Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

USINAS DE ASFALTO

No description
by

Claudinei Mota Pinheiro

on 15 October 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of USINAS DE ASFALTO

Usina de asfalto
Silos alimentadores
dentro do Secador
O secador do tipo contra fluxo tem características que garantem uma produção efetiva de massa asfáltica homogênea com secagem extremamente eficiente. Isso evita que a umidade residual chegue ao misturador, oxidando o asfalto e prejudicando suas propriedades. O calor é aplicado gradativamente aos agregados, resultando em alta eficiência de troca térmica. A secagem em contra fluxo gera melhor aproveitamento da energia, economizando combustível.
Queimador
O queimador pode ser abastecido com óleos leves e pesados e/ou gás (GLP ou Gás Natural). Utiliza um eficiente controle de mistura, no qual a relação da mistura ar e combustível pode ser ajustada de forma automática ou manual.
Sistema de peneiras
Além dos controles iniciais de dosagem de materiais na entrada, as usinas gravimétricas possuem um sistema composto por peneiras vibratórias para classificação granulométrica, que classificam e separam os agregados em diferentes tamanhos. Com vibração variável, o processo permite o descarte de material fora de padrão e pode conter sistema de adição de filtros, polímeros e fibras, além de pesagem e separação de finos.
Filtro de mangas
Para qualificar a purificação de gases de exaustão da usina e atender as normas de proteção ambiental, é usado um sistema exclusivo com filtro de mangas plissadas. Construídas em forma de cartucho, as mangas plissadas possuem área filtrante cinco vezes superior às mangas lisas tradicionais, possibilitando a construção de uma usina portátil com alta eficiência na retenção de material particulado e de grande estabilidade operacional mesmo em alta produção.
Silos quentes
Nos silos de alimentação a dosagem dos materiais é controlada de forma automática por meio de moto redutores elétricos e variadores de velocidade em cada uma das correias dosadoras. Cada silo possui correia individual. O controle de dosagem, independente, é realizado por meio de conversores de frequência em forma automática.
Misturador Pug-Mill
Com controle total de tempo, o misturador do tipo Pug-Mill realiza a mistura dos agregados com o CAP. O misturador externo do tipo Pug-Mill é constituído por uma grande caixa metálica com tampas superiores móveis, aquecida pela circulação de óleo térmico que mantém a temperatura da mistura durante do processo; mais dois eixos paralelos, que giram em sentido oposto, com braços, aletas e proteções internas construídos em aço de alta resistência. O acionamento é realizado diretamente por dois moto redutores, sincronizados por duas caixas de redução angulares.
Agora vamos assistir um vídeo da Ciber onde mostra um funcionamento de uma usina de asfalto desde a alimentação ate a finalização do produto acabado.
Arquitetura do Sistema:

Em cada correia extratora dos silos de agregados é instalada uma ponte de pesagem conectada ao seu microprocessador Bextra 8032, com indicação individual de vazão e acumulado. Os microprocessadores são interligados a um microcomputador tipo PC que executa o gerenciamento através do software SGDD-US - Automação Usina Asfalto. Após a seleção da dosagem o monitoramento é automático dos percentuais da dosagem de cada agregado, asfalto e aditivos. O monitoramento é realizado através de tela sinótica e são disponibilizados diversos controles e relatórios.
Apresentação da atividade de Introdução a engenharia

Equipe:

Claudinei Mota Pinheiro
Kesio Daniel Espíndola Marques
Gilvan da Silva Mourão


FIM
Albert Einstein nasceu na Alemanha em 14 de março de 1879 e faleceu em Princeton, dia 18 de abril de 1955 foi um físico teórico alemão, posteriormente radicado nos Estados Unidos, que desenvolveu a teoria da relatividade geral, um dos dois pilares da física moderna, ao lado da mecânica quântica.
Embora mais conhecido por sua fórmula de equivalência massa-energia, E=mc2 (que foi chamada de "a equação mais famosa do mundo"), ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1921 "por seus serviços à física teórica e, especialmente, por sua descoberta da lei do efeito fotoelétrico". O efeito fotoelétrico foi fundamental no estabelecimento da teoria quântica.
Filho de Hermann Einstein, vendedor e engenheiro, e de Pauline Einstein. Os Einstein eram judeus não praticantes. Albert estudou em uma escola elementar católica, a partir dos cinco anos de idade, durante três anos. Com oito anos de idade foi transferido para o Ginásio Luitpold (atualmente conhecido como o Ginásio Albert Einstein), onde teve educação escolar primária avançada e secundária, até que ele deixou a Alemanha sete anos depois. Em 30 de abril de 1905, Einstein terminou sua tese, com Alfred Kleiner, professor de física experimental, como orientador legal. Einstein obteve o título acadêmico de doutor pela Universidade de Zurique, com a tese "Uma nova determinação das dimensões moleculares".
No mesmo ano, ele publicou quatro trabalhos revolucionários sobre o efeito fotoelétrico, o movimento browniano, a relatividade espacial e a equivalência entre massa e energia, que o levariam ao conhecimento do mundo acadêmico. Em 1908, ele já era reconhecido como um importante cientista e foi nomeado professor na Universidade de Berna. Em 1911, ele calculou que, com base em sua nova teoria da relatividade geral, a luz de uma estrela seria curvada pela gravidade do Sol. Essa previsão foi dada como confirmada em observações feitas por uma expedição britânica liderada por Sir Arthur Eddington, durante o eclipse solar de 29 de maio de 1919.
Em 1921, Einstein foi agraciado com o Prêmio Nobel de Física por sua explicação do efeito fotoelétrico, pois a relatividade era considerada ainda um tanto controversa. Ele também recebeu a Medalha Copley da Royal Society em 1925. Em 17 de abril de 1955, Albert Einstein sofreu uma hemorragia interna causada pela ruptura de um aneurisma da aorta abdominal,  Einstein recusou a cirurgia, dizendo: "Quero ir quando eu quiser. É de mau gosto ficar prolongando a vida artificialmente. Eu fiz a minha parte, é hora de ir embora e eu vou fazê-lo com elegância". Ele morreu cedo na manhã seguinte no Hospital de Princeton, com 76 anos de idade, tendo continuado a trabalhar até quase o fim de sua vida. Os restos de Einstein foram cremados e suas cinzas espalhadas em um local não revelado.
CRIATIVIDADE
A ARTE DA ENGENHARIA
ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO
A visão que o público leigo tem dos vários ramos profissionais De forma geral, o engenheiro é tido como um indivíduo frio e calculista, dedicado apenas a assuntos técnicos e a problemas práticos específicos. Com soluções miraculosas para qualquer problema que lhes é apresentado. Muitos também imaginam que para todos os problemas da engenharia existem técnicas de solução próprias e fórmulas prontas que, convenientemente aplicadas, resolvem qualquer questão.

O engenheiro é um profissional criativo, usa e precisa usar criatividade para resolver seus problemas técnicos e não se pode imaginar que a criatividade dependa apenas de estudos científicos. A engenharia é uma mescla complexa e sutil de ciência, técnica, arte, experiência, bom senso...

Engenharia = ciência + técnica + arte + experiência + bom senso
É neste momento que o engenheiro deve desenvolver e liberar a sua criatividade de forma mais intensa, para poder gerar quantidade, qualidade e diversidade de soluções. Durante o desenvolvimento de um projeto, - uma etapa em que a criatividade é particularmente importante é a fase da concepção de soluções, pois nesse momento quantidade, qualidade e diversidade de ideias serão de grande utilidade.

Criatividade = quantidade + qualidade + diversidade de ideias
Podemos partir de alguns princípios: a) criatividade pode se entendida como a habilidade de criar ideias; b) criatividade - pode ser aprendida e aperfeiçoada; c) uma forma de desenvolvermos o nosso potencial criativo é conhecer as barreiras que o afetam - para tentar evitá-las - e aplicar técnicas reconhecidamente eficazes para ativá-lo.
Muitos aspectos têm relação direta com o grau de criatividade de uma pessoa. Identificá-los e procurar ampliar as suas próprias fronteiras é um excelente início para desenvolver a capacidade criativa. Em linhas gerais, podemos identificar quatro desses aspectos: conhecimento, esforço exercido, aptidão e método empregado.
CONHECIMENTOS. Os conhecimentos constituem uma das mais significativas bases para a geração de soluções. Quanto maior o acervo de conhecimentos, mais ampla será a fonte de informações; dessa forma, maiores serão as nossas chances de gerar ideias

ESFORÇO EXERCIDO. Apenas com a aplicação do esforço pessoal é difícil obter boas soluções. Entretanto, este particular poderá complementar as demais características. A perseverança é um fator decisivo no processo de projeto. Devemos lembrar que qualquer pessoa pode aumentar o seu esforço num trabalho até quando quiser.

MÉTODO EMPREGADO. Um método é um caminho ao longo do qual podemos chegar ao ponto desejado. Neste momento, basta lembrarmos que é importante o emprego de um método na procura de soluções, pois isso pode auxiliar em muito a criatividade, despertando e sistematizando a busca e economizando tempo com a eliminação de tarefas desnecessárias.
APTIDÃO. Embora seja controverso afirmar que determinadas pessoas sejam "talhadas" para alguma profissão, é mais ou menos um consenso afirmar que umas parecem ter mais aptidão que outras para certas atividades - atletismo, música ou vendas, por exemplo. Quem atua num campo em que tem "reconhecida aptidão", ótimo, pois isso poderá ter reflexos excelentes no seu trabalho. Se alguém, por gostar de determinada área, sempre se colocou como observador atento dos seus respectivos processos de solução, certamente, mesmo sem alguns conhecimentos científicos para explicar o porquê do acontecimento de certos fenômenos, poderá fazer uso de seus princípios para solucionar problemas em que eles aparecem. A aptidão tem muito a ver com o aprendizado empírico.
O PROCESSO CRIATIVO

O fato é que muitas das soluções mais criativas surgem por meio de um processo lento e intencional, que pode ser cultivado e aprimorado pelo estudo e pela prática. Durante todo esse processo, um bom hábito é anotar as ideias desenvolvidas. Em primeiro lugar porque ideias não registradas perdem-se com facilidade, e, uma vez esquecidas, dificilmente podem ser recuperadas. Em segundo lugar, porque anotações podem ser de extrema utilidade para novos estudos. E fundamental, portanto, estarmos atentos à rapidez com que costumamos esquecer das coisas. Quando tentamos recuperá-la, se não a registramos, tudo que lembramos dela são, muitas vezes, apenas traços vagos. O mais importante, a própria ideia, desapareceu. Em linhas gerais, podemos sintetizar o processo criativo através de alguns passos: preparação, esforço concentrado, afastamento do problema, visão da ideia, revisão das soluções.

ligante (CAP)
Os componentes pétreos, o ligante (CAP) – medido pela balança própria e possíveis aditivos chegam juntos no misturador. O sistema controla o tempo de mistura; terminado o processo, o concreto betuminoso usinado a quente é direcionado para silos de armazenamento ou descarregado diretamente no caminhão para a pista.
Painel de Controle
Secador
Correias dosadoras

Dispostos em linha e com isolamento térmico, sensores de carga e portas de inspeção, os silos quentes são responsáveis por estocar (por curto espaço de tempo, somente para dosagem) os agregados previamente separados. Possuem comportas controladas pela balança de agregados, por meio de válvulas pneumáticas.
Balança de agregados
A balança recebe os agregados vindos dos silos quentes, dosados pelas comportas. A balança controla as comportas dos silos quentes e recebe os agregados. O sistema, com sensores eletrônicos, trabalha de forma a integrar as quantidades necessárias de cada material. Quando a quantidade está completa, todo o agregado é descarregado no misturador.
Painel de controle
Full transcript