Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

TRATAMENTO DA DOR

No description
by

jose afonso

on 27 February 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of TRATAMENTO DA DOR

TRATAMENTO DA DOR
Até a décadade 60 se achava que a dor era um processo inevitável...
OPIÓIDES
ANALGÉSICOS NÃO OPIÓIDES
Um processo inflamatório
Mecanismos
periféricos
NOCICEPÇÃO
DOR
SOFRIMENTO
COMPORTAMENTO DOLOROSO
A teoria de Controle do
Portão de Melzack e Wall
surgida em 1965 trouxe a
ideia de transmissão
ascendente das sensações
e controle descendente do encéfalo...
Porém essa teoria não explicava como
que o sistema nervoso muda a longo
prazo a fim de modular um processo doloroso...
NOCICEPÇÃO
DOR
SOFRIMENTO
COMPORTAMENTO DOLOROSO
DETECÇÃO DE LESÃO
DESENCADEADA POR LESÕES OU
DOENÇAS
RESPOSTA NEGATIVA DE DIVERSOS
FATORES: DOR, MEDO, ESTRESSE,
PERDAS
ATITUDES OU POSTURAS QUE VISAM
DIMINUIR O DESCONFORTO
DOR
AGUDA
(Dor rápida, em pontada, dor elétrica ...)
Causa definida e curso temporal (neurogênica)
É sentida ~ 0,1s após a aplicação do estímulo doloroso. Sinais de dor são transmitidos pelos nervos periféricos até a medula espinhal por fibras A. Velocidade entre 6 e 30m/s.

CRÔNICA
Nocireceptores
altamente
excitáveis
Estimulo
térmico,
químico, mecânico...
Diferentes estimulos envolvem diferentes nocireptores
O sinal produzido pelos nocireceptores
é enviado através das fibras A e C até a medula numa velocidade de 2,5 - 20m seg
A resposta inflamatória oriunda
de um processo lesivo, libera
substâncias que aumentam
a sensibilidade dos nocireceptores
e aumentam essa transmissão.
A inflamação ativa fibras chamadas silentes, muito reativas, mas que não respondem a fatores mecânicos ou térmicos, só em presença de processos inflamatórios.
Existe o processo de modulação,
feito pelos receptores opióides que estão presentes nas terminações nervosas e diminuem a excitabilidade dos nocireceptores, bem como liberação de substâncias relacionadas.
Os ligantes internos dos receptores opióides são:
ENDORFINAS, ENCEFALINAS E DINORFINAS

Encontradas em células inflamatórias, como linfócitos T e B, monócitos e macrófagos.
= ANALGESIA
Obs: Uma dor continua, aumenta o número de receptores opióides.
Lâminas onde
ligam-se as sinapses
aferentes.
A lâmina I faz sinapse
com a lâmina II que
tem função inibitória.
Dessa região é dirigido
para a lâmina V.
Depois de ser passada pela lâmina V o sinal cruza a linha média e se dirige ao tálamo.
Inibição no cérebro:
GABA
Dopamina
Acetilcolina
Serotonina
Noradrenalina
Inibição no Hipotálamo:
Endorfinas
Inibição no tronco encefálico:
Encefalinas, noradrenalina,
dopamina, histamina, neurotensina,
serotonina, substância P, calcitonina,
glutamato, aspartato.
“A DOR É UMA EXPERIÊNCIA SENSORIAL E EMOCIONAL
DESAGRADÁVEL ASSOCIADA A DANOS POTENCIAIS OU PRÉ EXISTENTES AOS TECIDOS.” (IASP)

A DOR APRESENTA 2 COMPONENTES:

SENSAÇÃO DOLOROSA OU NOCICEPÇÃO
+
REATIVIDADE EMOCIONAL A DOR

"Evitamos a dor antes mesmo de senti-la"
REFLEXO
(Dor lenta, em queimação, dor pulsátil ...)
Ainda não se sabe qual função biológica pode ser atribuída à ela. Começa após 1s ou mais, da aplicação do estímulo doloroso e pode persistir por muito tempo. Sinais de dor são transmitidos pelos nervos periféricos até a medula espinhal por fibras C. Velocidade entre 0,5 e 2m/s
Tratamento da dor
OPIÓIDES
AINEs
GLICOCORTICÓIDES
OUTROS FÁRMACOS

Neurolíticos, Anestésicos,
Coadjuvantes = Ansiolíticos,
Antidepressivos, Relaxantes Musculares
MEDIDAS NÃO MEDICAMENTOSAS
Pscicológicas
Fisioterapêuticas
Neurocirúrgicas
Outras
Normalmente se inicia:
Analgésicos não-opióides
Analgésicos não-opióides + Opióides
Opióides
Utilização de outros manejos antes
dos opióides.
Papoula
Substâncias que produzem o mesmo
efeito da morfina, sintéticas ou naturais
µ1 (analgesia),
µ2 (depressão respiratória),
µ3 dentro outros

Sistema límbico (amígdala e hipotálamo);
Tálamo medial e lateral e área postrema
(zona de gatilho quimiorreceptora/náusea
e êmese);
Núcleo do trato solitário (centro da tosse);
Medula Espinhal (substância gelatinosa);
Periferia;
Células imunitárias.

LOCAIS DOS RECEPTORES OPIÓIDES
Análogos da morfina:

Agonistas: (codeína / Tylex, Paco, Codex)
Agonistas parciais: (nalorfina / Nalorfina, levanorfan)
Antagonistas: (naloxona / Narcan)

Derivados sintéticos com estrutura não-relacionadas
com a da morfina:

Série da fenilpiperidina (petidina /Dolantina, fentanil / Fentanil), Série da metadona (metadona / Metadon, Mytedon, Tramadol / Tramadol, Revange, dextropropoxifeno/ Algafan)

O tratamento tem 2 objeticos básicos: Aliviar a dor e Retardar ou interromper o processo responsável pela lesão tecidual.
O tratamento da dor
Gera mediadores endógenos = Autacóides responsáveis pelo estimulo da dor e sintomas da inflamação
Os antiinflamatórios atuam inibindo essas substâncias
Dentre elas as "prostaglandinas"
Não seletivos:
Aspirina (altas doses)
indometacina
piroxicam
diclofenaco
ibuprofeno


200X mais
antiinflamatória
Seletivos
para Cox- 2:
Meloxicam
Etorolaco
Nimesulida
Celocoxib
Seletivo
para cox-1:
Aspirina

Lesão
Produção de Cox
Dor
Edema
Sensibilidade
Necrose
GLICOCORTICÓIDES
Eles inibem manifestações tanto iniciais quanto tardias da inflamação, isto é, não apenas a vermelhidão, o calor, a dor e o edema iniciais, mas também os estágios posteriores de cicatrização e reparo de feridas e reações proliferativas observadas na inflamação crônica.
INIBEM A CASCATA DA INFLAMAÇÃO DESDE O INÍCIO
. Reposição
> Danos na supra-renal
. Terapia antiinflamatória e imunosupressora
> Asma > Inflamação nos olhos, pele, ouvidos
e nariz.
. Reações alérgicas
. Doenças auto-imunes
> Lupus > Artrite reumatóide > Transplante
. Edema cerebral, coadjuvante e, alguns
tratamento para o câncer
. Choques e hipercalcemia
Efeitos adversos:
Osteoporose
Imunosupressão
Hiperglicemia
Hipertensão
Diminuição do crescimento
Síndrome de Cushing
(Carcinoma na hipófise)
Aumenta liberação
de glicose pelo fígado
Diminui a vasodilatação
A hipófise diminui a liberação de hormônios endógenos
Diminui a produção celular
e liberação de IgG

Aumenta a excreção urinária de cálcio
aumentando a reabsorção óssea
O hipotálamo envia o sinal
para a glândula pituitária
Esta, secreta ACTH
que mobiliza a supra-renal
a produzir cortisol
Alguns dos efeitos: regular a glicose
aumento de gordura, atacar infecções
Fundamento da utilização de
antidepressivos no tratamento da dor
Antidepressivos tricíclicos
Inibidores da recaptação de serotonina
Inibidores da MAO
Cox - 3 = recentemento descoberta é inibida pelo paracetamol e dipirona.
O conhecimento do ópio remota a pré-história

Cápsula e fórmulas contendo o ópio foram encontradas em vilas do período neolítico na região da Suiça.

O cultivo da papoula da planta remota 5.000 anos e no ideograma das antigas civilizações era conhecida como "planta da alegria".

Papaver somniferum
Tópico/ocular
Assoc.
Oral
Injetável
...
Inalatório
Full transcript