Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Teoria geral dos Sistemas: e-commerce

No description
by

Railana Santana

on 25 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Teoria geral dos Sistemas: e-commerce

E-commerce
Aspectos gerais e números
Componentes
David Bittencourt , Eudes Pereira
Felipe Sousa, Gabriel Lima, Jonathas Santana, Luan Silva, Luana Machado, Lucas Silva,
Miller Rocha, Nerival Neri,
Railana Santana e Tainá Santos

DEFINIÇÃO
PURO X PARCIAL
ESTRUTURA
CLASSIFICAÇÃO
B2B
B2C
C2B
C2C
MERCADO VIRTUAL
TIPOS DE MERCADOS
TENDÊNCIAS DE E-COMMERCE
SOCIAL COMMERCE
MOBILE COMMERCE
TV COMMERCE
ME MOVE
OMNI CHANNEL
GAMIFICATION
PAGAMENTO MOVEL
SEO - BEACONS - NFC
NOVO CARRO
AS PRIMEIRAS FORMAS DE TROCA
AS PRIMEIRAS MOEDAS
ESTATÍSTICAS
SALT
ELECTRON - A MOEDA NOBRE
BRASIL
AMÉRICA LATINA
MUNDO
O IMPACTO DAS POLIS E GRANDES NAVEGAÇÕES
O PAPEL DO ESTADO
Vale
1
Vale
1
VANTAGENS E IMPACTOS
REVER PROCESSOS
DIMINUIR CUSTOS
AUMENTAR VANTAGEM
HSTÓRIA DO E-COMMERCE
CARACTERÍSTICA
OS PRECURSORES
SURGIMENTO DA WWW
TENDÊNCIAS E PAPEL DO CONSUMIDOR
A HISTÓRIA DO COMÉRCIO
Surgimento e evolução do e-commerce
Início nos Estados Unidos
Empresas realizam primeiras transações eletrônias através do EDI (Eletronic Data Interchange)
Anos 60
1991
Avanço na Internet com a criação do WWW (World Wild Web) possibilitando acesso a todos.
1995
As pioneiras no
e-commerce
Ebay e Amazon.com
iniciam suas
vendas
online.
1995 -
dias atuais
Aprimoramento dos meios de pagamentos
Compra e venda por smartphones e tablets
Antecedentes
www
AS PRIMEIRAS FORMAS DE TROCA
O comercio sempre existiu desde que surgiram as sociedades.
Árabes
Fenícios
Assírios
Babilônicos
E-Business:
NEGÓCIO
ELETRÔNICO
Negócio Eletrônico (ou E-Business) é a extensão do Comércio Eletrônico. Engloba também o relacionamento e atividades de colaboração com clientes, com fornecedores e transações eletrônicas gerais dentro das organizações, essencialmente executados por sistemas computacionais.
ACESSO A NOVOS MERCADOS;

MELHORA DO ATENDIMENTO AO CLIENTE;

DIFERENÇA ENTRE A SOBREVIVÊNCIA E A FALÊNCIA;

REDUZ CUSTOS;

AJUDA NA INTEGRAÇÃO ENTRE EMPRESAS;

É MAIS UM CANAL DE VENDAS.
VANTAGENS
99% das empresas no Brasil são compostas de MPMEs;
97.8% são micro empresas com até 4 pessoas e 70% duram no máximo até 7 anos;
Em 2010, 58% das empresas de pequeno porte fecharam as portas antes de completar cinco anos;
A grande maioria vão à falência por motivos de falta de clientes (29%), capital (21%), concorrência (5%), burocracia e os impostos (7%);
No Brasil, 80% MPMEs das empresas não têm sequer um website.

Porque se interessar por e-business?
O primeiro semestre de 2013 rendeu números positivos para o comércio eletrônico brasileiro, que cresceu, nominalmente, 24%, em relação ao mesmo período de 2012, chegando a um faturamento de R$ 12,74 bilhões.
A categoria "Moda & Acessórios", que já vinha ganhando posições no ranking das mais vendidas, se consolidou na primeira posição (13,7%). "Eletrodomésticos" ficou em segundo lugar (12,3%), seguida por "Cosméticos e Perfumaria/Cuidados Pessoais/Saúde" (12,2%), "Informática" (9%) e "Livros/Assinaturas e Revistas" (8,9%)
O e-business não é, suficientemente, o remédio para curar a não pró- atividade das empresas no âmbito empresarial.
O e-business é uma estratégia e não é econômico adotá-la. Portanto, cabe a cada empresa decidir o momento adequado para ela.

B2E
G2C
Business-to-business (B2B)
“De empresa para empresa”

Associado a operações de compra e venda, de informações, de produtos e de serviços através da Internet ou através da utilização de redes privadas partilhadas entre duas empresas, substituindo assim os processos físicos que envolvem as transações comerciais.
Principais atividades:
Controle do fluxo de informações;
Criação de programas que realizarão tarefas específicas das empresas;
Trazer parceiros não só comerciais em conjunto, mas também concorrentes;
A ideia por trás destes mercados é a partilha de informações;
Aumento da colaboração e oferecimento um maior valor para os acionistas das empresas;
Os concorrentes trabalham em conjunto com outros concorrentes para determinar a procura do mercado, aumentando a eficiência em toda a cadeia de fornecimento.
Reduz os custos operacionais ou até mesmo acaba com as comissões de intermediação;
Requisitos:
Integração e colaboração de orientação;
Funcionalidade;
Escalabilidade / disponibilidade;
Segurança;
Privacidade;
Conteúdo / catálogo de gestão.

Desafios na mplementação iniciativa B2B
Segurança;
Integração de sistemas;
Redes de capacidades;
Gestão de conteúdo;
Recuperação de backups;
Gestão da Mudança;
Normas legais e regulamentares;
Atitude do consumidor;
O que é B2C ?
(Business-to-consumer)
Desafios na iniciativa de implementação do B2C
VANTAGENS X DESVANTAGENS Implementação do B2C
Leilões e Lojas Online

Leilões Online
O que é o comércio C2C ?
Informações sobre o C2C
Vantagens do C2C
Exemplos de C2C
E-government
Visão geral:

Aplicação da tecnologia da informação de do CE ao processo de governar.

Categorias:
Government-to-citizens (G2C);
Government-to-business (G2B);
Government-to-government (G2G);
Government-to-employees (G2E);
Government-to-citizens (G2C)
São todas as interações entre um governo e seus cidadãos que possam ocorrer eletronicamente.
A ideia básica é possibilitar aos cidadãos uma interação com o governo a partir de suas casas.

Government-to-business (G2B)
Refere-se ao e-commerce no qual o governo vende a empresas e lhes presta serviços, bem como as empresas vendem produtos e serviços ao governo.

Governo-empresa Empresa-governo
Government-to-Government (G2G)
Abrange todas as atividades CE intragovernamentais.

Government-to-Employees (G2E)
As aplicações desta categoria podem ser especialmente úteis para uma comunicação eficiente entre funcionários de orgãos públicos.

Mercado eletrônico
(e-marketplace ou exchanges)
É uma rede de interações e relacionamentos em que se desenvolve um intercâmbio de informações, produtos e pagamentos.
O mercado eletrônico cuida de todas as transações necessárias à sua finalidade, inclusive transferência de dinheiro.
Os mercados eletrônicos admitem transações B2B, centradas em empresas e B2B.
Tipos de mercados eletrônicos
Mercados Eletrônicos Públicos
- São mercados de propriedade e desenvolvimento independente, frequentemente fundados por investidores de capital de risco.
Mercados Eletrônicos Patrocinados por Indústrias
- São mercados de propriedade e desenvolvimento conjunto por duas ou mais empresas, pertencentes a uma mesma indústria.
Mercados Eletrônicos Privados
- São mercados de propriedade de uma empresa que usa o mercado para se relacionar com os seus fornecedores. O nome do mercado está normalmente associado ao nome da empresa ou a sua marca principal.

E-COMMERCE INTRABUSINESS E EMPRESA-FUNCIONÁRIO (B2E)
A atividade de comércio eletrônico executada dentro de uma organização é denominada CE intrabusiness.
O CE intrabusiness pode ser executado:
Entre a empresa e seus funcionários;
Entre unidades dentro da empresa;
Entre funcionários da mesma empresa;
CE EMPRESA-FUNCIONÁRIO
O CE intrabusiness no qual uma organização fornece produtos ou serviços a seus funcionários é denominado empresa-funionário (business-to-employee, B2E).
As seguintes situações, por exemplo, tornam-se possíveis com o uso do B2E:
O treinamento e a instrução são ministrados por intranets.
Os funcionários fazem pedidos de suprimentos e materiais necessários para seu trabalho eletronicamente.
Pela intranet corporativa, os funcionários podem comprar, com desconto, seguros, pacotes de viagem e entradas em eventos.
Empresas divulgam informações para seus funcionários pela intranet.

M-Commerce
Mobile Commerce, ou m-commerce é toda e qualquer operação que envolva a transferência de propriedade ou de direitos de utilização de bens e serviços, que é iniciado e / ou concluído com a utilização de dispositivos móveis.

Comércio Movel no Brasil
Brasil já é o quinto
maior mercado em m-commerce.
O m-commerce é cada vez mais tendência no mundo do comércio virtual brasileiro.
A facilidade em comprar qualquer tipo de produto ou serviço sem sair de casa.
As redes sociais, são uma das principais aliadas do m-commerce.
Desafios do m-commerce no Brasil
Os desafios para o mercado móvel no Brasil são problemas primários de estrutura.
Segundo Fábio Barbosa, co-fundador da MundiPagg, o primeiro grande ponto é que a maioria das lojas virtuais ainda não focou em criar um site ou aplicativo móvel.

Mobile marketing e publicidade
No contexto do comércio móvel, mobile marketing se refere ao marketing enviado para dispositivos móveis.
Intranet
É uma rede corporativa que utiliza as mesmas tecnologias que vemos na Internet: protocolo TCP/IP, DNS, páginas Web, FTP, e-mail, etc. Porém tudo restrito à rede da empresa.
Funcionalidades da Intranet
Acesso a banco de dados
Ferramentas de busca baseadas em palavras-chave
Ferramentas de comunicação interativa, como bate-papo, suporte de áudio e videoconferência
Groupware (estrutura de software colaborativo: suporte de grupo, e-mail aperfeiçoado, apinéis de notícias
Conduíte para sistema de telefonia baseado em computador
Como melhorar?
Ligação entre filiais, clientes e fornecedores dispersos geograficamente
Redução de custos e desperdícios
Aumento de produtividade
Aprimora o atendimento ao cliente.
E-Learning
E-learning é uma modalidade de ensino a distância que possibilita a auto-aprendizagem, com a mediação de recursos didáticos siste-maticamente organizados, apresentados em diferentes suportes tecnológicos de informação, utilizados isoladamente ou combinados, e veiculado através da internet.
E-Learning outros nomes
Web training, web education, educação à distância via internet, ensino controlado por tecnologia, ensino dirigido por computador etc..

E-Learning
na CISCO
O problema:
Produtos continuamente atualizados ou substituídos;
Treinar intensamente funcionários e clientes;
Treinamento tradicional imperfeito, caro e ineficaz;
Quantidade reduzida de treinamentos entre 6 e 10 vezes por ano.
A solução:
Fácil acesso a ferramentas;
Fazer de métrica para medir desempenho;
Ser parte obrigatória do trabalho;
Oferecimento de incentivos e recompensas;
Acompanhar, gerenciar e assegurar seu
desenvolvimento.
E-Learning
na CISCO
E-Learning
na CISCO
Resultados
Em 2001:
10 mil vendedores
150 mil funcionários de parceiros
200 mil estudantes independentes
Treinados nas centrais de aprendizados
Full transcript