Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Rodrigo Alvarenga

on 24 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

ORIGEM E EVOLUÇÃO
UNIVERSIDADE
Até o séc. XI - escolas Monásticas
- sede do saber da época
- exclusivas aos clérigos
- instituições religiosas fora do contexto
- defensores da fé
- presas aos dogmas
UNIVERSIDADE – origem
UNIVERSIDADE – origem

- Conhecimento em ritmo crescente


- Necessidade de respostas


- Necessidade de profissionais


- Busca dos jovens pelo saber
UNIVERSIDADE – origem
Urbanização na Europa Ocidental
A cidade torna-se pólo:

- Econômico
- Político
- Cultural
- Religioso
NASCE A UNIVERSIDADE


1. Bolonha – 1150 (?)
2. Oxford – 1167 (?)
3. Cambridge - 1209
3. Paris – (Sorbonne) 1214
4. Coimbra - 1290
5. Nápoles - 1220
6. Pádua – 1228
“ Por sua vocação, a Universitas magistrorum et scholarium consagra-se à investigação, ao ensino e à formação dos estudantes, LIVREMENTE reunidos com seus mestres no mesmo saber"
(Papa Alexandre IV, em carta à Universidade de Paris, 14 de abril de 1255)
UNIVERSIDADES
CATÓLICAS
EX CORDE ECCLESIAE
IGREJA – mãe da universidade

Conceito de universidade:

- comunidade de mestres e discípulos irmanados na busca da verdade.
- lugar de sistematização, difusão e produção do conhecimento.

O desenvolvimento é fruto do conhecimento. É preciso aumentar a inserção da ciência no cotidiano da vida das pessoas.
Universidade e desenvolvimento social
Escolástica: ensino proporcionado pela
universidade.

Grandes textos

1. Leitura do texto – lectio
2. Colocação do problema – questio
3. Discussão e debate – disputatio
4. Solução do problema - determinatio
CRESCIMENTO E LIBERDADE
Alberto Magno (1260) Univ. de Paris


= uso da metodologia científica
= conhecimento só pode ser adquirido mediante a observação
= patrono das ciências naturais
= mestre de Sto. Tomás de Aquino
Unir, numa síntese sólida, a teologia natural e a teologia revelada, fazendo confluir todos os conhecimentos racionais e da fé como elementos de um único sistema intelectual.


O que se vai impor é o separatismo filosófico da razão e da fé, da filosofia e da teologia.
FIM DO SONHO DO SÉCULO XIII
MODELO EUROPEU:
SÉC. XIX
HUMBOLTIANA (Alemanha)


NAPOLEÔNICA (França)


LOUVAIN (Bélgica)


 
MODELO HUMBOLTIANA
Wilhelm Von HUMBOLDT
Linguista e educador prussiano;
Fundador da Universidade de Berlin (1808)
Estudaram nessa universidade: Fichte, Schleiermacher, Hegel, Schopenhauer, Schelling, Einstein, Max Planck, Karl Marx, Engels, Bismarck...
UNIVERSIDADE HUMBOLDT
MODELO HUMBOLTIANA
Wilhelm Von HUMBOLDT

Alicerçada na UNIDADE entre pesquisa e ensino;
Busca-se a FORMAÇÃO por meio da PESQUISA;


“a pesquisa ao lado do ensino é a função primordial da universidade (...) o trabalho científico deve ser livre de qualquer tipo de injunção (...) e é solitário na sua essência” (Humboldt).
MODELO HUMBOLTIANA
Wilhelm Von HUMBOLDT
- FORMAÇÃO PROFISSIONAL: cult. geral + humana + filosófica;

- Com plena AUTONOMIA: liberdade de aprender e de ensinar

- HOMENS DE CIÊNCIA: não devem vincular-se com a prática política;

- ESTADO: sem interferência na ideologia e na pedagogia;
NAZISMO: MUDANÇAS
Diminuição da autonomia e da liberdade acadêmica;
Fim da neutralidade acadêmica;
1/3 do corpo docente foi cassado;
Intelectuais vinculam-se à política;

NOVOS RUMOS:

Voltaram-se em direção ao pragmatismo norte-americano;
Formação: para a prática profissional, o utilitarismo e a especialização;
Objetivo: atender aos interesses da sociedade industrial e produtiva;
Ênfase: na racionalização e na fragmentação do trabalho intelectual;
NOS PRIMEIROS 32 ANOS DO PRÊMIO NOBEL (1901/32), A
ALEMANHA GANHOU UM TERÇO DE TODOS OS PRÊMIOS
EM CIÊNCIA, 33 EM 100, A GRÃ-BRETANHA, 18 E OS EUA, 6
LAUREADOS: 25% judeus
POPULAÇÃO JUDAICA: 1% do povo alemão
LIDERANÇA CIENTÍFICA ALEMÃ
PRÉ-NAZISMO
LIDERANÇA CIENTÍFICA ALEMÃ
BRASIL - USP - 1934
Modelo humboltiana

Importância da Filosofia;
Ênfase na formação geral, científica e humanista;
Ênfase na totalidade e na universalidade do saber;
Unidade entre ensino e pesquisa na investigação científica;

“Promover pela pesquisa o progresso da ciência (...) somente por seus institutos de investigação científica de altos estudos, de cultura livre, desinteressada, pode uma nação moderna adquirir a consciência de si mesma, de seus recursos e de seus destinos “.
(Decreto de fundação - Nº 6.283 de 25/01/1934).
MODELO NAPOLEÔNICO
Universidade Imperial - 1806
Em 1793, 15 Universidades foram abolidas pela revolução acusadas de participar do Antigo Regime e da Aristocracia;
Criaram-se as “GRANDES ESCOLAS” no lugar das Universidades.
Em 1794: Escola Politécnica, Escola Superior;
Em 1802: Escola de Artilharia e Escola de Engenharia...
Em 1806: Napoleão criou a “Universidade Imperial”
MODELO NAPOLEÔNICO
Universidade Imperial - 1806
Trata-se de uma “anti-universidade”;
A universidade sob controle do Estado;
Divisão em faculdades compartimentalizadas;
Objetivo: ensino público para “todos” mas padronizado(estado);
Busca-se uniformizar todo o país;
Dois tipos de escolas: 1º preparar as grandes personalidades
2º preparar professores, médicos...
MODELO NAPOLEÔNICO
Universidade Imperial - 1806
CARACTERÍSTICAS:

Preparar indivíduos para servir ao projeto da nação;
Formação especializada e profissionalizante (professores, médicos, juristas....)
A tarefa maior da Universidade é ensinar e não pesquisar
“Grandes Escolas”: formação profissional e “pesquisa”;
Isolamento de cada escola (sem nenhuma unidade);
Preocupação nacionalista, pragmática voltada para os problemas econômicos, políticos e sociais;
O modelo por “Escolas” é assumido pelo mundo europeu;
BRASIL - UP (1912) e URJ (1920)
Modelo Napoleônico
Atender os interesses do estado: aparelho ideológico
Preocupação do estado em formar uma nação;
Estreita relação: corporação universitária com o estado;
Poder exacerbado ao professor catedrático;
Conglomerado de faculdades (isoladas e com vida própria)
Prioridade na formação profissional e técnica;
“Uma Universidade para ensinar”;
MODELO LOUVAIN
Bélgica - 1834
CARACTERÍSTICAS:

A educação era uma tarefa da família e da Igreja;
O estado: poderia educar sob os princípios da doutrina católica;
A filosofia: deveria controlar as investidas desenfreadas das Ciências, porque somente ela era portadora da visão universalista, e de totalidade (onde se encontram as verdades religiosas);
Humanismo teocêntrico;
UNIVERSIDADE NO BRASIL
UNIVERSIDADE NO BRASIL
1892 - ROCHA POMBO
- Tentativa de fundar a 1ª Universidade no PR
- Modelo Humboltiano: ensino e pesquisa
associada à formação humanística – filosofia
- Fracassou a tentativa

1912 - VITOR F. DO AMARAL e NILO CAIRO
- Modelo napoleônico: utilitarista
- Cursos ligados à medicina, engenharia e
direito
- Ausência de formação humanista
UNIVERSIDADE NO PARANÁ

. 1929 - Ensino de Filosofia – Círculo de Estudos Bandeirantes

. 1938 - Criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
Presença dos Maristas
Modelo da Universidade de Louvain

. 1946 - Recuperação do status de universidade das faculdades de
Medicina, Direito e Engenharia.
“Doação” da Faculdade de Filosofia Católica

. 1950 - Federalização da Universidade do Paraná

. 1959 - Fundação da atual PUCPR (Modelo Louvain + Napoleônico)
UNIVERSIDADE NO PARANÁ
Até 2000: Humanidades (fragmentadas);


2000: Eixo Humanístico


2012- 2022: Excelência Acadêmica
A FORMAÇÃO NA PUCPR:
Profissional e humana
Full transcript