Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ADIÇÃO DE VIDRO MOÍDO EM ARGAMASSA

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ADIÇÃO DE VIDRO MOÍDO EM ARGAMASSA

ADIÇÃO DE VIDRO MOÍDO EM ARGAMASSA
DESENVOLVIMENTO
Materiais utilizados:
cimento CP II – E – 32 (Cauê, Resdil);
areia de rio média (0,2 a 0,6 mm, segundo NBR 7211/23);
cal virgem (tempo de hidratação em água: 24 horas);
água cristalina (sem impurezas);
agregado (vidro moído).

Traço da argamassa convencional:
0,5:2:6, o qual 19,6 kg de cal virgem, 50,96 kg de areia média, 6 kg de cimento e 4,08 litros de água.
Obtidos os traços e preparada as argamassas, as mesmas foram substituidas em formas. Após desenformadas, os corpos de prova vão para tanques de cura úmida onde ficaram por 7, 14 e 21 dias.
Em seguida submetidos a testes de compressão, para verificação de sua resistência.

CALAES, Gilberto Dias. Programa de capacitação de gestores de empresas Mineradoras de agregados para a construção civil: Gestão de negócios bases para a conciliação da produção de agregados com o desenvolvimento urbano sustentável. Disponível em: www.cetec.br/agregados/conteudo/Contribuição%20Gilberto%20Dias%20Calaes.pdf
INTRODUÇÃO
A expansão da população e sua concentração em áreas urbanas, além da complexidade do suprimento de recursos minerais não renováveis, têm gerado conflitos desta atividade mineral com os processos de uso e ocupação do solo (CALAES, 2005).

Segundo John (2000), a reciclagem é uma atividade que razões de ordem prática e econômica vêm motivando desde a antiguidade. Atualmente, a busca por um modelo de desenvolvimento sustentável pode adicionar uma nova dimensão para a reciclagem.
USO DO VIDRO
Segundo a ABIVIDRO (2007), desde 7.000 a.C., sírios, fenícios e babilônios já utilizavam o vidro.

Foi no Antigo Egito, por volta de 1.500 a. C. que o uso do mesmo começou a crescer, utilizado como: joias, adorno pessoal, embalagens para cosméticos, entre outros.
PRODUÇÃO NO BRASIL
Segundo o CEMPRE (2007), o Brasil produz aproximadamente 800.000 toneladas de embalagens de vidro anualmente, mas apenas 27,6% (220,8 mil toneladas) destas embalagens são recicladas. Dos outros 72,4%, parte é descartada.
SUBSTITUIÇÃO
Inicialmente foi estabelecido o traço convencional da argamassa.
Em seguida foram determindas as substituições da areia pelo vidro moído de 10, 20 e 30%.
SUBSTITUIÇÃO 10%
Traço convencional com substituição de 5,096kg de vidro moído por areia.
Traço convencional com substituição de 10,192kg de vidro moído por areia.
SUBSTITUIÇÃO 20%
Traço convencional com substituição de 15,288kg de vidro moído por areia.
SUBSTITUIÇÃO 30%
7 DIAS
14 DIAS
21 DIAS
10%
20%
30%
10%
20%
30%
10%
20%
30%
Centro Universitário de Maringá
Aluno: Carlos Roberto Mendonça Júnior RA: 11009292

Orientador: Waldir Silva Soares Junior.

Curso: Engenharia Civil N.

Título: Adição de Vidro Moído em Argamassa.
RESULTADO
A adição do vidro moído ajudará consideravelmente no aumento da sua resistência a compressão e devido à característica de ter sua permeabilidade muito aproximada do zero, definindo assim diminuição da absorção de líquidos. Não houve nem um estudo de permeabilidade e nem de agressividade química que pode gerar entre vidro e cimento nessa pesquisa.
JOHN, Vanderley M., AGOPYAN, Vahan. Reciclagem de resíduos da construção. Departamento de Engenharia de Construção Civil, Escola Politécnica da USP (PCC USP). In: Anais do Seminário de Reciclagem de Resíduos Sólidos Domiciliares, 2000. São Paulo, 2000.
ABIVIDRO. Disponível em: http://www.abividro.org.br/.
CEMPRE. Vidros: o mercado para reciclagem. Disponível em:
http://www.cempre.org.br/fichas_tecnicas.php?lnk=ft_vidro.php.

REFERÊNCIAS
OBRIGADO!!
Full transcript