Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Antígona - Sófocles

No description
by

Gabriella Camargo

on 23 January 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Antígona - Sófocles

Antígona - Sófocles
Sobre o autor
Análise da obra
Análise Crítica
Biografia
Características

Sófocles não filosofa nem especula sobre os problemas mais profundos da vida. Seus personagens principais, embora sujeitos a falhas humanas, são heróicos e afetados por motivos superiores. Talvez tenha sido o que ele quis expressar quando disse (segundo Aristóteles), que
mostrava as pessoas como elas deviam ser
, enquanto Eurípides as mostrava como elas eram.

Principais obras
Sófocles escreveu aproximadamente 120 peças, porém apenas 7 sobreviveram até nossos dias:

- Ajax
-
Antígona
- As Traquíneas
- Édipo Rei
- Electra
- Filoctetes
- Édipo em Colono
Fenômenos Estilísticos
A
maneira dramática

Tem-se a ausência do narrador; Autonomia do personagem; Ação representada pela personagem – havendo então a presença de expectador; Ação dramática com representação da mimeses; Representação da ação resultando na tensão dramática.
Fenômenos Estilísticos
As
unidades

Visa a “concentração” voltada para o desfecho, as ações são condensadas. É apresentado somente o que realmente importa afim de tudo se direcionar para o fim.
Análise estrutural

Após uma briga seguida de mortes entre os irmãos de Antígona, Eteócles e Polinices, Creonte, o rei de Tebas, proíbe que um deles seja sepultado, ordenando que o corpo apodreça com o tempo. Antígona, não aceita deixar o corpo de um de seus irmãos abandonado e desafia o tio Creonte. Ela decide enterrar o irmão independentemente da ordem do tio. Apesar de Creonte querer fazê-la desistir, Antígona mantem sua atitude de rebeldia à opressão do estado e acaba sacrificando sua própria vida.
Análise Estrutural
O tempo
Fortuna Crítica
Fortuna Crítica
Fortuna Crítica
Universidade Federal de Goiás - Campus Catalão
Profª Drª: Maria Imaculada Cavalcante
Alunas: Gabriella Cristina Vaz Camargo
Pabrícia Abadia Pereira Félix

Departamento de Letras
Janeiro/2014

"Os males mais terríveis são aqueles que cada um faz a si próprio."
"O pior não é morrer, mas ter de desejar a morte e não conseguir obtê-la."
"Ninguém ama tanto a vida como o homem que está a envelhecer."
Sófocles
Nasceu em Colono, perto de Atenas, por volta de 495 a.C e morreu em 406 a.C.

Foi um importante dramaturgo Grego, juntamente com Ésquilo e Eurípedes.

Aos 28 anos de idade, participou de um concurso de arte dramática, em que venceu Ésquilo. Porém, foi derrotado, num concurso realizado em 441 a.C por Eurípedes.
As personagens
O Espaço e ambiente
Antígona
Função: Principal
Tipologia: Redonda

Creonte
Função: Antagonista
Tipologia: Redonda






Tempo cronológico
O texto obedece a uma sequência cronológica de acontecimentos.

Temporalidade da Narrativa
Sincronia: Ínicio, meio e fim.

Isocronia: Cenas dialogadas.
Concentração

O texto dramático possui uma preocupação em tudo se direcionar para o fim; ocorrendo uma “supressão nos excessos”, afim de globalizar o leitor acerca da história; Ocorre uma restrição quanto ao tempo e ao espaço devido a tudo ser feito rapidamente .
O
diálogo

É a fala dos personagens ao decorrer da história.

O


A atuação inicial é destruída para desencadear a ação. No caso de "Antígona" a partir do momento que ela se torna determinada a enterrar o irmão.

Resumo da obra
Fenômenos Estilísticos
Peripécia


Mudança de ação ,provoca uma reviravolta no texto. Em "Antígona" é quando Creonte conta a Antígona que não sabe qual dos seus irmãos fora deixado para se decompor sem que o enterrasse.

Clímax

O ponto culminante do conflito que leva ao desfecho. Acontece um pouco antes do final. 

Personagens secundários e planos:
O Coro
O guarda
Hemom
Ismênina
A ama
O mensageiro
Os demais guardas
(O pajem).
Espaço
1. físico ou dimensional: "[...] O jardim ainda estava dormindo". "Uma terrível notícia. Tinham acabado de colocar Antígona no buraco" . "Seus cabelos brancos se destacavam na sombra, no buraco fundo". "

Ambiente
2. fatores artificiais: "Vamos ao
Bar da Quebrada
, lá o tinto é bom". "[...] a gente enche a cara como manda o figurino e depois vai ao
Palácio
". "
Tebas
precisa mais disso do que de sua morte. Você vai voltar para seu
quarto
imediatamente [...]".
Novas reescrituras do Dramático em meio a segunda guerra Mundial e o interesse pelo trágico nos dias atuais – as novas reescrituras de Antígona no teatro moderno.
[...] O trágico é compreendido como forma de apreensão do mundo, como um modo de percepção da relação entre homem e mundo, podendo, portanto, manifestar-se em qualquer gênero literário e forma dramática [...] (PASCOLATI, 2005, p.2).
[...]A tragédia não pode ser compreendida fora do contexto histórico de seu surgimento: o mundo grego do século V a.C. marcado por uma forte crise de valores [...].(PASCOLATI, 2005, p.2)
Quando o teatro traz novamente a tona a tragédia clássica faz com que “resgate” aos mitos existentes no mundo grego por volta do século V a.c. estabelecendo uma relação entre tempos distantes com diferentes valores do mundo modernos, expondo as divergências entre eles.

[...]Anouilh e Brecht resgatam o mito de Antígona estimulados pelo mesmo contexto histórico: ambos os autores vivem a Segunda Guerra e traduzem essa experiência esteticamente por meio da reescritura do texto sofocliano; ambos protestam contra a barbárie que toma conta do mundo. Todavia, considerando a condição da França de país invadido, a Antígona de Anouilh pode ser lida como símbolo da resistência à ocupação alemã; já a heroína brechtiana torna-se uma voz de denúncia das arbitrariedades cometidas por Hitler. Vistos conjuntamente, os textos configuram perspectivas complementares acerca de um episódio violento da história ocidental.[...]. (PASCOLATI, 2005, p.5)
[...]O que em Anouilh representa uma questão individual de afirmação da liberdade, em Brecht alcança dimensão coletiva, assim como a dimensão política é acentuada. Antígona torna-se a porta-voz do povo[...]. (PASCOLATI, 2005, p. 9)
1. Apresentação: Como no texto dramático
faz-se o uso das "rubricas", neste momento elas são usadas para a apresentação da história, dos personagens, o espaço, o ambiente. Além do "Prólogo".
2. Complicação: Os conflitos começam a surgir
quando Antígona decide desobedecer o tio e enterrar seu irmão.
4. Clímax: Momento que Creonte descobre que Antígona é quem está desobecendo suas ordens. O encontro dos dois. O diálogo.

"
Creonte
: Você sabia o destino que foi prometido àquele, quem quer que fosse, que ousasse prestar-lhe as honras fúnebres?
Antígona
: Sabia."

4. Epílogo: O momento final, quando Antígona suicida-se e em seguida Hemom. Por ser uma tragédia o final é sempre "trágico".
Referências Bibliográficas
SÓFOCLES - Biografia, teatro grego, obras principais, cultura grega, vida do dramaturgo grego. Disponível em: http://www.suapesquisa.com/biografias/sofocles.htm. Acesso em: 12 jan. 2014.

SÓFOCLES Biografia. Disponível em: http://educacao.uol.com.br/biografias/sofocles.jhtm. Acesso em: 12 jan. 2014.

BIOGRAFÍA DE SÓFOCLES. Disponível em: http://www.biografica.info/biografia-de-sofocles-2288. Acesso em: 12 jan. 2014.

PASCOLATI, Sônia Aparecida Vido.
Reescrituras de
Antígona
e facetas modernas do trágico
. Paraná: Londrina, 2005. p. 1-12.


SOARES, Angélica. O texto, a teoria.
Gêneros literários
. São Paulo: Ática, 1993, p. 23-70.

PIRES, Orlando. Manuel da teoria literária. RJ: Presença, 1985, p. 127-156.

CUNHA, Helena Parente. Os gêneros literários. In: ______ et al.
Teoria literária
. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975, p. 93-130.
Full transcript