Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Apresentação curso prática de pesquisa I

PPGAS-UFG 2012
by

Rodrigo Azócar

on 21 September 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Apresentação curso prática de pesquisa I

Antropologia no Brasil Mariza Peirano Formada en CCSS (UFRJ)
Mestre Antropologia (UNB)
Ph.D. Anthropology (Harvard U.)
Post.Doc. M.I.T. "A alteridade em contexto:
a antropologia como ciencia social no Brasil" Universidade de Brasilia, 1999 "O Problema" "Orientação Geral" "Exotismo e tipo ideal" O caso do Brasil "A alteridade radical" "Contato com a alteridade" "A alteridade próxima" "A alteridade minima" "O caso da Índia" Alteridade em contexto Dimensão da alteridade mudou (Aspecto fundamenta da Antropologia)
Brasil caso etnográfico privilegiado
Alteridade radical no caso indígena (até anos ´50), Alteridades amenizadas até alteridade mínima.
(BRA) A diferença cultural pode assumir para os proprios antropologos uma pluridade de noções. (Radical, longe/diferenças relativas). Idea chegou e instaló em 3 décadas.
Ultima década (Indígena, camponesas, urbanas, afrobrasileras, gênero/sexualidade, outras) som exigências de qualidade para Deptos. Antropologia.
Ensaio foco em este periodo.
Procura focalizar em configuração típico/ideal de antroólogos brasileros.
Ângulo de visão do antropologia no plural. Uma disciplina pode ter o meso nome em diversos momentos sem que tenha o mesmo conteúdo ou mesmo objetivo.
Historia da disciplina é possível com a história das disciplinas vizinhas.
O enfoque de uma disciplina pode ser desenvolvido não só por especialistas.
(BRA) as CCSS foram reconhecidas socialmente quando o país passou a se considerar legitimamente parte do mundo moderno.
Diálogo Sociologia/Antropologia desde década 30 (institucionalização CCSS)
Dicotomía Etnología indígena FEITA no Brasil e as investigações antropologicas SOBRE o Brasil.
´50s rótulo Antropologia designa pesquisa etnologica canônica em busca de alteridade radical e a "Fricção interétnica" (Sociedade Nacional com Sociología)
Ainda persiste Antropología feita NO/DO BRASIL. Exotismo = Diferença limite da apreensão antropologica.
(Tabus) o exotismo é a alteridade mais distante, remota e passível de apreensão em um determinado universo.
Noções explicitas de distância (territorial, cultura, social) estão presentes, mas a alteridade como DIFERENÇA ou como EXOTISMO divergem. Se todo exotismo é um tipo de diferença, nem toda diferença é exótica. + a ênfase na diferença tem como dimensão intrínseca a comparação; já a ênfase no exotismo dispensa contrastes.
A Antropologia nunca se definiu simplesmente pelo exotismo, embora até o meio do século, se visse como "aquele ramo dos estudios sociológicos que se devota primordialmente ás sociedades primitivas" (Evans-Pritchard, 1951)
Logo, Lévi-Strauss (1961) lembrou que o caráter específico da antropologia não estava no seu objeto empírico concreto mas, sim, naquela dimensão de diferença que sempre havia estado presente no estudo dos povos primitivos. Agora os desvios diferenciais podiam ser apreendidos civilizaçoões no occidente (Aldeia Crioula).
Lévi-Strauss no Brasil ´30, seu horizonte de pesquisa era o exotismo.
A pesquisa argumenta que os grupos indigenas representam o "exotismo possível" no Brasil, mas a alteridade não sendo dominantemente radical, prevalesceu a exigência de rigor teórico combinado á força moral que define a ciência Social coo comprometida e transformadora.
Florestan Fernandes (1961) critica duramente o empirismo da antropologia e seu descaso com questões de fundo teórico.
Vertentes de antropologia canônica e sociológica encontra resolução na noção da antropologia como CIÊNCIA SOCIAL. (Conhecimento e compromiso politico) (Difere de disciplinas vizinhas, e também as perguntas que elas fazen)
Nos últimos 30 anos a alteridade deslizou de um pólo onde ela é radical e outro onde nos mesmos, cientistas sociais, somo o Outro.
4 tipos ideais (a) Alteridade radical (b) Contato com a alteridade (c) alteridade próxima (alteridade mínima).

Alteridade Radical:
Procura canônica é ilustrada (geográfica/ideológica). Estudos de populações indígenas e ultrapassar os limites territoriais do país. [alteridade não é extrema]
en primero lugar pesquisas vinculadas a patentesco (Viveros de Castro, Laraia, Lima, outros), logo [década 80] Estructuralismo (Da Matta, Melatti), despois pesquisa onde não se colocasse questão da hegemonia (Vidal, Carneiro de Cunha, Seeger, outros).
As pesquisas são sempre realizadas em território brasileiro. Embora para os especialistas seja fortuito o fato de os grupos indígenas estarem situados no Brasil, o fato é que existem implicações políticas e ideológicas nessa localização.
Em outros casos, a alteridade radical é buscada fora do país. (pesquisas mais recentes)
Si alteridade radical consistiu em estudos de grupos indígenas, as análises que focalizam a relação da sociedade nacional com grupos indígenas constituem "contato com a alteridade"
Darcy Ribeiro (1957/1962) centrou o tema na direçaão do indigenismo que mais tarde Roberto Cardoso de Oliveira recebeu com a noçao de "Fricção internétnica" (1963)
(1998) Alcida Ramos parte da ideia de que o indigenismo está para o Brasil como o orientalismo está para o ocidente.
Estudos antropologicos do campesinato (década 60). Temas do colonialismo interno, camponeses e desenvolvimento do capitalismo (Velho 1972, 1976).
Na medida em que a alteridade deslizou em termos de localização, ela fechou o círculo e alcançou as periferias das grandes cidades. (Leite Lopes, 1976).
Desde os anos 60 antropologos no Brasil fazen pesquisa nas grandes cidades
Antropologia era vista como alternativa (marxista) aos desafios vindos da sociologia. >> "Ethos nacional." (Dif. com Antropologia dos Estados Unidos)
No estudo da alteridade proxima, a opçao teórica tem sido via predileta para se alcançar o objeto de estudo. (Escola de Chicago, G. Velho)
Pesquisar temas urbanos sensíveis. (exemplo: estilos de vida, consumo drogas, etc)
Da Matta estuda Carnaval (Ethos nacional), logo Gilberto Freyre. Muito Obrigado Desde os anos 80, antropologos deslancharam uma série de estudos sobre as CCSS no país, com propósito mais amplo de compreender a ciência como manifestação de modernidade.
Cardoso de oliveira e Ruben estudan diferentes estilos de antropologia, focalizado em experiências nacionais diversas. ("Antropologias periféricas")
Peirano questiona antropologia do Brasil (casos França e Alemanha) "Antropologia no plural" (Brasil, índia, EEUU) >> CCSS/ideología
nos estudos em que a alteridade é mínima (está localizada no próprio trabalho intelectual dos cientistas sociais) nota-se um traço marcante, a maioria destes estudos examina temas abrangentes relacionados a tradiçoes inteletuais ocidentais publicados em português (Audiencia limitada). Surge questao sobre o público desses trabalhos. Sociedade indiana caso similar a caso brasilero. Antropologos indianos som parte de uma sociedade que foi objeto de etnografías clásicas, mas que não abdica de voz própria.
Relaçao (a) entre pesquisadores "insider", os vindos de fora e o grupo estudado, e (b) a relaçao entre o pesquisador, o agente financiador e o grupo estudado.
Hoje (1995) diálogos som (a) com as tradiçoes ocidentais de Scholarship na disciplina, (b) com o cientista social indiano, e (c) com o nativo, cuja voz está presente tanto como informaçao obtida na pesquisa com nos textos escritos da tradiçao.
Antropologia Indiana avalia e refina o discurso antropologico e o conhecimento sobre a sociedade do pesquisador. A alteridade raramente é descompromissada e os aspectos "interessados" sao muitas vezez expliticos.
A antropologia e a sociologia separam-se, em um processo ao meso tempo politico, institucional e conceitual, onde e quando se favorecem especializaçoes (quando processo de construçao nacional avança historicamente).
No brasil dos anos 30 a CCSS foi adotada para pover uma abordagem científica ao projeto de nova naçao.
´30 aos ´50, por SOCIOLOGIA se entendia o leque das CCSS que hoje concebemos como independentes, mas gestava-se uma sociologia "feita no Brasil"
Antropologia apropria de temas sociologicos, só que agora sob a olhar da diferença, social e/ou cultural.
En termos de exotismo, a diferença chama a atençao quando procura-se alteridade no Brasil.
En termos políticos, ideário de construçao nacional.
En termos teóricos, parte do ocidente, mas não falando uma língua internacional, a dimensao teórica assume um papel crítico como o caminho nobre para a modernidade.
Full transcript