Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Pós-Colonialismo

SEM I Bruna, Laura, Gustavo e Paola
by

Iara Maria Nicolau

on 4 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Pós-Colonialismo

Por que não há uma teoria não-ocidental das Relações Internacionais?
Amitav Asharya e Barry Buzan
Barry Buzan e Richard Little
Shahrbanou Tadjbakhsh
Pós-Colonialismo
Thomas Kwasi Tieku
Seminários em Relações Internacionais I
Bruna Troirinho, Gustavo Manduré, Laura Lorenzi e Paola Nicolau
04.05.2015
Prof.º Dr.º Igor Castellano da Silva
Uma Introdução
Pergunta de Pesquisa
Por que não há uma teoria não-ocidental de Relações Internacionais e o que pode ser feito para mitigar essa situação?
Hipóteses
Os autores acreditam que a teoria de R.I. não é inerentemente ocidental, mas é um domínio aberto no qual não é irracional esperar não-ocidentais fazer uma contribuição ao menos proporcional ao meio no qual eles estão envolvidos na prática.
Objetivo-geral
Objetivos-específicos:
Que outras pessoas se inspirem nos autores e também busquem respostas às perguntas, levantadas no âmbito asiático, para outras regiões.
introduzir as teorias não-ocidentais às Relações Internacionais ocidentais;
desafiar estudiosos não-ocidentais a quebrar a dominância teórica ocidental.
Justificativas para a dominância do Ocidente:
as teorias de R.I. ocidentais descobriram o caminho certo para entender as R.I.;
as teorias de R.I. ocidentais adquiriram o status hegemônico Gramsciano (consenso e coerção);
as teorias de R.I. não-ocidentais existem, mas estão escondidas;
condições locais prejudicam (discriminam) a produção teórica de R.I..
Teoria das Relações Internacionais e a visão islâmica
História mundial e o desenvolvimento da teoria não-ocidental das Relações Internacionais
Cosmovisão coletivista: seu desafio para as Relações Internacionais
Pergunta de Pesquisa
Hipóteses
Objetivo-geral
Objetivos-específicos:
Heurística Positiva
Deficiências metodológicas:
Pergunta de Pesquisa
Hipóteses
Objetivo-geral
Objetivos-específicos:
Objetivos-específicos:
Objetivo-geral
Pergunta de Pesquisa
Hipóteses
Cosmovisão Coletivista
Como progredir com as teorias de Relações Internacionais?
Construídas a partir de uma perspectiva histórica mundial não- ocidental, pois as teorias ocidentais de R.I são cronicamente subdesenvolvidas.
Delinear a direção tomada na história mundial e recorrer à Escola Inglesa para ilustrar os problemas a partir da defesa do eurocentrismo de Bull.
• reafirmar a importância da história mundial com o propósito de desenvolver as R.I;
• sugerir que teóricos não-ocidentais desempenhem papel fundamental no desenvolvimento de uma perspectiva histórica das R.I..
Para progredir precisa ser descoberto mais sobre a história das R.I nas diferentes regiões não-ocidentais.
presentismo;

ahistoricismo;

eurocentrismo;

anarcrofilia;

Estado-centrismo.

Quais são os desafios que a cosmovisão coletivista impõe para as Relações Internacionais africanas?
Demonstrar a predominância da cosmovisão individualista - dentro da comunidade acadêmica de língua inglesa das R.I. - e incluir vozes e experiências do Sul nos debates.
explicar e contextualizar a cosmovisão individualista e coletivista;

mostrar como a cosmovisão coletivista é a base da política externa africana.

No sistema internacional, as perspectivas coletivistas da África têm incentivado a tomada de decisão consensual, promovida por um pensamento de grupo gerado pela norma de solidariedade Pan-Africana.
O autor afirma que a política externa africana é moldada pela visão coletivista, a partir de um apanhado histórico, e que o uso da ontologia individualista marginaliza as experiências provenientes da África.
Nas sociedades coletivistas, pessoas e Estados não são entidades independentes e sim membros de um grupo movido pela solidariedade.
Como a visão de mundo islâmica pode influenciar a teorização das Relações Internacionais?
Demonstrar como a teoria islâmica fundamenta-se de maneira distinta das teorias ocidentais de Relações Internacionais.
pluralizar os debates de teóricos de R.I.;

demonstrar as diferentes origens do pensamento de R.I. islâmico;

modernização da teoria de R.I. islâmica a partir da globalização.
Os autores propõe fontes distintas para a teoria de R.I. islâmica, defendendo uma abordagem jurisprudencial e uma epistêmica.
Teoria Islâmica
Uma TRI islâmica se diferencia na sua essência das abordagens ocidentais;
o debate é mais dinâmico do que meramente reacionário;
a Teorização pode ser melhor entendida através das abordagens construtivistas e críticas na TRI.
O mundo islâmico precisa de uma análise detalhada não apenas como uma região onde ocorrem as RI, mas como uma zona de cultura.
Full transcript