteamento

Determinação do Peso Específico Aparente
Pesar cada um dos latões cheios e determinar o peso do lixo,
descontando o peso do latão;
somar os pesos obtidos;
determinar o peso específico
aparente através do valor da soma obtida, expresso em kg/m³;


Pe: peso da amostra (kg)
volume do recipiente (m³)
Determinação da Composição Gravimétrica

Verificar se existe comprador para o resíduo

Escolher a lista dos componentes que se quer determinar;
espalhar o material dos latões sobre uma lona, sobre uma área plana;
separar o lixo por cada um dos componentes desejados;
classificar como "outros" qualquer material encontrado que não se enquadre na listagem de componentes pré-selecionada;
pesar cada componente separadamente;
dividir o peso de cada componente pelo peso total da amostra e calcular a composição gravimétrica em termos percentuais.
Full transcript