Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Semiótica da Cultura

No description
by

Karen Menezes

on 7 April 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Semiótica da Cultura

Ferdinand de Saussure
Semiótica da Cultura
Linguística
Semiótica da Cultura

Origem
A semiotica da cultura foi desenvolvida por pesquisadores da união soviética. Era comandada
predominantemente pelo partido comunista.
O país vivia o período da Guerra Fria contra
os EUA, que pendurou por 46 anos.
Objetivo
Essa corrente abrange os aspectos sociais, filosóficos, tecnológicos e todo os demais que tem influencia sobre a cultura de um grupo social.
Yuri Lotman
Professor e Historial cultural.
Conceitos centrais da semiótica da cultura
Linguística
A linguística se interessa por todas as manifestações das linguagens humanas. Como toda a ciência, ela baseia-se em observações conduzidas através de métodos, com fundamentação em uma teoria. O linguista quer descobrir como a língua funciona, estudando várias dessas línguas, de forma empírica, dando preferência às variações populares faladas em diversas comunidades. A linguística divide-se em alguns ramos:
Doutrina Saussuriana
Ferdinand de Saussure
Foi um grande linguísta e filósofo.
Em 1960 virou uma disciplina da escola de Tártu - Moscou(ETM), liderada por Yuri Lotman.
Segundo os estudiosos da ETM(Escola de Tártu -Moscou) a definição da cultura consiste em um conjunto de informação em que os membros de um determinado grupo social adquirem e passam para os demais membros em forma de religião, arte, leis e etc.
Yuri Lotman
Seus estudos estão centrados nos mecanismos
de "automodelação cultural".
Modelizar é compreender a signicidade dos objet0s culturais.
Para ele o conceito de cultura é um
conjunto de sistemas, ou seja,
códigos culturais.
sistemas modelizantes primários:
a lingua natural
sistemas modelizantes secundários:
sistemas culturais
Códigos Culturais
Códigos Culturais
Conjuntos de características que ajudam
a identificar determinado tipo de cultura
Cultura
Tudo que resulta da criação humana
Gênero
Pode ser usado como sinônimo
de sexo, diferenças sociais.
Língua
Sistema linguístico de determinada
sociedade usado para a comunicação
Linguagem
Sistema de signos que servem para a
comunicação e expressão de ideias e
sentimentos
Defendia que a linguistica deveria ser uma
ciencia que pudesse ser estudada e a entendia
como um ramo da ciencia mais geral dos
signos, que ele chamou de Semiologia.
É uma teoria geral dos signos, da qual a linguística seria uma parte privilegiada. Designa a ciência dos sinais, isto é, a ciência que estuda os signos dentro da sociedade.
Semiologia
Exemplos: Uma casa, um automovel, uma peça de roupa, comunicam um significado social, cultural, constituindo por isso objetos semióticos.
A doutrina Saussuriana são os ensinamentos de Saussure. Entre eles estão os signos linguísticos que constitui-se de dois aspectos básicos: o significante e o significado, os quais formam um todo.
Significante
É a interpretação. O som ou as letras.
Significado
É a forma, o conceito.
Universidade de Genebra
Entre os anos de 1907 e 1910, Saussure ministrou três cursos sobre linguística. Em 1916, três anos após sua morte,
dois de seus alunos juntaram todas as anotações que tinham de sua aula e publicaram o livro "Cours de
Linquistique Générale"(Curso de Linguística Geral). No livro é apresentado diversos conceitos que serviram
de base para o desenvolvimento da linguística moderna. Entre eles, estão as dicotomias:

Língua x Fala
Entre dois elementos há uma diferença que os demarca: enquanto a
língua
é concebida como um conjunto de valores que se opõem uns aos outros e que esta inserida na mente humana como um produto social, razão pela qual é homogênea, a
fala
é considerada como um ato individual, pertencendo a cada indivíduo que a utiliza.
Significante x Significado
O signo linguistico se compõe de duas formas: a do significado - relativa ao conceito, isto é, à imagem acústica, e a do significante - caracterizado pela realização material de tal conceito, por meio de fonemas(menor unidade sonora) e letras. Porém, sob a visão Saussuriana, nada existe no conceito que o leve a ser denominado pela sequência de fonemas, fato esse que bem se comprova pelas diferenças existentes entre as línguas, visto que um mesmo
significado
é representado por diferentes
significantes
. Exemplo:
cachorro
(português)
;
dog
(inglês)
;
perro
(espanhol)
;
chien
(francês)
e
cane
(italiano)
.
Sintagma x Paradigma
Na visão de Saussure, o sintagma é a combinação de formas mínimas numa unidade linguística superior, ou seja, a sequência de fonemas se desenvolve numa cadeia, em que um sucede ao outro, e dois fonemas não podem ocupar o mesmo lugarnessa cadeia. Enquanto que o paradigma para ele se constitui de um conjunto de elementos similares, os quais se associam na memória, formando conjuntos relacionados ao significado (campo semântico). Como o autor mesmo afirma, é o banco de reserva da língua.
Sincronia x Diacronia
Saussure, por meio dessa relação dicotômica retratou a existência de uma visão sincrônica
(o estudo descritivo da linguística em contraste à visão diacrônica)
estudo da linguística histórica, materializado pela mudança dos signos ao longo do tempo. Tal afirmação, dita em outras palavras, trata-se de um estudo da linguagem a partir de um dado ponto do tempo
(visão sincrônica)
, levando-se em consideração as transformações decorridas mediante as sucessões históricas
(visão diacrônica)
, como é o caso da palavra
vosmecê
,
você
,
ocê
,

,
vc
.
Roman Jakobson
Roman Jakobson
Se tornou em um dos maiores linguistas do século XX. É considerado o pioneiro da análise cultural. Para Jakobson, é o código que suporta todo o processo comunicativo. Sem um código comum não há comunicação efetiva. Ele sustentou a tese de que não há razão para separar literatura e linguística.
"Se a primeira constitui a arte da criação verbal, a segunda é, por excelência, a ciência encarregada de estudar a linguagem verbal, em todas as suas manifestações."
O Poeta da Linguística
Foi chamado de
"o poeta da linguística"
por Haroldo de Campos
(poeta e tradutor brasileiro)
, sendo o criador das famosas funções de linguagem
(recursos de ênfase que atuam segundo a intenção do produtor da mensagem)
, entre elas figurando a função poética, e tendo feito estudos sobre famosas obras e entre elas "O Corvo", de Edgar Allan Poe.
Jakobson encontrou na obra de Edgar Allan Poe, um terrerno privilegiado para expor suas investigações. Dentre as inúmeras engenhosas figurações de som-sentido(consecução do sentido no desenho material do som) que Jakobson evidencia no tecido do poema, cumpre por em evidência aquela que se tornou célebre por seu caráter exemplar dos procedimentos poéticos utilizados por Poe. O Corvo (Raven) repete, ao longo do poema, no lamento monótono do refrão, a expressão Nunca Mais(Never More). Ora, Raven(RVN), demonstra Jakobson, é a inversão fonológica perfeita de Never(NVR). Nessa medida, a palavra Never, desolado refrão que o pássaro repete, constitui numa imagem invertida da própria palavra Raven(Corvo). O corvo não podia dizer outra coisa, senão virãr seu próprio nome pelo avesso.
O Corvo
Função da Linguagem
Jakobson, no ambiente do circulo Linguístico de Praga, dedicou-se ao estudo de temáticas variadas, dentre elas, as funções das unidades linguísticas ou, como são mais conhecidas, as funções da linguagem. O linguista buscava compreender a finalidade com que a língua é utlizada, ou seja, a sua função na comunicação estabelecida entre o remetente (falante/codificador) e o destinatário (ouvinte/decodificador). O linguista russo, elaborou estudos acerca das funções da linguagem, os quais são muito úteis para a análise e produção de textos. As seis funções são:
Função Emotiva
É aquela centralizada no emissor, revelando sua opinião, sua emoção. Nela prevalece a primeira pessoa do singular, interjeições e exclamações. O leitor sente no texto a presença do emissor.
É usada nas biografias, memórias, poesias líricas e cartas de amor.
Função conativa
É aquela que centraliza-se no receptor. O emissor procura influenciar o comportamento do receptor. Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de tu e você, ou o nome da pessoa, além de vocativos e imperativos.
É usada nos discursos, sermõe e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor.
Função Referencial

Fatores Constitutivos
Os fatores constitutivos pertecem ao ato de comunicação verbal. Como fatores constitutivos, o linguista apresenta:
Contexto
Remetente
Mensagem
Destinátario
Código
Canal
Roman no Brasil

Roman veio ao Brasil em 1968 e deixou consideráveis contribuições ao contexto brasileiro, conforme relata Boris Schnaiderman: "A obra de Jakobson é agora inseparável de nossa cultura, muita coisa que se fez e se pensou nesses anos tem a ver com a existência deste sábio jovial e irrevente, deste homem de ciência e artista, 'o poeta da linguística', como definiu Haroldo de Campos. Todos nós, que tivemos contato com ele, saímos enriquecidos, marcados inconfundivelmente pela sua presença"(SCHNAIRDERMAN, 1985, p 3-a).
A partir desse acontecimento, a Teoria da Comunicação, proposta por Jakobson, começou a circular, de modo mais intenso, na esfera acadêmica, nos documentos legais, passando a constituir um dos aspectos organizadores do ensino de Língua Portugesa.
Bibliografia
Grupo
FIM!
http://conversadeportugues.com.br/2012/06elementosefuncoes/

http://www.portugues.com.br/redacao/funcao-poetica.html

http://www.estudosdalinguagem.org/ojs/index.php/estudosdalinguagem/article/viewFile/215/331

https://www.algosobre.com.br/gramatica/funcoes-da-linguagem.html

http://conhecendoomundodasletras.blogspot.com.br/2013/05/linguistica-linguistica-e-concebida.html

http://www.portalentretextos.com.br/colunas/recontando-estorias-do-dominio-publico-f-b/roman-jakobson,236,8146.html

Irene Vitória Caldeira De Souza 20439875
Gabriela Oliveira 20471675
Gabriel Vieira Alves 20447296
Karen Caroline de Paiva Menezes 20431595
Pedro Alexandre Alves Da Silva 20464430
Rodrigo Lopes Frias 20478313
Tales Ali Younes Issa 20435735
É o objeto ou a situação de que a mensagem trata. A função referencial privilegia justamente o referente da mensagem, buscando transmitir informações objetivas sobre este.
É usada nos textos de caráter científico e é privilegiado nos textos jornalísticos.
Função Poética
É aquela centralizada na emissão de uma mensagem elaborada de maneira inovadora,
É encontrada predominantemente na linguagem literária, sobretudo na poesia.
Função Metalinguística
Quando a linguagem se volta sobre si mesma, transformando-se em seu próprio referente, ocorre a função metalinguística.
Função Fática
A palavra fático significa “ruído, rumor”. Foi utilizada inicialmente para designar certas formas usadas para chamar a atenção (ruídos como psiu, ahn, ei). Essa função ocorre quando a mensagem se orienta sobre o canal de comunicação ou contato, buscando verificar e fortalecer sua eficiência.
Fonética
Estudo encarregado de analisar o som no momento em que este soa para formar a palavra e por isso confere a este características distintas para que seja feita sua classificação.
Fonologia
Encarrega-se de explicar, a partir dos sons básicos da língua, a identidade de suas partículas sonoras, logo a fonologia permite a identificação dos sons da voz que são emitidos pelo aparelho humano.
Morfologia
A estrutura de estudo que analisa a formação das palavras chama-se morfologia. Este estudo ocorre entre o aspecto formal e interno dos enunciados e pode ser chamado de análise formal. A partir do estudo da norma culta ou padrão a morfologia identifica possíveis ocorrências nestas estruturas de formação e contribui para a evolução do sentido dos enunciados.
Sintaxe
Estuda as regras e suas aplicações, além de identificar a ordem dos componentes e como estes aparecem na formação e composição das frases ou enunciados.
Semântica
Por Semântica entende-se a união de determinadas unidades menores e constituintes de uma língua que tem por fim a construção de unidades de enunciação maiores de escrita e comunicação.
Lexicologia
Lembra léxico, vocabulário de um idioma, por exemplo, a Língua Portuguesa possui seu léxico e, portanto, a lexicologia é a responsável por descrever o seu uso e sentido dentro da lexicografia- ramo que elabora dicionários, enciclopédias e demais obras que identificam a língua falada no Brasil.
Estilística
A língua possui características peculiares às quais pode-se dar o nome de poder de expressão ou, ainda, capacidade de provocar sensações dentro de um determinado contexto comunicativo e a Estilística encarregar-se-á de trazer essas respostas dentro dos conceitos linguísticos.
Pragmática
Estuda a linguagem em sua situação real de comunicação, ou seja, no momento de formação do enunciado. O locutor e o interlocutor são elos principais para que ocorra a interação linguística de acordo com os conceitos pragmáticos.
Filologia
Disciplina que estuda textos antigos ou do passado. Busca explicá-los de forma que ocorra a interligação entre os aspectos diacrônicos, sincrônicos,linguísticos e situacionais de comunicação.
Full transcript