Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Análise Semiótica de Matisse

Trabalho da disciplina de Semiótica do semestre 2012.1
by

Juliana Abrantes

on 4 December 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Análise Semiótica de Matisse

Análise Semiótica:
Matisse Grupo:
Bruna Bezerra
Emilly Sousa
Fabíola Cordeiro
Juliana Abrantes -É considerado um dos mais importantes pintores franceses do século XX.
-Foi um dos líderes do movimento fauvista.
-Começou com cores vibrantes e depois voltou-se para Cézanne, o qual admirava pelo estilo.
-Matisse acreditavaa que os artistas tinham que ter olhos de criança, sempre olhar como se fosse a primeira vez.
-Sua arte baseia-se no método em que consiste abordar separadamente cada elemento da obra (desenho, cor, composição) e juntá-los em uma síntese, sem que a presença de um seja diminuída pela presença dos outros. Henri Matisse (1869-1954) -As linhas e as cores devem nascer impulsivamente e traduzir as sensações elementares, no mesmo estado de graça das crianças e dos selvagens. -Segundo Matisse, pretendia-se com o fauvismo “uma arte do equilíbrio, da pureza e da serenidade, destituída de temas perturbadores ou deprimentes”.
-É uma corrente artística do início do século XX, tendo como uma das características a busca da máxima expressão pictórica.

-Criar é seguir os impulsos do instinto, sensações primárias

-A cor pura deve ser exaltada Fauvismo -Pincelada violenta, espontânea e definitiva.
-Colorido brutal, pretendendo a sensação física da cor que é subjetiva, não correspondendo à realidade.
-Uso exclusivo das cores puras, como saem das bisnagas.
-Pintura por manchas largas, formando grandes planos. Características da pintura fauvista *Primeiridade:
-Disponibilidade contemplativa: momento em que a pessoa está de frente para o quadro, sentindo os efeitos que a imagem está causando como as cores vibrantes, linhas superfícies, formas, luzes, complementaridades e contrastes.
-Demorar-se tanto quanto possível sob o domínio do puro sensível. Experiência fenomenológica *Secundidade:
-Observar atentamente a situação comunicativa em que a pintura nos coloca.
-A experiência de estar aqui e agora diante de algo que se apresenta na sua singularidade. *Terceiridade:
-Generalizar o particular em função da classe a que ele pertence.
-Formar um pensamento a partir das qualidades e singularidades percebidas. *Signo: pintura
-O primeiro fundamento do signo está nas qualidades que ele exibe: quali-signo

*Quali-signos:
-A exuberância da cor, chapada e pura.
-Linhas negras sobre o vermelho que rebatem nas linhas vermelhas sobre o amarelo.
-O elemento mais marcante na pintura depois das cores dominantes são os traços diagonais negros em ziguezague.
-Na metade superior direita da tela há um feixe de pinceladas coloridas com ênfase no verde, o que salta a vista. Fundamentos sígnicos da pintura *Sin-signo:
-A realidade do quadro como quadro.
-É importante nos darmos conta de que não estamos, de fato, diante de um quadro, mas de uma reprodução de um quadro.
-Por ser uma reprodução, perde as características originais. *Legi-signo:
-Pertencente à classe das pinturas.
-No universo das pinturas, pertence à classe das pinturas a óleo.
-Enquadra-se na classe das pinturas modernas e, no interior dessa classe, no gênero fauvista. -As imagens na pintura são ambíguas.
-A porta poderia ser uma janela.
-Uma vez que o poder representativo fica no nível de pura sugestão, a pintura acaba por chamar atenção para si mesma como pintura.
-Qualidades internas: icônico Relação signo com seu objeto *Indexicalidade interna:
-Tudo o que está na pintura.
-Relação da pintura com o título: Interior vermelho, natureza-morta sobre mesa azul.
-Quadro pertencente a série Interiores Vermelhos. *Indexicalidade externa:
-O modo de compor traz as marcas de autoria de Matisse.
-As cores indicam o período diurno.
-As maçãs indicam outras maçãs em um outro quadro.
-O interior também indica outras pinturas de interiores. Símbolos -Convenções da arte moderna
-Forma de pintar de Matisse, características que indicam que o quadro é dele
-Elementos culturais Os objetos no “Interior Vermelho” *Objeto imediato
-Aspecto icônico
-Aspecto indicial
-Aspecto simbólico

*Objeto dinâmico
- História da pintura
- Natureza-Morta Interpretantes no “Interior Vermelho” *Interpretante imediato:
-Todos os efeitos que o signo está apto a produzir no momento em que encontrar um intérprete
-Predomina as sensações
-Jogo de Planos
-Emocional *Interpretante dinâmico:
-Lógico
-Dependente do repertório/conhecimento do intérprete
-Empregado na análise semiótica *Interpretante final:
-As possibilidades que a pintura ainda poderá despertar no futuro
-Interpretante em aberto Cézanne -“Pai” de Matisse
-Ressaltava o volume, o peso e a cor dos objetos
-A captação da forma mais importante que o ambiente atmosférico
-Ponte entre o impressionismo e o cubismo
-Natureza-morta
Full transcript